quinta-feira, 16 de abril de 2015

Descortinando as Nuvens de Magalhães



Olá!

Nesses tempos de céus escuros e transparentes e de ausência de Lua,
por que não nos voltarmos para o céus do sul
e nos deixarmos embevecer pela doce visão
das Nuvens de Magalhães?


Programa Stellarium

As Nuvens de Magalhães nos trazem imensa felicidade
por morarmos no hemisfério sul e podermos, então,
usufruir da maravilhosa observação a olho nu
dessas Nuvens que não são nuvens e sim galáxias
e que escondem um verdadeiro mundo de tesouros....  
Tesouros que vão sendo, vagarosamente,
descobertos e trazidos ao nosso conhecimento!






http://en.wikipedia.org/wiki/Magellanic_Clouds#mediaviewer/File:Magellanic_Clouds_%E2%80%95_Irregular_Dwarf_Galaxies.jpg
Magellanic Clouds ― Irregular Dwarf Galaxies
ESO/S. Brunier - ESO





Wonder and Mystery above the Very Large Telescopes 
Credit: Yuri Beletsky (ESO)



Uma das grandes alegrias em morar na roça
e buscando céus mais escuros e transparentes,
é poder observar a olho nu
as Nuvens Pequena e Grande de Magalhães.

Aqui na roça, um antigo caseiro meu
dizia que estas duas "Nuvens"
são as mulas do presépio do Menino Jesus...

Não importa o que se pense sobre estas Nuvens
- que quase sempre nos engana, parecendo nuvens mesmo! -,
porque o importante é que elas a nós se apresentam enfeitando os céus do sul...,
e fazem isso de maneira tão simples, quase humilde!

Quer dizer,
as nuvens que nomeamos de Nuvens e que sabemos serem Galáxias
parecem esconder (assim como as nuvens escondem)
um mundo de maravilhas.... , 
porém apenas se apresentando
 enquanto nuvens, simples nuvens, simples quase-enganos.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward





http://apod.nasa.gov/apod/image/1105/vltsky_beletsky_3114.jpg
Wonder and Mystery above the Very Large Telescopes 
Credit: Yuri Beletsky (ESO) 





As Nuvens de Magalhães

Existem duas pequenas nuvens esfumaçadas que pareciam ser fragmentos da Via Láctea e que formam um quase triangulo com o pólo sul celestial.  Estas nuvens foram primeiramente descritas pelo navegante português Fernando de Magalhães, no começo do século dezesseis.  Porém, somente nos anos de 1920, os astrônomos determinaram que as Nuvens de Magalhães são galáxias, irregulares, pequena e próximas.

As Nuvens de Magalhães são ligadas entre si e à nossa Galáxia não somente pela força de gravidade mas também pela ponte gigantesca de hidrogênio neutro e frio.  O brilho azulado das Nuvens de Magalhães revelam a presença de um imenso número de estrelas jovens, quentes e gigantes muito luminosas.

Se pudéssemos olhar para nossa Galáxia de um ponto externo à mesma, veríamos três pequenos e próximos satélites (galáxias-satélites), as Nuvens de Magalhães.  Um sistema similar acontece com a Galáxia de ndrômeda, onde podemos observar várias pequenas galáxias satélites.


- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986



The Magellanic Clouds have been known since the first millennium in Western Asia. The first preserved mention of the Large Magellanic Cloud is by the Persian astronomer Al Sufi.[4][5] In 964, in his Book of Fixed Stars, he called it al-Bakr ("the Sheep") "of the southern Arabs"; he noted that the Cloud is not visible from northern Arabia and Baghdad, but can be seen at the strait of Bab el Mandeb (12°15' N), which is the southernmost point of Arabia.[2]
In Europe, the Clouds were first observed by Italian explorers Peter Martyr d'Anghiera and Andrea Corsali at the end of the 15th century. Subsequently, they were reported byAntonio Pigafetta, who accompanied the expedition of Ferdinand Magellan on its circumnavigation of the world in 1519-1522.[2] However, naming the clouds after Magellan did not become widespread until much later. In Bayer's Uranometria they are designated as nubecula major and nubecula minor.[6] In the 1756 star map of the French astronomer Lacaille, they are designated as le Grand Nuage and le Petit Nuage ("the Large Cloud" and "the Small Cloud").[7]
In Sri Lanka, from ancient times, these clouds have been referred to as the 'Maha Mera Paruwathaya' meaning "the great mountain", as they look like the peaks of a distant mountain range.


