terça-feira, 23 de junho de 2015

Norma et Regula, o Esquadro e a Régua

Olá!

Norma et Regula, o Esquadro e a Régua, 
teria sido a nomeação original desta constelação
(realizada por Lacaille, em 1752)
que, com o tempo, 
passou a ser conhecida apenas por Norma, o Esquadro,
bem como muitas vezes encontraremos Norma, a Régua.

É uma constelação de estrelas tímidas
e que foi inserida por Lacaille entre Ara, o Altar, e Lupus, o Lobo.,
e ao sul de Scorpio, o Escorpião
e encontrando-se acolhida pela Via Lactea.

Aliás, bem mais tarde, as estrelas Alpha e Beta Normae
deixaram esta constelação orfã dessas luzes
que foram adjuntadas à constelação do Escorpião.

E, certamente, ainda ao sul de Norma
encontram-se as constelações Circinus, o Compasso,
e Triangulum Australis, o Triângulo Austral.

No entanto, se você bem observar esses lugares nos céus do sul,
Caro Leitor,
verá que o Triângulo Austral é inteiramente visível, realmente,
e também haverá de bem perceber as estrelinhas (três)
que revelam o Compasso (ou algo parecido com uma longa pinça, a meu ver)
- ambas estas constelações aos pés do Centauro
e bem apontadas através as estrelas Alpha e Beta Centauri.

Porém eu diria que a constelação Norma, o Esquadro,
por apresentar-se através estrelinhas muitíssimo tímidas
e por estar inteiramente mergulhada no passeio de estrelinhas esfumaçadas
- a Via Lactea -,
não chega a ser um asterismo fácil de ser divisado,
realmente,
e talvez represente mais um desejo de Lacaille
do que realmente um expressivo conjunto estelar.


Stellarium


Stellarium




http://media.skysurvey.org/interactive360/index.html





CARO LEITOR,
observe que Lacaille bem desenhou
Norma et Regula como um Esquadro e uma longa Régua,
Circinus como um Compasso
e ainda a presença do Triangulum Australis.
Observe o desenho suave e pontilhado
representando o traçado da Via Lactea.

 Nicolas Louis de Lacaille’s star chart






Lacaille, quando de sua estada na Cidade do Cabo, na África do Sul,
agregou estrelas e mais estrelas em novas constelações
e nomeou-as de maneira bem interessante.

No caso da constelação Norma, o Esquadro
(também conhecida esta constelação como Esquadro e Régua
ou mesmo Nível e Esquadro), 
possivelmente o astrônomo teve a intenção
de agrupá-la a constelações em seu entorno
 que também revelam instrumentos técnicos 
de desenho, de carpintaria ou outros ofícios,
como Circinus, o Compasso,
e  o próprio Triangulum Australis,
como se pudesse este representar uma régua triangular, algo assim,
ou até mesmo trazer para si a figura do nível
(perdoe-me, Caro Leitor,
 não entendo bem sobre estes instrumentos técnicos).

Penso que a Carta Celeste realizada por Mario Jaci Monteiro
bem retrata Norma em estrelas
figurando Esquadro e Régua, a meu ver.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward

Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes


Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes
 - excerto apresentando ALFABETO GREGO, CONVENÇÕES E USO DA CARTA CELESTE




NORMA ET REGULA, O ESQUADRO E A RÉGUA



Posicionamento:
Ascensão Reta 15h25m / 16h31m      Declinação -42o.2 / -60o.2



História:
Constelação adicionada por La Caille, 1752.  
Conhecida como Norma.



Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:

Não existem estrelas particularmente interessantes 
em Norma 
e todas são além magnitude 4. 
 No entanto, aqui existe um brilhantíssimo aglomerado galáctico.




- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986

http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Gazetteer/Topics/astronomy/_Texts/secondary/ALLSTA/Norma_et_Regula*.html

Star Names
Their Lore and Meaning 

by
Richard Hinckley Allen 

as reprinted
in the Dover edition, 1963
The text is in the public domain.

