sábado, 31 de maio de 2014

Entre a Hydra e a Vela do Navio, existe Antlia, a Máquina Pneumática

Olá!

A Lua ainda vem se apresentando enquanto um fino anel dourado/prateado
e visitando a constelação dos Gêmeos Castor e Pollux
onde também Júpiter se encontra.

É sempre um momento memorável a conjunção entre Júpiter e Selene
- ainda mais porque Mercúrio estará próximo e testemunhando este encontro!

Não perca, portanto, Caro Leitor, 
sua observação dos céus estrelados ao final da tarde
- e conte com a boa ajuda de simpáticos binóculos 
para bem poder encontrar Mercúrio no lusco-fusco do clarão deixado pelo Sol 
ainda se distanciando e permitindo que a noite chegue 
e nos traga a possibilidade de observações outras dos céus estrelados
- porque a luminosidade da Lua ainda é bem tímida, realmente.








Quando a noite realmente chega
e a Lua já começa a deitar-se no horizonte oeste e sendo seguida por Júpiter,
por que não buscarmos por alguma constelação ao sul
a ser visitada e conhecida?


Mario Jaci Monteiro - As 88 Constelações, Cartas Celestes
Mario Jaci Monteiro - As 88 Constelações, Cartas Celestes



É interessante observarmos o fato de que
a maior parte das constelações austrais foi estudada e pesquisada e nomeada
nos séculos XVII e XVIII
quando astrônomos europeus, corajosos e aventureiros,
resolveram viajar por mares (quase) nunca dantes navegados
e desembarcaram em terras ao sul
e lá puderam contemplar maravilhas inacreditáveis, fantásticas e desconhecidas
dos estudiosos que habitavam as terras ao norte!

Podemos citar alguns que incluíram novas constelações 
à lista antiga de 48 constelações erigida por Ptolomeu
:
Bayer, 1603, astrônomo. 
Obra: Uranometria.  
Relaciona 60 constelações, incluindo as circumpolares Sul, cuja nomenclatura conclui e unifica.  Acrescenta 12 constelações.
Ave-do-Paraíso, Camaleão, Dourado, Grou, Hidra Macho, Índio, Mosca, Pavão, Fênix, Triângulo Austral, Tucano, Peixe-Voador

Royer, 1697, navegante francês. 
Obra: Carta Celeste.  
Desmembra a Cruz Australis da constelação do Centauro. Cruzeiro do Sul

Bartschius, 1624. 
Pomba

La Caille, 1752, astrônomo.  
Obras: Memórias e Céu Estrelado.  
Introduz 14 novas constelações.:Máquina Pneumática, Buril, Compasso, Forno, Relógio, Mesa, Microscópio, Esquadro, Oitante, Pintor, Bússula, Retículo, Escultor, Telescópio.
E La Caille divide a extensa constelação ptolomaica Argo, o Navio, em Carina, Puppis e Vela.
Quilha, Popa, Vela


As constelações que foram sendo formadas
expressavam 
 alguns desejos e imagens 
sobre o que poderia ser considerado como um verdadeiro paraíso;
outras constelações apresentavam-se através instrumentos usados e conhecidos na época;
e existe a constelação Mons Mensa que figura a Montanha da Mesa, 
localizada ao sul do Cabo da Boa Esperança, na África do Sul, 
onde Lacaille morou e trabalhou.


Penso que hoje podemos comentar um tantinho
sobre a constelação de Antlia, a Máquina Pneumática,
que não devia ser estranha ao conhecimento bem mais antigo
por se situar entre a Hydra
e a Vela do Navio
- melhor dizendo, entre as estrelas Alphard, em Hydra, e Suhail, em Vela.

Antlia, a Máquina Pneumática, é uma constelação considerada recente
 - adicionada por La Caille em 1732 -, 
bem ao sul e colada à Vela 
(pertencente ao antigo Navio Argos).

O que sempre me surpreende - seja em Constelações médias a grandes em tamanho figurado ou seja em Constelações pequenas e muito pequenas -, é que sempre encontraremos um sem-número de objetos celestiais podendo por nós serem estudados!

Boa Observação e Bons Estudos!


Com um abraço estrelado,
Janine Milward




Programa Stellarium

Program Stellarium




Mario Jaci Monteiro - As Cartas Celestes



Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes


 - excerto apresentando ALFABETO GREGO, CONVENÇÕES E USO DA CARTA CELESTE





http://catalogo.museogalileo.it/galleria/PompaPneumatica.html
http://catalogo.museogalileo.it/approfondimento/PompaPneumatica.htm
l
http://www.museogalileo.it/


ANTLIA PNEUMATICA, 
A MÁQUINA PNEUMÁTICA




História:

Constelação adicionada por La Caille, em 1732, sob o nome de Machina Pneumática.







The Antlia Cluster (or Abell S0636[4] is a cluster of galaxies located in the Hydra-Centaurus Supercluster. The Antlia Cluster is the third nearest to our Local Group after the Virgo Cluster and Fornax Cluster.[6] The cluster's distance from earth is 40.5 Mpc (132.1 Mly) to 40.9 Mpc (133.4 Mly)[5] and can be viewed from earth in the constellation Antlia.[5][7] The Antlia Cluster should not be confused with the Antlia Dwarf Galaxy.[5]
The cluster is classified, as a rare Bautz-Morgan type III cluster,[4][3] meaning the cluster has no dominating brightest cluster galaxy(cD).[8] Although, this cluster is dominated by two massive elliptical galaxiesNGC 3268 and NGC 3258, the cluster has about 234 galaxies in total.[4][5] The cluster is very dense compared to other clusters such as Virgo and Fornax, thus containing early-type galaxies and a larger portion of dwarf ellipticals.[5][7] The Cluster is split into two groups, The Northern subgroup gravitating around NGC 3268, and the Southern subgroup centered on NGC 3258.[5]
The cluster has an overall redshift of z = 0.0087, implying the cluster like most objects in the universe are expanding away from ourLocal Group and others.[4] Using the now obsolete scientific satellite ASCAX-ray observations show the cluster is almost isothermal, with a mean temperature of kT ~ 2.0 keV.[4]
A list of the named objects in the Antlia Cluster: NGC 3267NGC 3568NGC 3258NGC 3269NGC 3271,[4][6] NGC 3258ANGC 3258BNGC 3260NGC 3267NGC 3268NGC 3273.[6]






NGC 3268 is an elliptical galaxy in the constellation Antlia. It is a member of the Antlia Cluster, which lies about 40.7 megaparsecs(132.7 megalight-years) away.[2]
NGC 3258 is an elliptical galaxy in the constellation Antlia. It is a member of the Antlia Cluster, which lies about 40.7 megaparsecs(132.7 megalight-years) away.[2]
NGC 3267 is a lenticular galaxy in the constellation Antlia. It is a member of the Antlia Cluster, which lies about 40.7 megaparsecs(132.7 megalight-years) away.[2]
http://en.wikipedia.org/wiki/NGC_3267

NGC 3269 is a lenticular galaxy in the constellation Antlia. It is a member of the Antlia Cluster, which lies about 40.7 megaparsecs(132.7 megalight-years) away.[2]
http://en.wikipedia.org/wiki/NGC_3269

NGC 3271 is a barred spiral galaxy[2] in the constellation Antlia. At magnitude 11.7, it is the brightest spiral galaxy in the Antlia Cluster, which lies about 40.7 megaparsecs (132.7 megalight-years) away.[3]
http://en.wikipedia.org/wiki/NGC_3271

NGC 3260 is an elliptical galaxy in the constellation Antlia. It is a member of the Antlia Cluster, which lies about 40.7 megaparsecs(132.7 megalight-years) away.[2]
http://en.wikipedia.org/wiki/NGC_3260

NGC 3267 is a lenticular galaxy in the constellation Antlia. It is a member of the Antlia Cluster, which lies about 40.7 megaparsecs(132.7 megalight-years) away.[2]
http://en.wikipedia.org/wiki/NGC_3267

NGC 3268 is an elliptical galaxy in the constellation Antlia. It is a member of the Antlia Cluster, which lies about 40.7 megaparsecs(132.7 megalight-years) away.[2]
http://en.wikipedia.org/wiki/NGC_3268


NGC 2997
NGC 2997 é uma galáxia espiral localizada a cerca de cinquenta e cinco milhões de anos-luz (16,86 megaparsecs) de distância na direção da constelação da Máquina Pneumática. Possui uma magnitude aparente de +11,2, uma declinação de -31° 11' 25" e uma ascensão reta de 9 horas, 45 minutos e 38,5 segundos.
A galáxia NGC 2997 se afasta de nós a uma velocidade aproximada de 1100 km/s. O núcleo galáctico encontra-se rodeado por uma cadeia de nuvens quentes gigantes de hidrogênio ionizado.


NGC 2997 (infravermelha)
Descoberto por
Data de descoberta
Dados observacionais (J2000)
Tipo
09h 45m 38,6s
-31° 11' 26"
Distância
0,003626
9,4
Dimensões
8,9' × 6,8'







Na fronteira entre as constelações Antlia e Vela (Navio), vamos encontrar NGC 3132,  A NEBULOSA DO ANEL DO SUL:

NGC 3132, also known as the Eight-Burst Nebula,[2] the Southern Ring Nebula,[2] is a bright and extensively studied planetary nebulain the constellation Vela. Its distance from Earth is estimated at about 550 pc. or 2,000 light-years.[2]

NGC 3132
NGC 3132.jpg
Observation data
(Epoch J2000.0)
Right ascension10h 07m 01.7640s[1]
Declination−40° 26′ 11.060″[1]
Distance2,000 ly[2]
Apparent magnitude (V)9.87[1]
Apparent dimensions (V)62″ × 43″[3]
ConstellationVela
Physical characteristics
Radius0.4 ly[2]
Other designationsEight-Burst Nebula,[2]Southern Ring Nebula,[2] Caldwell 74

Ilustração realizada no Programa Stellarium e trabalhada no Programa Corel Photo-Paint X3




NGC 3244, a spiral galaxy in Antlia 
NGC 3244 é uma galáxia espiral (Sc) localizada na direcção da constelação de Antlia. Possui uma declinação de -39° 49' 40" e uma ascensão recta de 10 horas, 25 minutos e 28,8 segundos.
A galáxia NGC 3244 foi descoberta em 22 de Abril de 1835 por John Herschel.
Descrição
English: This new image of the spiral galaxy NGC 3244 was taken with the help of the President of the Czech Republic, Václav Klaus, during his visit to ESO’s Paranal Observatory [1], on the night of 6 April 2011. The Czech Republic joined ESO in 2007, and this was the first visit of the country’s President to an ESO site.
This galaxy has attracted considerable interest from astronomers over the past nine months, thanks to the violent death of one of its stars, which was discovered on 27 June 2010. This supernova explosion, now known as Supernova 2010ev (SN 2010ev), is still visible as the — now faint — blue dot nestled within one of the thick spiral arms just to the left of the galaxy’s nucleus.
To the right of the galaxy, an unremarkable foreground star in our own Milky Way, TYC 7713-527-1, shines brightly enough to catch our attention. Although the star seems a great deal brighter than SN 2010ev, this is actually an illusion created by the large difference in the distances of the two objects. The galaxy is much further away, at a distance of about 90 million light years, while the star lies thousands of times closer, within our own galaxy.
At its brightest, SN 2010ev reached an apparent magnitude of about 14, making it about 1000 times dimmer than the naked eye can see, but it was still the third brightest supernova observed in 2010. In fact, if the supernova had been as close to Earth as TYC 7713-527-1, it would have been easily visible to the naked eye, unlike the aforementioned star.
The image was taken using the FORS2 instrument on the ESO Very Large Telescope (VLT). The filters used for the image were B, V and R, which were coloured blue, green and red respectively. A framed print of the President’s Galaxy has been presented to Václav Klaus, as a memento of his visit to Paranal.
Data
Origemhttp://www.eso.org/public/images/potw1120a/
AutorESO
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:NGC_3244.tif

http://www.eso.org/public/archives/images/screen/potw1120a.jpg

About the Object

Name:NGC 3244TYC 7713-527-1
Type:• Milky Way : Star
• Local Universe : Galaxy : Type : Spiral
• X - Galaxies
• X - Stars
Distance:90 million light years
Constellation:Antlia

Coordinates

Position (RA):10 25 28.92
Position (Dec):-39° 49' 38.86"
Field of view:3.10 x 2.43 arcminutes
Orientation:North is 89.8° right of vertical

http://www.eso.org/public/images/potw1120a/





NGC 3347 é uma galáxia espiral barrada (SBb) localizada na direcção da constelação de Antlia. Possui uma declinação de -36° 21' 12" e uma ascensão recta de 10 horas, 42 minutos e 46,6 segundos.
A galáxia NGC 3347 foi descoberta em 1 de Maio de 1834 por John Herschel.http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_3347

John Herschel (1847) Cape Observations

This 12.8 magnitude spiral in Antlia was discovered by Sir John Herschel at the Cape of Good Hope with an 18-inch f/13 speculum telescope. He recorded it as "pretty faint, small, round, very suddenly much brighter in the middle to a star of 12th magnitude." His next observation reads: "Not very faint, round, suddenly a little brighter in the middle, 15 arcsec across. The first of three." This galaxy lies in the half-degree grouping of NGC 3347, 3354 & 3358.

NCG 3347

Imaged by Mauritz Geyser













Hubble's Glitter galaxy: The ESO 318-13 galaxy

http://www.nasa.gov/images/content/712462main_potw1249a.jpg
The brilliant cascade of stars through the middle of this image is the galaxy ESO 318-13 as seen by the NASA/ESA Hubble Space Telescope. Despite being located millions of light-years from Earth, the stars captured in this image are so bright and clear you could almost attempt to count them.
Credit: ESA/Hubble & NASA






Aglomerado em Antlia:
Apesar de ser o segundo mais rico aglomerado pertencente ao superaglomerado Hydra, o aglomerado Antlia não nos impressiona tanto quanto o aglomerado Hydra.  Antlia aglomerado é similar ao aglomerado Fornax.

Assim como o aglomerado Hydra, o aglomerado Antlia não fotografa muito bem.  As galáxias são espraiadas ao longo de um grau no céu, de forma que existem muitas estrelas de primeiro plano.


See Explanation.  Clicking on the picture will download 
 the highest resolution version available.
Antlia: A New Galactic Neighbor
Credit and Copyright:
 M. Irwin (RGO), A. Whiting & G. Hau (IoACambridge)
http://apod.nasa.gov/apod/ap970423.html





CONHEÇA MAIS SOBRE
ANTLIA, A MÁQUINA PNEUMÁTICA 
acessando meu Trabalho em  
http://sobreantlia.blogspot.com.br/


Os desenhos formados pelas estrelas são como janelas que se abrem para a infinitude do universo e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, bem mais, entre o céu e a terra...; bem como percebendo que o caos, vagarosamente, vai se tornando Cosmos e sendo por nossa mente conscientizado.  


Quer dizer, nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.

COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward



- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986
(com dedicatória do próprio autor para mim
em evento realizado no Museu de Astronomia do Rio de Janeiro,
em 16/06/1989)

-  Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes -
Apoio: CARJ/MEC/CAPES/PADCT-SPEC  -  com dedicatória do autor para mim, em março de 2004 (quando Mário Jaci generosamente me presenteou com um instrumento de observação (kepleriano) artesanalmente construído por ele).