In the southern hemisphere, the Magellanic clouds have long been included in the lore of native inhabitants, including south sea islanders and indigenous AustraliansPersian astronomer Al Sufi labelled the larger of the two clouds as Al Bakr, the White Ox. European sailors may have first noticed the clouds during the Middle Ages when they were used for navigation.Portuguese and Dutch sailors called them the Cape Clouds, a name that was retained for several centuries. During the circumnavigation of the Earth by Ferdinand Magellan in 1519–22, they were described by Antonio Pigafetta as dim clusters of stars.[8] In Johann Bayer's celestial atlas Uranometria, published in 1603, he named the smaller cloud, Nubecula Minor.[9]In Latin, Nubecula means a little cloud.[10]
Between 1834 and 1838, John Frederick William Herschel made observations of the southern skies with his 14-inch (36 cm) reflector from the Royal Observatory at the Cape of Good Hope. While observing the Nubecula Minor, he described it as a cloudy mass of light with an oval shape and a bright center. Within the area of this cloud he catalogued a concentration of 37 nebulae and clusters.[11]
In 1891, Harvard College Observatory opened an observing station at Arequipa in Peru. Between 1893 and 1906, under the direction of Solon Bailey, the 24-inch (610 mm) telescope at this site was used to survey photographically both the Large and Small Magellanic Clouds.[12] Henrietta Swan Leavitt, an astronomer at the Harvard College Observatory, used the plates from Arequipa to study the variations in relative luminosity of stars in the SMC. In 1908, the results of her study were published, which showed that a type of variable star called a "cluster variable", later called a Cepheid variable after the prototype star Delta Cephei, showed a definite relationship between the variability period and the star's luminosity.[13] This important period-luminosity relation allowed the distance to any other cepheid variable to be estimated in terms of the distance to the SMC. Hence, once the distance to the SMC was known with greater accuracy, Cepheid variables could be used as a standard candle for measuring the distances to other galaxies.[14]
Using this period-luminosity relation, in 1913 the distance to the SMC was first estimated by Ejnar Hertzsprung. First he measured thirteen nearby cepheid variables to find the absolute magnitude of a variable with a period of one day. By comparing this to the periodicity of the variables as measured by Leavitt, he was able to estimate a distance of 10,000 parsecs (30,000 light years) between the Sun and the SMC.[15] This later proved to be a gross underestimate of the true distance, but it did demonstrate the potential usefulness of this technique.[16]
Announced in 2006, measurements with the Hubble Space Telescope suggest the Large and Small Magellanic Clouds may be moving too fast to be orbiting the Milky Way.[17]


Veja o Vídeo:

Astronomers at NASA's Goddard Space Flight Center in Greenbelt, Md., and the Pennsylvania State University in University Park, Pa., have used NASA's Swift satellite to create the most detailed surveys of the Large and Small Magellanic Clouds, the two closest major galaxies, in ultraviolet light.
Thousands of images were assembled into seamless portraits of the main body of each galaxy to produce the highest-resolution surveys of the Magellanic Clouds at ultraviolet wavelengths. The project was proposed by Stefan Immler, an astronomer at Goddard.

The Large and Small Magellanic Clouds, or LMC and SMC for short, lie about 163,000 and 200,000 light-years away, respectively, and orbit each other as well as our own Milky Way galaxy.

Compared to the Milky Way, the LMC has about one-tenth its physical size and only 1 percent of its mass. The SMC is only half the size of the LMC and contains about two-thirds of its mass.
The new images reveal about a million ultraviolet sources within the LMC and about 250,000 in the SMC.

Viewing in the ultraviolet allows astronomers to suppress the light of normal stars like the sun, which are not very bright at these higher energies, and provide a clearer picture of the hottest stars and star-formation regions.

Only Swift's Ultraviolet/Optical Telescope, or UVOT, is capable of producing such high-resolution wide-field multi-color surveys in the ultraviolet. The LMC and SMC images range from 1,600 to 3,300 angstroms, UV wavelengths largely blocked by Earth's atmosphere.

The Large and Small Magellanic Clouds are readily visible from the Southern Hemisphere as faint, glowing patches in the night sky. The galaxies are named after Ferdinand Magellan, the Portuguese explorer who in 1519 led an expedition to sail around the world. He and his crew were among the first Europeans to sight the objects. All visible light imagery provided by Axel Mellinger, Central Michigan University.

This video is public domain and can be downloaded at:http://svs.gsfc.nasa.gov/goto?11293



Caro Leitor,
saiba mais 
SOBRE AS NUVENS DE MAGALHÃES
em



 Programa Stellarium
Programa Stellarium




A PEQUENA NUVEM DE MAGALHÃES



 Pequena Nuvem de Magalhães
Ascensão Reta 00h52m          Declinação -72o.56
         Magnitude fotográfica aparente  2,86
Dimensões Angulares  216 X 216       Distância (milhões de anos-luz) 0,2

A Pequena Nuvem de Magalhães

Esta é uma galáxia irregular e próxima e que, juntamente com a Grande Nuvem de Magalhães, órbita nossa Galáxia como se ambas fossem nossos satélites. 

A maior parte da massa da Pequena Nuvem de Magalhães consiste  de nuvens interestelares de hidrogênio, o material básico de formação das estrelas - que nesta galáxia acontecem em larga escala.  Prova disso é o grande numero de estrelas jovens e quentes - gigantes azuis - que trazem à Nuvem esta sua coloração azulada.

Em 1984, radio-astronomos australianos descobriram que a Pequena Nuvem de Magalhães consiste, na verdade, de duas  galáxias separadas, uma atrás da outra, uma sendo ocultada de forma que vemos apenas um único objeto no céu. Estas duas galáxias estão se separando uma da outra e foi exatamente a diferença de velocidade entre ambas que revelou o fato de a Pequena Nuvem ser, na verdade, duas galáxias separadas.

- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986

Caro Leitor,
saiba mais sobre a Pequena Nuvem de Magalhães
em




A CONSTELAÇÃO DO TUCANO, Tucana,
ACOLHE A PEQUENA NUVEM DE MAGALHÃES
(e compartilha um pedacinho dessa maravilhosa Nuvem
com a constelação da HIDRA MACHO, HYDRUS.


Programa Stellarium




Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes - CARJ


TUCANA, O TUCANO

Ascensão Reta 22h5m / 1h22m    Declinação -56o.7 / -75o.7

Constelação adicionada por Bayer em 1604.

Em Tucano, podemos observar alguns objetos extremamente interessante
s e mesmo a olho nu nos chamam a atenção: 
 47 Tucanae e a Pequena Nuvem de Magalhães.


Alpha Tucanae
        Distância 62 anos-luz

Beta Tucanae - Estrela Dupla
Ascensão Reta 00h29m        Declinação   -63o.14         Magnitude 4,4 e 4,6
Ângulo de Posição 169o.,4       Distância entre estrelas 27”,13

Kappa Tucanae - Estrela Dupla
Ascensão Reta  01h14m       Declinação  -69o.08           Magnitude 5,1 e 7,5

Ângulo de Posição 349o.,5        Distância entre estrelas 5”,50



- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986

Caro Leitor,
saiba mais sobre a constelação Tucana
em






Hydrus, a Hidra Macho,
é uma constelação bem interessante
por algumas razões:


Talvez a questão mais importante a comentarmos sobre
a constelação Hydrus, a Hidra Macho,
é o fato de  encontrar-se "ensanduichada", digamos assim,
entre as constelações que mostram o direcionamento para a Grande Nuvem de Magalhães
- as constelações Dorado e Mensa -,
e a principal constelação que mostra o direcionamento para a Pequena Nuvem de Magalhães
- Tucana.
A segunda grande questão importante a ser comentada sobre
a constelação Hydrus, a Hidra Macho,
é o fato de que, em alguns alfarrábios e escritos,
aparecer como também acolhendo o direcionamento para a Pequena Nuvem de Magalhães...
Porém, em outros tantos alfarrábios e escritos, não.

