segunda-feira, 29 de junho de 2015

De estrelas desenhando um Leão a Galáxias, Grupos, Aglomerados e Superaglomerado

Olá!

VÊNUS, A BELA DA TARDE,
BEIJANDO JÚPITER,
O DEUS DOS DEUSES!

Caro Leitor,
eis que estamos diante do momento mais esperando
ao longo do mês de junho:
a belíssima e inesquecível conjunção entre
os Planetas Vênus e Júpiter
nos céus estrelados mais a oeste!


Nas Ilustrações abaixo realizadas através o Programa Stellarium,
Caro Leitor,
optei por apresentar o Leão
visto a partir do ponto de vista do hemisfério sul,
com o observador voltando-se para o norte,
tendo o oeste à esquerda e o leste à direita.


Stellarium


Stellarium



Em nossas  Postagens anteriores,
Caro Leitor,
estivemos observando mais e mais proximamente
a Conjunção entre as belíssimas luzes
de Vênus e Júpiter
bem como comentando sobre a constelação Leo,
que vem acolhendo este maravilhoso espetáculo
a nós sendo brindado pelos céus estrelados mais a oeste.

Das estrelas figurando um Leão a Galáxias, Grupos, Aglomerados e Superaglomerado

Sobre a estrela-alpha Leonis, Regulus, o Pequeno Rei, estrela-real dos persas antigos:
Regulus, a estrela-alpha Leonis, testemunhando a aproximação entre Vênus e Júpiter!
sobre o asterismo da Foice:
Estrelas e Objetos Celestes nas Pernas dianteiras e na Cabeça do Leão (A Foice)
e
sobre a estrela Wolf 359 e sobre o Grupo M96:
Terceira Estrela mais próxima a nós e Objetos Celestes no centro do corpo do Leão
e
sobre o Grupo 66 (Leo Triplet) e seu fusionamento com o Grupo M96 
formando o Grupo conhecido como Leo I:
Estrelas e Objetos Celestes na parte traseira do Leão e em sua cauda



A constelação do garboso Leão
é verdadeiramente muito interessante
não somente por causa do desenho de suas estrelas
figurando o rei dos animais dos céus estrelados
como também, ao longo dos tempos,
veio nos revelando objetos que realizaram-se enquanto galáxias,
enquanto Grupos de galáxias, enquanto fusão desses Grupos
e ainda enquanto fazendo parte
- como Galáxia Anã denominada Leo I ou Regulus Dwarf -
de nosso chamado Grupo Local!


Com o tempo, entrou em cena Leo II
-  que encontra-se ainda além Leo I
(que é bem mais próximo),
porém ambos situam-se numa mesma região
e também fazendo parte de nosso chamado Grupo Local.

Leo I e Leo II são consideradas galáxias-satélites pertencentes
ao nosso sistema da Via Lactea.

Com o tempo, entrou em cena Leo III ou Leo A.


Local Group

http://www.daviddarling.info/encyclopedia/L/LocalGroup.html




Com o tempo, entraram em cena Aglomerados de galáxias.
Com o tempo, entrou em cena o Superaglomerado Leo.


Com o tempo, e bem recentemente (em setembro de 2014!),
entrou em cena Laniakea,
nosso novo endereço dentre as estrelas do céu que nos protege,
esse Céu Imensurável!





Observe, Caro Leitor,

nosso Grupo Local

acolhendo, entre tantas outras,
AS GALÁXIAS LEO I, LEO II E LEO III (ou LEO A)
- sendo que Leo I e Leo II são consideradas fazendo parte
do sistema de galáxias-satélites da Via Lactea.

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e8/Grupo_Local-_portugu%C3%AAs.jpg








Grupo Local é o grupo composto por mais de 54 galáxias que inclui nossa Galáxia, a Via Láctea, sendo a maioria delas galáxias anãs, com o centro gravitacional localizado entre a Via Láctea e a Galáxia de Andrômeda. As galáxias do Grupo Local cobrem uns 10 milhões de anos-luz de diâmetro e tem uma aparência binária1 . A massa total do grupo é estimado em (1.29 ± 0.14) × 1012 de massas solares1 . O próprio grupo é um dos muitos em todo o Superaglomerado de Virgem2 .
Os dois membros mais massivos do grupo são a Via Láctea e a Galáxia de Andrômeda. Estas são duas galáxias espirais e cada uma tem um sistema de galáxias satélites.

