sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

LUA NOVA no quase-amanhecer de 01 de março, comemorando o Carnaval nas águas advindas do Jarro do Aguadeiro






Programa Stellarium trabalhado no Programa Coreal
Ilustração realizada para Lat 21s52 e Long 43w00

LUA NOVA no quase-amanhecer de 01 de março, 

comemorando o Carnaval nas águas advindas do Jarro do Aguadeiro


Olá!

Amanhã, sábado de Carnaval e ainda bem cedinho, antes de o Sol surgir no horizonte leste (na região onde moro), Lua e Sol estarão se encontrando (não tão próximos, porém) e fazendo acontecer a Lua Nova, quer dizer, Selene estará nos oferecendo o início de um novo ciclo lunar!

Este encontro longe de nossos olhos estará acontecendo na Constelação do Aguadeiro, Aquarius, e exatamente no momento da eclíptica quando o Sol "toma um banho", digamos assim, de água advinda do jarro que o Aguadeira segura e derrama....  

Veja mais abaixo o Asterismo de estrelas compondo o Jarro do Aguadeiro bem como Algumas Estrelas mais interessantes nesta constelação.  Veja também que é em Aquarius que podemos nos deixar encantar pelo OLHO DE DEUS, quer dizer, a maravilhosa Nebulosa da Hélice!

Leia um tantinho a mais sobre Aquarius, acessando minha Página
Sobre a Constelação de AQUARIUS, O AGUADEIRO   http://sobreaquarius.blogspot.com.br/



Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes


Algumas Estrelas  interessantes e a Nebulosa Hélice, em Aquário:

Existe um Asterismo interessante, O Jarro de Água, composto pelas estrelas Gamma, Eta, Kappa e Zeta Aquarii.

Mari Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celeste - excerto


Sadalmelik. Alpha Aquarii. 
Magnitude visual 2.96
Uma estrela amarelo pálido situada no ombro direito de Aquário, o Aguadeiro.  De Al As’d al Malik, o Felizardo do Rei, O Talismã do Rei.  Essa estrela situa-se bem na linha do Equador celeste, bastante próxima à Ascensão Reta 22h.


Sadalsuud.  Beta Aquarii.
Magnitude visual 2.86 e magnitude absoluta - 4.6 (muito similar ao nosso Sol em classe porém uma supergigante em tipo).
Uma estrela amarelo pálido situada no ombro esquerdo do Aquário.  De Al As’d al Suud, o Mais Felizardo dos Felizardos, Os Bons Augúerios - assim chamado em função de seu nascimento marcando o período de chuva contínua e leve.


Skat.  Delta Aquarii.  07 Peixes 45.
Uma estrela pequena situada na perna direita de Aquário.  De Al Shi’at, um Desejo, ou Al Sak, o Osso da Perna. Também podendo ser traduzida como Decisão


Albali - Epsilon Aquarii
O Sorvedouro, designação de origem árabe da estrela situada no sorvedouro do Aguadeiro.



Ancha  - Theta Aquarii
Quadril, nome árabe que indica a posição da estrela na cintura do Aguadeiro.


Sadachbia - Gamma Aquarii
A Estrela da Sorte, transcrição da expressão árabe Al Sad al Alibiyah.


Situla - Aquarii
Ânfora, nome de origem latina para designar vaso com água usado pelo Aguadeiro.


Zeta Aquarii - Estrela Dupla
AR 22h26m  Dec. - 00o.17
Magnitude visual 4,4 e 4,6  Distância entre estrelas 1”,77


EZ Aquarii


EZ Aquarii is a triple star system approximately 11.3 ly (3.5 pc) from the Sun in the constellation Aquarius. It is also known as Luyten 789-6 and Gliese 866 and all three components are M-type red dwarfs. The pair EZ Aquarii AC form a spectroscopic binary with a 3.8-day orbit and a 0.03 AUseparation. This pair share an orbit with EZ Aquarii B that has a 823-day period.[8] The A and B components of Luyten 789-6 together emit X-rays.[9]
EZ Aquarii is approaching the Solar System and, in about 32,300 years, will be at its minimal distance of about 8.2 ly (2.5 pc) from the Sun.[10] The ChView simulation shows that currently its nearest neighbouring star is Lacaille 9352 at about 4.1 ly (1.3 pc) from EZ Aquarii.