Norma et Regula, the Level and Square,

originally was composed of some unformed stars of Ara and Lupus, within the branches of the Milky Way, just north of Apus; but later it became the Southern Triangle of Theodor and Bayer. According to Ideler, it was altered by La Caille to its present form, and associated with a Pair of Compasses, the constellation Circinus, next to it on the north, adjoining the fore feet of the Centaur. Modern astronomers, however, call it simply Norma, and locate it as an entirely distinct constellation to the north of and adjoining the Triangle.
It is sometimes given as Quadra Euclidis, Euclid's Square, not Quadrant as it often is incorrectly translated.
The French edition of Flamsteed's Atlas of 1776 has it as Niveau, the Level; and Houzeau cites Libella of the same meaning; but in France it now is l'Équerre et la Règle; in Italy, Riga e Squadra; and in Germany, Lineal or Winkelmass.
Norma contains 64 naked-eye stars, from 4.6 to 7th magnitudes, but none seem to be named. They culminate about the 4th of July, their northern limit 15° south from the star Antares, and so are visible only in low latitudes.
La Caille's α Normae lies within the present limits of our Scorpio.
In Norma appeared in 1893 a 7th‑magnitude nova detected by Mrs. Margaret Fleming on a photograph taken on the 1st of July at the Harvard Observatory's station near Arequipa, although it never was visually observed. Special interest attaches to it from the identity of its spectrum with that of the nova Aurigae of the preceding year, the first two of their kind discovered.
The appearance of two new stars at such a short interval is also noticeable, as Miss Clerke says that only about eighteen had been recorded since the days of Hipparchos; Professor Young reducing this to eleven as certainly known down to 1892; but observers have greatly increased in recent years, the heavens are better known than formerly, and the camera p294shows what the eye, aided even by the best telescope, cannot, — all factors in the problem of the detection of these strangers. The photographs retain impressions of thousands of stars, while the visual observer practically is limited to a few hundred.


Norma constellation map.png

"Norma constellation map". Licenciado sob CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons - https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Norma_constellation_map.png#/media/File:Norma_constellation_map.png


Norma (Nor), o Esquadro, é uma constelação do hemisfério celestial sul. O genitivo, usado para formar nomes de estrelas, é Normae. Norma é uma constelação criada por Nicolas Louis de Lacaille e representa um instrumento científico, "o nível". Seu nome original era "Norma et Regula " (o nível e a praça). Desde o tempo de Lacaille, a constelação de Norma foi redistribuída e foi deixada com menos estrelas de Bayer.

Estrelas principais

Epsilom Normae - é uma estrela binária (dupla) fixa com magnitudes 4.8 e 7.5; separação aparente 22.8"(segundos). cada uma das duas possui uma companheira espectroscópica, sendo portanto um sistema quádruplo.
Iota1 Normae - é uma estrela múltipla. AB é uma binária rápida com uma órbita de 26.9 anos. Magnitudes respectivas 5.6 e 5.8; separação 0.5". O componente C tem magnitude 8, separação 10.8".
Mu Normae - é uma estrela variável tipo alfa Cygni e oscila sua magnitude aparente de 4.87 a 4.98.
R Normae - é uma variável tipo Mira e flutua de 6.5 a 13.9, com um período de 507.5 dias.
S Normae - é uma vatiável cefeida famosa, com um alcance de 6.1 a 6.8 magnitude, com período de 9.75 dias. Encontra-se no aglomerado NGC 6087.

Objetos do céu profundo

NGC 6067 - é um aglomerado aberto de cerca de cem estrelas de décima magnitude.
NGC 6087 - é outro aglomerado aberto, distante 3500 anos-luz, incluiu quarenta ou mais estrelas, variando de 7 a 10 magnitudes. Inclui a cefeida S Normae.
Sp 1 - é uma nebulosa planetária, bastante luminosa e perfeitamente circular com uma estrela de magnitude 13 no centro.
As constelações vizinhas são ScorpiusLupusCircinusTriangulum Australe e Ara.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Norma_(constela%C3%A7%C3%A3o)


lacaillesmall.JPG

http://www.ianridpath.com/startales/lacaille.htm



Stellarium

Epsilon Normae (57 Normae) é uma estrela binária na direção da constelação de Norma. Possui uma ascensão reta de 16h 27m 11.05s e uma declinação de −47° 33′ 17.0″. Sua magnitude aparente é igual a 4.46. Considerando sua distância de 400 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a −0.98. Pertence à classe espectral B4V.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Epsilon_Normae



Stellarium

Gamma1 Normae (46 Normae) é uma estrela na direção da constelação de Norma. Possui uma ascensão reta de 16h 17m 00.94s e uma declinação de −50° 04′ 05.2″. Sua magnitude aparente é igual a 4.97. Considerando sua distância de 1436 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a −3.25. Pertence àclasse espectral F9Ia.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Gamma1_Normae
Gamma2 Normae (49 Normae) é uma estrela na direção da constelação de Norma. Possui uma ascensão reta de 16h 19m 50.57s e uma declinação de −50° 09′ 19.4″. Sua magnitude aparente é igual a 4.01. Considerando sua distância de 127 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a 1.05. Pertence àclasse espectral G8III.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Gamma2_Normae


http://www.iau.org/static/public/constellations/gif/NOR.gif



The Ant Nebula (Menzel 3): Fiery Lobes Protrude From Dying, Sun-like Star



http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/2001/05/image/a/format/web_print/
LEIA O TEXTO EXPLICATIVO EM
http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/2001/05/image/a/
Image Credit: NASA, ESA and The Hubble Heritage Team (STScI/AURA)




Nebulosa da Formiga (formalmente conhecida como Mz 3 ou Menzel 3) é uma nebulosa planetária na constelação de Norma distante cerca de 3000 anos luz da Terra. O seu nome provém da sua forma, que recorda o tórax e a cabeça de uma formiga.
A Nebulosa da Formiga, uma nebulosa bipolar, é formada por um núcleo brilhante e, pelo menos, quatro fluxos de matéria diferentes. Foram identificados como: um par de brilhantes lóbulos bipolares, dois fluxos opostos muito colimados em forma de coluna, um sistema cônico de estrutura radial e um ténue fluxo radial com a forma de anel.1
Alguns investigadores acreditam que a Nebulosa da Formiga alberga uma estrela simbiótica no seu centro.2 Uma segunda possibilidade é que a virada da estrelamoribunda provocasse que o seu intenso campo magnético se enrolasse de um modo complexo; ventos com carga e com velocidades de 1000 km/s -similares ao vento solar, mas muito mais densos- podem ter seguido linhas de campo torcidas no seu caminho para o exterior. Estes densos ventos podem tornar-se visíveis pela luz ultravioleta proveniente da estrela central ou por colisões supersônicas com o gás ambiental que excita o material com fluorescência. Se bem que nenhuma nebulosa é realmente similar a ela, a Nebulosa M2-9 tem certo parecido, embora a velocidade do fluxo na Nebulosa da Formiga é até 10 vezes maior que em M2-9.3
A Nebulosa da Formiga foi descoberta por Donald Menzel em 1922.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Nebulosa_da_Formiga
{{{legenda}}}
https://pt.wikipedia.org/wiki/Nebulosa_da_Formiga#/media/File:Ant_Nebula.jpg
NASA, ESA & the Hubble Heritage Team (STScI/AURA). Acknowledgment: R. Sahai (Jet Propulsion Lab), B. Balick (University of Washington -http://hubblesite.org/newscenter/newsdesk/archive/releases/2001/05/image/a (http://en.wikipedia.org/wiki/Image:Ant.nebula.arp.600pix.jpg)
The Ant planetary nebula (Menzel 3 or Mz 3). STScI-PRC2001-05 This NASA/ESA Hubble Space Telescope image reveals the ant's body as a pair of fiery lobes protruding from a dying, Sun-like star. Though approaching the violence of an explosion, the ejection of gas from the dying star at the center of Mz3 has intriguing symmetrical patterns unlike the chaotic patterns expected from an ordinary explosion. Scientists using the Hubble space telescope would like to understand how a spherical star can produce such prominent, non-spherical symmetries in the gas that it ejects. One possibility is that the central star of Mz3 has a closely orbiting companion that exerts strong gravitational tidal forces, which shape the outflowing gas. For this to work, the orbiting companion star would have to be close to the dying star, about the distance of the Earth from the Sun. At that distance the orbiting companion star wouldn't be far outside the hugely bloated hulk of the dying star. It's even possible that the dying star has consumed its companion, which now orbits inside of it, much like the duck in the wolf's belly in the story "Peter and the Wolf." A second possibility is that, as the dying star spins, its strong magnetic fields are wound up into complex shapes. Charged winds moving at speeds up to 1000 kilometers per second from the star, are able to follow the twisted field lines on their way out into space. These dense winds can be rendered visible by ultraviolet light from the hot central star or from highly supersonic collisions with the ambient gas that excites the material into florescence. Astronomers Bruce Balick (University of Washington) and Vincent Icke (Leiden University) used Hubble to observe this planetary nebula, Mz3, in July 1997 with the Wide Field Planetary 2 camera. One year later, astronomers Raghvendra Sahai and John Trauger of the Jet Propulsion Lab in California snapped pictures of Mz3 using slightly different filters. This intriguing image, which is a composite of several filters from each of the two datasets, was created by the Hubble Heritage Team.