Galáxias componentes

Mapa


Sextans BSextans AVia-LácteaLeo IAnã de Canes VenaticiLeo IINGC 6822Anã de PhoenixAnã de TucanaWolf-Lundmark-MelotteAnã de CetusIC 1613SagDIGAnã de AquariusGaláxia do TriânguloNGC 185NGC 147IC 10Galáxia de AndrômedaM110Leo ANGC 3109Anã de AntliaLGS 3Anã de PegasusAndrômeda IIAndrômeda IIIAndromeda I
Sobre esta imagem

Galáxias membros

Galáxias Espirais
nometipoconstelaçãonotas
Galáxia de Andrômeda (M31, NGC 224)SA(s)bAndrômedaMaior membro do grupo, recentemente (2006) descobriu-se que também é uma espiral barrada. Pode ser menos massiva que a Via Láctea.
Via LácteaSBbcnenhumaSegunda maior, contudo, a possível galáxia mais massiva do Grupo Local.5
Galáxia do Triângulo (M33, NGC 598)SAcTrianguluma única galáxia espiral não barrada e possível satélite da galáxia de Andrômeda.
Galáxias Elípticas
.................................................


Galáxias Irregulares
nometipoconstelaçãonotas
..................................................


Leo A (Leo III)IBm VLeo
..................................................


Galáxias Anãs Elípticas
nometipoconstelaçãonotas
...............................................


Galáxias Anãs Esferoidais
nometipoconstelaçãonotas
...........................................................


Leo I (DDO 74)dE3Leosatélite da Via Láctea
...................................


Leo II (Leo B)dE0 pecLeosatélite da Via Láctea
...........................................................


...........................................

https://pt.wikipedia.org/wiki/Grupo_Local


Leo I é uma galáxia anã esferoidal na constelação de Leo, a 12 arcmin de Regulus (α Leonis). Às vezes, esta galáxia recebe o nome de Anã de Regulus. A luz da estrela dificulta os estudos sobre a galáxia, e só foi detectada visualmente a partir dos anos 1990. Faz parte do Grupo Local e acredita-se que seja uma das galáxias satélites mais distantes da Via Láctea.

Medições da velocidade radial de algumas gigantes vermelhas brilhantes em Leo I permitiram calcular sua massa. Considerou-se, ao menos, (2,0 ± 1,0) x 107 vezes a massa solar. Leo I pode estar encoberta por uma nuvem de gás ionizado com uma similar à da galáxia. Por outro lado, não foram descobertos nenhumaglomerado globular em torno dela e se descobriu que a galáxia não tem rotação.

Igualmente às outras galáxias, Leo I tem uma metalicidade muito baixa, de ordem de 1% a do Sol. Aparentemente a galáxia experimentou um grande aumento no ritmo de formação estelar há 6-2 bilhões de anos. Um nível menor de atividade continuou até há 500-200 milhões de anos. Pensa-se que pode ser a galáxia anã esferoidal mais jovem em orbitando a Via Láctea.

Leo I
Dados observacionais (J2000)
ConstelaçãoLeo
TipoE;dSph1
Asc. reta10h 08m 27.4s1
Declinação+12° 18′ 27″1
Distância820 ± 70 kal (250 ± 20 kpc)2 3
Redshift285 ± 2 km/s1
Magnit. apar.11.21
Dimensões9′.8 × 7′.41
Outras denominações
UGC 5470,1 PGC 29488,1 DDO 74,1 A1006,1Harrington-Wilson #1,1 Regulus Dwarf


"Ugc5470" por Scott AnttilaAnttler - Obra do próprio. Licenciado sob CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons - https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ugc5470.jpg#/media/File:Ugc5470.jpg

Leo I (dwarf galaxy)


Leo I
 is a dwarf spheroidal galaxy in the constellation Leo. At about 820,000 light-years distant, it is a member of the Local Group of galaxies and is thought to be one of the most distant satellites of the Milky Way galaxy. It was discovered in 1950 by Albert George Wilson on photographic plates of the National Geographic Society – Palomar Observatory Sky Survey, which were taken with the 48-inch Schmidt camera at Palomar Observatory.[4][5]
...........................................


Regulus

Leo I is located only 12 arc minutes from Regulus, the brightest star in the constellation. For that reason, the galaxy is sometimes called the Regulus Dwarf. Scattered light from the star makes studying the galaxy more difficult, and it was not until the 1990s that it was detected visually.[4][5]


http://en.wikipedia.org/wiki/Leo_I_(dwarf_galaxy)






http://apod.nasa.gov/apod/ap991003.html
Nearby Dwarf Galaxy Leo I 
Credit & Copyright: David Malin (AAO), AATB

Explanation: Leo I is a dwarf spheroidal galaxy in the Local Group of galaxies dominated by our Milky Way Galaxy and M31. Leo I is thought to be the most distant of the eleven known small satellite galaxies orbiting our Milky Way Galaxy. Besides the LMCand the SMC, all Milky Way satellite galaxies are small, dim, dwarf spheroidals, including the closest galaxy - the Sagittarius Dwarf. Leo I is more distant than most of them, thought to be about 250 kpc away. Although very little star-forming gas is visible in Leo I, analysis of star ages shows that stars have formed as recently as a billion years ago.






Leo I

  1. A large, prominent group of predominantly spiral galaxies in Leo. It consists of two main subgroups: the M66 Group and the M96 Group. The former lies about 35 million light-years away and is centered on the interacting spirals M65 (NGC 3623), M66 (NGC 3627), and the edge-on NGC 3628, also known as the Leo Triplet (see accompanying photo). Not far from the M66 Group, and almost certainly physically related to it, is the much larger M96 group dominated by M96 itself, about 41 million light-years away, M95, M105, and NGC 3384. Fainter members of the M96 Group include NGCs 3299, 3377, 3377A, 3384, 3412, and 3489. The slightly more distant S0 or early Sa galaxy NGC 3593 is probably also a member.

  2. dwarf spheroidal (dE3) galaxy that, at a distance of about 880,000 light-years, is the most remote satellite galaxy of the Milky Way and hence also a member of the Local Group. Discovered in 1950, it has a diameter of about 6,000 light-years. Because it lies close toRegulus in the sky (making study of it difficult in the bright star's light) it is sometimes known as the Regulus Dwarf, and also catalogued as DDO 74, UGC 5470, and Harrington-Wilson 1.


Bright Star Regulus near the Leo 1 Dwarf Galaxy 
Credit & CopyrightRussell Croman
Explanation: The star on the upper left is so bright it is sometimes hard to notice the galaxy on the lower right. Both the star, Regulus, and the galaxy, Leo I, can be found within one degree of each other toward the constellation of Leo. Regulus is part of amultiple star system, with a close companion double star visible to the upper right of the young main sequence star. Leo I is a dwarf spheroidal galaxy in the Local Group of galaxies dominated by our Milky Way Galaxy and M31. Leo I is thought to be the most distant of the several known small satellite galaxies orbiting our Milky Way Galaxy. Regulus is located about 75 light years away, in contrast to Leo 1 which is located about 800,000 light years away.






Leo B (ou Leo II) é uma galáxia anã esferoidal a proximadamente 690.000 anos-luz de distância na direção da constelação de Leo. A partir de Outubro de 2008, é uma das 24 galáxias satélites conhecidas da Via Láctea.4 A partir de 2007, acredita-se que Leo II tenha um núcleo com um raio de 178 ± 13 pc e uma maré com raio de 632 ± 32 pc.5 Ela foi descoberta em 1950 por Robert G. Harrington e Albert George Wilson, do Monte Wison e Observatório Palomar na Califórnia.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Leo_II

Leo II
Dados observacionais (J2000)
ConstelaçãoLeo
TipoE0 pec 1
Asc. reta11h 13m 29.2s 1
Declinação+22° 09′ 17″ 1
Distância690 ± 70 mil anos-luz2 3 (210 ± 20 kpc2 3 )
Redshift-87 ± 5 km/s 1
Magnit. apar.12.6 1
Dimensões12′.0 × 11′.0 1
Outras denominações
Leo B, UGC 6253, PGC 34176, DDO 93, Harrington-Wilson #2
https://pt.wikipedia.org/wiki/Leo_II


