quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Cassini aninhando-se para sempre no corpo de Saturno, em 15 de setembro


Olá!


Em 15 de setembro,
 o sinal enviado pela Cassini à Terra
cessará por completo 
e para sempre
pois esta Missão terminará 
com a entrada da espaçonave 
na atmosfera de Saturno
e, no minuto seguinte, 
o silêncio.

A meu ver,
sempre que uma Missão deste calibre termina
parece que nos faz sentir enlutados,
não é verdade?
Parece que um vazio nos invade,
o silêncio, 
a falta de notícias,
... não mais imagens.... 
não mais.


False-color view of Saturn

For more information about the Cassini-Huygens mission visit http://www.nasa.gov/cassini and http://saturn.jpl.nasa.gov.
Image credit: NASA/JPL-Caltech/SSI/Cornell






Caro Leitor,
desde a madrugada de 23 de abril,
deu-se o início oficial
do chamado Grand Finale de Órbitas
da Missão Cassini em Saturno.

Órbitas 271 a 293 
(22 órbitas!)
vêm acontecendo desde 23 de abril
e estarão concluindo-se
em 15 de setembro,
quando o sinal enviado pela Cassini à Terra
cessará por completo 
e para sempre
pois esta Missão terminará 
com a entrada da espaçonave 
na atmosfera de Saturno
e, no minuto seguinte, 
o silêncio.

Orbit 293 - The Grand Finale - September 12 - 15

EventDateSpacecraft Time (UTC)Local Time (PDT)Notes
ApoapseSep 125:37 a.m.10:37 p.m. (Sep 11)The start of Cassini's final plunge into Saturn. The spacecraft will downlink to the Deep Space Network at the end of the day.
Atmospheric EntrySep 1510:44 a.m.3:44 a.m.Thrusters will maintain attitude control for about a minute. Earth Recieved Time (ERT) of the final data transmission is about 5:07 a.m. PDT.
Loss of SignalSep 1510:45 a.m.3:45 a.m.Estimated Earth Received Time (ERT) for the end of mission is  5:08 a.m. PDT on September 15.
Highlight: The mission team will gather in the pre-dawn hours on September 15 to say goodbye to the spacecraft and celebrate the mission.
https://saturn.jpl.nasa.gov/mission/grand-finale/grand-finale-orbit-guide/


A equipe da Missão estará reunida
 na madrugada de 15 de setembro
para dizer adeus à espaçonave e celebrar a Missão.



Nesta Postagem, 
Caro Leitor,
encontre alguma informação

- sobre o Planeta Saturno


- Sobre a Espaçonave Cassini e sua Missão,

descrição da espaçonave e seu lançamento

- Sobre datas significativas da Missão


- Sobre Giovanni Cassini e Christiaan Huygens

que emprestaram seus nomes e foram eleitos patronos
do orbitador (que concluirá sua missão em 15 de setembro de 2017)
e da sonda que pousou em Titan (em 15 de janeiro de 2005)

- sobre a Trajetória da Cassini-Huygens pelo Sistema Solar. 




Partindo da Terra a 15 de outubro de 1997, 

a sonda espacial chegou a Saturno em 1 de Julho de 2004.

- Eventos importantes:
Lançamento e viagem
Chegada a Saturno
Entrada no sistema saturniano
Inserção orbital em Saturno e pouso em Titan
25 de dezembro de 2004 — A sonda de pouso Huygens separa-se da Cassini 
e inicia sua viagem de 22 dias até a atmosfera de Titan.
14 de janeiro de 2005 — A Huygens entra na atmosfera de Titan  
e pousa na sua superfície. 
Situação atual
Missão Cassini Equinox
Ao fim do segundo período de operações, 
a missão recebeu nova prorrogação, 
desta vez de cerca de sete anos, 
agora com o nome de Missão Cassini Solstice, até 2017



Síntese da Missão Cassini-Huygens
desde 1997 até 2017
em seus highlights



Com um abraço estrelado,
Janine Milward


Post Scriptum:

Dando uma bela olhada
em minhas antigas revistas de Astronomia, 
Caro Leitor,
encontrei um exemplar
de Astronomy
em sua edição de novembro de 1997
e que apresentava
em sua matéria de capa
A Missão Cassini-Huygens
e discorria sobre a mesma
através de interessantíssimas doze páginas.

Todas as questões eram tratadas 
voltadas para o futuro.

Hoje, porém,
vinte anos depois,
estas potenciais questões
tornaram-se realidade
- talvez algumas sim; talvez outras não.
E mais ainda,
a realidade estendeu-se
para ainda além dos limites
que tinham sido estabelecidos
naquele momento do passado.

De qualquer maneira,
encontrar minha antiga revista
me trouxe uma grande surpresa, num primeiro momento,
me trouxe uma grande emoção, num segundo momento,
e então me trouxe
um tom de inexorabilidade do tempo:
tempo que somente anda para frente;
tempo que não volta mais;
 tempo.

Fiz umas imagens de celular
- pobres imagens, reconheço -
da minha antiga revista
e resolvi postá-las aqui,
em honra ao Tempo.

Bons tempos, 
tempos aqueles quando (quase) tudo 
ainda acontecia em papel,
papel que vence o tempo
- mesmo que um tanto amassado...,
mas que nos traz recordações.

Papel que permaneceu na estante,
- mesmo que esquecido e até meio empoeirado ... -,
mas que não serviu para embrulhar peixe,
bem ao contrário,
permaneceu
e permaneceu para mostrar
que passado, presente e futuro existem.

Como eu nasci no miolo certeiro do século passado,
comecei minha vida de leitura
através jornais, revistas e livros -
todos de papel.

Hoje fico feliz por poder fusionar
papel advindo de árvores
com papel virtual.

A bem da verdade,
já plantei centenas de árvores 
nesta vida
e em meu Sítio das Estrelas...

Por enquanto, planto florestas.






 Astronomy
em sua edição de novembro de 1997





SATURNO !


Clouds on Saturn

Saturn: In Depth






Color image of Saturn and its rings.
Cassini spacecraft's view of Saturn in 2009.

Overview
The second largest planet in our solar system, adorned with thousands of beautiful ringlets, Saturn is unique among the planets. It is not the only planet to have rings -- made of chunks of ice and rock -- but none are as spectacular or as complicated as Saturn's. Like fellow gas giant Jupiter, Saturn is a massive ball of mostly hydrogen and helium.
Surrounding by 53 confirmed and nine provisional moons, Saturn is home to some of the most fascinating landscapes in our solar system. From the jets of Enceladus to the methane lakes on smoggy Titan, the Saturn system is a rich source of scientific discovery and still holds many mysteries.
The farthest planet from Earth observable by the unaided human eye, Saturn has been known since ancient times and is named for the Roman god of agriculture and wealth. The Greek equivalent was Cronos, the father of Zeus/Jupiter.

Formation:
When the solar system settled into its current layout about 4.5 billion years ago, Saturn formed when gravity pulled swirling gas and dust in to become a planet 886 million miles (1.4 billion km) from the sun. Like Jupiter, Saturn is mostly made of hydrogen and helium, the same two main components that make up the sun.

Saturn rotates in the same direction as the Earth, which is west to east, but it does this far faster than Earth, spinning around once in just 10.7 hours. This fast spin causes Saturn to bulge out in the middle, making its equatorial radius nearly 10 percent wider than its polar radius.
Its axis is tilted by 26.73 degrees with respect to its orbit around the sun, which is similar to Earth's 23.5-degree tilt. This means that, like Earth, Saturn experiences seasons.
While the days on Saturn are short, the years are long. The sixth planet from the sun takes 29 Earth years, or 10,756 Earth days, to complete one revolution around the sun.
Structure:
Like Jupiter, Saturn is made mostly of hydrogen and helium. At Saturn's center is a dense core of rock, ice, water, and other compounds made solid by the intense pressure and heat. It is enveloped by liquid metallic hydrogen, inside a layer of liquid hydrogen -- similar to Jupiter's core but considerably smaller.
It's hard to imagine, but Saturn is the only planet in our solar system that is less dense than water. The giant gas planet could float in a bathtub -- if such a colossal thing existed.
Surface
As a gas giant, Saturn doesn't have a true surface. The planet is mostly swirling gases and liquids. While a spacecraft would have nowhere to land on Saturn, it wouldn't be able to fly through unscathed either. The extreme pressures and temperatures deep inside the planet would crush, melt and vaporize a metal spacecraft trying to fly through the planet.
Atmosphere:
Saturn is blanketed with clouds, stripes and storms. Overall the planet is tan and light brown in color, due to a mixture of yellow ammonia crystals in the upper atmosphere.
Winds in the upper atmosphere reach 1,600 feet (500 meters) per second in the equatorial region. In contrast, the strongest hurricane-force winds on Earth top out at about 360 feet (110 meters) per second. And the pressure -- the same kind you feel when you dive deep underwater -- is so powerful it squeezes gas into liquid. Even a metal spacecraft would be smashed in Saturn's intense atmosphere.
Saturn's north pole has an interesting atmospheric feature -- a six-sided jet stream. This hexagon-shaped pattern was first noticed in images from the Voyager I spacecraft and has been more closely observed by the Cassini spacecraft since. Spanning about 20,000 miles (30,000 km) across, the hexagon is a wavy jet stream of 200-mile-per-hour winds (about 322 kilometers per hour) with a massive, rotating storm at the center. There is no weather feature like it anywhere else in the solar system.
Potential for Life:
Saturn's environment is not conducive to life as we know it. The temperatures, pressures, radiation levels and materials that characterize this planet are most likely too extreme and volatile for organisms to adapt to.
While planet Saturn is an unlikely place for living things to take hold, the same is not true of some of its many moons. Satellites like Enceladus and Titan, home to internal oceans, could possibly support life.
Moons:
Saturn is home to a vast array of intriguing and unique worlds. From the cloud-shrouded surface of Titan to crater-riddled Phoebe, each of Saturn's moons tells another piece of the story surrounding the Saturn system. Currently Saturn has 53 confirmed moons with nine additional provisional moons awaiting confirmation.
Saturn's largest satellite, Titan, is a bit bigger than the planet Mercury. Titan is the second-largest moon in the solar system; only Jupiter's moon Ganymede is bigger.
Rings:
Saturn's rings are believed to be pieces of comets, asteroids or shattered moons that broke up before they reached the planet, torn apart by Saturn's powerful gravity. They are made of billions of small chunks of ice and rock. The ring particles mostly range from tiny, dust-sized icy grains to chunks as big as a house, though a few particles are as large as mountains. The rings would look mostly white if you looked at them from the cloud tops of Saturn.
Saturn's ring system extends up to 175,000 miles (282,000 km) from the planet, yet the vertical height is typically about 30 feet (10 meters) in the main rings. Among the ring system are "braided" rings, ringlets and "spokes" -- dark features in the rings that form and initially circle the planet at different rates from that of the surrounding ring material. Two tiny moons, Pan and Daphnis, orbit in gaps (Encke and Keeler gaps, respectively) in the rings and keep the gaps open. Other particles are too tiny to see, but create propeller-shaped objects in the rings that let us know they are there.
Named alphabetically in the order they were discovered, the rings are relatively close to each other, with the exception of the Cassini Division, a gap measuring 2,920 miles (4,700 km). The main rings are, working outward from the planet, known as C, B and A. The Cassini Division is the largest gap in the rings and separates Rings B and A. In addition, a number of fainter rings have been discovered more recently. The D Ring is exceedingly faint and closest to the planet. The F Ring is a narrow feature just outside the A Ring. Beyond that are two far fainter rings named G and E. Interestingly, each ring orbits at a different speed around the planet.
Magnetosphere:
Saturn's magnetic field is smaller than Jupiter's but still 578 times as powerful as Earth's. Saturn, the rings, and many of the satellites lie totally within Saturn's enormous magnetosphere, the region of space in which the behavior of electrically charged particles is influenced more by Saturn's magnetic field than by the solar wind.
Aurorae occur when charged particles spiral into a planet's atmosphere along magnetic field lines. On Earth, these charged particles come from the solar wind. Cassini showed that at least some of Saturn's aurorae are like Jupiter's and are largely unaffected by the solar wind. Instead, these aurorae are caused by a combination of particles ejected from Saturn's moons and Saturn's magnetic field's rapid rotation rate. But these "non-solar-originating" aurorae are not completely understood yet.
Exploration
Saturn was the most distant of the five planets known to the ancients. In 1610, Italian astronomer Galileo Galilei was the first to gaze at Saturn through a telescope. To his surprise, he saw a pair of objects on either side of the planet. He sketched them as separate spheres, thinking that Saturn was triple-bodied. In 1659, Dutch astronomer Christiaan Huygens, using a more powerful telescope than Galileo's, proposed that Saturn was surrounded by a thin, flat ring.
More recently, the Saturn system has been visited by passing spacecraft, the Cassini orbiter and the Huygens probe.
700 BCE: The oldest written records documenting Saturn are attributed to the Assyrians, described the ringed planet as a sparkle in the night and named it "Star of Ninib."
400 BCE: Ancient Greek astronomers named what they thought was a wandering star in honor of Kronos, the god of agriculture. The Romans later change the name to Saturn, their god of agriculture.
July 1610:: Galileo Galilei spots Saturn's rings through a telescope, but mistakes them for a "triple planet."
1655:: Christiaan Huygens discovers Saturn's rings and its largest moon, Titan.
1675:: Italian-born astronomer Jean-Dominique Cassini discovered a "division" between what are now called the A and B rings.
1 Sep 1979:: Pioneer 11 was the first spacecraft to reach Saturn. Among Pioneer 11's many discoveries are Saturn's F ring and a new moon.
1979 and 1981:: In its 1979 flyby of Saturn, Voyager 1 reveals the intricate structure of the ring system, consisting of thousands of bands. Flying even close to Saturn in 1981, Voyager 2 provided more detailed images and documents the thinness of some of the rings.
1 Jul 2004:: NASA's Cassini spacecraft becomes the first to orbit Saturn, beginning a decade-long mission that revealed many secrets and surprises about Saturn and its system of rings and moons.
14 Jan 2005:: The European Space Agency's Huygens probe is the first spacecraft to make a soft landing on the surface of another planet's moon - Saturn's giant moon Titan. The probe provided a detailed study Titan's atmosphere during a 2 hour and 27 minute descent and relayed data and images from Titan's muddy surface for another hour and 10 minutes.
17 Sep 2006 Scientists discover a new ring. The new ring coincides with the orbits of Saturn's moons Janus and Epimetheus. Images obtained during the longest solar occultation of Cassini's four-year mission revealed the ring. During a solar occultation, the sun passes directly behind Saturn causing the rings to be brilliantly backlit. Usually, an occultation lasts only about an hour, but in this instance it lasted 12 hours.
Pop Culture
Perhaps the most iconic of all the planets in our solar system, Saturn is heavily present in pop culture. It provides a backdrop for numerous science fiction stories, movies and TV shows, comics, and video games, including the Cthulhu Mythos, WALL-E, 2001: A Space Odyssey, Star Trek, Dead Space 2 and Final Fantasy VII. In Tim Burton's film Beetlejuice, a dusty, fictional Saturn is populated by giant sandworms. Saturn is also the namesake of Saturday.


..............................................

Significant Dates
  • 1610: Galileo Galilei reports seeing odd appendages on either side of Saturn; he did not realize he was viewing Saturn's rings.
  • 1979: Pioneer 11 is the first spacecraft to reach Saturn, flying within 22,000 kilometers (13,700 miles) of the cloud tops.
  • 1981: Using Saturn's powerful gravity as an interplanetary slingshot, Voyager 2 is placed on a path toward Uranus, then Neptune, then out of the solar system.
  • 1994: The Hubble Space Telescope finds evidence of surface features beneath the hazy atmosphere of Titan.
  • 2004: After a seven-year journey, Cassini-Huygens becomes the first spacecraft to orbit Saturn.
  • 2005: The Huygens probe successfully lands on Titan, returning images of the complex surface.
  • 2005-2008: The Cassini spacecraft continues to return high-resolution images of the Saturn system. Mission discoveries include evidence for liquid hydrocarbon lakes of methane and ethane on Titan, a new radiation belt around Saturn, new rings and moons, and icy jets and geysers at the south polar region of the moon Enceladus.
  • 2008-2010: Cassini's mission is extended for two years and designated the Cassini Equinox Mission.
  • 2010-2017: Cassini's mission is extended for seven years and designated the Cassini Solstice Mission.








Sobre a espaçonave Cassini, 
da NASA,
cumprindo Missão em Saturno!


Cassini-Huygens é uma missão espacial não-tripulada enviada em missão ao planeta Saturno e seu sistema planetário. Um projeto conjunto da NASAESA (Agência Espacial Europeia) e ASI (Agência Espacial Italiana), ela consiste de dois elementos principais, o orbitador Cassini [1] e a sonda Huygens. Lançada ao espaço em 15 de outubro de 1997, ela entrou em órbita de Saturno em 1 de julho de 2004 e continua em operação, estudando o planeta, seus satélites naturais, a heliosfera e testando a Teoria da Relatividade.
Um projeto que levou duas décadas de planejamento e desenvolvimento até seu lançamento, após uma viagem interplanetária de quase sete anos, na qual sobrevoou Vênus e Júpiter, a nave entrou em órbita de Saturno na metade de 2004; em dezembro daquele ano a sonda europeia Huygens separou-se do orbitador Cassini da NASA e em 14 de janeiro de 2005 entrou na atmosfera e pousou na superfície do maior satélite de Saturno, Titã, transmitindo imagens e dados para a Terra, na primeira vez em que um objeto construído pelo Homem pousou num corpo celeste do Sistema Solar exterior.
A Cassini-Huygens integra o Programa Flagship para os planetas exteriores, o maior e mais caro programa espacial não-tripulado da Agência Espacial Estadunidense. As outras missões deste programa incluem as Viking, as Voyager e a Galileu.[2] A espaçonave de duas partes foi batizada em homenagem aos astrônomos Giovanni Cassini e Christiaan Huygens.


Conheça um pouco
sobre 
Giovanni Cassini
e Christiann Huygens:



Painting

Giovanni Domenico Cassini
1625 - 1712
Os Aneis e Luas de Saturno
Giovanni Domenico Cassini (PerinaldoRepública de Gênova, hoje Itália8 de junho de 1625 — Paris14 de setembro de 1712), também chamado Jean-Dominique ou Cassini I, foi um astrônomo e matemático italiano.[1]
Giovanni Cassini estudou no colégio dos Jesuítas em Gênova e Bolonha, e em 1650 foi, sob a proteção do general e senador Cornelio Malvasia, o sucessor de Pater Bonaventura Cavalieri na Universidade de Bolonha como professor na cátedra de astronomia. Nesta função, lecionou, sob o controle da doutrina da Igreja Católicageometria euclidiana e a astronomia de Ptolomeu. Seu interesse foi atraído principalmente pela aparição de cometas, que ele observava com muita atenção. Além disso, produziu precisas tabelas solares e observou os períodos de rotação de VênusMarte e Júpiter. Em 1669, foi chamado pelo rei Luís XIV a fim de tomar parte como membro da Academia de Ciências de Paris, fundada em 1667.

Giovanni Domenico Cassini
Um ano depois, foi nomeado diretor do Observatório Astronômico de Paris. Apesar do observatório de Paris não ser muito bem construído para a observação astronômica, Cassini continuou com suas observações, descobrindo em 1671 e 1672 as luas de Saturno Jápeto e Reia, em 1675 uma parte escura dos anéis de Saturno, batizada com o seu nome (a Divisão de Cassini, área escura que separa os anéis A e B de Saturno e que tem cerca de 5.000 km de largura) e, em 1684, dois outros satélites do planeta dos anéis: Tétis e Dione.
Em 1672 calculou com precisão a paralaxe solar, e em 1683 foi o primeiro a descrever a luz do zodíaco. Cassini ficou cego em 1710, e dois anos depois, no dia 14 de setembro de 1712, faleceu em Paris.
Sucessores na direção do Observatório Astronômico de Paris foram seu filho Jacques, seu neto César François e seu bisneto Jean Dominique.
sonda espacial da missão Cassini-Huygens da NASA e da ESA chegou em julho de 2004 em Saturno para investigar o sistema de anéis do planeta.



Christiaan Huygens, 1629-1695
Descobridor de Titan
Christiaan Huygens

Christiaan Huygens (Haia14 de abril de 1629 — Haia, 8 de julho de 1695) foi um físicomatemáticoastrônomo e horologista neerlandês.
Em física, Huygens é bastante lembrado por seus estudos sobre luz e cores, percepção do som, estudo da força centrífuga, o entendimento das leis de conservação em dinâmica equivalentes ao moderno conceito de conservação de energia, o estudo da dupla refração no cristal da Islândia, e a teoria ondulatória da luz baseada na concepção de que a luz seria um pulso não periódico propagado pelo éter. Através dela, explicou satisfatoriamente fenômenos como a propagação retilínea da luz, a refração e a reflexão. Também procurou explicar o então recém descoberto fenômeno da dupla refração. Seus estudos podem ser consultados em seu mais conhecido trabalho sobre o assunto, o "Tratado sobre a luz".[1]
Já na matemática, é bastante lembrado por seus estudos e escritos no campo da teoria das probabilidades, estudo de curvas e inícios do cálculo diferencial (interpretação geométrica), o conceito de evolvente foi introduzido por Huygens. Também descobriu que a ciclóide é uma curva isocrônica. Huygens sabia por meio de Mersenne que, apesar das afirmações de Galileu, o período de um pêndulo circular depende de sua amplitude. Então, Huygens demonstrou matematicamente que, para pequenas amplitudes, um pêndulo circular é aproximadamente isócrono e que o real isocronismo é obtido por meio de um pêndulo cicloidal.
Em astronomia, descobriu os anéis de Saturno e sua lua Titã. Em homenagem ao seu trabalho, a sonda Cassini-Huygens foi batizada com o seu nome.
Discordava de vários aspectos da teoria sobre luz e cores de Isaac Newton (1643-1727), que era baseada implicitamente numa concepção corpuscular para a luz. Discutiu com ele durante muitos anos, mas, ao contrário do que geralmente se acredita, suas teorias nunca tiveram uma disputa em grandes proporções.[2]
Galileu Galilei foi o primeiro a observar os anéis de Saturno, porém seu instrumento (telescópio) não lhe permitiu identificar com clareza os anéis. Galileu acreditava, pelas imagens obtidas, que Saturno era um sistema planetário triplo. Huygens, com um telescópio mais poderoso, pôde identificar os anéis e descobrir Titã, a maior lua de Saturno e a segunda maior do sistema solar, em 1655.










Cassini Mission 
NASA's Jet Propulsion Laboratory

Cassini spacecraft

Cassini's Superhuman Senses05.26.04 
The Cassini spacecraft is loaded with an array of sophisticated instruments and cameras, to deliver valuable data from the mission to scientists around the world.

Image right: An animation showing the Cassini spacecraft various instruments. + View QuickTime (.8 Mb)
Image credit: NASA/JPL
 







Cassini-Huygens
Cassini Saturn Orbit Insertion.jpg
Renderização artística da sonda.
Descrição
Tipo/MissãoCassini: Orbitador
Huygens: Aterrissador
Operador(es)Cassini:
Estados Unidos NASA
Huygens:
União Europeia ESA
Itália ASI
NSSDC ID1997-061A
SATCAT no.25008
Missão
Contratante(s)Lockheed Martin
Data de lançamento15 de outubro de 1997, 08:43:00 UTC
Veículo de lançamentoTitan IV(401)B
Local de lançamentoEstados Unidos SLC-40, Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral
DestinoSaturno
Data de inserção orbital01 de julho de 2004, 02:48:00 UTC
Data de aterrissagemHuygens:
14 de janeiro de 2005, 12:43 UTC
Local de aterrissagem10.2°S 192.4°W
Fim da missãoCassini (planejo):
Setembro de 2017
Huygens:
14 de janeiro de 2005, 13:37 UTC
Duração da missão19 anos, 5 meses e 24 dias
Especificações
Fabricante(s)Cassini:
Estados Unidos Jet Propulsion Laboratory
Huygens:
FrançaItália Thales Alenia Space
Massa2,523 kg
Altura6,8 m
Largura4,0 m
Geração de energiaGerador termoelétrico de radioisótopos
Energia640 watts
Especificações orbitais
Referência orbitalElíptica
Insignia da missãoCassini-Huygens mission logo node full image (1).jpg
Website da missãoCassini-Huygens - ESA
Cassini-Huygens - NASA;
Observações
https://pt.wikipedia.org/wiki/Cassini-Huygens









Ficheiro:Cassini Interplanet traject.jpg
Trajetória da Cassini-Huygens pelo Sistema Solar. Partindo da Terra a 15 de outubro de 1997, a sonda espacial chegou a Saturno em 1 de Julho de 2004.





Cassini-Huygens é uma sonda espacial não-tripulada enviada em missão ao planeta Saturno e seu sistema planetário. Um projeto conjunto da NASAESA (Agência Espacial Europeia) e ASI (Agência Espacial Italiana), ela consiste de dois elementos principais, o orbitador Cassini e a sonda Huygens. Lançada ao espaço em 15 de outubro de 1997, ela entrou em órbita de Saturno em 1 de julho de 2004 e continua em operação, estudando o planeta, seus satélites naturais, a heliosfera e testando aTeoria da Relatividade.
Um projeto que levou duas décadas de planejamento e desenvolvimento até seu lançamento, após uma viagem interplanetária de quase sete anos, na qual sobrevoouVênus e Júpiter, a nave entrou em órbita de Saturno na metade de 2004; em dezembro daquele ano a sonda Huygens separou-se do orbitador Cassini e em 14 de janeiro de 2005 entrou na atmosfera e pousou na superfície do maior satélite de Saturno, Titan, transmitindo imagens e dados para a Terra, na primeira vez em que um objeto construído pelo Homem pousou num corpo celeste do Sistema Solar exterior.
A Cassini-Huygens integra o Programa Flagship para os planetas exteriores, o maior e mais caro programa espacial não-tripulado da NASA. As outras missões deste programa incluem as Viking, as Voyager e a Galileu.1 A espaçonave de duas partes foi batizada em homenagem aos astrônomos Giovanni Cassini e Christiaan Huygens.
LEIA MAIS, MUITO MAIS EM 



Eventos importantes

15 de Outubro de 1997 — Cassini-Huygens lançada de Cabo Canaveral às 08:43 UTC.27
26 de Abril de 1998 — Primeira passagem pelo planeta Vénus para empurrão gravitacional, sobrevoando a superfície do planeta a 283 km de altitude e ganhando um empuxo em velocidade de 7 km/s.28
24 de Junho de 1999 — Segunda passagem pelo planeta Vénus para empurrão gravitacional.29
18 de Agosto de 1999 03:28 UTC — Passagem pelo planeta Terra para empurrão gravitacional. Uma hora e vinte minutos antes, a Cassini fez a maior aproximação à Lua a uma distância de 377 000 km, e tirou uma série de imagens de calibração. A nave sobrevoou a Terra a 1171 km de altitude e ganhou um empuxo em velocidade de 5,5 km/s.30

30 de Dezembro
 de 2000
 — Passagem pelo planeta Júpiter para empurrão gravitacional. A Cassini esteve no ponto mais próximo deste planeta neste dia, e fez muitas medições científicas. Também produziu o retrato colorido global mais detalhado de Júpiter; as menores caraterísticas têm aproximadamente 60 km de diâmetro.3223 de Janeiro de 2000 — Passagem pelo asteroide 2685 Masursky às 10:00 UTC. A Cassini fez imagens 5 a 7 horas antes a 1,6 milhões de km de distância e estimou um diâmetro de 15 a 20 km para o asteróide.31
30 de Maio de 2001 — Na viagem entre Júpiter e Saturno, notou-se o aparecimento de um "embaçamento" nas fotografias tiradas pela câmera de ângulo cerrado da Cassini. De início, foi visto numa fotografia da estrela Maia do aglomerado das Plêiades, tirada depois de um período de aquecimento de rotina.
23 de Julho de 2002 — No final de Janeiro, um teste foi feito para remover o "embaçamento" das lentes da câmara de ângulo cerrado, aquecendo-a. O objetivo foi alcançado aquecendo-se a câmera até 4 graus Celsius durante oito dias. Mais tarde, o aquecimento foi estendido para 60 dias, e a imagem da estrela Spica mostrou um melhoramento de mais de 90% quando comparado com o período anterior ao aquecimento. A 9 de Julho, a imagem mostrou que o procedimento de remoção de embaçamento foi completado com sucesso.33
10 de Outubro de 2003 — A equipe de cientistas da Cassini anunciou os resultados de um teste da teoria da relatividade de Einstein, usando sinais de rádio da sonda Cassini. Os cientistas observaram uma mudança de frequência nas ondas de rádio de e para a sonda, assim que esses sinais viajaram mais perto do Sol. Testes anteriores estavam de acordo com as previsões teóricas com uma precisão de uma parte em mil. A experiência da Cassini melhorou a precisão até cerca de 20 partes em um milhão, com os dados ainda a suportar a teoria de Einstein.

Chegada a Saturno

27 de Fevereiro de 2004 — Uma nova fotografia de alta resolução tirada pela Cassini no dia 9 de Fevereiro foi divulgada. A imagem surpreendeu os cientistas da missão devido ao fato de não ser visível nenhum "fantasma" nos anéis de Saturno. Estas estruturas escuras na secção "B" do anel foram descobertas nas imagens tiradas pela sonda Voyager em 1981.34 Outra imagem, em luz infravermelha, tirada a 16 de Fevereiro mostra diferenças na altura das nuvens.35 A mesma perturbação era visível nas imagens tiradas pelo Telescópio Espacial Hubble nos anos 90 do século XX.
12 de Março de 2004 — Fotografias tiradas a 23 de Fevereiro não mostram uma característica descoberta pela Voyager: espessamentos no exterior do anel "F". Ao tempo, o que não pôde ser deduzido foi o tempo de vida exato destes espessamentos, e espera-se que a Cassini produza dados decisivos sobre esta questão. O primeiro conjunto de imagens mostra um conjunto de espessamentos ao longo do anel "F".36
26 de Março de 2004 — A equipe de cientistas da Cassini publicou a primeira sequência de imagens de Saturno mostrando nuvens a moverem-se em alta velocidade ao redor do planeta. Usando um filtro para ver melhor o vapor de água no topo da cobertura de nuvens densas, movimentos nas regiões equatorial e sul são claramente visíveis. As imagens foram obtidas entre os dias 15 e 19 de Fevereiro.37
15 de Abril de 2004 — A NASA anunciou que os dois satélites naturais descobertos pela Voyager 1 foram avistados, de novo, pela Cassini em imagens tiradas no dia 10 de Março: Prometheus e Pandora. Estes não são satélites comuns, pois o seu efeito gravitacional no anel 'F' levou a que os cientistas os chamassem de "satélites pastores". A sua descoberta emocionou os pesquisadores interessados na dinâmica do sistema de anéis, porque as suas órbitas são próximas o suficiente para que elas interajam uma com a outra de uma forma "caótica". Uma das missões da missão será monitorar de perto os movimentos destes corpos.

Entrada no sistema saturniano

18 de Maio de 2004 — A Cassini entrou no sistema saturniano. O efeito gravitacional de Saturno começou a sobrepor-se à influência do Sol.
20 de Maio de 2004 — Foi divulgada a primeira imagem de Titan. Foi feita a 5 de Maio a uma distância de 29,3 milhões de quilômetros.38
11 de Junho de 2004 — A Cassini sobrevoa o satélite natural Phoebe às 19:33 UT a 2068 quilômetros de distância. Todos os onze instrumentos a bordo operaram como esperado e todos os dados foram adquiridos. Os cientistas planejam usar os dados para criar mapas globais do satélite coberto de crateras e para determinar sua composição, massa e densidade. Vários dias serão necessários para que os cientistas possam rever os dados e chegar a conclusões mais concretas.

Inserção orbital em Saturno e pouso em Titan

1 de Julho de 2004 — A Inserção orbital em Saturno foi efetuada com sucesso, entre os anéis F e G do planeta. Aproximando-se a 19.980 km do topo das nuvens na superfície, fotografias dos anéis foram tiradas e enviadas para os cientistas da missão na Terra.39 Os cientistas surpreenderam-se com a claridade e o detalhes das imagens e vão pesquisá-las durante um bom tempo.
2 de Julho de 2004 — A primeira passagem por Titan foi executada e as primeiras imagens foram enviadas para a Terra. Devido ao plano orbital inicial, a Cassini passou pelo polo sul da lua a uma distância maior que em sobrevoos posteriores. Contudo, durante uma conferência de imprensa a 3 de Junho, os cientistas da missão mostraram imagens que já os forçavam a rever teorias. Agora parece que as características de albedo mais escuro e claro na superfície representam, de fato, materiais diferentes. Ao contrário do esperado, as regiões geladas eram mais escuras que as áreas onde outra matéria (possivelmente orgânica) está misturada com gelo.
16 de agosto de 2004 — Os cientistas anunciam a descoberta de duas novas luas em órbita de Saturno e o sucesso de um dos objetivos do programa: localizar pequenas e desconhecidas luas em volta do planeta. As luas seriam mais tarde batizadas como Methone e Palene.40
25 de dezembro de 2004 — A sonda de pouso Huygens separa-se da Cassini às 02:00 UTC e inicia sua viagem de 22 dias até a atmosfera de Titan.22
14 de Janeiro de 2005 — Huygens entra na atmosfera de Titan às 09:06 UTC e pousa na sua superfície às 11:35 UTC.2
LEIA MAIS, MUITO MAIS EM 

.......................................................

Situação atual

A missão Cassini-Huygens chegou a Saturno em julho de 2004 e deveria operar até 2008. Em 15 de abril deste ano, ela recebeu mais fundos do governo para uma prorrogação de dois anos de pesquisas e passou a ser chamada de Missão Cassini Equinoxpois continuaria operacional durante o equinócio em Saturno. Neste período de dois anos, iniciado em 1 de julho de 2010, a Cassini pôde realizar mais 60 órbitas de Saturno, 21 sobrevoos próximos de Titan, sete de Enceladus, seis de Mimas, sete de Tethys, e um sobre DioneRhea e Helene.5

Ao fim do segundo período de operações, a missão recebeu nova prorrogação, desta vez de cerca de sete anos, agora com o nome de
 Missão Cassini Solstice, até 2017, quando será a época do solstício de verão no hemisfério norte do planeta. Desde então ela vem realizando e realizará 155 órbitas em Saturno, 55 sobrevoos de Titan e 11 de Enceladus.55 A missão deverá se encerrar definitivamente no primeiro semestre de 2017, quando a espaçonave, depois de uma órbita a apenas 3000 km da superfície de Saturno, deverá ser direcionada para um mergulho na atmosfera do planeta, sendo destruída.

LEIA MAIS, MUITO MAIS EM











Jewel of the Solar System


For more information about the Cassini-Huygens mission visit http://www.nasa.gov/cassini and http://saturn.jpl.nasa.gov.
Image credit: NASA/JPL-Caltech/SSI/Cornell









MISSÃO CASSINI-HUYGENS 
SINTETIZADA
DESTE SEU LANÇAMENTO, EM 1997,
ATÉ
SEU GRAND FINALE,
 COMEÇANDO EM ABRIL DE 2017
E CONCLUINDO-SE EM SETEMBRO DE 2017:










LE GRAND FINALE







  • April 22: Titan 126 Flyby at 6:08 a.m. UTC (11:08 p.m. PDT on April 21)
  • April 23: First Grand Finale Orbit Begins at 3:46 a.m. UTC (8:46 p.m. PDT on April 22)
  • April 26: First Ringplane Crossing at 9 a.m. UTC (2 a.m. PDT)
  • May 24: Northern Summer Solstice Begins
  • Sept. 15: Cassini's Final Entry into Saturn's Atmosphere begins at 10:44 a.m. UTC (3:44 a.m. PDT). Spacecraft loss of signal comes one minute later at 10:45 a.m. UTC (3:45 a.m. PDT).
  • Sept. 15: Final signal received on Earth at 12:08 p.m. UTC (5:08 a.m. PDT)


Illustration showing Cassini's orbit path between Saturn's clouds and rings.






Go to the Grand Finale Overview page.
Wave structure in Saturn's rings



Cassini Saturn Orbit Insertion.jpg
Cassini Saturn Orbit Insertion



COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward