domingo, 21 de junho de 2015

Sol no ponto do Solstício, sob o testemunho do Objeto Messier 35, em Gemini

Olá!

Se você bem perceber, Caro Leitor,
verá que o momento do Solstício
- de inverno para o hemisfério sul e de verão para o hemisfério norte -
acontece bem na pontinha de um dos pés de Castor

(segundo a Ilustração do Programa Stellarium)

e sob o testemunho do Objeto Messier ora sendo estudado,
M35!

Se você quiser saber um tantinho a mais
sobre a constelação dos Gêmeos Castor e Pollux,
acesse meu Trabalho em
http://sobregemini.blogspot.com.br/

Bom Solstício para todos nós!

Encontre em
alguns Temas que podem nos ilustrar melhor 
sobre a importância do aparente Caminho do Sol
- movimento anual do Sol e as Estações do Ano -, 
sobre o Analema e como construir um Analema Solar 
 bem como 

sobre a Precessão dos Equinócios ao longo das Eras.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward


Stellarium

Stellarium





CASTOR E POLLUX

http://zerolexa.deviantart.com/art/Castor-and-Pollux-311628680
Antoine Coysevox [French Baroque Era Sculptor, 1640-1720)




The conception of a sky couple for these stars has been universal from remote antiquity, but our Latin title dates only from classical times, varied by Gemelli, which is still the Italian name.

Os Gêmeos
(minha tradução literal)

A concepção de um casal celeste 
para estas estrelas tem sido universal 
desde a mais remota antigüidade
 – porém nosso nome em latim data somente desde os tempos clássicos
.........................................

O Mito e sua representação pictórica


“LEDA E O CISNE”, de Leonardo Da Vinci, em cópia do século 16
 - Leda é a esposa de Tíndaro, rei de Esparta, seduzida por Zeus transfigurado em um cisne, do qual gerou dois ovos, um com os gêmeos Castor e Pólux e outro com as gêmeas Helena e Clitemnestra. Conservada pela Galleria Borghese, em Roma, esta é uma cópia realizada por um discípulo direto de Leonardo Da Vinci (1452-1519), provavelmente Cesare da Sesto. A obra original do gênio, feita sobre painéis de madeira entre 1510 e 1515, foi vista pela última vez em 1691, num castelo francês, em mau estado de conservação. Além da desaparecida pintura com Leda em pé, cercada pela libidinosa figura do cisne, é provável, segundo os desenhos originais conservados, que Da Vinci tenha pintado também a mulher ajoelhada, obra da qual restaram apenas cópias de alta qualidade. - 

See more at:
 http://bravonline.abril.com.br/materia/guia-do-renascimento-para-o-seculo-21#sthash.HOb4Qtgq.dpuf



Caros Leitores,

Esse é um Mito bem interessante, realmente,
pois que Leda, a mãe, trouxe à luz dois pares de gêmeos
- sendo que, aparentemente
Castor e Clitemnestra eram filhos do marido de Leda, o Rei Tíndaro,
enquanto Pollux e Helena eram filhos de Júpiter
(que transmutou-se num Cisne
 - para fugir dos olhos atentos de Juno, sua mulher -
e fazer amor e emprenhar Leda).

O tema de amor entre Leda e o Cisne
tem sido sempre motivação de inspiração pictórica
e para ser cantado em prosa e verso
bem como para a formulação de conceitos na psicanálise!

........................

Em lugares de céus escuros e transparentes,
sempre podemos acompanhar a Lua e os Planetas
visitando as várias estrelas
que compõem esta imensa constelação
- pena que quase sempre Lua e Planetas
não se aproximem muito das estrelas-alpha e beta Gemini,
Castor e Pollux,
duas estrelas ponteadoras dos céus estrelados!

.....................................


Quando do meu nascimento,
o Sol estava passando entre as estrelas epsilon e zeta Gemini, 
Mebsuta e Mekbuda, respectivamente,
- e coincindindo com o momento do Afélio, que bom.

Gostaria de lhe chamar a atenção,
Caro Leitor,
para o fato de que M35 se situar bem próximo à Linha da Eclíptica
- e esse fato pode sempre fazer acontecerem passagens em Conjunção 
de Lua e de Planetas em relação a este Objeto Messier único
na constelação dos Gêmeos Castor e Pollux.

(Na Ilustração abaixo, perceba
a proximidade de Mercúrio e de Urano
em relação a M35)


http://www.stellarium.org/pt/




E se você bem perceber, Caro Leitor,
verá que o momento do Solstício
- de inverno para o hemisfério sul e de verão para o hemisfério norte -
acontece bem na pontinha de um pé de Castor
(segundo a Ilustração do Programa Stellarium)
e sob o testemunho do Objeto Messier ora sendo estudado,
M35!



Acessando meu Trabalho em
http://oceudomes.blogspot.com.br/2014/06/inverno-e-verao-entram-em-cena-amanha.html,
você encontrará informações sobre o Tema Solstícios e Equinócios.



http://www.stellarium.org/pt/


Mario Jaci Monteiro - Cartas Celestes, As Constelações 
Apoio: CARJ/MEC/CAPES/PADCT-SPEC






 GEMINI, OS GÊMEOS



Posicionamento:
Ascensão Reta  5h57m / 8h6m    Declinação +10o.0 / +35o.4

Mito:
Esta constelação representa Castor e Pollux, os filhos gêmeos de Leda e Júpiter.


Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:

A origem deste asterismo prende-se à coincidência 
de estar o sol nesta região do céu no período posterior às inundações do Nilo, 
precedendo a época da germinação e anunciando a fecundidade. 

 Inscrições existentes no túmulo de Ramsés VI, do século XIIII AC, 
mostram dois brotos de plantas no lugar dos Gêmeos: 
e à semelhança desta representação, no Atlas Celeste de Bayer,
 Pollux é encontrado armado de uma foice.

Na antiguidade, a constelação dos Gêmeos foi freqüentemente representada 
pela figura de duas estrelas sobre um navio,
 pois Castor e Pollux são considerados 
divindades protetoras dos marinheiros e viajantes.


Fronteiras:
A constelação Gemini situa-se entre Câncer, Lyinx, Auriga, Taurus, Orion, Monóceros e Canes Minor

- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986









M35,
O OBJETO MESSIER
NA DIREÇÃO DA CONSTELAÇÃO GEMINI:






Messier 35

Open Cluster M35 (NGC 2168), type 'e', in Gemini
[m35.jpg]
Right Ascension06 : 08.9 (h:m)
Declination+24 : 20 (deg:m)
Distance2.8 (kly)
Visual Brightness5.3 (mag) 
Apparent Dimension28.0 (arc min)


Discovered by Philippe Loys de Chéseaux 1745-46.

Independently discovered by John Bevis before 1750.

...........................................

The discovery of M35 is usually assigned to Philippe Loys de Chéseaux who observed and cataloged it in 1745 or 1746. It is also printed in John BevisUranographia Britannica which was completed in 1750, so that this astronomer must have discovered it independently before this time, maybe or maybe not before De Chéseaux. Charles Messier, who cataloged it on August 30, 1764, acknowledges Bevis' discovery.
............................................

LEIA MUITO MAIS
em
http://messier.obspm.fr/m/m035.html




http://www.stellarium.org/pt/




http://www.stellarium.org/pt/




NGC 2168 - M 35 - Aglomerado Aberto
Ascensão Reta 06h07m    Declinação +24o.21
Magnitude fotográfica global  5,6   Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 9,0
Distância kpc 0,87  Diâmetro 29’   Tipo Espectral B5


Esplêndido aglomerado aberto, visível a olho nu,
 a dois graus a noroeste de Eta Geminorum, o Pé Estirado. 
 Formado por mais de 600 estrelas, está situado à distância de 1.500 anos-luz.  
Com um bom par de binóculos, são percebidas algumas estrelas 
e com um bom telescópio, cerca de 300!


6a. Edição do Atlas Celeste 
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986


Mario Jaci Monteiro - excerto da Carta Celeste dos Gêmeos 
- As Constelações, Cartas Celestes - CARJ





Messier 35 (também conhecido como M35 ou NGC 2168) é um aglomerado aberto localizado na constelação de Gêmeos. Foi descoberto por Philippe Loys de Chéseaux em1745 e independentemente redescoberto por John Bevis antes de 1750.
M35 está a uma distância de cerca de 2800 anos-luz da Terra e tem um diâmetro de cerca de 24 anos-luz. O aglomerado tem uma idade entre 95 e 110 milhões de anos e contém algumas estrelas que já abandonaram a seqüência principal.
..............................
A descoberta do aglomerado aberto é geralmente creditada ao astrônomo suíço-francês Jean-Philippe de Chéseaux em 1745 ou 1746. Também estava presente naUranographia Britannica, de John Bevis, publicada em 1750. É possível que Bevis tenha descoberto objeto antes de de Chéseaux, mas não há registros comprovatórios.Charles Messier, que o catalogou em 30 de agosto de 1764, creditou a descoberta do aglomerado a Bevis.2
Pode ser visualizado mesmo a olho nu em um céu noturno com boas condições. Um binóculo pode observar as estrelas mais brilhantes do aglomerado e telescópios amadores de baixa magnificação são os melhores instrumentos ópticos para a sua observação

Messier 35
Aglomerado aberto Messier 35
Aglomerado aberto Messier 35
Descoberto porPhilippe Loys de Chéseaux
Data1745
Dados observacionais (J2000)
ConstelaçãoGemini
TipoAglomerado aberto
Asc. reta06h 09.1m1
Declinação+24° 21′1
Distância2800 anos-luz
Magnit. apar.5.30
Outras denominações
NGC 21681
Messier 35
Gemini constellation map.png

http://pt.wikipedia.org/wiki/Messier_35



Aglomerado aberto Messier 35
Image of M35 Credit: Atlas Image [or Atlas Image mosaic] obtained as part of the Two Micron All Sky Survey (2MASS), a joint project of the University of Massachusetts and the Infrared Processing and Analysis Center/California Institute of Technology, funded by the National Aeronautics and Space Administration and the National Science Foundation.




...............................................


O CATÁLOGO MESSIER







Catálogo Messier é um catálogo astronômico composto por 110 objetos do céu profundo, compilado pelo astrônomo francês Charles Messier entre 1764 e 1781.1Originalmente com o nome "Catalogue des Nébuleuses et des amas d'Étoiles, que l'on découvre parmi les Étoiles fixes sur l'horizon de Paris" (Catálogo de Nebulosas e Aglomerados Estelares Observados entre as Estrelas Fixas sobre o Horizonte de Paris), foi construído com objetivo de identificar objetos do céu profundo, comonebulosasaglomerados estelares e galáxias que poderiam ser confundidos com cometas, objetos de brilho fraco e difusos no céu noturno.2
Antes de Messier, vários outros astrônomos elaboraram catálogos semelhantes, como a lista de seis objetos de Edmond Halley,3 o catálogo de William Derham, baseado no catálogo de estrelas de Johannes Hevelius, o Prodomus Astronomiae, o Catálogo das Nebulosas do Sul de Nicolas Louis de Lacaille, de 1755, bem como as listas deGiovanni Domenico Maraldi e Guillaume Le Gentil e Jean-Philippe de Chéseaux. Os diferentes objetos do catálogo são designados pela letra M seguida de um número, que corresponde à ordem cronológica das descobertas ou inclusões: assim, M1 corresponde ao primeiro objeto catalogado, enquanto que a galáxia de Andrômeda, conhecida desde a Idade Média, é apenas o objeto M31. Os objetos do catálogo, conhecidos como "Objetos Messier", também constam em outros catálogos mais recentes, como o New General Catalogue (NGC).
.....................................................

História


Com o objetivo de não mais confundir esses objetos difusos e fixos com cometas, Messier decidiu procurar outros objetos que poderiam enganar a si próprio e a outros astrônomos e decidiu incluí-los em um catálogo que descrevesse suas posições exatas e características.
9 Segundo o próprio astrônomo:Messier foi motivado a elaborar o catálogo enquanto estava à procura do cometa Halley em 1758.4 5 Segundo os cálculos orbitais de Joseph-Nicolas Delisle, chefe doobservatório astronômico onde ele trabalhava, Halley reapareceria na constelação do Touro.6 Enquanto observava o céu noturno à procura de Halley, descobriu independentemente outro cometa7 e um objeto de aparência semelhante, mas que não se movia em relação às estrelas vizinhas, sendo o primeiro objeto do céu profundodescoberto pelo astrônomo francês. Esse objeto é conhecido atualmente como a Nebulosa do Caranguejo, o remanescente da supernova de 1054.8
"O que me levou a construir o catálogo foi a descoberta da nebulosa I acima do chifre sul de Touro em 12 de setembro de 1758, enquanto observava o cometa daquele ano. Esta nebulosa tinha tamanha semelhança com um cometa em sua forma e brilho e me esforcei para encontrar os outros, de modo que os astrônomos não mais confundissem estas mesmas nebulosas com cometas."9
SAIBA MUITO MAIS, acessando
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cat%C3%A1logo_Messier

Os desenhos formados pelas estrelas
 - AS CONSTELAÇÕES - 
são como janelas que se abrem para a infinitude do universo 
e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, bem mais,
 entre o céu e a terra..., 
bem como percebendo que o caos, 
vagarosamente,
vai se tornando Cosmos
 e este por nossa mente sendo conscientizado.

Quer dizer, 
nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward







http://www.raremaps.com/gallery/enlarge/31708
Title: Gemini   Map Maker: Alexander Jamieson

http://www.raremaps.com/gallery/detail/31708/Gemini/Jamieson.html