Leo II


  1. A large collection of galaxy groups clustered about 30 million light-years to one side of the Virgo Cluster.

  2. dwarf spheroidal (dE0) galaxy that, at a distance of about 800,000 light-years, is a remote satellite galaxy of the Milky Way (the second furthest, after Leo I) and hence also a member of the Local Group. Discovered in 1950, it has a diameter of about 4,200 light-years. Also known as Leo B, it is catalogued variously as DDO 93, UGC 6253, and Harrington-Wilson 2.
http://www.daviddarling.info/encyclopedia/L/Leo_II.html



Leo II (or Leo B) is a dwarf spheroidal galaxy about 690,000 light-years away in the constellation Leo. As of October 2008 it is one of 24 known satellite galaxies of theMilky Way.[4] As of 2007 Leo II is thought to have a core radius of 178 ± 13 pc and a tidal radius of 632 ± 32 pc.[5] It was discovered in 1950 by Robert G. Harrington andAlbert George Wilson, from the Mount Wilson and Palomar Observatories in California.

Recent Findings

In 2007 a team of 15 scientists observed Leo II through the 8.2 meter Subaru optical-infrared telescope in Mauna Kea, Hawaii. Over 2 nights, 90 minutes of exposures were taken and 82,252 stars were detected down to a visible magnitude of 26. They found that Leo II consists largely of metal-poor older stars, a sign that it has survived the galactic cannibalism under which massive galaxies (e.g., the Milky Way) consume smaller galaxies to attain their extensive size.[6]
Observation at ESO estimates Leo II's mass to be (2.7 ± 0.5)×107 M.[7]









http://pt.wikipedia.org/wiki/Leo_A#mediaviewer/File:Leo_A_Hubble_WikiSky.jpg
Leo A Hubble WikiSky

en:NASAen:STScIen:WikiSky - en:WikiSky's snapshot tool - [1]







Leo A (também conhecida como Leo III) é uma galáxia irregular na constelação de Leo e faz parte do Grupo Local. Ela fica a aproximadamente 2,25 milhões de anos-luz da Terra.



Leo A
Leo A
Dados observacionais (J2000)
ConstelaçãoLeo
TipoIBm1
Asc. reta09h 59m 26.4s1
Declinação+30° 44′ 47″1
Distância2.25 ± 0.20 Mal (690 ± 60 kpc)2 3
Magnit. apar.12.91
Dimensões5′.1 × 3′.11
Outras denominações
Leo III, UGC 5364, DDO 69, PGC 288681

http://pt.wikipedia.org/wiki/Leo_A








The Leo Cluster (Abell 1367) is a galaxy cluster about 330 million light-years distant (z = 0.022[1]) in the constellation Leo. Along with the Coma Cluster, it is one of the two major clusters comprising the Coma Supercluster.
http://en.wikipedia.org/wiki/Abell_1367

The Coma Supercluster (SCl 117) is a nearby supercluster of galaxies comprising the Coma Cluster (Abell 1656) and the Leo Cluster (Abell 1367). Located 300 million light-years from Earth, it is in the center of the Great Wall. The Coma Supercluster is the nearest massive cluster of galaxies to our own Virgo Supercluster. It is roughly spherical, about 20 million light-years in diameter and contains more than 3,000 galaxies. It is located in the constellation Coma Berenices. Being one of the first superclusters to be discovered, the Coma Supercluster helped astronomersunderstand the large scale structure ohttp://en.wikipedia.org/wiki/Coma_Superclusterf the universe.



http://en.wikipedia.org/wiki/Coma_Supercluster#mediaviewer/File:Com01.gif

Supercúmulo de Coma ou Superaglomerado de Coma, que também é conhecido como Abell 1656, é uma grande estrutura do Universo. Localizado a 300 milhões de anos luz da Terra, está localizada no centro da Grande Muralha. O superaglomerado de Coma é o aglomerado de galáxias mais próximo do nosso Superaglomerado de galáxias local, tem forma esférica, com um diâmetro de 20 milhões de anos luz e contém mais de 3.000 galáxias. Está localizado na constelação Coma Berenices. Apesar de seu pequeno tamanho, contém um grande números de galáxias. Contém os 2 maiores Aglomerado de galáxiasconhecidos, o Aglomerado de Coma e o Aglomerado de Leo. Foi um dos primeiros superaglomerados descobertos e tem ajudado muito os astrônomos a entender a estrutura do universo.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Superaglomerado_Coma



Below is a list of the major clusters in the Coma Supercluster. The supercluster contains only two major clusters of galaxies. They are both very rich clusters with a richness class of 2, although A1656 is larger and richer than A1367.

   1             2       3        4         5       6      7         
 Abell           Equatorial    Redshift  Distance  Rich  Notes       
 Number         Coordinates       z        Mly                       
                RA       Dec                                         
 A1367        11 44.5  +19 50   .0208      290      2    Leo cluster 
 A1656        12 59.8  +27 59   .0219      305      2    Coma cluster
http://www.atlasoftheuniverse.com/superc/com.html



Leo Cluster
Observation data (Epoch J2000)
Constellation(s)Leo
Right ascension11h 44m 29.5s[1]
Declination19° 50′ 21″[1]
Richness class2[2]
Bautz-Morgan classificationII-III[2]
Redshift0.022 (6 595 km/s)[1]
Distance
(co-moving)
97.8 Mpc (319.0 Mlyh−1
0.705
X-ray flux(81.40 ± 6.0%)×10−12 erg s-1 cm-2 (0.1—2.4 keV)[1]
Other designations
Abell 1367
http://en.wikipedia.org/wiki/Abell_1367



A1367 - The Leo Cluster

Below is a picture of part of the Leo cluster. It is not as famous as the Coma cluster because it is slightly smaller and it contains fewer galaxies. The bright elliptical galaxy in the centre is NGC 3842 and the large spiral galaxy on the left is NGC 3861.


A1367 - from the Digitized Sky Survey
http://www.atlasoftheuniverse.com/galgrps/leoii.html


Aglomerado de Galáxias

Abell    Coordenadas    Coordenadas  R  Redshift Distância    Membro
Número   Equatoriais    Galácticas               Milhões   Superaglomerado
                                                                          anos-luz
          RA       Dec         L°    B°               (H=70)
A1177  11 09.5  +21 42   87.1 -17.3  0  .0304     418     Leo
A1016  10 27.0  +10 59   92.8 -31.1  0  .0310     426     Leo
A999   10 23.4  +12 51   90.4 -31.1  0  .0311     428     Leo
 A1185  11 10.8  +28 41   80.8 -13.9  1  .0313     430     Leo
A1267  11 27.9  +26 51   84.1 -11.3  0  .0317     436     Leo
A1257  11 26.1  +35 19   76.2  -8.1  0  .0332     456     Leo
 A1142  11 00.9  +10 33   97.1 -23.7  0  .0337     463     Leo
A1228  11 21.5  +34 20   76.7  -9.3  1  .0340     467     Leo

The Leo Supercluster

http://www.atlasoftheuniverse.com/superc/leo.html









The Leo Supercluster is a supercluster in the Northern Celestial Hemisphere that stretches across the constellations Ursa Major and Leo. It covers an area approximately 130 megaparsecs long by 60 megaparsecs wide. The redshifts of member galaxy clusters range from 0.032 to 0.043. The brightest cluster in the system isAbell 1185.[1]
https://en.wikipedia.org/wiki/Leo_Supercluster

Leo Supercluster
Observation data (Epoch )
Constellation(s)Ursa MajorLeo
Brightest memberAbell 1185[1]
Major axis130 megaparsecs[1]
Minor axis60 megaparsecs[1]
Redshift0.037[1]


The Leo Supercluster

The Leo Supercluster is not a particularly famous supercluster. This map below is a plot of the brightest galaxies (from the Principal Galaxies Catalogue) in the vicinity of this supercluster. The supercluster is about 440 million light years from us, and at this distance a fairly weak supercluster like the Leo supercluster is hard to see among all the foreground galaxies. The nearer Coma supercluster is in this area as can be seen from the presence of the large A1367 cluster, and even closer to us is the nearby Virgo cluster at the bottom left of the map.

O superaglomerado Leo não é particularmente considerado um superaglomerado famoso.  
...........................................
Este superaglomerado encontra-se a cerca de 440 milhões de anos-luz de distância de nós e, a esta distãncia, um superaglomerado bastante fraco, como o superaglomerado Leo, é difícil de ser visto entre todas as galáxias de primeiro plano.
.........................................................

Veja abaixo uma lista dos maiores aglomerados situados no superaglomerado Leo. 
 O aglomerado mais rico é provavelmente A1185.  
Os demais aglomerados são bem pobres, na classe de riqueza de 0.  
O aglomerado A1314 está incluído nesta lista mesmo que seja situado mais ao norte do superaglomerado e não seja considerado um real membro.

Abell         Cordenadas          Redshift          Distância                    Riqueza/         Notas
Número      Equatoriais       z                         Milhões anos-luz        Brilho
RA       Dec                             H=70km/s/Mpc

A999     10 23.4  +12 51   .0311      430      0        
 A1016    10 27.0  +10 59   .0310      425      0         
 A1142    11 00.9  +10 33   .0337      465      0        
 A1177    11 09.5  +21 42   .0304      420      0        
 A1185    11 10.8  +28 41   .0313      430      1        
 A1228    11 21.5  +34 20   .0340      465      1        
 A1257    11 26.1  +35 19   .0332      455      0        
 A1267    11 27.9  +26 51   .0317      435      0        
 A1314    11 34.8  +49 02   .0323      445      0     
     

The closest superclusters




Large Scale Structure in the Local Universe

Large Scale Structure in the Local Universe 
Panoramic view of the entire near-infrared sky reveals the distribution of galaxies beyond the Milky Way. The image is derived from the 2MASS Extended Source Catalog (XSC)— "Large Scale Structure in the Local Universe: The 2MASS Galaxy Catalog", Jarrett, T.H. 2004, PASA, 21, 396 Author IPAC/Caltech, by Thomas Jarrett










https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/0f/Earth%27s_Location_in_the_Universe_SMALLER_%28JPEG%29.jpg

English: A diagram of Earth’s location in the Universe in a series of eight maps that show from left to right, starting with the Earth, moving to the Solar System, onto the Solar Interstellar Neighborhood, onto the Milky Way, onto the Local Galactic Group, onto the Virgo Supercluster, onto our local superclusters, and finishing at the observable Universe.
AuthorAndrew Z. Colvin




CÉU IMENSURÁVEL
Laniakea

Laniakea é um Superaglomerado de galáxias, onde a Via Láctea, o Sistema Solar e a Terra estão localizados. Foi definido em setembro de 2014, quando astrônomos da Universidade do Havaí, liderados por R. Brent Tully, publicaram um novo método de definir superaglomerados de acordo com as velocidades relativas de Galáxias. Essa nova definição de superaglomerados locais engloba o anteriormente caracterizado Superaglomerado de Virgem como um apêndice de Laniakea.
O superaglomerado de Laniakea abrange 100,000 galáxias ao longo de 520 milhões de Anos-luz. No centro do superaglomerado, há um ponto gravitacional central denominado Grande Atrator, que atrai todas as galáxias do superaglomerado, fazendo com que o movimento de cada galáxia seja direcionado para esse centro de massa.
A palavra Laniakea significa "paraíso imensurável" em havaiano. 1








A new study in Nature finds that the Milky Way is part of a broader supercluster of 100,000 galaxies known as Laniakea.
http://www.vox.com/2014/9/4/6105631/map-galaxy-supercluster-laniakea-milky-way


VEJA OS VÍDEOS

Laniakea: Our home supercluster


"The Laniakea Supercluster of Galaxies"




http://www.ianridpath.com/atlases/urania/urania20.jpg




Os desenhos formados pelas estrelas
 – As Constelações -
 são como janelas que se abrem para a infinitude do universo 
e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, 
bem mais, 
entre o céu e a terra 
bem como percebendo que o caos, 
vagarosamente, 
vai se tornando Cosmos 
e sendo por nossa mente conscientizado.  

Quer dizer, 
nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.

COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward