sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Ponto Vernal acolhendo Lua testemunhando Marte e Vênus beijando-se

Olá!

Ao anoitecer de hoje, 
estaremos diante de belíssima cena nos céus estrelados
sendo protagonizada pela Lua recém-Nova e apresentando-se em finíssimo anel dourado
testemunhando o beijo maravilhoso entre Marte e Vênus!....
e tudo isso acontecendo em horizonte oeste bem baixo
 e ao final da tarde, comecinho da noite,
contra o pano de fundo da constelação Pisces.

Aliás, ao visualizarmos as posições da Lua e de Marte e Vênus,
estaremos olhando para o chamado Ponto Vernal
ou Equinócio da Primavera ou Primeiro Ponto de Áries.

 Segundo Ronaldo Mourão: Ponto da esfera celeste, situado na interseção da eclíptica com o equador, na qual o Sol, em seu movimento aparente anual, passa do hemisfério sul para o norte.  O ponto vernal serve de origem para as ascensões retas e as longitudes celestes, intervindo desse modo nas definições de tempo.  O ponto vernal é habitualmente designado como equinócio da primavera, equinócio vernal, primeiro ponto de Áries.

Nesta Postagem, Caro Leitor,
estaremos comentando sobre 
o Ponto Vernal -  ou Equinócio da Primavera - 
bem como sobre o Equinócio do Outono
- quer dizer, estaremos comentando sobre os Equinócios
e também sobre o fato 
de que é realmente interessante que possamos perceber
 as questões relativas às mudanças de Eras
 em termos de onde caem os Pontos de Equinócios e de Solstícios.


Com um abraço estrelado,
Janine Milward



Programa Stellarium

Programa Stellarium




Programa Stellarium




O PONTO VERNAL

Equinócio da Primavera 
ou 
Equinócio Vernal 
ou 
Primeiro Ponto de Áries
(para o hemisfério sul é o Equinócio do Outono)

PRIMAVERA BOREAL OU OUTONO AUSTRAL


Devido à Precessão, 
o equinócio vernal situa-se em Peixes,
 na linha de sua estrela Omega Piscium.

Segundo o astrônomo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
 em sua 6a. edição do Atlas Celeste, página 163,
 podemos ler:

 Ponto Vernal.  Ponto da esfera celeste, situado na interseção da eclíptica com o equador, na qual o Sol, em seu movimento aparente anual, passa do hemisfério sul para o norte.  O ponto vernal serve de origem para as ascensões retas e as longitudes celestes, intervindo desse modo nas definições de tempo.  O ponto vernal é habitualmente designado como equinócio da primavera, equinócio vernal, primeiro ponto de Áries.


Excerto da constelação dos Peixes - Mario Jaci Monteiro, Cartas Celestes, As Constelações



 Asterismo nomeado de Circlet, Pequeno Círculo,
 composto pelas estrelas 
Gamma, Beta, Teta, Iota, 19, Lambda e Kappa Piscium

Este Pequeno Círculo
 - um dos dois Peixes - 
marca a proximidade do Ponto Vernal,
 o cruzamento entre as Linhas do Equador celestial e da Eclíptica. 

Em lugares de céus escuros e transparentes,
 podemos sempre bem visualizar este Pequeno Círculo, realmente.


Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes    



O Ponto Vernal acontece na constelação dos Peixes 
exatamente sob o Grande Quadrado do Cavalo Pegasus 
e próximo à estrela, Alpheratz, Alpha Andromedae 
- estrela que vivencia a fronteira entre a constelação do cavalo alado 
(fazendo parte, inclusive, do asterismo do grande quadrado
 composto ainda pelas estrelas Alpha, Beta e Gamma Pegasi) 
e a constelação de Andromeda
 (a famosa galáxia Andromeda, M31, 
pode ser observada inserida nesta constelação). 




