quinta-feira, 11 de junho de 2015

Triangulum Australis, o Triângulo do Sul

Olá!

Ao observarmos os céus mais ao sul,
nestes tempos de céus mais escuros e transparentes
e de ausência de Lua ao começo da noite,
podemos nos deixar embevecer pela faixa esbranquiçada
- a Via Lactea -
que visualmente parece começar a partir da cauda do Escorpião,
no horizonte mais a sudeste, 
dirigindo-se para o Centauro acolhendo o Cruzeiro do Sul,
esfuziantemente fusionando o Centauro à Quilha do Navio, Carina,
e ainda perseguindo o Cão Maior...., até desaparecer na linha do horizonte oeste.

No Centauro, certamente duas estrelas sempre nos atraem a atenção:
são as estrelas Alpha e Beta Centauri, também conhecidas como Rigel Kent e Hadar.

Nesse lugar e um tantinho ainda mais ao sul,
existe uma constelação que é absolutamente perfeita
de ser bem divisada em suas três estrelas ponteadoras
de seu formato estelar em Triângulo:
são as estrelas Alpha, Beta e Gamma Trianguli Australis.

A estrela-alpha Trianguli Australis é denominada enquanto Atria, 
quer dizer, Alpha de Triangulum e é uma estrela-guia, certamente,
brilhando como um farol, um farol austral!

Triangulum Australis, o Triângulo do Sul ou Austral, 
é uma constelação neste formato estelar bem mais nítida
do que sua irmã bem mais ao norte, simplesmente conhecida por Triangulum
e que se insere entre as constelações Perseus, Andromeda, Aries e Pisces.
(Aliás, é sempre bom recordarmos que as Galáxias Andromeda e Triangulum,
M31 e M33, respectivamente, 
moram nas direções das constelações Andromeda e Triangulum!  
M31 e M33 fazem parte do nosso chamado Grupo Local de Galáxias.)

É certo que nosso Triângulo do Sul não acolhe tanta importância...,
mas, por outro lado, é bem mais perfeitamente desenhado estelarmente,
é bem mais visível do que seu irmão Triângulo do Norte!

A bem da verdade, eu penso que a partir de nossa visualização do Triângulo Austral,
outras constelações não tão nítidas em seu entorno podem vir a ser mais bem divisadas,
como Ara, o Altar, Circinus, o Compasso, Musca, a Mosca, Apus, o Pássaro-do-Paraíso,
Pavo, o Pavão, Chamaleon, o Camaleão, Octans, o Oitante.....  Enfim, todo uma côrte
de estrelinhas tímidas agrupadas em constelações fazendo suas vezes de girarem
conjuntamente em redor do ponto denominado como Polo Sul.

Ah, os céus do sul são emocionantes
e mais emocionados ficamos ao nos depararmos
com o farol iluminado e piscante
que Atria realiza!

Com um abraço estrelado,
Janine Milward



Stellarium
Stellarium

Stellarium

Stellarium





Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celetes - CARJ





 TRIANGULUM AUSTRALIS, O TRIÂNGULO DO SUL

Posicionamento:
Ascensão Reta 14h50m / 17h9m   Declinação -60o.3 / -70o.3

História:
Constelação atribuída a Pieter Theodor, no século 16. 

Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:
As estrelas Alpha, Beta e Gamma 
formam as três partes distintas que formam o Triangulo.

Atria - Alpha Trianguli Australis
Magnitude 1.93  Distância 82 anos-luz
Vocábulo formado pela associação da letra A
 e a abreviatura do nome da constelação.

Beta Trianguli Australis
Magnitude 2.87  Distância 42 anos-luz

Gamma Trianguli Australis
Magnitude 2.94  Distância 113 anos-luz





- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986








Title: [Celestial Map of the Southern Hemisphere]   Map Maker: Ignace Gaston Pardies


Fine fully colored example of this rare 17th Century map of the Southern Celestial Hemisphere, originally issued in 1674 by Ignace Gastone Pardies in Paris and revised in 1690, based in part on the work of the French Jesuit mathematician and astronomer Thomas Gouye (1650-1725).


p417
Star Names
Their Lore and Meaning 

by
Richard Hinckley Allen 

as reprinted
in the Dover edition, 1963
The text is in the public domain.

Triangulum Australe, the Southern Triangle

much more noticeable than its northern original, first appeared in print in Bayer's Uranometria of 1603, although its formation is attributed to Pieter Theodor of nearly a century previous.
Caesius cited names for it drawn from the older constellation, among them Almutabet algenubi Arabicē neotericis, which would show that either the Arabians had anticipated Bayer, or were very prompt to learn of his work. But he also called it the Three Patriarchs, doubtless Abraham, Isaac, and Jacob, from its three prominent stars; and Julius Schiller had recourse to their descendants for his alphabetical title Signum Tau. Proctor catalogued it as plain Triangulum, the Northern Triangle being one of his Triangula. The French, Germans, and Italians exactly translate the Latin words. The Chinese equivalent is San Kiō Hung.
The constellation lies south of Ara, between the tail of Pavo and the fore feet of the Centaur, Gould assigning to it 46 components down to the 7th magnitude. The lucida α comes to the meridian on the 14th of July.
α, 2.2, β and γ, 3.1 each, were — perhaps are now — the seamen's Triangle Stars.
Ideler said that La Caille substituted for it Norma et Regula, but in maps of the present day both constellations appear side by side.

http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Gazetteer/Topics/astronomy/_Texts/secondary/ALLSTA/Triangulum_Australe*.html



Triangulum Australe constellation map.png
http://pt.wikipedia.org/wiki/Triangulum_Australe#/media/File:Triangulum_Australe_constellation_map.png




Triangulum Australe (TrA) é uma pequena constelação no hemisfério celestial sul. Seu nome vem do Latim e significa "triângulo do sul", distinguindo-a da constelaçãoTriangulum no hemisfério celestial norte. Esse nome é derivado do triângulo quase equilátero que suas três estrelas mais brilhantes formam. Apareceu pela primeira vez num globo celestial de Petrus Plancius em 1589, como Triangulus Antarcticus, e mais tarde com mais detalhes e seu nome atual por Johann Bayer em 1603 na obraUranometria. Em 1756, o explorador e astrônomo francês Nicolas Louis de Lacaille catalogou as estrelas mais brilhantes e deu suas designações de Bayer.
A estrela mais brilhante da constelação, Alpha Trianguli Australis, conhecida como Atria, é uma gigante laranja de segunda magnitude. As estrelas brancas da sequência principal Beta e Gamma Trianguli Australis completam o triângulo. Apesar da constelação estar situada na Via Láctea e conter muitas estrelas, há poucos objetos de céu profundo proeminentes, como o aglomerado aberto NGC 6025 e a nebulosa planetária NGC 5979.

História

O navegador italiano Américo Vespúcio explorou o Novo Mundo no início do século 16. Ele observou e catalogou as estrelas do hemisfério sul para o rei Manuel I de Portugal. Além disso, também descreveu as estrelas do hemisfério sul, incluindo um triângulo que pode ser Triangulum Australe ou Apus. Essas observações foram publicadas por Lorenzo di Pierfrancesco de' Medici em 1504 como Mundus Novus.1 A primeira representação da constelação foi feita em 1589 pelo astrônomo holandêsPetrus Plancius em um globo celestial de 32,5 cm de diâmetro publicado em Amsterdã pelo cartógrafo Jacob Floris van Langren,2 no qual foi representada incorretamente a sul de Argo Navis, com o nome Triangulus Antarcticus. Seu estudante, junto com o explorador holandês Frederick de Houtman, criou o nome Den Zuyden Trianghel.3Triangulum Australe foi representada com mais precisão por Johann Bayer em seu atlas celestial Uranometria em 1603, onde também recebeu seu nome atual.4
Em um mapa de estrelas meridionais de 1756, Nicolas Louis de Lacaille retratou as constelações NormaCircinus e Triangulum Australe como um esquadro e régua, umcompasso, e um nível respectivamente como um conjunto de instrumentos de desenhista.5 Também representando-a como um nível, o astrônomo alemão Johann Bodedeu à constelação o nome alternativo de Libella em Uranographia.2
O autor e poeta alemão Philippus Caesius visualizou as estrelas como os três patriarcas bíblicos, Abraão, Isaque e Jacó (com Atria sendo Abraão).6 Uma tribo indígena do norte da Austrália representou as estrelas de Triangulum Australe como a cauda da divindade Serpente Arco-Íris, que se estendia desde Crux até Scorpius.7

Características

Triangulum Australe é uma pequena constelação limitada por Norma a norte, Circinus a oeste, Apus a sul e Ara a leste. Está próxima de Alpha e Beta Centauri, com somente Circinus no meio.8 A constelação está localizada dentro da Via Láctea, portanto possui muitas estrelas.9 Pode ser facilmente identificada no céu como um triângulo quase equilátero. Triangulum Australe está muito ao sul para ser visível dos Estados Unidos ou Europa,8 mas pode ser observada de todo o hemisfério sul e écircumpolar em boa parte dele.9 A abreviação de três letras da constelação, conforme definida pela União Astronômica Internacional em 1922, é "TrA".10 As bordas oficiais da constelação, definidas por Eugène Delporte em 1930, consistem de um polígono de 18 segmentos, com ascensão reta variando entre 14h 56,4m e 17h 13,5m edeclinação entre −60,26° e −70,51°.11

Objetos notáveis

Estrelas

Triangulum Australe possui dez estrelas com designação de Bayer. Essas designações foram dadas por Nicolas Louis de Lacaille, que nomeou doze estrelas, sendo que duas delas (Eta2 e Lambda) não são mais conhecidas pela designação.3 As três estrelas mais brilhantes, Alpha, Beta e Gamma, formam o triângulo. Alpha Trianguli Australis (conhecida como Atria), a mais brilhante, é uma gigante luminosa de classe K a uma distância de 415 anos-luz da Terra, com uma magnitude aparente de 1,92.12 Beta Trianguli Australis é uma estrela de classe F da sequência principal a 40 anos-luz de distância, com magnitude de 2,85.13Completando o triângulo, Gamma Trianguli Australis é uma estrela de classe A da sequência principal a 183 anos-luz de distância e magnitude de 2,89.14

Objetos de céu profundo


Triangulum Australe tem poucos objetos de céu profundo, que incluem um aglomerado aberto e algumas nebulosas e galáxias.9 NGC 6025 é um aglomerado aberto com cerca de 30 estrelas de magnitude 7 a 9.9 Localizado aproximadamente 3 graus a nordeste de Beta Trianguli Australis, está a cerca de 2 500 anos-luz (770 parsecs) da Terra e tem um diâmetro de 11 anos-luz (3,4 parsecs). Sua estrela mais brilhante é MQ Trianguli Australis, com uma magnitude aparente de 7,1.15 Nebulosas planetárias na constelação incluem NGC 5979, de magnitude 12,3, e Henize 2-138, de magnitude 11,0.16 NGC 5938 é uma galáxia espiral a 300 milhões de anos-luz (90 megaparsecs) de distância. Está localizada 5 graus a sul de Epsilon Trianguli Australis.17 ESO 69-6 é um par de galáxias em fusão a 600 milhões de anos-luz (185 megaparsecs). A interação entre elas arrastou para fora seu material, formando longas caudas de gás e estrelas.1
8

Stellarium

Stellarium

Alpha Trianguli Australis (α TrA, α Trianguli Australis) é a estrela mais brilhante da constelação de Triangulum Australe, com uma magnitude aparente de 1,92.5 É uma das três estrelas que formam o triângulo representado na constelação. Tem o nome tradicional Atria, que é uma mera contração de sua designação de Bayer.6Aparece na bandeira do Brasil, simbolizando o estado do Rio Grande do Sul.7 Com base em medições de paralaxe, está localizada a aproximadamente 391 anos-luz(120 parsecs) da Terra.1
Alpha Trianguli Australis é uma estrela massiva com uma classificação estelar de K2 IIb-IIIa,2 o que indica que, a uma idade de 48 milhões de anos,2 já passou pelasequência principal e apresenta características de uma estrela gigante e gigante luminosa. Tem uma massa de cerca de sete vezes a massa do Sol2 e um raio de 130 vezes o do Sol, equivalente a 60% do raio orbital da Terra.5 Sua atmosfera externa emite 5 500 vezes mais luminosidade que o Sol, a uma temperatura efetiva de 4 150 K,2 o que lhe dá o brilho alaranjado típico de estrelas de classe K.8
Há indícios de que Alpha Trianguli Australis seja uma estrela binária. Ela apresenta características incomuns para uma estrela de sua classe, como erupções e uma alta emissão de raios X, as quais podem ser explicadas pela presença de uma estrela companheira magneticamente ativa com uma classificação estelar próxima a G0 V. Estrelas jovens de classe G têm uma alta temperatura na coroa e frequentemente sofrem erupções, causando um aumento breve na luminosidade. Tal estrela teria uma massa parecida à do Sol e um período orbital de pelo menos 130 anos, estando separada da estrela primária por 50 UA.4
http://pt.wikipedia.org/wiki/Alpha_Trianguli_Australis

Beta Trianguli Australis (β TrA, β Trianguli Australis) é a segunda estrela mais brilhante da constelação de Triangulum Australe, com uma magnitude aparente de 2,85.3 Com base em medições de paralaxe, está localizada a aproximadamente 40,37 anos-luz (12,38 parsecs) da Terra.1 Tem um movimento próprioparticularmente rápido pela esfera celeste, de quase meio segundo de arco por ano.3
O espectro de Beta Trianguli Australis corresponde a uma classificação estelar de F1 V,1 o que indica que é uma estrela de classe F da sequência principal. Tem uma massa de 1,65 vezes a massa do Sol e um raio de 1,9 vezes o raio solar.3 Emite uma luminosidade 8,5 vezes maior que a do Sol3 a uma temperatura efetiva de cerca de 7 400 K,4 o que lhe dá a coloração branco-amarela típica de estrelas de classe F.6 Beta Trianguli Australis forma uma estrela dupla com uma anã laranja ou anã branca de magnitude 13 a uma separação de quase três minutos de arco na esfera celeste, o que é provavelmente apenas uma coincidência na linha de visão.3
Observações com o Telescópio Espacial Spitzer revelam que Beta Trianguli Australis emite radiação infravermelha em excesso. Isso sugere a presença de material circunstelar no sistema, que pode ser um disco de detritos.7 A estrela pode ser um membro do grupo Beta Pictoris, uma associação de cerca de 17 estrelas que compatilham origem e movimento pelo espaço. Se for um membro do grupo, Beta Trianguli Australis tem uma idade de cerca de 12 milhões de anos, que é a idade do grupo em si.8
Beta Trianguli Australis é uma das estrelas que aparecem na bandeira do Brasil. Ela simboliza o estado de Santa Catarina.9
http://pt.wikipedia.org/wiki/Beta_Trianguli_Australis


Gamma Trianguli Australis (γ TrA, γ Trianguli Australis) é a terceira estrela mais brilhante da constelação de Triangulum Australe, com uma magnitude aparente de 2,88.1 É a estrela mais a sudoeste do asterismo tringular que dá nome à constelação.3 Com base em medições de paralaxe, está localizada a aproximadamente 184 anos-luz (56,4 parsecs) da Terra.1
O espectro de Gamma Trianguli Australis corresponde a uma classificação estelar de A1 V,1 indicando que é uma estrela de classe A da sequência principal, a qual gera energia pela fusão nuclear de hidrogênio em seu núcleo. No entanto, a uma idade de 260 milhões de anos,6 está perto do fim da fase de sequência principal e, portanto, é maior e mais brilhante que outras estrelas da mesma classe espectral (como Sirius).3 Gamma Trianguli Australis tem uma massa de aproximadamente 3,3 vezes a massa solar3 e um raio de 5,86 vezes o raio solar.4 Emite 220 vezes mais luminosidade que o Sol,3 a uma temperatura efetiva de 9 400 K,4 o que lhe dá a coloração branca típica de estrelas de classe A.7
Gamma Trianguli Australis possui uma abundância anormal do elemento európio, o que indica que é uma estrela peculiar do tipo Ap.8 A maioria dessas estrelas têmrotação lenta,9 mas Gamma Trianguli Australis apresenta uma alta velocidade de rotação projetada de 199 km/s.5 Esta estrela emite excesso de radiação infravermelha, sugerindo a existência de um disco circunstelar orbitando-a. A temperatura média dessa emissão é de 50 K, correspondendo a uma separação de 481 UA da estrela.4
Gamma Trianguli Australis é uma das estrelas que aparecem na bandeira do Brasil. Ela simboliza o estado do Paraná.10

Delta Trianguli Australis (δ TrA, δ Trianguli Australis) é a quarta estrela mais brilhante da constelação de Triangulum Australe, com uma magnitude aparente de 3,86.1 De acordo com sua paralaxe de 5,37 milissegundos de arco, está a uma distância de aproximadamente 610 anos-luz (186 parsecs) da Terra.1
O espectro de Delta Trianguli Australis corresponde a uma classificação estelar de G2Ib-II,1 o que significa que é uma estrela de classe G (amarela) evoluída que apresenta características de uma supergigante e gigante luminosa. De fato, é uma estrela enorme, com um raio de cerca de 50 vezes o raio solar, valor calculado a partir do seu diâmetro angular de 2,5 milissegundos de arco e distância.3 5 Sua temperatura efetiva é de 4 990 K e sua metalicidade, a abundância de elementos além de hidrogênio e hélio, equivale a 125% da solar.4
Delta Trianguli Australis forma uma estrela dupla com uma estrela de magnitude 12 separada no céu por 30 segundos de arco.1 6 7
http://pt.wikipedia.org/wiki/Delta_Trianguli_Australis


Epsilon Trianguli Australis (ε TrA, ε Trianguli Australis) é a quinta estrela mais brilhante da constelação de Triangulum Australe, com uma magnitude aparente de 4,11.1 Com base em medições de paralaxe, está localizada a aproximadamente 202 anos-luz (61,8 parsecs) da Terra.1 É uma gigante laranja com uma classificação estelar de K1.5 III1 e uma temperatura efetiva de 4 444 K.5 Seu diâmetro angular, após correções de escurecimento de bordo, é de 2,56 milissegundos de arco,6 o que corresponde a um raio de 17 vezes o raio solar.4
Epsilon Trianguli Australis forma um sistema estelar binário com uma estrela de classe A a uma distância angular de 83,2 segundos de arco na esfera celeste.7
http://pt.wikipedia.org/wiki/Epsilon_Trianguli_Australis


http://www.iau.org/static/public/constellations/gif/TRA.gif

NGC 6025 é um aglomerado aberto na direção da constelação de Triangulum Australe. O objeto foi descoberto pelo astrônomo Nicolas Lacaille em 1751, usando umtelescópio refrator com abertura de 0,5 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+5,1), é fracamente visível a olho nu, mesmo em regiões distantes de cidades.
http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_6025




NGC 5979, NASA
http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_5979#/media/File:Ngc5979.jpg
NGC 5979 é uma nebulosa planetária na direção da constelação de Triangulum Australe. O objeto foi descoberto pelo astrônomo John Herschel em 1835, usando umtelescópio refletor com abertura de 18,6 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+11,5), é visível apenas com telescópios amadores ou com equipamentos superiores.
http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_5979



NGC 5938 é uma galáxia espiral barrada (SBbc) localizada na direcção da constelação de Triangulum Australe. Possui uma declinação de -66° 51' 33" e uma ascensão recta de 15 horas, 36 minutos e 26,1 segundos.
A galáxia NGC 5938 foi descoberta em 9 de Junho de 1836 por John Herschel.
http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_5938




"Hubble Interacting Galaxy ESO 69-6 (2008-04-24)" por NASA, ESA, the Hubble Heritage (STScI/AURA)-ESA/Hubble Collaboration, and A. Evans (University of Virginia, Charlottesville/NRAO/Stony Brook University) - http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/2008/16/image/as/ (direct link). Licenciado sob Domínio público, via Wikimedia Commons - http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Hubble_Interacting_Galaxy_ESO_69-6_(2008-04-24).jpg#/media/File:Hubble_Interacting_Galaxy_ESO_69-6_(2008-04-24).jpg

NASA, ESA, the Hubble Heritage (STScI/AURA)-ESA/Hubble Collaboration, and A. Evans (University of Virginia, Charlottesville/NRAO/Stony Brook University) -http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/2008/16/image/as/ (direct link)
The galaxies of this beautiful interacting pair bear some resemblance to musical notes on a stave. Long tidal tails sweep out from the two galaxies: gas and stars were stripped out and torn away from the outer regions of the galaxies. The presence of these tails is the unique signature of an interaction. ESO 69-6 is located in the constellation of Triangulum Australe, the Southern Triangle, about 650 million light-years away from Earth. This image is part of a large collection of 59 images of merging galaxies taken by the Hubble Space Telescope and released on the occasion of its 18th anniversary on 24th April 2008. About the object Object name ESO 69-6, ESO 069-IG006, AM 1633-682 Object description Interacting Galaxies Position (J2000) 16 38 12.69 -68 26 25.4 Constellation Triangulum Australe Distance 600 million light-years (200 million parsecs) About the data Data description The Hubble image was created using HST data from proposal 10592: A. Evans (University of Virginia, Charlottesville/NRAO/Stony Brook University) Instrument ACS/WFC Exposure date(s) April 8, 2002 Exposure time 39 minutes Filters F435W (B) and F814W (I)


 ESO 69-6 é um par de galáxias em fusão a 600 milhões de anos-luz (185 megaparsecs). A interação entre elas arrastou para fora seu material, formando longas caudas de gás e estrelas.18
http://pt.wikipedia.org/wiki/Triangulum_Australe




Os desenhos formados pelas estrelas 
– As Constelações - 
são como janelas que se abrem para a infinitude do universo
 e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, bem mais,
 entre o céu e a terra...; 
bem como percebendo que o caos, 
vagarosamente,
 vai se tornando Cosmos
 e sendo por nossa mente conscientizado.  

Quer dizer, 

nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.

COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward





The Consellations (Southern Hemisphere)
Map Maker: Elijah J. Burritt
Decorative chart of the southern skies, with a chart at the bottom left, identifying the magnitude of the various stars.

The constellations and major stars are named within the image.  From Burritt's Atlas Designed to Illustrate the Geography of the Heavens.