Stellarium



NGC 6167 é um aglomerado aberto na direção da constelação de Norma. O objeto foi descoberto pelo astrônomo James Dunlop em 1826, usando um telescópio refletor com abertura de 9 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+6,7), é visível apenas com telescópios amadores ou com equipamentos superiores.
https://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_6167


NGC 5946 é um aglomerado globular na direção da constelação de Norma. O objeto foi descoberto pelo astrônomo James Dunlop em 1826, usando um telescópio refletor com abertura de 9 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+8,4), é visível apenas com telescópios amadores ou com equipamentos superiores.
https://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_5946


NGC 5999 é um aglomerado aberto na direção da constelação de Norma. O objeto foi descoberto pelo astrônomo James Dunlop em 1826, usando um telescópio refletor com abertura de 9 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+9), é visível apenas com telescópios amadores ou com equipamentos superiores.
https://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_5999


NGC 6005 é um aglomerado aberto na direção da constelação de Norma. O objeto foi descoberto pelo astrônomo James Dunlop em 1826, usando um telescópio refletor com abertura de 9 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+10,7), é visível apenas com telescópios amadores ou com equipamentos superiores.
https://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_6005


NGC 6087 é um aglomerado aberto na direção da constelação de Norma. O objeto foi descoberto pelo astrônomo James Dunlop em 1826, usando um telescópio refletor com abertura de 9 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+5,4), é visível apenas com telescópios amadores ou com equipamentos superiores.
https://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_6087


NGC 6152 é um aglomerado aberto na direção da constelação de Norma. O objeto foi descoberto pelo astrônomo John Herschel em 1834, usando um telescópio refletor com abertura de 18,6 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+8,1), é visível apenas com telescópios amadores ou com equipamentos superiores.
https://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_6152

NGC 6152
NGC 6152 is an old open cluster. Photo taken by the Southern African Large Telescope (SALT)
https://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_6152#/media/File:Ngc_6152.jpg



NGC 6134 é um aglomerado aberto na direção da constelação de Norma. O objeto foi descoberto pelo astrônomo James Dunlop em 1826, usando um telescópio refletor com abertura de 9 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+7,2), é visível apenas com telescópios amadores ou com equipamentos superiores.
https://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_6134
NGC 6134 at the lower right
https://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_6134#/media/File:Wide-field_view_of_the_sky_around_SDC_335.579-0.292.jpg
NGC 6134 at the lower right


NGC 6067 - Aglomerado Aberto
É o mais brilhante dos vários aglomerados galácticos, situando-se em uma notável zona da Via Láctea dentro da constelação de Norma.  Fica a 20’ ao norte da Kappa de Norma, de magnitude 5, ou melhor, a 3/5 da reta imaginária que vai desde Zeta do Lobo a Zeta do Altar.  É formado por 120 estrelas concentradas em 15’ de diâmetro, formando uma bela imagem.  Nesta região, pode ser bem observado a olho nu este aglomerado em noites escuras e transparentes. Com uma luneta simples, já se pode observar este aglomerado como uma massa luminosa e em lunetas mais sofisticadas é possível se obter uma visão notável.