O ponto vernal é de particular importância
 pois nos sistemas de coordenadas celestes
o ponto vernal indica tanto a origem da contagem da ascensão reta 
- no sistema equatorial -
 quanto da contagem de longitude eclíptica 
- no sistema eclíptico.4

http://www.stellarium.org/pt/
Original invertido em suas cores - usando o Programa Corel



Ponto vernal é o ponto da esfera celeste determinado pela posição do sol 
quando esse, movendo-se pela eclíptica, cruza o equador celeste
 - em proximidade ou no dia 21 de março 
- determinando o equinócio de primavera para o hemisfério norte 
e o de outono para o hemisfério sul1 2 . 
Apesar de localizar-se hoje, devido à precessão dos equinócios, na constelação de peixes3 , 
é também conhecido 
como Primeiro Ponto de Áries ou ainda como ponto gama (\gamma 4 .






Ponto Áries ou Equinócio vernal

A precessão do ponto de equinócio deve-se à precessão do eixo de rotação da terra, cujo período é de cerca de 25800 anos. O ponto vernal não é assim fixo na esfera celeste 3 , movendo-se entre as constelações da eclíptica e completando um ciclo em igual período.

Os círculos do equador celeste e da eclíptica cortam-se em dois pontos: o ponto vernal e sua antípoda, o ponto de libra, hoje em verdade um ponto na constelação de virgem. O primeiro deles é o ponto pelo qual a trajetória aparente do sol passa quando vai do hemisfério celeste sul para o norte, o que ocorre por volta do dia 21 de março, marcando o início do da primavera no hemisfério norte e do outono no hemisfério sul. O sol encontra-se no ponto de libra no equinócio de outono no hemisfério norte e de primavera no hemisfério sul, o que ocorre por volta do dia 23 de setembro de cada ano.

O ponto vernal é de particular importância pois nos sistemas de coordenadas celestes, o ponto vernal indica tanto a origem da contagem da ascensão reta - no sistema equatorial - quanto da contagem de longitude eclíptica - no sistema eclíptico.4


Title: Les Poissons (Pisces)   Map Maker: John Flamsteed /  MJ Fortin

Saiba mais sobre a Constelação dos Peixes
acessando meu Trabalho em
http://daterraaoceueaoinfinito.blogspot.com.br/2013/08/pisces-os-peixes.html




Outono no hemisfério sul
Sítio das Estrelas
photo by Janine







Na astronomiaequinócio é definido como o instante em que o Sol, em sua órbita aparente (como vista da Terra), cruza o plano do equador celeste (a linha do equador terrestre projetada na esfera celeste). Mais precisamente é o ponto no qual a eclíptica cruza o equador celeste.

A palavra equinócio vem do latimaequus (igual) e nox (noite), e significa "noites iguais", ocasiões em que o dia e a noite duram o mesmo tempo. Ao medir a duração do dia, considera-se que o nascer do Sol (alvorada ou dilúculo) é o instante em que metade do círculo solar está acima do horizonte, e o pôr doSol (crepúsculo ou ocaso) o instante em que o círculo solar está metade abaixo do horizonte. Com esta definição, o dia e a noite durante os equinócios têm igualmente 12 horas de duração.2

Os equinócios ocorrem nos meses de março e setembro quando definem mudanças de estação. Em março, o equinócio marca o início da primavera no hemisfério norte e do outono no hemisfério sul. Em setembro ocorre o inverso, quando o equinócio marca o início do outono no hemisfério norte e da primavera no hemisfério sul.


Primavera no hemisfério sul
Sítio das Estrelas
photo by Janine





O EQUINÓCIO DO OUTONO 
(para o hemisfério norte)
ou
O EQUINÓCIO DA PRIMAVERA
(para o hemisfério sul)

OUTONO BOREAL E PRIMAVERA AUSTRAL






A constelação da Virgem é imensa 
e cortada pelas Linhas da Eclíptica e pela Linha do Equador Celestial.  


Excerto da constelação da Virgem
 - Mario Jaci Monteiro, Cartas Celestes, As Constelações



Existe o entrelaçamento destas duas Linhas - o que podemos traduzir como o Ponto do Equinócio de Outono, que acontece bem próximo à estrela Beta Virginis, Zavijava, situada na cabeça da Virgem. (É interessante conhecermos o fato de que o eclipse solar de 21 de setembro de 1922, aconteceu próximo a esta estrela e que foi por Einstein usada para confirmar sua teoria).


http://www.stellarium.org/pt/
Original invertido em suas cores - usando o Programa Corel



Em termos da Linha da Eclíptica e advindos da constelação do Leão, realizam seus caminhos aparentes o Sol e a Lua e os Planetas, adentrando todos pela Cabeça da Virgem, bem próximos à estrela Beta, Zavijava, e então passando pelo ombro e pelo peito, encontrando Zaniah, e, já na altura da Cintura, situa-se a belíssima Porrima.  Todas essas situações são testemunhadas pelas constelações da Taça e do Corvo, na fronteira ao sul.  Spica, o ramo de trigo na mão da Virgem, é praticamente o último momento em que a linha da Eclíptica toca realmente o corpo virginal, seguindo em direção à constelação da Balança e tendo a Hydra como fronteira ao sul.  

Em termos da Linha do Equador, é interessante observarmos o fato de que esta corta praticamente ao meio a figura delineada da Virgem, desde sua cabeça, seus cabelos, passando por seu rosto, por seu pescoço e ombros e entre seus peitos e avançando até encontrar a cintura e ainda descendo por uma de suas pernas até situar-se no entrecruzamento de suas panturrilhas e deixando a Virgem depois de tocar em um de seus pés.

O ponto de entrecruzamento das Linhas da Eclíptica e do Equador perfaz o Equinócio do Outono e isso acontece no lugar que aponta bem proximamente entre o cabelo e o rosto da Virgem.

Carta Celeste realizada por Mario Jaci Monteiro - CARJ


Saiba mais sobre a Constelação da Virgem,
acessando meu Trabalho em
VIRGO, A VIRGEM   


Excerto de minha Página 
Sobre a Constelação de Cancer, o Caranguejo:

É realmente interessante que possamos perceber
 as questões relativas às mudanças de Eras
 em termos de onde caem os Pontos de Equinócios e de Solstícios:

A Era de Gêmeos trouxe o Ponto Vernal a acontecer dentro desta constelação ocupando o lugar de Primavera, Virgem ocupando o lugar do Solstício do Verão, Sagitário ocupando o lugar do Equinócio do Outono e Peixes ocupando o lugar do Solstício de Inverno.



Quadro sobre a Precessão dos Equinócios durante 4 Eras, mostrando o Caminho do Sol contra o pano de fundo das constelações do    Zodíaco.  As cores originais foram invertidas.
Inserido no Artigo “When the Zodiac Climbed into the Sky” por Alexander Gurshtein para a Revista Sky & Telescope edição de outubro de 1995, página 30,  publicada por Sky Publishing Corporation, Cambridge, MA, USA.



A Era de Touro trouxe o Ponto Vernal a acontecer dentro desta constelação ocupando o lugar de Equinócio da Primavera; Leão ocupando o lugar do Solstício do Verão; Sagitário ocupando o lugar do Equinócio do Outono e Peixes ocupando o lugar do Solstício de Inverno.

Permita-me lhes dizer, caro Amigo das Estrelas, que teria sido naquela Era que surgiu o conceito das Quatro Estrelas Reais, Guardiãs das Quatro Estações do Ano e da Vida:  em Touro, Aldebarã, o olho iluminado, guardiã do Leste; em Leão, Regulus, sua pata dianteira, guardiã do Sul; em Escorpião, Antares, a rival de Marte, Anti-Ars, gigante vermelha maravilhosa, guardiã do Oeste; e finalmente, Fomalhaut, em Pisces Austrinus, guardiã do Norte.

A Era de Áries trouxe o Ponto Vernal a acontecer dentro desta constelação ocupando o lugar de Equinócio da Primavera; Câncer ocupando o lugar de Solstício do Verão; Balança ocupando o lugar do Equinócio do Outono e Capricórnio ocupando o lugar do Solstício de Inverno.


Chuva no Sítio das Estrelas
Photo by Janine



Os desenhos formados pelas estrelas 
são como janelas que se abrem para a infinitude do universo 
e que possibilitam nossa mente 
a ir percebendo que existe mais, bem mais, 
entre o céu e a terra...; 
bem como percebendo que o caos,
 vagarosamente, 
vai se tornando Cosmos 
e sendo por nossa mente conscientizado.  

Quer dizer, 
nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.

COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward