segunda-feira, 30 de abril de 2012

O CÉU DO MÊS DE MAIO DE 2012



Sítio das Estrelas e Janine Milward

Apresentam

O JORNAL DO CAMINHANTE

Para os Simples Amantes dos Céus Estrelados


Ano 10 - Edição de Maio de 2012


Temas Apresentados nesta Edição:


Alguns Eventos Interessantes no Céu


Eclipse Anular do Sol - em 20 de Maio de 2012 (dia 21, hora local no hemisfério oriental), porém não-visível no Brasil.  A fase anular será visível na Costa da China, no Sul do Japão, e nas partes oestes dos Estados Unidos e do Canadá.  Guangzhou, Tokyo e Albuquerque estarão situados bem no caminho central.  Kanarraville, Utah, será um lugar perfeito para se observar a fase anular.  Seu momento máximo acontecerá no Pacífico Norte, ao sul das Ilhas Aleutas, durante 5 minutos e 46.3 segundos, e terminará na costa oeste dos Estados Unidos. 



SUPER Lua Cheia em momento de Perigeu, dia 06 de Maio - maior aproximação de Selene à Terra (evento que acontece mensalmente), nos brindando com um Plenilúnio realmente encantador, grande, imenso mesmo!  


O Aparente Andamento do SOL 

O Sol começa o mês de Maio tendo Cetus, a Baleia, ao sul e aos pés do Carneiro.  Já no miolo do mês, encontraremos o Sol adentrando a constelação do Touro e encontrando-se com as Plêiades, sendo testemunhado por Perseus, o Herói, ao norte.  No dia 20, o Sol nos brindará com um Eclipse Anular, não visível no Brasil, porém.  Ao final do mês, o Sol estará se encontrando com Aldebaran, Alpha Tauri, tendo o Cocheiro, Auriga, ao norte.



Planetas, os Deuses estão no Céu

Mercúrio ainda está nos brindando com sua presença nos céus da madrugada até que, do miolo do mês em diante, haverá de querer encontrar-se com o Sol e testemunhar, juntamente com Júpiter, também desaparecido de nossos olhos, o enlace entre Lua e Sol no Eclipse Anular.  Vênus começa a despedir-se do horizonte oeste, ao cair da noite.  Marte e Saturno imperam nos céus noturnos!



LUA, doce e mutável LUA, em seu Aparente Caminho

Descrição do Caminho da Lua e suas Adjacências



Caro Amigo das Estrelas, Caminhante do Céu e da Terra:

Eu sou absolutamente apaixonada pela visão do céu estrelado a olho nú e convido você a também me acompanhar nesta viagem estelar.  Moro no Sítio das Estrelas, Latitude 22s52 e Longitude 43w00 e, portanto, meus textos apresentam a visão que tenho do céu a partir desse ponto no Planeta Terra. 

Tenho sempre muito prazer em escrever estes Textos sobre o Andamento aparente do Sol, dos Planetas e da LUA, no sentido de poder conduzir você, caro Leitor, a dedicar-se na elaboração de um tantinho de desejo seu de também se deixar maravilhar pelo céu estrelado!

Por esta razão, os Textos tendem a poder atender aos Caminhantes leigos como também aos Caminhantes que já vêm caminhando um tantinho no Caminho da compreensão de alguns temas básicos e mesmo bem simples sobre a Astronomia e a Mecânica Celeste.

Em minha Página http://oceudomes.blogspot.com , você poderá sempre encontrar meus textos mensais sobre  O Caminho Aparente do SOL, dos Planetas e da LUA.  Nesta Página, você também encontrará meu texto sobre Um Passeio pelo Céu Noturno do Sítio das Estrelas: Breve Roteiro de Viagem Celeste para as Quatro Estações do Ano.

Bons Estudos e Boa Observação!

 Com um abraço estrelado,

Janine Milward


Os textos apresentados neste Jornal do Caminhante são, em sua quase maioria, de autoria de Janine Milward.  Ao final deste Trabalho, são encontradas algumas das demais Referências Bibliográficas em relação aos dados técnicos e mitológicos extraídos de Sites e de Livros.

Você pode imprimir e encadernar seu Jornal e também encaminhá-lo,
desde que sempre na íntegra e apresentando sua autoria e seus créditos. 

Obrigada, Janine




ALGUNS EVENTOS ASTRONOMICOS INTERESSANTES

 AO LONGO DO MÊS DE MAIO:



Eclipse Anular do Sol -

 em 20 de Maio de 2012 (dia 21, hora local no hemisfério oriental), porém não-visível no Brasil.

A fase anular será visível na Costa da China, no Sul do Japão, e nas partes oestes dos Estados Unidos e do Canadá.  Guangzhou, Tokyo e Albuquerque estarão situados bem no caminho central.  Kanarraville, Utah, será um lugar perfeito para se observar a fase anular.  Seu momento máximo acontecerá no Pacífico Norte, ao sul das Ilhas Aleutas, durante 5 minutos e 46.3 segundos, e terminará na costa oeste dos Estados Unidos.




(1,024 × 768 pixels, file size: 100 KB, MIME type: image/jpeg).

This is a file from the Wikimedia Commons.  Eclipse anular – 3 de outubro de 2005 – crédito: http://www.flickr.com/photos/sancho.panza/54940367 - Autor: Sancho Panza



Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.

É interessante observarmos o fato de que o Sol, passeando nos campos onde o Touro pasta, vem  cumprimentando as Irmãs que Choram, as Plêiades, e buscando encontrar-se, em breve, com sua Estrela-Alpha, Aldebaran, gigante alaranjada, o Olho Iluminado do Touro, e recém encontrou-se com Júpiter e Mercúrio que também ali se situam.  Vênus também é testemunha desta belísssima cena, posicionando-se bem na pontinha do Chifre mais ao norte do Touro e beijando a Estrela Beta Tauri, Al Nath, praticamente aos pés do Cocheiro.

As estrelas mais proeminentes nas vizinhanças do Eclipse Anular do Sol são Capella, Alpha Aurigae, bem ao norte de Vênus; olhando ao sul, encontramos as Estrelas Alpha e Beta Orionis, Betelgeuse e Rigel; e ainda um tantinho a mais ao sul, Sirius, a mais bela da noite, Alpha Canis Majoris.  Vemos também a Estrela Alpha Canis Minoris, Procyon.  Olhando mais a Leste e encontrando o Leão, o Planeta Marte pode ser observado, a meio caminho entre suas Estrelas Alpha e Beta, Regulus e Denebola, respectivamente.


Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes




Em 20 de maio de 2012, um eclipse anular do Sol será visível a partir de um estreito corredor que atravessará a Terra no hemisfério norte.  O caminho anumbral da sombra da Lua começará ao leste da Ásia e cruzará o Oceano Pacífico Norte, terminando a oeste dos Estados Unidos.  A sombra penumbral da Lua produzirá um eclipse parcial visível em várias regiões a leste da Ásia, ao Norte do Pacífico, a América do Norte e a Groenlândia.






Um eclipse solar anular acontecerá em 20 de Maio de 2012 (dia 21, hora local no hemisfério oriental), com a magnitude de 0.9439.

Um eclipse solar acontece quando a Lua passa entre a Terra e o Sol e portanto obscurecendo o Sol totalmente ou parcialmente, do ponto de vista da Terra.

Um eclipse anular do Sol acontece quando o aparente diâmetro da Lua é menor do que o do Sol, mostrando o Sol como se fosse um annulus, anel, bloqueando a maior parte da luz solar.  Um eclipse anular do Sol aparece como um eclipse parcial para uma imensa região de quilômetros de amplitude.

A fase anular será visível na Costa da China, no Sul do Japão, e nas partes oestes dos Estados Unidos e do Canadá.  Guangzhou, Tokyo e Albuquerque estarão situados bem no caminho central.  Kanarraville, Utah, será um lugar perfeito para se observar a fase anular.  Seu momento máximo acontecerá no Pacífico Norte, ao sul das Ilhas Aleutas, durante 5 minutos e 46.3 segundos, e terminará na costa oeste dos Estados Unidos.

Este será o primeiro eclipse central do século 21 a acontecer no continente dos EUA bem como o primeiro eclipse anular desde 10 de maior de 1994 – que também atuou como eclipse último desta série Saros 128.


Traduzido literalmente por Janine Milward


Sobre a Série Saros 128

Este eclipse anular do sol é parte do Ciclo Saros 128, que se repete a cada 18 anos, 11 dias, contendo 73 eventos. Esta série começou com um eclipse parcial do sol em 29 de agosto de 984 AC (Antes de Cristo). Esta série contém eclipses totais de 16 de maio de 1417 até 18 junho de 1471; eclipses híbridos de 28 de juno de 1489 até 31 de julho de 1543. Então, progrediu para os eclipses anulares de 11 de austo de 1561 a 25 de julho de 2120. A série concluirá com o membro 73 em eclipse parcial em 1 de novembro de 2282. A mais longa duração de totalidade foi de 1 minuto e 45 segundos, em 7 de junho de 1453.

Traduzido literalmente por Janine Milward





Segundo Fred Espenak, em Eclipses and the Saros, a periodicidade e a recorrência dos eclipses são governados por um ciclo chamado Saros - um período de aproximadamente 6.585.3 dias (18 anos, 11 dias e 8 horas).  Os Caldeus o consideravam como um período quando os  eclipses lunares pareciam se repetir - como também esse ciclo pode ser aplicado, da mesma forma, para os eclipses solares.

O ciclo Saros surge da natural harmonia entre os três períodos orbitais da Lua;

O mês Sinódico (de lua nova a lua nova) 29 dias 12 horas 44 minutos

O mês Dracônico (de Nódulo a Nódulo) 27 dias 05 horas 06 minutos

O mês Anomalístico (de Perigeu a Perigeu) 27 dias 13 horas 19 minutos

Dois eclipses separados por um mesmo ciclo Saros compartilham geometrias muito similares. Eles ocorrem no mesmo Nódulo, com a Lua na quase mesma distância da Terra e no mesmo momento do ano.

Uma série Saros não dura indefinidamente em função do fato de que três meses lunares não são perfeitamente comensuráveis entre si.

A compreensão acerca da seqüência de numeração do Saros é complicada pelo fato de que não depende de quando uma série começa ou termina.  Pelo contrário, a numeração é determinada pela ordem na qual cada série atinge seu clímax.  Dentro desse contexto, o clímax de uma série acontece quando o eixo da sombra umbral passa o mais próximo do centro da Terra.  E porque a duração de cada série vária até algumas centenas de anos e a numeração acontece a partir da ordem na qual cada série atinge seu clímax, isso explica o porquê o primeiro eclipse de uma série que encontra seu clímax mais tarde pode, na verdade, preceder o primeiro eclipse de uma série que alcançou seu clímax anteriormente.  Na coluna denominada Gamma, encontramos o parâmetro que apresenta a menor distância (no rádio da Terra)  do eixo da sombra até o centro da Terra, durante cada eclipse.  Gamma pode ser positivo ou negativo, dependendo se o eixo de sombra passa ao norte ou ao sul do centro da Terra.  Se olharmos em cada ciclo de Saros, encontraremos como o valor de Gamma muda com cada eclipse dentro de uma série. Quando Gamma atinge seu valor mínimo (absoluto), a série alcança seu clímax.
E porque podem acontecer de dois a cinco eclipses solares a cada ano, existem aproximadamente 40 diferentes séries de Saros acontecendo ao mesmo tempo. Quando antigas séries terminam, outras novas começam e tomam seus lugares.
O ciclo Saros para os eclipses lunares opera de forma análoga ao Saros dos eclipses solares. Para os eclipses lunares, o parâmetro Gamma representa a distância mínima da Lua medida em relação ao eixo da sombra da Terra (unidades de radio da Terra).  É preciso notar, entretanto, que a numeração Saros é oposta à aquela usada para os eclipses solares.  Os eclipses lunares que acontecem próximos ao Nodo Ascendente da Lua possuem, inclusive, numeração de Saros.  Cada eclipse subseqüente em uma série corre progressivamente em direção ao sul, com relação ao eixo da sombra da Terra.  Da mesma forma, os eclipses lunares que acontecem próximos ao Nodo Descendente da Lua possuem numeração diferenciada de Saros.  E, numa mesma série, os eclipses subseqüentes correm progressivamente em direção ao norte, com relação ao eixo da sombra da Terra.
Um outro ciclo extremamente significante de eclipses é o Inex - um período de 358 meses sinódicos (29 anos menos 20 dias, ou aproximadamente 10.752 dias).  O Inex é interessante porque marca o tempo de intervalo entre a numeração consecutiva de series Saros.
Traduzido literalmente por Janine Milward









SUPER Lua Cheia em momento de Perigeu, dia 06 de Maio -
maior aproximação de Selene à Terra (evento que acontece mensalmente), nos brindando com um Plenilúnio realmente encantador, grande, imenso mesmo! 
06/05/2012 03:00 Perigeu 356.964    0,5579°

O que é Apogeu e Perigeu Lunar?

Você sabe a diferença entre Apogeu e Perigeu Lunar?


Apesar de já termos vivenciado os dois fenômenos, a gente acaba esquecendo o tema, até que ele volta a se repetir (e a gente tem sorte de estar vivo para vê-lo mais de uma vez).

Os dois fenômenos são opostos, sendo que no Apogeu a Lua está no ponto mais distante de sua trajetória ao redor da Terra, e no Perigeu a Lua está o mais próximo dessa trajetória, que é elíptica (ou seja, a Lua faz círculos ovais ao redor da Terra), e isso ocorre a cada estação lunar de 28 dias. Entretanto, neste ano de 2011 a Lua apresenta um Perigeu maior que o de costume, sendo o presente comparado ao de 18 anos atrás (foi em 1993, você lembra?).

A Lua não aumenta de volume, apenas nossa percepção de que ela está maior é que muda, pois ela passa mais perto de nós.

Nesse vai e vem, a cada 28 dias, a Lua produz efeito gravitacional que influencia o movimento das marés. Veja abaixo foto da Lua nos 2 momentos (Nasa):


Fotos da Lua no Apogeu e no Perigeu, feitas pela Nasa, no ano de 2006.




 


O APARENTE CAMINHO DO SOL
AO LONGO DO MÊS DE MAIO:

Aparentemente, o SOL vai perfazendo seu caminho ao longo de sua senda, chamada Eclíptica, contra o pano de fundo das estrelinhas que formam as constelações que em seu grupo são denominadas de Zodíaco, ou Roda de Animais (isso porque, em sua grande maioria, essas constelações são nomeadas a partir de sua semelhança com alguns animais – exceção feita para Aquário, Balança e Gêmeos).
É preciso que o Caminhante saiba, no entanto, que esse caminho que o SOL realiza ao longo do ano é apenas aparente: a verdade é que é a nossa Terra que vai girando em torno do SOL e em função de seu movimento de precessão de equinócio, vai traçando esse mesmo caminho. Através das Eras, o caminho da Eclíptica vai sofrendo algumas pequenas mudanças.

O SOL COMEÇA O MÊS DE MAIO situando-se entre Cetus, a Baleia, o Monstro Marinho, e aos pés de Áries, o Carneiro, e suas estrelas Alpha e Beta, Hamal e Scheratan.  Vemos que Mercúrio ainda nada nos mares dos Peixes e Júpiter encontra-se já adentrando os campos onde o Touro pasta.
Estrelas como Canopus, Alpha Argus, Alpha Carinae, e Sirius, Alpha Canis Majoris e Procyum, Alpha Canis Minoris, assim como Betelgeuse e Rigel, Alpha e Beta Orionis, e ainda os gêmeos Castor e Pollux, Alpha e Beta Gemini..., todas estas estrelas e suas constelações começam a desaparecer diante de nossos olhos, noite após noite, no horizonte oeste.

 
Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.

CETUS, A BALEIA, O MONSTRO MARINHO
Posicionamento:
Ascensão Reta 23h55m / 3h21m     Declinação -25o.2 / +10o.2
Mito:
Cetus representa o monstro marinho enviado por Netuno para devorar Andrômeda.  Andromeda era uma princesa filha de Cepheus e tendo por madrasta, Cassiopea que a prende acorrentada em uma ilha.  Andromeda foi salva por Perseus, o herói que realizou este feito voando até a ilha em seu cavalo alado Pegasus.
Fronteiras:
A constelação Cetus faz fronteira com Eridanus, Taurus, Áries, Pisces, Aquarius, Sculptor e Fornax

Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes

ARIES, O CARNEIRO
Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes

Posicionamento:
Ascensão Reta 1h44m / 3h27m  -  Declinação +10o 2’ / +30o 9’
Mito:
Áries representa o carneiro com a pele dourada, um presente de Mercúrio e que pôde levar Phrixius e sua irmã Helle através os ares, para escaparem de sua madrasta, Ino.  Ao chegar em Colquito, Phrixus sacrificou o carneiro e ofereceu-o a Júpiter e sua pele foi pendurado no Campo de Marte, de onde mais tarde foi apanhada por Jasão.  De acordo com outro mito, era o carneiro que guiou Baco até uma fonte de água, no deserto da Líbia.
Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:
Foram os babilônios que adotaram Áries para marcar o início do ano, pois em 2500 AC, o equinócio da primavera encontrava-se no meio das três estrelas que formam a cabeça do Carneiro.
Fronteiras:
A constelação de Áries situa-se entre Taurus, Perseus, Triangulum, Pisces e Cetus.

POR VOLTA DO MIOLO DO MÊS DE MAIO, vamos encontrar o Sol muitíssimo próximo a Júpiter e às Irmãs Chorosas, as Plêiades, já nos campos onde o Touro pasta, e usufruindo da proximidade visual do Planeta Júpiter e ambos sendo testemunhados, ao norte, por Perseus, O Herói.  Vemos que Mercúrio encontra-se aos pés do Carneiro, saudando suas estrelas Alpha e Beta Arietis, Hamal e Scheratan.

 
Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.

TAURUS, O TOURO
Posicionamento:
Ascensão Reta 3h20m / 5h58m    Declinação +0o.1 / +30o.9
Mito:
Júpiter ansiava por encontrar-se com Europa.  Certa vez, disfarçou-se em touro e fez parte de uma manada até encontrar-se com a moça, numa praia.  Europa sentiu-se encorajada com a placidez do touro e montou-o e foi quando Júpiter correu para o mar e levou a moça até a ilha de Creta.  De acordo com outro mito, o touro representa Io a quem Júpiter transformou em vaca, para despistar o ciúme e a vigilância de Juno, sua mulher.

Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes

 
Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:
A mais antiga de todas as constelações e talvez a primeira a ser delimitada pelos babilônios, que a utilizaram para marcar o início do ano, pois o equinócio da primavera, há 4000 AC, localizava-se neste asterismo.  Aliás, o estudo de todos os antigos zodíacos mostram o seu início no Touro: o ano começava com o aparecer matinal das Pleiades na primavera, e o inverno, com o seu aparecimento vespertino no outono.  O aparecimento das Pleiades em novembro era saudado como a festa dos mortos, que comemoramos até hoje. Povos da antiguidade, como os caldeus e hebreus, davam ao mês de novembro o nome de Pleiades.
No mais antigo de todos os zodíacos egípcios - o de Denderah -, a constelação do Touro está associada a Osíris, que era o deus especial do Nilo.
O nascer helíaco das Hyades, principal aglomerado do Touro, era associado à estação da chuva - donde a origem do seu nome, que significava ‘chover’.
 
Fronteiras:
Taurus situa-se entre as constelações de Gemini, Auriga, Perseus, Áries, Cetus, Eridanus e Orion

PERSEUS, O CAMPEÃO
 
Posicionamento:
Ascensão Reta 1h26m / 4h46m   Declinação +30o.9 / +58o.9
Mito:
Perseus, era filho de Júpiter e Danae, portanto, um semideus a quem Mercúrio deu de presente espada, capa e asas nos pés e também o escudo pertencente à Minerva.  O herói matou a Medusa ao cortar sua cabeça e mais tarde, salvou Andrômeda, com quem se casou e teve alguns filhos.  Quando retornava para sua casa, ele matou acidentalmente seu próprio avô e endoideceu de tanta dor, mas Júpiter apiedou-se dele e o colocou entre as estrelas.
Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes
 
 
Fronteiras:
A constelação Perseus faz fronteira com Auriga, Camelopardalis, Cassiopéia, Andromeda, Triangulum, Áries e Taurus

 
O SOL DO ECLIPSE ANULAR, DIA 20
 
Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.

É interessante observarmos o fato de que o Sol, passeando nos campos onde o Touro pasta, vem buscando encontrar-se com sua Estrela-Alpha, Aldebaran, gigante alaranjada, o Olho Iluminado do Touro, e recém encontrou-se com Júpiter e Mercúrio que também ali se situam.  Vênus também é testemunha desta belísssima cena, posicionando-se bem na pontinha do Chifre mais ao norte do Touro e beijando a Estrela Beta Tauri, Al Nath, praticamente aos pés do Cocheiro.

As estrelas mais proeminentes nas vizinhanças do Eclipse Anular do Sol são Capella, Alpha Aurigae, bem ao norte de Vênus; olhando ao sul, encontramos as Estrelas Alpha e Beta Orionis, Betelgeuse e Rigel; e ainda um tantinho a mais ao sul, Sirius, a mais bela da noite, Alpha Canis Majoris.  Vemos também a Estrela Alpha Canis Minoris, Procyon.  Olhando mais a Leste e encontrando o Leão, o Planeta Marte pode ser observado, a meio caminho entre suas Estrelas Alpha e Beta, Regulus e Denebola, respectivamente.


 
AO FINAL DO MÊS DE MAIO, vamos encontrar o Sol bem próximo à Estrela Alpha Tauri, Aldebaran, o Olho Iluminado do Touro, e ao norte, poderemos observar o Cocheiro, Auriga, usufruindo da passagem de Mercúrio e Vênus.  Júpiter encontra-se aliado às Irmãs Chorosas, as Plêiades.  Mercúrio, Vênus e Júpiter estão todos inteiramente imersos na luminosidade solar e, portanto, distante de nossos olhos.

 
Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.
 
Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes
Aldebaran.  Alpha Tauri. 
Ascensão Reta 04h34,8m - Declinação +16o 28’
Magnitude visual 1,06 - Distância 68 anos-luz
Uma estrela gigante alaranjada marcando o olho esquerdo e sul do Touro. 
Seu nome advém de Al Dabaran, Aquela que Segue. Aquela que vem antes da Estrela da Água, isto é, das Pleiades. Formava uma das quatro estrelas reais ou guardiãs dos céus entre os persas cerca de 3.000 anos a.C, quando, enquanto Guardiã do leste, marcava o Equinócio Vernal - as outras estrelas eram Regulus, Antares e Fomalhaut.
Hyades - Aglomerado em movimento
Grupo de mais de 200 estrelas que circundam Aldebarã e que se deslocam todas para um mesmo ponto do céu, próximo a Betelgeuse, a estrela-alpha de Órion.  Estas estrelas são um aglomerado aberto e seu desenho forma a cabeça do Touro.  Todas as estrelas encontram-se em movimento em conjunto e por esta razão as Hyades são chamadas de Aglomerado em Movimento do Touro.  A estrela Alpha Tauri, Aldebarã, gigante alaranjada, adorna as Hyades como se fosse uma gema brilhante porém não é membro desse aglomerado por se situar cerca da metade do caminho entre o centro das Hyades e nosso Sol.

 
AURIGA, O COCHEIRO
Posicionamento:
Ascensão Reta 4h25m /  7h27m   -  Declinação +27o 9’ / +56o 1’
 
Mito:
Auriga representa Erichtonius, filho de Vulcano, e foi o primeiro a construir uma carroça ou charrete, desenhada para quatro cavalos, e que ele usou para esconder seus pés muitíssimo deformados.  Dentro dessa constelação, existem também a cabra e seus filhotes - para comemorar a cabra que aleitou Júpiter juntamente com seus rebentos.
 
Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:
 Auriga é representado por um homem barbado carregando uma cabra.  Os Assírios viam esta constelação como uma carroça; os Gregos a viam como um homem cavalgando um cavalo.
 
Fronteiras:
A constelação Auriga faz fronteira com Gemini, Lyinx, Camelopardalis, Perseus e Taurus
Capella.  Alpha Aurigae. Estrela Dupla
  Ascensão Reta 05h15,2m - Declinação +45o 59’
Magnitude visual 0,21 - Distância 45 anos-luz
A sexta estrela mais brilhante dos céus. Uma estrela branca situada no corpo da Cabra nos braços de Auriga.  Capella significa jovem cabra. Algumas vezes, esta estrela é chamada de Amalthea, a cabra, em honra ao seu aleitamento ao jovem Júpiter.



PLANETAS, OS DEUSES ESTÃO NO CÉU:
O Aparente Caminho dos Planetas ao longo do mês de Maio:


Olhe para o céu e aproveite para saber um tantinho mais sobre os Mitos e Dados Técnicos de algumas Estrelas e Constelações que iluminam o Céu Estrelado!

Aparentemente, os Planetas vão perfazendo seus caminhos ao longo de suas sendas, ao longo da chamada Eclíptica, contra o pano de fundo de estrelas e constelações que perfazem a Roda do Zodíaco e que são circundados pelos demais cantos, ao norte e ao sul, preenchidos por mais e mais estrelas e constelações, galáxias, etc.
Volta e meia, aparentemente, um Planeta engrena marcha-a-ré, toma uma movimentação para trás.... como se estivesse formando um ‘lacinho’ a partir do ponto de vista do Planeta Terra.  No entanto, é claro que tudo sempre anda para frente, digamos assim, e esse movimento é apenas aparente e acontece a partir do próprio movimento de translação da Terra em torno do SOL e sua inter-relação visual com o Planeta em questão (que também realiza seu andamento em torno ao SOL, certamente).

MERCÚRIO

MERCÚRIO, o Mensageiro dos Deuses e dos Homens,  começa o mês nadando nos mares dos Peixes e por volta do miolo de maio, adentra terra firme já nos campos do Touro onde testemunhará a chegada da Lua para tornar o Sol um evento de Eclipse Anular!

Se você gosta de acordar bem cedinho, a partir do primeiro canto do galo, ainda poderá observar Mercúrio surgindo nos céus do horizonte leste antes da chegada do Sol....   No entanto, a visão de Mercúrio poderá acontecer somente até meados do mês de maio, porque a distância entre este Planeta e o Sol começará a diminuir gradativamente até que ambos se encontrem ao final do mês, sempre distante de nossos olhares, é claro.



VÊNUS

VÊNUS, a Bela da Tarde, veio encantando nossos olhos nesses últimos meses, principalmente ao final de fevereiro e ao longo de todo o mês de março quando Júpiter também estava presente e ambos faziam a festa nos céus do horizonte oeste, ao cair da noite.  No entanto, já em abril, Júpiter foi desaparecendo, desaparecendo.... enquanto Vênus continuava altiva e sempre brilhante avançando através a constelação do Touro e sempre nos brindando com belos espetáculos sempre que a Lua Recém Nova esteve presente.

Agora em maio, Vênus começa o mês dirigindo-se para os campos já finalizadores onde o Touro pasta, buscando encontrar-se com El Nath, Estrela Beta Tauri, próximo ao momento em que Lua e Sol estarão se aliançando em Eclipse Anular, dia 20!

No entanto, ainda antes desse belo evento acontecer, Vênus estará empenhando-se em seu movimento de marcha-a-ré, o que significará seu descenso pelo céu do horizonte oeste... até efetivamente encontrar-se com o Sol ao começo do mês de junho, quando estará nos brindando com um espetáculo ímpar: o Trânsito de Vênus sobre o Sol!

O cair da noite do dia 22 de maio, nos trará a belíssima visão de Lua Recém Nova (e ainda entontecida pelo seu enlace com o Sol, o Eclipse Anular, acontecido dois dias antes) encontrando-se com Vênus, a Bela da Tarde.



 
MARTE
O Deus da Guerra, Planeta Vermelho, começa o mês extremamente próximo à Estrela Alpha Leonis, Regulus, o Pequeno Rei, e poderá ser visualizado ao longo de todo o mês de maio encetando seu passo não tão rápido mas também não tão vagaroso que não possa ser percebido, através os campos onde o Leão pasta!

 Mario Jaci Monteiro – As Cartas Celestes


Marte estará recepcionando a Lua ansiando por seu momento de Cheia, em breve, logo ao primeiro dia de maio e também ao final do mês, no dia 29, com a Lua recém Crescente!  Ou seja, Marte e Lua estarão fazendo iluminada festa diante de nossos olhos, Lua branquinha e iluminada e Marte alaranjado e também  intensamente nos trazendo sua luz de lâmpada forte.

Quando a noite cai, já estaremos podendo observar Marte em seu passeio pelos campos do garboso rei dos animais do céu... então, aproveite os tempos em que a Lua estiver distanciada do Leão para bem observar esta constelação!


JÚPITER

O Deus dos Deuses começa o mês ensaiando seus passos para deixar os campos do Carneiro e adentrar os campos do Touro – intenção bem-sucedida mais para o final do mês.

Júpiter não estará mais visível aos nossos olhos, tendo desaparecido no horizonte oeste, vagarosamente, do miolo do mês de abril em diante, nos dizendo até breve para reaparecer ao final do mês de junho nas madrugadas frias, ao canto do galo anunciando a chegada do Sol.

No miolo do mês de maio, Sol e Júpiter estarão se encontrando distante de nossos olhos, é claro, e quando acontecer o espetáculo do Eclipse Anular Solar – o enlace entre Lua e Sol -, Júpiter estará testemunhando, sim, bem juntinho a Mercúrio (Vênus também, porém de mais longe, ainda visível para nosso embevecimento no horizonte oeste).




SATURNO

O Senhor dos Anéis começa o mês bem próximo à Estrela Alpha Virginis, Spica, a Espiga de Trigo, e anda vagarosamente, em movimento de marcha-a-ré, até efetivamente beijar esta maravilhosa estrela...

A noite do dia 04 nos brindará com uma Lua imensa e iluminadíssima, buscando seu momento de Plenilúnio dois dias mais tarde, dia 06, e encontrando-se com Saturno e sua vicinitude de estrela Spica.
O final do mês de maio, dia 31, também haverá de nos brindar com a aproximação de Selene grandiosa e iluminada e da mesma forma, buscando se tornar, em breve, Lua Cheia, a Saturno, o Senhor dos Anéis, já praticamente grudado à Spica!

Quando a noite já estiver caindo, olhe para o horizonte leste que você estará visualizando Saturno e Spica!  Sendo assim, aproveite os tempos em que a Lua estiver distanciada da constelação da Virgem para bem poder apreciá-la e estudá-la – seja a olho nu, seja através binóculos ou seja através telescópios de todas as espécies de visores ópticos ... pois que esta constelação, tão virginal aparentemente, esconde tesouros inimagináveis!

Acesse http://sobrevirgo.blogspot.com para conhecer mais e mais sobre a Constelação da Virgo.
Mario Jaci Monteiro – As Cartas Celestes


 
URANO foi descoberto em 1781 por W. Herschel, um organista alemão que morava em Bath, na Inglaterra.

Urano é um planeta gigante sua rotação de Urano é bem diferente: seu eixo rotacional acontece praticamente unto com seu plano orbital.  O tempo da rotação dura aproximadamente 17 horas.  Mais extraordinário ainda é a posição do eixo magnético do Planeta, que se inclina em 55 graus em relação ao eixo rotacional.  Urano possui um campo magnético bem poderoso. O planeta e seu sistema inteiro de satélites gira sobre seu lado. Numa distância de 1.784 milhões de milhas do sol, Urano desenvolve uma órbita de 84 anos terrestres em torno do sol.  Urano deve ter sofrido uma grande colisão com um imenso objeto: ele é inclinado em seus lados, comparado aos outros planetas.
O equador em Urano corre perpendicularmente à sua órbita ao redor do sol. Os eixos rotacionais e orbitais são praticamente alinhados; dessa forma, nós podemos ver Urano virado mostrando seu pólo a cada 42 anos. 
Em 11 de dezembro de 2011, URANO, o Deus dos Céus Estrelados, retomou seu movimento direto nas proximidades da fronteira da constelação dos Peixes, onde vem mergulhando abissalmente desde o ano passado e por onde ainda continuará abissalmente mergulhado por cerca de mais sete anos à frente.... 

O Planeta Verde estará nadando cerca de um palmo nos mares dos Peixes até finalmente engendrar seu movimento de marcha-a-ré no miolo do mês de Julho, recuando aparentemente cerca de meio palmo até que, no miolo do mês de dezembro de 2012, estará novamente retomando seu movimento direto. 

Certamente, se acaso você tiver um bom telescópio em casa, poderá tentar encontrar o Planeta Verde nadando entre as estrelinhas bem pouco iluminadas da constelação dos Peixes, não custa tentar! 

Ao final do mês de Setembro, aproveite a boa oportunidade do tempo de Oposição entre SOL e URANO e use sua aparelhagem de astronomia buscando bem focalizar o Planeta Verde, URANO...



 
NETUNO

O astrônomo inglês Adams e o astrônomo francês Leverrier, independentemente entre si, calcularam a posição do oitavo Planeta - que tinha indicado sua existência a partir dos efeitos gravitacionais provenientes de Urano.  No entanto, foi em 23 de setembro de 1846 que dois astrônomos berlinenses, Galle e D’Arrest, encontraram o Planeta Netuno, não mais do que um grau de sua calculada posição.

NETUNO, o deus dos sonhos e dos mares, encontra-se na fronteira entre as constelações do Capricórnio e do Aquário - onde esteve ao longo do ano de 2011 e por onde ainda pretende estar ao longo do ano de 2012, em função de seu andamento bem lento, realmente.  


NETUNO é um Planeta bem longínquo e exige aparelhagem consistente para ser observado em telescópios bem simpáticos. 
Por volta do dia 24 de Agosto, aproveite a boa oportunidade do tempo de Oposição entre SOL e NETUNO e use sua aparelhagem de astronomia buscando bem focalizar o Planeta Azul, NETUNO.....


 
O APARENTE CAMINHO DA LUA
AO LONGO DO MÊS DE MAIO DE 2012

Olhe para o céu e aproveite para saber um tantinho mais sobre os Mitos e Dados Técnicos de algumas Estrelas e Constelações que iluminam o Céu Estrelado!


Highlights da LUA ao longo do mês de Maio:


SUPER Lua Cheia em momento de Perigeu, dia 06 de Maio


                                              
Boston Moonrise
Image Credit &
Copyright: Dennis Di Cicco (TWAN)



SUPER Lua Cheia em momento de Perigeu, ou seja, maior aproximação de Selene à Terra, nos brindando com um Plenilúnio realmente encantador, grande, imenso mesmo! 
Este é um espetáculo encantador, sim, porém nem sempre observado realmente: como medir a Lua? Impossível! 
Os melhores momentos para a observação desse espetáculo acontecem quando a Lua está recém nascendo no horizonte leste, ao cair da noite, ou quando a Lua está se pondo no horizonte oeste, ao final da noite.




Eclipse Anular do Sol




(1,024 × 768 pixels, file size: 100 KB, MIME type: image/jpeg).

This is a file from the Wikimedia Commons.  Eclipse anular – 3 de outubro de 2005 – crédito: http://www.flickr.com/photos/sancho.panza/54940367 - Autor: Sancho Panza



Um eclipse solar anular acontecerá em 20 de Maio de 2012 (dia 21, hora local no hemisfério oriental), com a magnitude de 0.9439.

Um eclipse solar acontece quando a Lua passa entre a Terra e o Sol e portanto obscurecendo o Sol totalmente ou parcialmente, do ponto de vista da Terra.
Um eclipse anular do Sol acontece quando o aparente diâmetro da Lua é menor do que o do Sol, mostrando o Sol como se fosse um annulus, anel, bloqueando a maior parte da luz solar.  Um eclipse anular do Sol aparece como um eclipse parcial para uma imensa região de quilômetros de amplitude.

Traduzido literalmente por Janine Milward



 
Apogeu e Perigeu da LUA - Fases da LUA

06/05/2012 03:00 Perigeu 356.964 0,5579°
19/05/2012 16:00 Apogeu 406.439 0,4900° 


LUA Cheia - dia 06 às 03:36  (Greenwich mean time)

LUA Minguante – dia 12 às 21:48  (Greenwich mean time)
LUA Nova – dia 20 às 23:48  (Greenwich mean time)

LUA Crescente – dia 28 às 20:17  (Greenwich mean time)


 
O APARENTE CAMINHO DA LUA

Ao longo do mês de Maio:


DIA 30 de abril -  LUA já apresentando-se bem mais iluminada e volumosa, realiza seu encontro com o Planeta Vermelho, MARTE, encontro testemunhado pelo Leão garboso em seu campo.


Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.


Assim o mês de Abril termina, com JÚPITER já desaparecido de nossos olhos; com VÊNUS também já ensaiando sua saída de cena para o mês seguinte, Maio; com MERCÚRIO sempre nos brindando com sua presença em madrugadas sonolentas...



DIA 01 de maio - A Lua, cada noite mais volumosa e iluminada – engordando a olhos vistos -, buscando seu momento de Plenilúnio, realizou seu encontro com Marte e ainda se apresenta caminhando através a constelação do Leão – porém com toda a intenção de adentrar a constelação da Virgem e cumprimentar Spica, a Estrela Alpha Virginis, e Saturno, o Senhor dos Anéis.


                                              
Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.



DIA 02 -  Quando a noite cai, não deixe de observar Vênus, a Bela da Tarde, ainda nos embevecendo o olhar com sua luminosidade intensa e esbranquiçada nos céus do horizonte oeste, cumprindo sua trajetória ao longo da constelação do Touro.  Júpiter já foi engolido pelo horizonte oeste e estará se encontrando com o Sol um tantinho antes deste realizar-se em Eclipse Anular, no dia 20.  Mercúrio ainda faz parte dos céus das madrugadas sonolentas, juntamente com o galo cantador anunciando a chegada do Sol.

DIA 03 – Lua, já tendo adentrado a constelação da Virgem e beijado sua face, desce através um dos braços virginais, aquele que segura a Espiga de milho em sua mão já pronta a receber a iluminação intensa de Selene prestes a se tornar Cheia. 

Em tempos de pré-Plenilúnio, podemos sempre observar a Lua imensa fazendo a côrte próxima ao horizonte leste, ainda ao final da tarde, contra o pano de fundo do céu cor de anil.
Observe o posicionamento da Lua hoje e então, seu posicionamento amanhã e perceba o quanto a Lua anda a cada dia, praticamente um palmo aberto contra o céu.

Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.



DIA 04 -  Lua encontrando-se com Saturno e fazendo Conjunção bem fechada com Spica, a Estrela Alpha Virginis, em belíssimo e imperdível espetáculo!



Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.


DIA 05 – Quando a noite cai, observe a Lua já surgida no horizonte leste ao mesmo tempo em que Vênus, no horizonte oeste, dá início à sua caída.

Mesmo em tempos de Lua luminosa e imensamente gorda, quase Cheia, podemos observar que algumas estrelas esfuziantes teimam em continuar piscando nos céus estrelados!  Sempre Sirius, a mais bela entre as belas, Alpha Canis Majoris, nos surpreende e nos chama a atenção.  Sirius é seguida por Procyum, não tão luminosa, Alpha Canis Minoris.  É certo que ainda o Gigante Órion se faz presente através suas estrelas Alpha e Beta Orionis, Betelgeuse e Rigel.  Mais ainda ao sul, encontramos Canopus, o capitão do Navio, Alpha Carinae.  Um tempinho depois e eis que surge o Centauro e suas duas estrelas ponteadoras, Alpha e Beta Centauri, Rigel Kent e Hadar.  Sempre dentro das pernas do Centauro encontramos nosso Cruzeiro do Sul.  Olhando bem ao norte e ainda para além de Spica, encontraremos o Boieiro com sua esplendorosa, radiante Estrela Alpha Arcturus, verdadeira jóia dos céus mais ao norte!



DIA 06 - LUA Cheia - dia 06 às 03:36  (Greenwich mean time) 03:00 Perigeu 356.964 0,5579°

Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.


SUPER Lua Cheia em momento de Perigeu, ou seja, maior aproximação de Selene à Terra, nos brindando com um Plenilúnio realmente encantador, grande, imenso mesmo!  Este é um espetáculo encantador, sim, porém nem sempre observado realmente: como medir a Lua? Impossível!  Os melhores momentos para a observação desse espetáculo acontecem quando a Lua está recém nascendo no horizonte leste, ao cair da noite, ou quando a Lua está se pondo no horizonte oeste, ao final da noite.
Veja que a Lua Cheíssima, maravilhosamente esfuziante e deslumbrante, ocupa seu lugar em um dos dois pratos da Balança – duas estrelas ponteadoras que, no passado, eram consideradas como As Garras do Escorpião, denominação que faz todo o sentido, realmente.


 
DIA 07 -  Quando a noite cai, já encontraremos a Lua inteiramente adentrada no corpo do animal rastejante dos céus e também já tendo encontrado-se com Antares, Anti-Ars, a Estrela Alpha Scorpii, seu Coração.

A partir deste momento, a Lua sempre chegará um tantinho mais atrasada a cada noite, nos trazendo as benesses de um tantinho de escuridão para bem apreciarmos o retorno aos céus das estrelas mais tímidas que haviam desaparecido por completo ao longo do tempo em que Selene se avolumava mais e mais e iluminava tudo mais e mais.


Dia 08 -  Repare que, praticamente após encontrar-se com Antares, o Coração do Escorpião, a Lua adentra a décima-terceira constelação do Zodíaco, Ophiucus, o Serpentário, aquele que segura a Serpente.

Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes


Posicionamento:
Ascensão Reta 15h58m / 18h42m      Declinação +14o.3 / -30o.1

Mito:
Hercules, quando criança, estrangulou duas serpentes enviadas por Juno para mata-lo enquanto dormia em seu berço.  Esta constelação também foi chamada de Esculapius, o pai da medicina.
Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:
Quando o Zodíaco foi originalmente nomeado, a Eclíptica não passava pelo Ofiúco, de forma que esta constelação não foi incluída.  Hoje em dia, sim, em função da precessão,  Ofiúco recebe a passagem da linha da Eclíptica e o Sol passa um bom tempo aqui depois de ter adentrado a Cabeça do Escorpião e passado ao largo de sua estrela Alpha, Antares.

Fronteiras:
Ophiucus situa-se entre as constelações Serpens Cauda e Serpens Caput (e todas três acabam formando um conjunto imenso de situações entrelaçadas), e também Scorpius, Sagittarius, Scutum, Aquila, Hercules Corona Borealis, Libra



DIA 09 – A Lua surge no horizonte leste somente por volta das vinte e três horas, no lugar onde moro, sudeste do Brasil, e portanto, temos bastante tempo para bem podermos observar e estudar algumas constelações interessantes e que estão sendo bem visitadas por Planetas: Marte, o Guerreiro Vermelho, a meio caminho entre Regulus, Alpha Leonis, e sua Estrela Beta, Denebola (Regulus quer dizer pé enquanto Deneb quer dizer cauda); e Saturno, o Senhor dos Anéis, extremamente aproximado de Spica, a Estrela Alpha Virginis.  Encontre neste Trabalho, sob o Tema Planetas, os Deuses estão no Céu, as Cartas Celestes realizadas por Mario Jaci Monteiro sobre estas constelações, para seu melhor direcionamento, caro Leitor.


DIA 10 -  A Lua inicia a noite querendo adentrar o Capricórnio, tendo ao norte a companhia da maravilhosa Águia com suas três estrelinhas tão simpáticas:

AQUILA, A ÁGUIA
Posicionamento:
Ascensão Reta 18h38m/20h36m  Declinação -11o 9’ a  -18o 6’
Mito:
A Águia representa Júpiter carregando Ganimedes para o céu - fazendo parte, portanto, do mito de Aquário. 

Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:
A Águia tem sido sempre associada com pássaros o seu desenho triangular representa um pássaro com suas asas bem abertas. Originalmente, esta constelação era chamada de Vultur Volans. 

Fronteiras:
Aquila situa-se entre as constelações Scutum, Sagittarius, Capricornius, Aquarius, Equuleus, Pegasus, Delphinus, Sagitta, Hercules, Ophiucus, Serpens
Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.


Altair situa-se ao centro, tendo Alshain de um lado e Tarazed de outro lado - todas três perfazendo as estrelas mais proeminentes da Águia e atuando em vôo conjunto, facilmente identificável nos céus, mesmo que contra o pano de fundo da Via Láctea.

Altair.  Alpha Aquilae. 
Ascensão Reta 19h 49,8 - Declinação +08o 49’
Magnitude visual 0,89 - Distância 16 anos-luz
Uma estrela amarelada e pálida no pescoço da Águia. De Al Tair, a Águia, e algumas vezes chamada de Pássaro de Jó.  O Pássaro que Voa.
Esta estrela possui uma rotação extraordinariamente rápida, rodando em torno ao seu eixo uma vez cada 6.5 horas, o que evidentemente explica sua forma de um grande elipsóide achatado.


Alshain - Beta Aquilae
Magnitude visual 3.9
A Águia.


Tarazed - Gamma Aquilae
Distância de 340 anos-luz.
Voadora, nome de origem persa de significado idêntico ao de Altair.


 
DIA 11 – Enquanto aguardamos a chegada da Lua sempre atrasada e bem murchenta, por que não nos deixar embevecer pelos céus estreladíssimos do sul?
Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.

 
Sempre o Presépio é um presente para nossos olhos e nosso coração – mais ainda quando pode ser visto a olho nu em lugares de céus escuros e transparentes!   O Presépio é o Coração do Caranguejo, uma espécie de lua cheia de tantas estrelinhas-bebês juntas, que viajam juntas...  Vistas através binóculos e telescópios são de tirar o fôlego!
 
Nossa próxima parada pode repousar em Sirius, a Estrela Alpha Canis Majoris e então observarmos os chumaços de algodão que vão se formando ainda em Cão Maior e depois ao longo de todo o Navio e indo em direção ao Centauro e ainda concluindo-se na cauda do Escorpião...
Somente no Navio Argus, podemos citar, dentre outros:
NGC 2516 - Aglomerado Aberto, em Carina
Notável aglomerado aberto, no prolongamento da Falsa Cruz e que pode ser observado a olho nu como se fosse uma pequena mancha e mostrando mais e mais estrelas através potentes binóculos ou telescópios.
 
NGC 2516  - Aglomerado Aberto Carina
Ascensão Reta 07h58m   Declinação -60o.51
Magnitude fotográfica global 3,3  Magnitude fotográfica mais brilhante estrela
10,1
Distância kpc 0,37 Diâmetro 50’ Tipo Espectral B8
 
NGC 2602 - Aglomerado Aberto, em Carina
Este aglomerado aberto é visível a olho nú e situa-se próximo à estrela Teta Carinae.  Foi denominado de Pleiades Austral. Sua observação em instrumentos magnificadores simples constitui um espetáculo notável pois apresenta-se como uma ilhota fortemente contrastada num saco de carvão, com algumas estrelas muito brilhantes, verdadeiros ‘diamantes celestes’ e onde se notam várias estrelas azuis e alaranjadas que formam um belo contraste colorido.
 
NGC 2532 - Aglomerado Galáctico, em Carina
Este aglomerado situa-se próximo à estrela Eta Carinae e é visível a olho nu como uma mancha de luz difusa em noites bem límpidas. 
NGC 2808 - Aglomerado Globular Carina
Ascensão Reta 09h11m       Declinação -04o.42
Magnitude fotográfica global 7,4        Diâmetro aparente 18’8         Tipo Espectral F8
Magnitude média das 25 mais brilhantes estrelas (excluindo as 5 mais brilhantes) 15,09
Número conhecido de Variáveis 4           Distância kpc   9,1
Velocidade Radial (km/s)  + 101
 
NGC 3372 - Eta Carinae Nebulosa
Uma região imensa e brilhante no céu apresentando uma estrutura complexa, bandas de matéria escura dividindo esta região em vários segmentos em formatos bem delineados.  A parte mais brilhante da nebulosa contém uma pequena formação escura parecendo um Buraco de Fechadura, de onde se deriva o nome da nebulosa.
 
NGC 3114  - Aglomerado Aberto Carina
Ascensão Reta 10h02m    Declinação  - 60o.01
Magnitude fotográfica global 4,5  Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 7,0
Distância kpc 0,85           Diâmetro  37’    Tipo Espectral B5
 
NGC I2602 - Aglomerado Aberto Carina - Pleiades Austrais
Ascensão Reta 10h42m    Declinação - 64o.17
Magnitude fotográfica global 1,6   Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 6,0
 Distância kpc 0,15    Diâmetro 65’   Tipo Espectral B1
Aglomerado Aberto Carina, Olho de Ferradura
Ascensão Reta 10h44m    Declinação - 59o. 36
Magnitude fotográfica global 6,7   Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 10,0
 Distância kpc 2,95   Diâmetro 10’   Tipo Espectral O5
NGC 3532  - Aglomerado Aberto Carina
Ascensão Reta 11h05m   Declinação - 58o.33
Magnitude fotográfica global 3,4   Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 8,1
 Distância kpc 0,42       Diâmetro  55’    Tipo Espectral B8
 
NGC 3132 - Nebulosa  planetária na fronteira entre a Vela e Antlia.
Uma nebulosa planetária com uma estrela central muito brilhante que, por sua vez, possui uma companheira anã, aquela que representa a fonte da radiação da nebulosa.
 
NGC I2391  - Aglomerado Aberto Vela
Ascensão Reta  08h39m  Declinação -52o.59
Magnitude fotográfica global 2,6    Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 3,5
 Distância kpc 0,15      Diâmetro 45’     Tipo Espectral B4
 
NGC I2395 - Aglomerado Aberto Vela
Ascensão Reta  08h40m   Declinação -48o.07
Magnitude fotográfica global 4,6  Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 10,1
 Distância kpc 0,90    Diâmetro 20’     Tipo Espectral B2
 
NGC 2477 - Aglomerado, em Puppis
O mais rico dos muitos aglomerados existentes na Popa do Navio.
 
M 46 - Aglomerado Aberto, em Puppis
M 47 - Aglomerado Aberto, em Puppis
Estes dois Aglomerados podem ser vistos a olho nu e bem esfumaçadamente, próximos ao Cão Maior e sua estrela-Alpha, Sirius.
M 93 - Aglomerado Aberto, em Puppis
NGC 2422 - M 47 - Aglomerado Aberto Puppis
Ascensão Reta 07h34m  Declinação -14o.27
Magnitude fotográfica global 4,3  Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 9,8
Distância kpc 0,48  Diâmetro 30’  Tipo Espectral B3
 
NGC 2437 - M 46  - Aglomerado Aberto Puppis
Ascensão Reta 07h40m  Declinação -14o.46
Magnitude fotográfica global 6,6  Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 10,8 Distância kpc 1,66   Diâmetro 27’  Tipo Espectral B8
 
NGC 2447 - M 93 - Aglomerado Aberto Puppis
Ascensão Reta 07h43m.6  Declinação -23o.49’
Magnitude Visual integral 6,0
NGC 2451 - Aglomerado Aberto Puppis
Ascensão Reta 07h44m   Declinação -37o.55
Magnitude fotográfica global 3,7 Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 6,0
Distância kpc 0,30  Diâmetro 37’Tipo Espectral B5
 
NGC 2546 - Aglomerado Aberto Puppis
Ascensão Reta 08h11m  Declinação -37o.35
Magnitude fotográfica global  5,0  Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 7,0
 Distância kpc 0,84     Diâmetro 45’    Tipo Espectral B0

 
DIA 12 – LUA Minguante – dia 12 às 21:48  (Greenwich mean time).  Quando é tempo de Lua Minguante,  sempre acontece o início de pelo menos uma semana de céus escuros e transparentes porque Selene vai chegando cada vez mais de madrugada, Lua boêmia e murchenta, e nos trazendo, dessa maneira, mais e mais horas de boa observação noturna.

 
DIA 13 -  Observe que Marte vem caindo mais e mais cedo e Saturno vem buscando o zênite mais e mais cedo... e também Vênus vem caindo no horizonte oeste mais e mais cedo.... O céu se movimenta ao longo da noite, deixando constelações e estrelas caírem no horizonte oeste e fazendo com que constelações e estrelas surjam no horizonte leste.
 
Observe também que Mercúrio vem cada vez mais encolhendo-se no horizonte leste na madrugada antecipadora da vinda do Sol.
A Lua chega cada vez mais em alta madrugada, Lua em Aquário, apontando para Fomalhaut, a Estrela Alpha de Piscis Austrinus.
 
DIA 14 -  Lua passeando pelas ondinhas ziguezagueantes formadas pelas estrelinhas tímidas da constelação do Aquário.

 
DIA 15 -  Lua mergulhando abissalmente na constelação dos Peixes.  Ainda antes desse mergulho, ainda quando a Lua marolava nas águas do Aguadeiro, vemos que tem início o Mito de Andrômeda, acolhendo Cepheus, o pai, Cassiopeia, a mãe, Pegasus, o Cavalo Alado, Andrômeda, a Princesa Acorrentada, Cetus, a Baleia, e Perseus, o Herói. 

Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.

DIA 16 -   Toda esta parte do céu, é acolhida dentro do mito que tem como personagens principais, Perseus, o herói, e a bela Andrômeda, a princesa acorrentada.
A Constelação de Andrômeda, a donzela/princesa acorrentada 
 
Andrômeda era a filha de Cefeus,  rei da Etiópia, e de Cassiopeia.  Por causa dos boatos espalhados por Cassiopeia de que a beleza de Andrômeda superava a das Nereidas, Netuno enviou um mostro marinho, Cetus, a Baleia, para devastar aquele país. 
 
Porém, Netuno fez a promessa de libertar o país dessa devastação caso Andromeda fosse oferecido em sacrifício, sendo acorrentada a uma rocha, para ser devorada pelo monstro marinho. 
 
No entanto, Perseus soube desse caso e salvou Andrômeda de seu tormento matando o monstro e o transformando em pedra ao lhe mostrar a cara da Medusa.  Ambos, Perseus e Andrômeda, alçaram vôo alto, sobre Pegasus e se dirigiram para o altar onde se casaram.
 Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes

A galáxia de Andrômeda encontra-se dentro da constelação com o mesmo nome.  É um belíssimo objeto a ser visto através mesmo simples binóculos! Em locais de céus escuros e transparentes e com bom norte - já morei no Sítio da Laje, em Sapucaia, RJ, onde isso acontecia -, podemos olhar para a galáxia de Andrômeda com nossa vista enviesada e a olho nú e nos surpreendemos com sua beleza rara.

Toda esta parte do céu vem sendo observada através o andamento da Lua até completar o Mito aos pés de Perseus, já quando estiver acontecendo o Encontro entre Lua e Sol formando o Eclipse Anular!
São constelações bem ao norte.  Na ilustração abaixo podemos identificar metades de Cepheus e Cassiopeia (na região sudeste do Brasil, onde moro, essas constelações não são fáceis de serem identificadas, infelizmente), o Cavalo Alado por inteiro bem como Andrômeda e a Baleia Cetus, e vemos entrando em cena o Herói Perseus, trazendo a cabeça da Medusa em sua mão.
 

Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.

DIA 17 – Algumas informações interessantes sobre uma constelação facilmente identificável por causa do Grande Quadrado de estrelas que forma no céu do norte:
 
 A Constelação de Pegasus, o Cavalo Alado
Dizem que Pegasus nasceu a partir do sangue da Medusa quando Perseus cortou fora sua cabeça.  Mais tarde, o cavalo foi domado e cavalgado por Bellerofonte que se cansou das questões pertinentes à Terra e tentou voar em direção aos céus porém caiu.  Pegasus, no entanto, continuou sua cavalgada, entrando no céu e tomando seu lugar entre as estrelas.
Pegasus é uma constelação muito fácil de ser reconhecida por apresentar um proeminente quadrado formado por três membros Alpha Pegasi, Markab, Beta Pegasi, Scheat e Gamma Pegasi, Algenib, e ainda acolhendo a estrela Alpha Andromedae, Alpheratz.
 Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes
Fronteiras:
A constelação de Pegasus faz fronteira com Andrômeda, Lacerta, Cygnus, Vulpecula, Delphinus, Equuleus, Aquário e Peixes
 
Algumas Estrelas e alguns objetos interessantes, em Pégaso:
Existe um Asterismo chamado de O Quadrado de Pegaso e composto pelas estrelas Alpha, Beta e Gamma Pegasi e ainda Alpha Andromedae.
 
Markab.  Alpha Pegasi. 
Ascensão Reta 23h 03,8m - Declinação +15o 05’
Magnitude visual 2,57 - Distância 109 anos-luz
Uma estrela branca situada na asa de Pegaso.  De Marka, Navio ou Veículo ou também Retornando de Longe.  Em outra versão, a Sela, vocábulo árabe para designar o dorso de Pegaso.
Scheat. Beta Pegasi.  Estrela Variável.
Uma estrela de amarelo profundo e irregularmente variável (de 2,1 a 3,0) e distante 210 anos-luz, situada na perna esquerda de Pegaso.   O Peito, nome árabe.
Esta é uma das quatro estrelas que compõem o Grande Quadrado do Cavalo Alado (as outras são Alpheratz (ou Sirrah) que Pegasus compartilha com Andrômeda (sua Alpha), a estrela-alpha Pegasi, Markab e a estrela-gamma, Algenib.
Algenib. Gamma Pegasi.
Magnitude 2.84
Uma estrela branca situada na ponta da Asa de Pegaso.  De Al Janah, a Asa, ou Al Jamb, o Lado.  Significa Aquele que Carrega. A Asa do Cavalo Alado.
Alpheratz
 Uma estrela situada entre Andrômeda e Pegasus - Alpha Andromedae
Ascensão Reta 00h07,3 - Declinação +28’58
Magnitude visual 2,15 - Distância 90 anos-luz
A cabeça de Andrômeda e parte do Cavalo Alado, Andrômeda.  É uma estrela colocada na constelação de Andrômeda mas que  possui seu grande simbolismo em relação ao conceito de Andrômeda. 
DIA 18 -  A Lua apresenta-se enquanto um finíssimo anel e muitíssimo próxima ao horizonte leste anunciando a chegada do Sol.
 
As constelações de Cassiopeia e Cepheus não são facilmente divisadas quando estamos próximos ao Trópico de Capricórnio – que é o meu caso – por se situarem muitíssimo ao norte.  No entanto, sempre é bom sabermos um tantinho sobre seus Mitos:
 
A Constelação de Cassiopeia, a rainha invejosa, a mulher sentada
Andrômeda era a esposa do rei Cefeus, da Etiópia, e mãe de Andrômeda.  Ambas eram belíssimas mas alguns dizem que Cassiopéia era muitíssimo invejosa da beleza de sua filha...  e espalhou o boato que esta era ainda mais bela do que as Nereidas.  Um monstro marinho, Cetus, a Baleia, foi então enviado por Netuno ou para devastar todo o país ou somente para devorar Andrômeda, que seria acorrentada a uma rocha.  Sabemos que Perseus salvou Andrômeda e com ela se casou.  Mas por todos esses acontecimentos, Cassiopeia foi condenada a se sentar em seu trono e rodear o pólo norte de cabeça para baixo, como um lição de humildade.
 
A Constelação de Cefeus, o pai de Andrômeda 
Cefeus, rei da Etiópia, foi levado aos céus  conjuntamente com sua esposa, Cassiopeia, e sua filha Andrômeda em comemoração sobre os eventos e realizações atuados por Perseus.

DIA 1919/05/2012 16:00 Apogeu 406.439 0,4900°  .  A Lua prepara-se para seu Encontro com o Sol, belíssimo encontro a ser realizado através o doce enlace de um Eclipse Anular!
 
CETUS, A BALEIA, O MONSTRO MARINHO
 
Posicionamento:
Ascensão Reta 23h55m / 3h21m     Declinação -25o.2 / +10o.2
 
Mito:
Cetus representa o monstro marinho enviado por Netuno para devorar Andrômeda.  Andromeda era uma princesa filha de Cepheus e tendo por madrasta, Cassiopea que a prende acorrentada em uma ilha.  Andromeda foi salva por Perseus, o herói que realizou este feito voando até a ilha em seu cavalo alado Pegasus.
 
Fronteiras:
A constelação Cetus faz fronteira com Eridanus, Taurus, Áries, Pisces, Aquarius, Sculptor e Fornax
 
Existe um Asterismo denominado de A Cabeça de Cetus e composto pelas estrelas Alpha, Gamma, Zeta e Mu Ceti.
 
Menkar.  Alpha Ceti.
Ascensão Reta 03h01,2 - Declinação +04o 00
Magnitude visual 2,82 - Distância 130 anos-luz
Uma estrela brilhante e alaranjada situada nos dentes da Baleia.  De Al Minhar, o Nariz, O Focinho - nome árabe que indica a posição da estrela mais brilhante do asterismo da Baleia.
Didhda - Beta Ceti
A Rã, nome árabe.
 
Shemali - Iota Ceti
Norte, nome de origem árabe Al Shamalivy, usado para designar a parte norte da cauda da Baleia.


 
DIA 20 - LUA Nova – dia 20 às 23:48  (Greenwich mean time)
ECLIPSE ANULAR DO SOL:
O primeiro eclipse solar de 2012 acontece com a Lua ocupando o Nódulo Descendente, ao centro da constelação do Touro.
                                              
Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e o Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais - para melhor visualização do Leitor/Caminhante.

É interessante observarmos o fato de que o Sol, passeando nos campos onde o Touro pasta, vem buscando encontrar-se com sua Estrela-Alpha, Aldebaran, gigante alaranjada, o Olho Iluminado do Touro, e recém encontrou-se com Júpiter e Mercúrio que também ali se situam.  Vênus também é testemunha desta belísssima cena, posicionando-se bem na pontinha do Chifre mais ao norte do Touro e beijando a Estrela Beta Tauri, Al Nath, praticamente aos pés do Cocheiro

As estrelas mais proeminentes nas vizinhanças do Eclipse Anular do Sol são Capella, Alpha Aurigae, bem ao norte de Vênus; olhando ao sul, encontramos as Estrelas Alpha e Beta Orionis, Betelgeuse e Rigel; e ainda um tantinho a mais ao sul, Sirius, a mais bela da noite, Alpha Canis Majoris.  Vemos também a Estrela Alpha Canis Minoris, Procyon.  Olhando mais a Leste e encontrando o Leão, o Planeta Marte pode ser observado, a meio caminho entre suas Estrelas Alpha e Beta, Regulus e Denebola, respectivamente.




DIA 21 -  Concluindo o Mito de Andrômeda, encontramos a Lua passeando aos pés do Herói Perseus:

 
PERSEUS, O CAMPEÃO

Posicionamento:
Ascensão Reta 1h26m / 4h46m   Declinação +30o.9 / +58o.9

Mito:
Perseus, era filho de Júpiter e Danae, portanto, um semideus a quem Mercúrio deu de presente espada, capa e asas nos pés e também o escudo pertencente à Minerva.  O herói matou a Medusa ao cortar sua cabeça e mais tarde, salvou Andrômeda, com quem se casou e teve alguns filhos.  Quando retornava para sua casa, ele matou acidentalmente seu próprio avô e endoideceu de tanta dor, mas Júpiter apiedou-se dele e o colocou entre as estrelas.

Fronteiras:
A constelação Perseus faz fronteira com Auriga, Camelopardalis, Cassiopéia, Andromeda, Triangulum, Áries e Taurus
Algumas Estrelas e alguns objetos interessantes, em Perseus:

Capulus.  Aglomerados Abertos. A Espada de Perseu

NGC 884 - Aglomerado Aberto Xi Perseus
Ascensão Reta 02h21m   Declinação +57o.02
Magnitude fotográfica global 4,4  Distância kpc 2,48
Diâmetro 30’ Tipo Espectral B0
Um aglomerado duplo situado na mão da espada de Perseus, também conhecido como A Espada de Perseus.  Visível a olho nú, com mais de 700 estrelas de 7a. e 12a. Magnitude visuals.  Espetáculo belíssimo, também podendo ser observado por um par de binóculos simples.  Perseus é o herói que voa no cavalo Pegasus, o cavalo branco e alado, para salvar ndrômeda, acorrentada numa pedra, numa ilha solitária.  Perseus salva ndrômeda e com ela se casa. 


Mirfak ou Algenib - Alpha Persei
Ascensão Reta 03h22,9m - Declinação +49o 47’
Magnitude visual 1,90 (variável) - Distância 570 anos-luz
O Sino.  O Badalo, nome árabe que indica uma das partes da constelação quando esta é representada como um sino.


Algol. Beta Persei.  Estrela Dupla e Eclipsante
Ascensão Reta 03h06,6m - Declinação +40o 52’
Magnitude visual 2,60 (variável) - Distância 105 anos-luz
É uma estrela binária e branca e variável, marcando a cabeça da Medusa segura pelas mãos de Perseus.  Algol nos chama a atenção por ser uma estrela binária e eclipsando juntamente com sua companheira - do mesmo tamanho e que não se situa muito distante -, em um período de não mais do que três dias!  Existe, no entanto, uma terceira estrela, muito menor, e que órbita esse sistema binário em 23 meses.  A companheira mais pálida e mais fria, regularmente acaba eclipsando a mais brilhante, mais quente companheira. A magnitude de Algol varia entre 2.1 e 3.4 num período de 2 dias, 20 horas, 48 minutos e 56 segundos!
Algol é uma palavra que advém de Ra’s al Ghul, a Cabeça do Demônio.  

Algol representa a cabeça da Górgona Medusa que foi degolada por Perseus.  Medusa, que era a única mortal entre as três irmãs Gorgónas, era originalmente uma jovem  bela porém seu cabelo foi mudando e acrescendo serpentes - feito realizado por Pallas Athenas por causa do fato de que a Medusa ter se encontrado com Mercúrio e ter dado a luz a Chrysaor e Pegasus, seus filhos, em um dos templos da deusa.  A aparência da Medusa tornou-se tão medonha que qualquer pessoa que olhasse para ela, transformava-se em pedra.

Beta Persei - Estrela Variável análoga à Algol
Ascensão Reta 03h06m    Declinação +40o.52
Magnitudes: Max 2,3  Min 3,5   Período 2,9
Tipo ALG   Espectro B8


Aglomerado de Estrelas em Perseus
Um aglomerado que se movimenta e que contém mais de 100 estrelas em torno a Perseus A (NGC 1275).  Um objeto maravilhoso para ser observado por bons pares de binóculos ou por telescópios simples.  Distante 570 anos-luz.



DIA 22 -  Hoje, ao final da tarde, quando o horizonte oeste se mostra alaranjado/avermelhado com o adeus do Sol, não perca a bela visão da Lua Recém Nova, em seu finíssimo anel dourado buscando beijar Vênus, a Bela da Tarde!



DIA 23 -  A Lua segue seu caminho no céu, sempre mostrando-se um tantinho mais encorpada e iluminada a cada noite, galgando desde o horizonte oeste, em seu movimento aparente já agora voltado para adentrar a constelação dos Gêmeos Castor e Pollux.



Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes


DIA 24 – Lua subindo pelas pernas dos Gêmeos, mostrando-se ansiosa para conversar com suas Estrelas Alpha e Beta, Castor e Pollux.
 
Castor.  Alpha Geminorum.  Estrela Dupla
Ascensão Reta 07h 33,3m - Declinação + 31o 56’
Magnitude visual 1,99 e 2,9 - Distância 45 anos-luz
Distância entre estrelas 2”,47
Uma estrela binária,  branco brilhante e branco pálido, situada na cabeça do Gêmeo ao norte.  Representa Castor, o mortal entre os dois Gêmeos, famoso por suas habilidades em domar e tratar cavalos.  Leda, esposa de Tindarus, rei de Esparta, é a mãe de Castor e Pollux.


Pollux - Beta Geminorum
Ascensão Reta 07h44,1m - Declinação +28o.05
Magnitude visual 1,21 - Distância 35 anos-luz
Uma estrela alaranjada situada na cabeça do Gêmeo ao Sul.  Representa Pollux, filho de Júpiter e Leda, e é o imortal entre os gêmeos,  famoso por sua habilidade no boxe.  Muitas vezes chamado de Hercules e simbolicamente nomeado como um Juiz sem Coração.



DIA 25  Despedindo-se dos Gêmeos Castor e Pollux, a Lua dirige-se para seu encontro com a pequena constelação do Caranguejo. 

A cada noite que passa, a Lua exibe maior exuberância e maior luminosidade.  Nos campos distantes das luzes urbanas, já podemos observar um tom de luar que clareia bem nossos passos, nossa visão, realmente. 

Por outro lado, é pena que com o fato de a Lua se mostrar mais e mais iluminada, muitas das estrelas e até constelações inteiras desaparecem...  A Via Láctea começa a desvanecer diante de nossos olhos, que pena.



DIA 26  Seria interessante você, caro Caminhante, aguardar até cerca de meia-noite – afinal é sábado! -, para estudar um tantinho do céu noturno:

Vemos que a Lua já se escondeu no horizonte oeste, carregando consigo uma boa parte do Leão – embora Marte ainda possa ser bem visualizado a meio caminho entre Regulus e Denebola, suas Estrelas Alpha e Beta.  A Cabeça da Hydra e seu Coração, a Estrela Alpha Hydrae, Alphard, o Coração, já se esconderam porém seu corpo ainda pode ser visto acolhendo a Taça e o Corvo (sempre em belíssimo vôo elipsal, agora voltado para o sudeste).  O Centauro está bem visível e acolhendo nossa constelação mais querida dos céus do Brasil, o Cruzeiro do Sul.  Outras pequenas constelações ao sul também poderão ser estudadas.

Na linha da Eclíptica, podemos ainda estudar bastante da Virgem com sua Estrela Alpha Spica acolhendo a visita do Senhor dos Anéis, Saturno; as estrelas ponteadoras dos dois pratos da Balança, Zubenelshemalli e Zubenelgenubi; o Escorpião exibindo sua Estrela Alpha Antares, seu Coração; o Sagitário formando um Bule de Chá a partir de seus braços ostentando arco e flecha e seu rosto e seu tronco; o Capricórnio nos mostrando suas estrelinhas tímidas em forma de triângulo.

Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.


Se olharmos bem ao norte, possivelmente e em lugares de horizonte norte bem plano, realmente, poderemos observar as estrelas que fazem parte da cauda da Ursa Maior!  Em tempos de noites incrivelmente escuras e transparentes, sempre me é possível ver e admirar a Cabeleira de Berenice e, logo após, a beleza transcendente e impactante de Arcturus, Estrela Alpha Bootes, o Boieiro.

Gosto muitíssimo de poder observar a Coroa Austral entre o Escorpião e o Sagitário e a Coroa Boreal, entre o Boieiro e Hercules!  A Coroa Boreal também pode ser observada sendo guardada e bem guardada pela Cabeça da Serpente que o Serpentário, Ophiucus, segura, sempre ostentando seu lugar de décima-terceira constelação do Zodíaco.
Divirto-me sempre imensamente tentando divisar a figura esquisita formada pelo Herói Ajoelhado, Hercules!  E me sinto inteiramente gloriosa ao observar as três estrelinhas sempre tão simpáticamente viajando em conjunto, em Áquila, a Águia que acolhe sua belíssima Estrela Alpha, Altair.

Olhando mais ao norte, ah, sinto-me radiante em poder sempre observar Vega, a Estrela Alpha da mais bela constelação dos céus do norte, a meu ver, a mais delicada, a mais sutil, a mais emocionante... como se pudéssemos escutar sua melodia advinda de sua Lyra, uma harpa ou um violino tocado por um pássaro, alçando vôo como se um pássaro fosse.

Se aguardarmos mais um tempinho – afinal, é madrugada de sábado!, e o dia seguinte será o abençoado domingo! -, entrará em cena o Cisne, com sua bela Estrela Alpha, Deneb, a cauda: o Cisne entra em cena voando, voando baixo, realmente, e se adjunta aos dois outros pássaros já citados mais acima, a Lyra e a Águia.  Suas Estrelas Alpha – Deneb, Vega e Altair – formam o chamado Triângulo do Norte.




DIA 27  A Lua conclui sua passagem pelo Caranguejo e então acena para cumprimentar o Leão a partir de sua pata, Regulus, Alpha Leonis.


DIA 28 – LUA Crescente – dia 28 às 20:17  (Greenwich mean time).  A Lua Crescente acontece na constelação do Leão já bem próxima a Marte, o Guerreiro Vermelho.



Realização através o Programa Stellarium 0.11.1 e no Programa Photo-Paint X3, a inversão das cores originais, para melhor visualização do Leitor/Caminhante.
 
Apesar da luminosidade de  Lua Crescente ser realmente muito intensa, é sempre possível ainda observarmos as presenças de Regulus e Denebola, Estrelas Alpha e Beta Leonis, de Sirius, Estrela Alpha Canis Majoris, de Canopus, o Capitão do Navio, Estrela Alpha Carina,  das Estrelas Alpha e Beta Centauri, Rigel Kent e Hadar, da luz intensa e avermelhada de Antares, Alpha Scorpii, da beleza estonteantemente esbranquiçada de Arcturus, Alpha Bootes....  E, certamente, sempre podemos ainda nos deixar embevecer pelo encontro tão próximo entre o Senhor dos Anéis, Saturno, e a Estrela Alpha Virginis, Spica.



DIA 29 -  Após seu encontro com Marte e ansiando por seu encontro com Denebola, Estrela Beta Leonis, a Lua agora tem como meta adentrar a Cabeça da Virgem e resvalar através antebraço e braço até encontrar sua mão que acolhe não somente a Espiga, Spica, Estrela Alpha Virginis, como o Senhor do Tempo, Saturno. 


DIA 30 -  Lua entrando em Virgem e a cada noite se mostrando mais e mais volumosa e iluminada!



DIA 31 -  A Lua termina o mês de maio encontrando-se com Spica, Estrela Alpha Virginis, e Saturno, o Senhor dos Anéis, em belíssima visão!



Algumas das Referências Bibliográficas:










-  http://www.atlasoftheuniverse.com


- Richard Hinckley Allen, Star Names, Their Lore and Meaning, Dover Publications, Inc, New York, USA


- Ilustrações extraídas do programa Stellarium 0.11.1 e invertidas em suas cores originais através o Programa Photo-Paint X3  e configuradas para o ponto-de-vista de um observador no hemisfério sul - Latitude 22s52 e Longitude 43w00; com exceção da Ilustração para o lugar do eclipse anular do Sol, no dia 20.


- Os Textos que aparecem em fonte verde escuro são extraídos de meu Trabalho Da Terra ao Céu e ao Infinito, as 88 constelações do céu estrelado - ainda não publicado por completo porém sendo publicado em extratos, ou seja, uma constelação por vez.  - Alguns Textos extraídos dos meus trabalhos sobre as constelações da Virgem e da Lira: http://sobrevirgo.blogospot.com e http://sobrelyra.blogspot.com

- Apogeu e Perigeu da LUA e Perihélio são Datas calculadas pelos astrônomos da NASA Fred Espenak e Sumit Dutta (NASA GSFC).


-  V. E. Robson  - Stars and Constellations and Their Mythology – Samuel Weiser Inc., York Beach, Maine, USA

- Ronaldo Rogério de Freitas Mourão  - Atlas Celeste - 6a. Edição - Editora Vozes, Petrópolis, 1986
-    Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes -
Apoio: CARJ/MEC/CAPES/PADCT-SPEC 

COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
JANINE MILWARD
Sítio das Estrelas 
Parada de um caminho a Caminho do Céu
janine@powermail.com.br