NGC 6067 - Aglomerado Aberto Norma
Ascensão Reta 16h10m     Declinação - 54o.10
Magnitude fotográfica global 6,5     Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 10,9
 Distância kpc 1,45    Diâmetro 16’     Tipo Espectral B3



- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986


NGC 6067 é um aglomerado aberto na direção da constelação de Norma. O objeto foi descoberto pelo astrônomo James Dunlop em 1826, usando um telescópio refletor com abertura de 9 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+5,6), é visível apenas com telescópios amadores ou com equipamentos superiores.
https://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_6067


Na fronteira entre Triangulum Australe e Norma:
NGC 6025 é um aglomerado aberto na direção da constelação de Triangulum Australe. O objeto foi descoberto pelo astrônomo Nicolas Lacaille em 1751, usando umtelescópio refrator com abertura de 0,5 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+5,1), é fracamente visível a olho nu, mesmo em regiões distantes de cidades.
https://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_6025




A Halo for NGC 6164 
http://apod.nasa.gov/apod/ap140522.html
2014 May 22
See Explanation.  Clicking on the picture will download
 the highest resolution version available.
A Halo for NGC 6164 
Image Credit & CopyrightMartin Pugh & Rick Stevenson
Explanation: Beautiful emission nebula NGC 6164 was created by a rare, hot, luminous O-type star, some 40 times as massive as the Sun. Seen at the center of the cosmic cloud, the star is a mere 3 to 4 million years old. In another three to four million years the massive star will end its life in a supernova explosion. Spanning around 4 light-years, the nebula itself has a bipolar symmetry. That makes it similar in appearance to more common and familiar planetary nebulae - the gaseous shrouds surrounding dying sun-like stars. Also like many planetary nebulae, NGC 6164 has been found to have an extensive, faint halo, revealed in this deep telescopic image of the region. Expanding into the surrounding interstellar medium, the material in the halo is likely from an earlier active phase of the O star. The gorgeous skyscape is a composite of extensive narrow-ban
http://apod.nasa.gov/apod/ap140522.html


http://apod.nasa.gov/apod/ap060606.html
006 June 6
See Explanation.  Clicking on the picture will download
 the highest resolution version available.
NGC 6164: A Bipolar Emission Nebula 
Credit & CopyrightGemini Obs.AURANSF
Explanation: How did a star form this beautiful nebula? In the middle of emission nebula NGC 6164-5 is an unusually massive star nearing the end of its life. The star, visible in the center of the above image and catalogued as HD 148937, is so hot that the ultraviolet light it emits heats up gas that surrounds it. That gas was likely thrown off from the star, possibly by its fast rotation, like a rotating lawn sprinkler. Expelled material might have been further channeled by the magnetic field of the star, creating the symmetric shape of the bipolar nebula. Several cometary knots of gas are also visible on the lower left. NGC 6164-5 spans about four light years and is located about 4,000 light years away toward the southern constellation Norma.
http://apod.nasa.gov/apod/ap060606.html




Aglomerado de Galáxias
Abell 3627 - O Aglomerado Norma


The Norma Cluster (ACO 3627 or Abell 3627) is a rich cluster of galaxies located near the center of the Great Attractor and is about 68 Mpc (222 Mly) distant.[4][5]Although it is both nearby and bright, it is difficult to observe because it is located in the Zone of Avoidance, a region near the plane of the Milky Way. Consequently, the cluster is severely obscured by interstellar dust at optical wavelengths. Its mass is estimated to be on the order of 1015 solar masses.[3]
https://en.wikipedia.org/wiki/Norma_Cluster


aglomerado do Esquadro (Aglomerado de Norma ou ACO 3627 ou Abell 3627) é um denso aglomerado de galáxias localizado próximo ao centro do Grande Atrator, que se situa a aproximadamente 65 Mpc (212 mega anos-luz) de distância da Terra.3 4 Apesar de estar próximo e ser luminoso, sua observação é dificultada por sua localização próxima à Zona de Evitamento, uma região próxima ao plano galáctico da Via Láctea. Consequentemente, o aglomerado é bastante obscurecido pela poeira interestelar em comprimentos de ondas de luz visível. Estima-se que o aglomerado de Norma possua uma massa na ordem de 1015 massas solares.2
https://pt.wikipedia.org/wiki/Aglomerado_do_Esquadro

Em astronomia, se denomina plano galáctico ao plano situado no meio da área (chamada disco galáctico), onde se encontram a maior parte das estrelas de uma galáxia com forma aplanada, como galáxias espirais. Este plano passa pelo centro de massas da galáxia.
O plano galáctico é orientado com o lado norte e sul. No caso da nossa galáxia, a Via Láctea:


The Milky Way creates a Zone of Avoidance for local observers

The Zone of Avoidance (ZOA) is the area of the night sky that is obscured by our own galaxy, the Milky Way.
https://en.wikipedia.org/wiki/Zone_of_Avoidance


Galaxy cluster Abell 3627



Galaxy Cluster Has Two 'Tails' to Tell


Two spectacular tails of X-ray emission have been seen trailing behind a galaxy using the Chandra X-ray Observatory. A composite image of the galaxy cluster Abell 3627 shows X-rays from Chandra in blue, optical emission in yellow and emission from hydrogen light -- known to astronomers as 'H-alpha' -- in red. The optical and H-alpha data were obtained with the Southern Astrophysical Research (SOAR) Telescope in Chile.

At the front of the tail is the galaxy ESO 137-001. The brighter of the two tails has been seen before and extends for about 260,000 light years. The detection of the second, fainter tail, however, was a surprise to the scientists.

The X-ray tails were created when cool gas from ESO 137-001 (with a temperature of about ten degrees above absolute zero) was stripped by hot gas (about 100 million degrees) as it travels towards the center of the galaxy cluster Abell 3627. What astronomers observe with Chandra is essentially the evaporation of the cold gas, which glows at a temperature of about 10 million degrees. Evidence of gas with temperatures between 100 and 1,000 degrees Kelvin in the tail was also found with the Spitzer Space Telescope.

Galaxy clusters are collections of hundreds or even thousands of galaxies held together by gravity that are enveloped in hot gas. The two-pronged tail in this system may have formed because gas has been stripped from the two major spiral arms in ESO 137-001. The stripping of gas is thought to have a significant effect on galaxy evolution, removing cold gas from the galaxy, shutting down the formation of new stars in the galaxy, and changing the appearance of inner spiral arms and bulges because of the effects of star formation.

Image Credits: X-ray: NASA/CXC/UVa/M. Sun et al; H-alpha/Optical: SOAR/MSU/NOAO/UNC/CNPq-Brazil/M.Sun et al.
http://www.nasa.gov/multimedia/imagegallery/image_feature_1570.html


Norma Cluster
Abell 3627 Has Two Tails to Tell.jpg
Observation data (Epoch J2000)
Constellation(s)Norma
Right ascension16h 15m 32.8s[1]
Declination−60° 54′ 30″[1]
Richness class1[2]
Bautz-Morgan type[2]
Redshift0.01570 (4 707 km/s)[1]
Distance
(co-moving)
67.8 Mpc (221.1 Mlyh−1
0.705
 [1]
Binding mass1015 M[3]
X-ray flux10 mCrab[3]
Other designations
Abell 3627[1]
http://en.wikipedia.org/wiki/Norma_Cluster





See Explanation.  Clicking on the picture will download 
 the highest resolution version available.
http://apod.nasa.gov/apod/ap960218.html
Abell 3627 in the Great Attractor 
Credit: Digitized Sky Survey (ROE), SkyView
Copyright: STScIAAO, UK-PPARC, ROE






REGIÕES 
AUSTRAL
POLAR SUL


Stellarium

Stellarium



Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes - CARJ




Confira, Caro Leitor, 
algumas constelações - e duas Galáxias! - bem ao sul 
e fazendo a côrte ao Polo Sul
e que já vêm sendo apresentadas
em nosso Trabalho Da Terra ao Céu e ao Infinito:




    Os desenhos formados pelas estrelas – As Constelações - são como janelas que se abrem para a infinitude do universo e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, bem mais, entre o céu e a terra...; bem como percebendo que o caos, vagarosamente, vai se tornando Cosmos e sendo por nossa mente conscientizado.  

    Quer dizer, nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.

    COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
    Janine Milward




    The Consellations (Southern Hemisphere)
    Map Maker: Elijah J. Burritt
    Decorative chart of the southern skies, with a chart at the bottom left, identifying the magnitude of the various stars.

    The constellations and major stars are named within the image.  From Burritt's Atlas Designed to Illustrate the Geography of the Heavens.