Quer dizer, se o Caro Leitor bem observar
alguns alfarrábios aqui apresentados nesta Postagem
traçam o desenho figurativo desta constelação
passando por através a constelação do Tucano
bem como Ilustração mostrando um pedacinho da Pequena Nuvem de Magalhães
adentrando a constelação Hydrus, a Hidra Macho.

E também em outro(s) escrito(s)  e Imagem (ns) 
aqui apresentados nesta Postagem,
é mencionado o fato de que apenas um pequeníssimo pedaço
da Pequena Nuvem de Magalhães 
pode ser considerado como pertencente à constelação Hydrus, a Hidra Macho.

A bem da verdade,
as Imagens realizadas sobre NGC 602
 - um aglomerado aberto com nebulosa na direção da constelação de Hydrus -
nos revelam que também esta constelação faz parte
da Pequena Nuvem de Magalhães. 

Outra questão também interessante a ser mencionada
é o fato de que alguns escritos dizem 
que a estrela-alpha Hydri atua enquanto a cabeça da Hidra Macho...,
enquanto que em outros lugares
 - Ilustrações, por exemplo -, 
vamos encontrar a estrela-beta Hydri
fazendo a designação para esta cabeça.



Mario Jaci Monteiro, As Constelações, Cartas Celestes - CARJ



HYDRUS, HIDRA MACHO



Posicionamento:
Ascensão Reta oh2m / 4h33m      Declinação -58o.1 / -82o.1

História:
Constelação adicionada por Bayer, 1604.


Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:

É uma constelação bem ao sul - ainda ao sul da Estrela Achernar, Alpha Eridanus, 
e formando um triangulo de estrelas brilhantes 
e também incluindo uma pequena parte da Pequena Nuvem de Magalhaes 
(porém a maior parte dessa galáxia situa-se na vizinha constelação do Tucano).

Beta Hydri é uma estrela de magnitude 2.78 e distante somente cerca de 20 anos-luz.  A Estrela Alpha Hydri, mesmo que não seja a mais brilhante, apresenta-se na magnitude 2.84 e dista mais do que 30 anos-luz.



- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986

Caro Leitor,
saiba mais sobre a constelação Hydrus
em




http://www.raremaps.com/gallery/enlarge/33613


http://www.raremaps.com/gallery/detail/33613/Celestial_Map_of_the_Southern_Hemisphere/Pardies.html
Title: [Celestial Map of the Southern Hemisphere]  Map Maker: Ignace Gaston Pardies






A GRANDE NUVEM DE MAGALHÃES


A Grande Nuvem de Magalhães
Ascensão Reta  05h23m         Declinação -69o.46
Tipo  I - Galáxia Irregular               Magnitude fotográfica aparente   0,86
Dimensões Angulares  432 X432       Distância (milhões de anos-luz) 0,2
(Dados referentes à época 1980, coletados no Atlas Celeste de R.R.de Freitas Mourão, 6a. edição)

Inicialmente, a Grande Nuvem de Magalhães foi classificada como uma galáxia irregular.  
No entanto, mais tarde foram descobertos sinais de estrutura espiralada 
e alguma relação com espirais barrados. 
 A barra é a parte mais interessante da galáxia
 e se parece com uma nuvem estelar brilhante e alongada
 e ao longo dessa barra, existem numerosas nebulosas 
avermelhadas por hidrogênio ionizado, 
e estimuladas pela radiação de estrelas quentes e jovens.  
Nestas regiões são formadas novas estrelas.

- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986

Caro Leitor,
saiba mais sobre a Grande Nuvem de Magalhães
em




Duas Constelações compartilham
a maravilhosa Grande Nuvem de Magalhães:
MONS MENSA E DORADO
- A MONTANHA DA MESA E O PEIXE DOURADO


Programa Stellarium



A Montanha
chamada de Montanha da Mesa
(Table Mountain)
e que é situada na Cidade do Cabo, África do Sul,
 na Terra,
mas que também é acolhida nos céus estrelados do sul:
a constelação Mensa, Mons Mensa,
que compartilha, juntamente com a constelação Dorado, Dourado,
o direcionamento da Grande Nuvem de Magalhães!




Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes - CARJ



MONS MENSA, A MONTANHA DA MESA, A MESA

Posicionamento:
Ascensão Reta  3h20m / 7h37m     Declinação -69o.9 / 85o.0

História:
Constelação formada por La Caille, 1752.

Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:

Esta constelação foi assim nomeada - A Montanha da Mesa - em função do fato de que La Caille trabalhou em um Observatório na Cidade do Cabo, na África do Sul, onde existe um complexo de montanhas e uma delas é assim nomeada.

Nesta constelação nos chama a atenção a presença da Grande Nuvem de Magalhães 
- que também faz parte da constelação de Dorado, o Peixe Dourado 
(que acolhe a tão conhecida Nebulosa Tarântula, ainda dentro da Grande Nuvem de Magalhães). 

 É uma constelação de estrelas que vão além de magnitude 5, portanto pouco visíveis. 

No entanto, a estrela Beta Mensae situa-se bem ao centro da Nebulosa Tarântula.

Fronteiras:
Dorado, Hydrus, Octantis, Chamaleon, Volans


- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986


Caro Leitor,
saiba mais sobre a constelação Mons Mensa
em







Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes - CARJ


 DORADO, O PEIXE DOURADO

Posicionamento:
Ascensão Reta 3h52m / 6h36m  Declinação -48o.8 / -70o.1
(Dados referentes à época 1980, coletados no Atlas Celeste de R.R.de Freitas Mourão, 6a. edição)

História:
Constelação adicionada por Bayer em 1604.

Fronteiras:
Pictor, Caelum, Horologium, Reticulum, Hydra Macho, Mensa, Volans





https://www.facebook.com/CapturingTheNight/photos/pb.386621064729791.-2207520000.1409394819./617968308261731/?type=1&theater

"The Neighbours"
Balancing boulders and the Magellanic Clouds, 9/11/2013
The Large and Small Magellanic Clouds are small satellite galaxies of our own Milky Way Galaxy. Along with the Andromeda Galaxy they are the only objects you can easily see with only your own unaided eyes that are outside of our galaxy. Being close to the South Celestial Pole the Magellanic Clouds are best seen from the Southern Hemisphere.

Canon 5D MkII, 14mm, F/2.8, ISO 1600, Single 25 Second Exposure, 35% illuminated Moon is lighting up the landscape. Some of you may recognise this rock formation from my panorama image "The Sentinel"



Caro Leitor,
saiba mais 
SOBRE AS NUVENS DE MAGALHÃES
em



http://www.space.com/14249-milkyway-galaxy-photos.html?adbid=10152547542771466&adbpl=fb&adbpr=17610706465&cmpid=514630_20150102_35909187
Axel Mellinger, of Central Michigan University, created this panorama of the Milky Way 
from 3,000 individual photographs that he melded together with mathematical models.




Os desenhos formados pelas estrelas
 - AS CONSTELAÇÕES -
 são como janelas que se abrem para a infinitude do universo
e que possibilitam nossa mente 
a ir percebendo que existe mais, bem mais, entre o céu e a terra...;
bem como percebendo que o caos, 
vagarosamente,
 vai se tornando Cosmos 
e este por nossa mente sendo conscientizado.



Quer dizer, nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.



Com um abraço estrelado,
Janine Milward