Programa Stellarium trabalhado no Programa Corel



NGC 7293 - Helix Nebula - Nebulosa Planetária Hélice
Ascensão Reta 22h29m.6  Declinação -20o.48
Dimensões 960”x720”  Notas: grande e difusa
 Tipo Nebulosa Planetária  NP       Dimensão 13,0        Magnitude 22

Magnitude da Estrela associada 13


Nebulosa de Hélix, também conhecida como A Hélice ou NGC 7293 é uma nebulosa planetária localizada na constelação de Aquarius.
Descoberta por Karl Ludwig Harding, provavelmente antes de 1824, essa nebulosa é uma das nebulosas mais próximas da Terra.1 Sua distância da Terra é de aproximadamente 700 anos-luz (215 parsec). Ela é muito parecida à nebulosa do anel, que têm tamanho, idade e características físicas parecidos à nebulosa do Haltere, sendo diferentes apenas em suas proximidades e aparência de um ângulo equatorial.2 A nebulosa de Hélix já foi chamada várias vezes de Olho de Deus na internet.3
Durante a uma tempestade de meteoros Leonídeos em novembro de 2002, os controladores viraram o Hubble para o proteger por cerca de meio dia. Felizmente, a Nebulosa Helix estava quase que exatamente na direção oposta à chuva de meteoros, assim o Hubble pôde fotografar a nebulosa enquanto esperava a tempestade passar.
Nebulosas planetárias como a Helix são formadas no final da vida de uma estrela (como o Sol) por uma corrente de gases que escapam da estrela morrendo.

Os desenhos formados pelas estrelas – As Constelações - são como janelas que se abrem para a infinitude do universo e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, bem mais, entre o céu e a terra...; bem como percebendo que o caos, vagarosamente, vai se tornando Cosmos e sendo por nossa mente conscientizado.  

Quer dizer, nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.


COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS IMPRESSAS
para meu Trabalho
DA TERRA AO CÉU E AO INFINITO
http://daterraaoceueaoinfinito.blogspot.com.br/:


As Cartas Celestes foram realizadas por Mario Jaci Monteiro e escaneadas por Janine
-  Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes -
Apoio: CARJ/MEC/CAPES/PADCT-SPEC


COMPILAÇÃO E TRADUÇÃO literal (quando necessária) de Janine Milward:

-  Wil Tirion - Atlas of the Night Sky - The Hamlyn Publishing Group Limited, London, England

-  Antonin Rükl - The Hamlyn Encyclopedia of Stars & Planets - The Hamlyn Publishng Group Limited, London, England



- Richard Hinckley Allen, Star Names, Their Lore and Meaning, Dover Publications, Inc, New York, USA

-  Bernard Pellequer - Pequeno Guia do Céu - Editora Martins Fontes, São Paulo, Brasil

-  Identificação do Céu (Livro que foi sendo revisado e reeditado algumas vezes) de autoria de Fernando Vieira,
Secretaria Municipal de Cultura, Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro
(com dedicatória do próprio autor para mim em Curso de Identificação do Céu,
em 30/07/1999))

- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986
(com dedicatória do próprio autor para mim
em evento realizado no Museu de Astronomia do Rio de Janeiro,
em 16/06/1989)

-  Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes -
Apoio: CARJ/MEC/CAPES/PADCT-SPEC  -  com dedicatória do autor para mim, em março de 2004 (quando Mário Jaci generosamente me presenteou com um instrumento de observação (kepleriano) artesanalmente construído por ele).




The Helix Nebula, a planetary nebula in Aquarius
The Eye of God, NGC 7293
Image Credit: ESO/VISTA/J. Emerson
Acknowledgment: Cambridge Astronomical Survey Unit
The Helix Nebula (also known as The Eye of God or NGC 7293) is a 10 thousand years old planetary nebula of about 5.75 light-years across, located roughly 700 light-years away from Earth in the constellation of Aquarius (the Water-Bearer). It is one of the closest to the Earth of all the bright planetary nebulae.

VISITE MINHA PÁGINA SOBRE A CONSTELAÇÃO DO AGUADEIRO: 


AQUARIUS, O AGUADEIRO   http://sobreaquarius.blogspot.com.br/

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Lua buscando encontrar-se com Mercúrio em madrugada de 27 de fevereiro e em horizonte leste bem baixo

MADRUGADA DE 27 DE FEVEREIRO TESTEMUNHANDO 
O ENCONTRO ENTRE LUA EM FINAL DE CICLO E MERCÚRIO:



Lua em final de ciclo e buscando encontrar-se com Mercúrio em madrugada de 27 de fevereiro e em horizonte leste bem baixo.  É preciso que acordemos realmente bem cedinho, ainda antes das 05:00 da matina – e veja que a ilustração nos mostra o clarão que anuncia o Sol já se manifestando intensamente e vagarosamente no horizonte!

A Lua vem buscando seu pedestal de Lua Nova e penso que este encontro com Mercúrio estará testemunhando os momentos conclusivos do ciclo lunar!  No entanto, é uma bela oportunidade para bem podermos observar Selene como um finíssimo anel, despedindo-se de nossos olhares sobre ela no horizonte leste, mas prometendo retornar, em breve, no horizonte oeste e também novamente em finíssimo anel ao cair da noite dos dias 2 e 3 de março.

Mercúrio vem transitando exatamente na considerada fronteira entre as constelações do Capricórnio e do Aguadeiro, Aquário.  Os graus de distância aparente entre Mercúrio e Sol não são suficientes para que possamos observar Mercúrio confortavelmente em sua entrada de cena no Leste, certamente (serão cerca de vinte graus apenas  e eu penso que somente em lugares de horizonte absolutamente plano e com a boa ajuda de um par de binóculos é que poderemos observar este Planeta - porque o clarão da luminosidade crescente do Sol anunciando sua chegada um tanto que nos impede de bem localizarmos o Mensageiro dos Deuses).



Programa Stellarium

Lua e Mercúrio estarão, aparentemente, transitando entre as constelações de Capricórnio e de Aquário.  No entanto, os alfarrábios nos mostram que tanto Selene quanto o Mensageiro dos Deuses e dos Homens estão passeando de fato através o Aguadeiro porém muitíssimo próximos à divisa entre esta constelação e o Capricórnio.


http://www.heavens-above.com/skychart.aspx


Meus Comentários 
sobre O Aguadeiro, Aquarius:

Janine Milward

Ah, é uma verdadeira emoção poder contemplar as estrelinhas tímidas e ziguezagueantes que o Aguadeiro nos traz!

Quando eu digo "estrelinhas tímidas", estou querendo dizer que são estrelinhas bem pouco evidentes, bem pouco iluminadas, bem pouco brilhantes aos nossos olhos e que podem ser bem visualizadas somente em lugares de céus escuros e transparentes, sem dúvida alguma.

Quando eu digo "estrelinhas ziguezagueantes", estou querendo significar as verdadeiras ondinhas formadas por estas estrelinhas tímidas e que vão formando as águas derramada pelo jarro que o Aguadeiro traz!

Aliás, eu diria que a Ilustração do Aguadeiro com seu Jarro deixando a água jorrar - apresentada imediatamente abaixo -, é absolutamente perfeita para imajar aquilo que eu denomino de "estrelinhas tímidas e ziguezagueantes".


http://www.raremaps.com/gallery/detail/32275/Aquarius/Jamieson.html
Map Maker: Alexander Jamieson     Striking star chart, marvelously engraved and delicately colored. 

 Sinto-me também muitíssimo feliz quando consigo encontrar 
uma das Cabeças dos Peixes - que penso sempre estar um tanto enredilhada dentre as estrelinhas ziguezagueantes do Aguadeiro.  No entanto,  esta Cabeça de um dos Peixes (esse que fica bem diante do chamado Ponto Vernal, o encontro entre as Linhas do Equador Celestial e da Eclípitica), é bem arredondada, quer dizer, traz uma figura já diferenciada do caos, digamos assim, que podemos observar nas estrelinhas de Aquarius.

Um outro limite que podemos encontrar nas estrelinhas tímidas  e ziguezagueantes do Aguadeiro acontece através a belíssima estrela-alpha Piscis Austrinus, Fomalhaut, a boca do peixe do sul.  Não podemos nos esquecer que a belíssima Nebulosa Helice situa-se entre o Aguadeiro e Pisces Austrinus e bem próxima a Fomalhaut, estrela-alpha Pisces Austrinus.


Com um abraço estrelado,
Janine Milward

CONVIDO VOCÊ, Caro Caminhante do Céu e da Terra, a visitar minha Página 
SOBRE A CONSTELAÇÃO DO AGUADEIRO
http://sobreaquarius.blogspot.com.br/


terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Eridanus, o Rio dos Céus Estrelados





Eridanus, O Rio dos Céus Estrelados


Olá!

Nessas noites de Lua sumida - buscando tornar-se Lua Nova em 01 de março -, por que não nos devotarmos um tanto em nossos estudos e em nossas observações sobre o céu estrelado?

Se você buscar pelo Gigante Caçador Órion (busca nada difícil, não é verdade?), certamente poderá notar que bem aos pés da estrela-beta Orionis Rigel (e olhe que este termo quer significar 'pé'!), estará encontrando a deixa para mergulhar no Rio Eridanus, o Rio Estrelado do Céu.... e este mergulho continuará por várias braçadas ao longo do leito sinuoso de estrelas tímidas, bem tímidas, que compõem este Rio celeste, praticamente saindo próximo à linha do Equador Celestial (que passa aparente cortando a estrela Mintaka, que faz parte do Cinturão do Gigante, e também conhecida como uma das Três Marias!), e concluindo-se já bem mais ao sul, iluminadamente terminando em sua Foz, a estrela-alpha Eridanii, Achernar, a Bela do Sul (juntamente com Canopus, estrela-alpha Carinae, da antiga constelação Argo Navis, o Navio).

Mais abaixo, você encontrará Alguns Comentários (meus: Janine) sobre o Rio Eridanus.




CONVIDO VOCÊ, Caro Caminhante do Céu e da Terra, a visitar minha Página 
SOBRE O RIO ERIDANUS, em
http://sobreeridanus.blogspot.com.br/




 Mario Jaci Monteiro - Cartas Celestes, as 88 Constelações


 ERIDANUS, O RIO ERIDANO



Posicionamento:
Ascensão Reta 1h22m / 5h9m      Declinação +0o.1 / -58o.1


Mito:
Esta constelação representa o Rio Padus ou onde Phaeton caiu quando degolado por Júpiter por causa de ter botado fogo no mundo ao mal-guiar o carro de seu pai, Phoebus.

Erídano é supostamente uma representação de equivalência celestial de um rio; é o Nilo para os Egípcios, e o Eufrates para os Babilônios.



Fronteiras:
Eridanus faz fronteira com Horologium, Caelum, Lepus, Orion, Taurus, Cetus, Fornax, Pheonix e Hydra




MEUS  COMENTÁRIOS SOBRE O RIO ERIDANUS

Janine Milward


O RIO ERIDANUS NASCE BEM AOS PÉS - estrela-beta Orionis, Rigel - DO GIGANTE CAÇADOR ÓRION.


A estrela-beta Eridanii, Cursa, aponta para este lugar de nascimento do Rio dos Céus Estrelados.

Houve um tempo quando o final do Rio Eridanus era marcado pela estrela-teta Eridanii, Acamar.

No entanto, este Rio ganhou mais terras, foi alongado, até a representante de sua Foz, a estrela-alpha Eridanii, Achernar!







Nosso Rio Eridanus brasileiro bem pode ser representado como o Rio Amazonas, não é mesmo?

O alongamento do Rio Eridanus faz muito sentido, a partir do ponto de vista de que a belíssima Achernar, a Foz do Rio dos Céus Estrelados, vem anunciar a chegada de Argo Navis, o Navio!



Constelación Argo Navis, G. Mercator, año, 1.551


Programa Stellarium
 Programa Stellarium



QUANDO ACHERNAR APONTA NO HORIZONTE SUDESTE, eu gosto de estar jantando (ou tomando meu desjejum!) - e minha sala-de-refeições é como uma varanda aberta para o Sítio das Estrelas e para o céu estrelado.


Uma estrela pisca me chamando: é Achernar!  Ei-la que surge majestosa, iluminando os céus bem ao sul, apontando para o Rio Eridano, sinuosamente enredilhando-se pelas terras desde os pés do Gigante Caçador até desaguar suas águas através esta maravilha que vem anunciando a chegada do mar!


É realmente muito agradável termos uma bela visão dos céus bem mais ao sul - apesar de que, confesso, a multidão de pequenas constelações ainda me confunde, ainda não sei bem delinear muitas delas, deixo-me envolver por um certo tom de caos..., talvez parecido com o inicial caos que teria advindo aos observadores dos céus, há alguns poucos séculos, quando aproveitaram as caravelas arrojadas e desbravadoras de novos mares nunca dantes navegados (e também os navios a vapor) para conhecerem as estrelas buscando o sul...   


Penso que o sul traz um tom de fantasia, de imaginação solta, de paraíso na Terra, algo assim - e também de desejo e de concretização de ideais e de situações agradáveis, confortantes ao coração.  Quer dizer, as constelações bem mais ao sul que foram sendo figuradas, delineadas e nomeadas, expressam, de alguma forma, estas questões. emoldura a Cidade do Cabo, na África do Sul.


Uma questão bastante fundamental é o fato de que para bem podermos conhecer os céus estrelados mais ao sul, é preciso que estejamos em lugares de céus escuros e transparentes e, preferencialmente, em noites sem-Lua.

(De uma maneira geral, as pessoas se mostram surpresas quando eu digo que o melhor momento para o observador de estrelas acontece quando Selene está ausente - nem que seja por algumas horas, em tempos de Lua de Nova a Crescente ou de Lua Minguante a Nova!).

No caso do Rio Eridanus, eu somente consigo delineá-lo nos céus estrelados quando a noite é escura, bem escura - pois que as estrelas que compõem a sinuosidade maravilhosa apresentada por esta constelação são luzes não muito iluminadas - com a fantástica exceção da estrela-alpha Eridanii, Achernar!



Quando Achernar entra em cena no horizonte sudeste, o céu vem apresentando situações muitíssimo interessantes: 
O Escorpião apronta-se para deitar-se no horizonte oeste e isto significa que o Gigante Órion já tem toda a intenção de apresentar-se no horizonte leste!  E sabemos que a estrela que marca um dos pés do Gigante Caçador, Rigel, estrela-beta Orionis, acontece exatamente no lugar onde o Rio Eridanus nasce e é marcado por sua estrela-bela Eridanii, Cursa.

No entanto, antes mesmo de o Gigante surgir no horizonte leste e ainda contando com a presença de Escorpião rastejando pelos céus do oeste, o Rio Eridanus já se insinua através sua Foz enriquecida pela estrela-alpha Eridanii, Achernar!

Este é um momento de céu estrelado apresentando-se de maneira radiosa! 

 Existe a junção entre o Escorpião e o Sagitário nos introduzindo aos caminhos que nos levam ao centro da Galáxia!

Capricórnio e Aquário também apresentam-se de maneira bem interessante quando em noites de céus escuros e transparentes e sem Lua porque sempre vejo uma "fraldinha" sendo delineada pelo Capricórnio e fico rindo e sorrindo diante das estrelinhas em zigue-zague que podemos encontrar no Aguadeiro!

É certo que também o Grande Triângulo do Norte encanta nossa visão mais ao norte, não é verdade, com as presenças das constelações da Águia, da Lira e do Cisne e esta figura triangular acontecendo através suas estrelas-alpha, respectivamente Altair, Vega e Deneb.

Muito me encanta o fato de que o Grande Quadrado formado pelo Cavalo Alado Pegasus me faz recordar que se eu olhar diretamente para o sul, irei encontrar as duas Nuvens de Magalhães sempre nos induzindo à dúvida: serão nuvens reais passeando pelo céu e tão próximas de nós.... ou serão as Nuvens que, na verdade, são galáxias atuantes em nosso chamado Grupo Local?  É uma dúvida muito emocionante, eu penso.


Programa Stellarium
Ainda existem outras questões bem importantes
 que envolvem a entrada em cena nos céus estrelados do sul 
da constelação do Rio Eridanus:  
Se você olhar atentamente a carta celeste,
 verá que a pequena constelação Fornax, a Fornalha,
 é quase que inteiramente envolvida 
por uma das sinuosidades por onde o Rio Eridanus passa. 
 E também, olhando um tantinho ao sul,
 você perceberá a presença da constelação Dorado, o Peixe Dourado.

Esse lugar no céu - imenso espaço! -, revela Aglomerados e Voids
 e são conhecidos como Fornax Cluster e Eridanus Cluster e Fornax e Eridanus Void. 
 A bem da verdade,
 muitas das vezes o Leitor encontrará a menção da constelação Fornax
 nomeando Aglomerado e Void 
- nem sempre o nome Eridanus estará sendo mencionado
 (ou mesmo o nome Dorado, em alguns casos).

Porém, ainda mais importante, a meu ver, 
é o fato de que é possível que exista o maior Void já encontrado
 exatamente na direção da constelação Eridanus.

Tudo isso quer significar que 
sempre que estivermos observando a constelação do Eridanus , 
em uma de suas curvas de Rio, 
saberemos que além, muito além de nossa visão apenas física, 
existe um mundo imenso, gigantesco, 
um mundo de galáxias aglomeradas e também um mundão de Vazio.  

Quer dizer, Luz e Vazio existem para ainda além do Rio.







Programa Stellarium



Achernar busca seu lugar mais alto no céu estrelado do sul enquanto Canopus, estrela-alpha Carinae, surge no horizonte sudeste anunciando o Argo Navis, o Navio flutuando nas águas dos grandes rios ou dos mares que acolhem as águas advindas do Eridanus através sua Foz, a bela Achernar.  Assim, o céu estrelado mais ao sul torna-se um lugar realmente encantador e bem iluminado por estas estrelas tão chamativas!

O Escorpião já desapareceu no horizonte oeste - o que significa que o Gigante Órion pode surgir no horizonte leste e testemunhando o lugar onde o Rio Eridanus nasce: a seus pés, através a bênção de sua belíssima estrela-beta Orionis, Rigel (e o termo Rigel quer dizer pé - assim como vemos Regulus nomeando a pata do Leão; assim como vemos Rigel Kent, Rigel Centauri, nomeando a estrela-alpha do Centauro e sua importância como pertencente ao sistema estelar mais próximo a nós).


Programa Stellarium



Quando Achernar alcança seu lugar mais alto nos céus estrelados do sul, acontece uma situação muitíssimo interessante: visualmente, Canopus, estrela-alpha Carinae, e Achernar, estrela-alpha Eridanii, apresentam-se num mesmo nível e enfeitam imensamente o céu sulino e cativam nosso olhar.

O Gigante Órion também alcança o zênite e suas três estrelas formadoras de seu Cinturão - Alnilan, Alnitak e Mintak -, sorriem para nós como se fossem as Três Marias (porque são assim nomeadas popularmente).

Existem momentos muito importantes no céu:  um desses momentos é representado pelo Mito de Andromeda e Perseus.  A bem da verdade, Cepheus e Cassiopeia já saíram de cena (e principalmente para mim porque estão tão ao norte que não posso alcançá-los).  Pegasus também voa alhures, carregando consigo a Princesa Acorrentada.  No entanto, Perseus permanece e sempre mostrando a cabeça deceoada da Medusa bem como os Peixes que nadam nos mares onde Cetus, o Monstro Marinho, a Baleia, nada com seu corpanzil feito de estrelas bem delineadas.

Os mares do norte vão concluindo e dando lugar à terra firme onde o Carneiro, Aries, e o Touro pastam.

O outro momento fantástico é revelado pela caudalosa fumacinha branca de estrelinhas de algodão formando a Via Lactea e iluminando imensamente esta parte do céu, desde o norte até o sul!

E, sem dúvida alguma, sempre a presença da estrela mais linda e mais cantada, Sirius, estrela-alpha Canis Majoris, nos faz vibrar o coração.
Programa Stellarium



O tempo passa, a noite vai empurrando suas estrelas sempre do leste para o oeste..., e o Gigante Órion se esconde novamente da visão do animal rastejante, o Escorpião, que começa a surgir no leste.

O Rio Eridanus também desaparece, deixando as maravilhas dos céus estrelados do sul acontecerem através o Navio que mostra por inteiro e navegando placidamente, através o Centauro sempre guardando consigo nosso Cruzeiro do Sul.

Os Gêmeos Castor e Pollux, sempre juntos e conversando entre si, anseiam pelo momento de se apresentarem do outro lado do mundo..., enquanto o Caranguejo ainda se insinua e nos embevece a visão de sua Colmeia de Abelhas, berço de estrelinhas-bebês em seu ventre.  A Hydra é sempre um prazer de ser vista, enredilhando-se espaçosamente desde o Caranguejo até quase a Balança e carregando consigo o Sextante, a Taça e o belíssimo voo do Corvo. O garboso Leão dos céus ruge, sempre sendo seguido pela virginal Virgem que esconde mil e um segredos!  

Sempre em tempos de céus escuros, bem escuros e transparentes, a visão da Cabeleira de Berenice é algo absolutamente inesquecível!  E, certamente, Spica, estrela-alpha Virginis, e Arcturus, estrela-alpha Bootes, rivalizam em suas luzes e nos fazem felizes.


Com um abraço estrelado,
Janine Milward 




CONVIDO VOCÊ, Caro Caminhante do Céu e da Terra, a visitar minha Página SOBRE O RIO ERIDANUS, em
http://sobreeridanus.blogspot.com.br/