sábado, 15 de agosto de 2015

Sagitta, a estrelada flecha certeira

Olá!

Sagitta, a Flecha certeira, é uma pequena constelação, 
bem pequena mesmo, 
porém indubitavelmente bem nomeada enquanto Flecha -
pois é bem assim que a visualizamos nos céus estrelados mais ao norte
e bem ao lado da belíssima Aquila, a Águia que voa trazendo suas três estrelinhas
(que podemos nomear enquanto as Três Marias do Norte), 
Alshain e Tarazed
 deixando o centro iluminado
 para ser ocupado pela maravilhosa Altair, estrela-alpha Aquilae!



Stellarium
 Stellarium
 Stellarium



Para nós, moradores do hemisfério sul,

é sempre bom nos colocarmos de frente para o norte,
tendo o oeste à nossa esquerda
e o leste à nossa direita
de maneira a bem podermos contemplar
os céus estrelados mais ao norte.


 Stellarium




Aliás, a Águia é uma constelação bem rica, digamos assim,
porque traz consigo e já amealhada para si,
 incorporada em seu desenho estelar,
a antiga constelação de Antinous...
(A parte sul de Aquila foi subdividida por Ptolomeu
 em uma constelação agora obsoleta, chamada Antinous,
 visualizada em alguns mapas 
como sendo mantida nas garras da águia),
e em seu voo, a Águia vem sempre acompanhada de Delphinus e Sagitta,
o Delfim e a Flecha,
o Delfim nadando através as estrelas 
e a Flecha certeira buscando seu alvo através as estrelas!


Estivemos em Postagem anterior comentando sobre Delphinus, o Delfim
(Veja em http://oceudomes.blogspot.com.br/2015/08/a-delicada-e-maravilhosa-constelacao.html),
e ora apresentamos a você, Caro Leitor,
um tantinho de informações sobre esta pequena porém encantadora
Flecha dos céus estrelados, Sagitta!


Com um abraço estrelado,


Janine Milward















Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes




SAGITTA, A FLECHA


Posicionamento:
Ascensão Reta 18h56m / 20h18m   Declinação +16o.0 / +21o.4

Mito:
Esta constelação representa a flecha com a qual Hercules matou a águia 
que se nutria do fígado de Prometeus. 

História:
É uma constelação de pequeno tamanho 
porém já fazia parte do grupo de 48 constelações relacionadas por Ptolomeu. 


6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986 



Title: [ Sagitta ] (Stars Heightened in Gold)   Map Maker: Johann Bayer



Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:

Sagitta encontra-se bem acolhida pela Via Láctea,  
podendo ser bem visualizada em pelo menos quatro de suas estrelas, 
em lugares de céus escuros e límpidos,
 ao norte de Altair, a estrela Alpha Aquilae.

A estrela Gamma parece atuar como a ponta afiada da Flecha
 enquanto as estrelas Alpha e Beta, como a pena que enfeita a Flecha 
e que se encontram sustentadas e amarradas à Flecha através a estrela Delta.

Fronteiras:
Sagitta situa-se entre as constelações Vulpecula, Hercules, Aquila, Delphinus


6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986






Estrelas e objetos interessantes, em Sagitta:


Sham - Alpha Sagittae


S Sagittae - Estrela Variável Cefeida
Ascensão Reta  19h53m       Declinação +16o.30
Magnitudes:  Max 5,4     Min 6,5       Período 8,4
Tipo CEF      Espectro G3v

6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986



Sagitta (Sge), a Flecha, é uma diminuta constelação do hemisfério celestial norte. O genitivo, usado para formar nomes de estrelas, é Sagittae.
As constelações vizinhas são VulpeculaHerculesAquila e Delphinus.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Sagitta


Alpha Sagittae (Sham, Alsahm, 5 Sagittae) é uma estrela na direção da Sagitta. Possui uma ascensão reta de 19h 40m 05.78s e uma declinação de +18° 00′ 50.2″. Sua magnitude aparente é igual a 4.39. Considerando sua distância de 473 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a −1.42. Pertence à classe espectral G0II.
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Alpha_Sagittae


Beta Sagittae (6 Sagittae) é uma estrela na direção da Sagitta. Possui uma ascensão reta de 19h 41m 02.93s e uma declinação de +17° 28′ 34.0″. Sua magnitude aparente é igual a 4.39. Considerando sua distância de 466 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a −1.39. Pertence à classe espectral G8II.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Beta_Sagittae


Gamma Sagittae (12 Sagittae) é uma estrela na direção da constelação de Sagitta. Possui uma ascensão reta de 19h 58m 45.39s e uma declinação de +19° 29′ 31.5″. Sua magnitude aparente é igual a 3.51. Considerando sua distância de 274 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a −1.11. Pertence àclasse espectral K5III.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Gamma_Sagittae


Delta Sagittae (7 Sagittae) é uma estrela na direção da constelação de Sagitta. Possui uma ascensão reta de 19h 47m 23.27s e uma declinação de +18° 32′ 03.3″. Sua magnitude aparente é igual a 3.68. Considerando sua distância de 448 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a −2.01. Pertence à classe espectral M2II + B6.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Delta_Sagittae


Epsilon Sagittae (4 Sagittae) é uma estrela na direção da constelação de Sagitta. Possui uma ascensão reta de 19h 37m 17.38s e uma declinação de +16° 27′ 46.0″. Sua magnitude aparente é igual a 5.67. Considerando sua distância de 473 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a −0.14. Pertence à classe espectral G8IIIvar.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Epsilon_Sagittae


Zeta Sagittae (8 Sagittae) é uma estrela na direção da constelação de Sagitta. Possui uma ascensão reta de 19h 48m 58.65s e uma declinação de +19° 08′ 31.1″. Sua magnitude aparente é igual a 5.01. Considerando sua distância de 326 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a 0.01. Pertence à classe espectral A3V.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Zeta_Sagittae


Eta Sagittae (16 Sagittae) é uma estrela na direção da constelação de Sagitta. Possui uma ascensão reta de 20h 05m 09.47s e uma declinação de +19° 59′ 27.2″. Sua magnitude aparente é igual a 5.09. Considerando sua distância de 162 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a 1.61. Pertence à classe espectral K2III.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Eta_Sagittae


Theta Sagittae (17 Sagittae) é uma estrela na direção da constelação de Sagitta. Possui uma ascensão reta de 20h 09m 56.61s e uma declinação de +20° 54′ 53.2″. Sua magnitude aparente é igual a 6.51. Considerando sua distância de 147 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a 3.24. Pertence à classe espectral F5IV.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Theta_Sagittae





http://www.raremaps.com/gallery/detail/33140/Aquila_Sagitta_Vulpecula_and_Anser_Delphinus/Flamsteed.html
Title: Aquila, Sagitta, Vulpecula & Anser Delphinus.   Map Maker: John Flamsteed


Their Lore and Meaning 
by 
Richard Hinckley Allen 
as reprinted 
in the Dover edition, 1963


The text is in the public domain.
There is in front another Arrow cast
Without a bow; and by it flies the Bird
Nearer the north.
Brown's Aratos.

Sagitta, the Arrow,

the French Flèche, the German Pfeil, and the Italian Saetta, lies in the Milky Way, directly north of Aquila and south of Cygnus, pointing eastward; and, although ancient, is insignificant, for it has no star larger than the 4th magnitude, and none that is named.
p350It has occasionally been drawn as held in the Eagle's talons, for the bird was armor-bearer to Jove; but Eratosthenes described it separately, as Aratos had done, and as it now is on our maps. The common belief that the latter included it with his Αἰετός was based, Grotius said, on an error in the version of Germanicus. And it has been regarded as the traditional weapon that slew the eagle of Jove, or the one shot by Hercules towards the adjacent Stymphalian birds, and still lying between them, whence the title Herculea; but Eratosthenes claimed it as the arrow with which Apollo exterminated the Cyclopes; and it sometimes was the Arrow of Cupid. The Hyginus of 1488 showed it overlying a bow; indeed, Eratosthenes called it Τόξον, a Bow, signifying Arrows in its plural form; Aratos mentioned it as the Feathered Arrow and the Well-shaped Dart, the ἄλλος ὀϊστός of our motto, "another arrow," in distinction from that of Sagittarius. Still, it has often been thought of as the latter's weapon strayed from its owner. Hipparchos and Ptolemy had plain Ὀϊστός.
Latin authors of classical times and since knew it as CannaCalamus, and Harundo, all signifying the Reed from which the arrow-shafts were formed; and as MissileJaculum, and Telum, the Weapon, Javelin, and Dart; Telum descending even to Kepler's day. But Sagitta was its common title with all the Romans who mentioned its stars; Cicero characterizing it as clara and fulgens, which, however, it is not.
Bayer, who ascribed to it the astrological nature of Mars and Venus, picked up several strange names: DaemonFeluco, and Fossorium, apparently unintelligible here; Obelus, one of the σεμεῖαι, or notae, of ancient grammarians, or, possibly, an Obelisk, which it may resemble;aOrfercalim, cited by Riccioli and Beigel from Albumasar for the Turkish Otysys Kalem, a Smooth Arrow; Temo meridianus, the Southern Beam;Vectis, a Pole; Virga and Virgula jacens, a Falling Wand. The Missoreº attributed to Cicero is erroneous, and was never used by the latter as a star-name, but for the one who shot the arrow; while the Musator of Aben Ezra is either a barbarism for Missore, or may be for the Arabic Saṭar, a Straight Line.
The Hebrews called it Ḥēṣ or Ḥēts; the Armenians and Persians, Tigris; and the Arabians, Al Sahm, all meaning an Arrow; this last, given on the Dresden globe, being turned by Chilmead into Alsoham, by Riccioli into Schaham, and by Piazzi into Sham.
In some of the Alfonsine Tables appeared Istusc, repeated in the Almagest of 1515 as Istiusc, both probably disfigured forms of ὀϊστός; and theAlfonsine Tables of 1521 had Alahance, perhaps from the Arabic Al Ḣams or Ḣamsah, the Five (Stars), its noticeable feature. The same Almagestalso had Albanere, adding est nun, all unintelligible except from Scaliger's note:
p351legendum Alhance, id est Sagitta, hebraicae originis, converso Dages in Nun, ut saepe accidit in Arabismo et Syriasmo.
Schickard wrote it Alchanzato.
Sagitta is not noticed in the Reeves list of Chinese asterisms.
Caesius imagined it the Arrow shot by Joash at Elisha's command, or one of those sent by Jonathan towards David at the stone Ezel; and Julius Schiller, the Spear, or the Nailof the Crucifixion.
Originally only 4° in length, modern astronomy has stretched the constellation to more than 10°; Argelander assigning to it 16 naked-eye stars, and Heis 18. Eratosthenes gave it only 4.
It comes to the meridian on the 1st of September.
None of Sagitta's stars seem to have been named, but its triple ζ is an interesting system. It has long been known as double, but the larger star was discovered by the late Alvan G. Clark to be itself an extremely close double and rapid binary.
The components are of 6, 6, and 9 magnitudes; the two larger 0ʺ.1 apart in 1891, at a position angle of 182°.8. The smallest star is 8ʺ.5 distant. The colors are greenish, white, and blue.

Thayer's Note:


a For the nota and the curious connections, see the article Obeliscus in Smith's Dictionary of Greek and Roman Antiquities, and the further references in my notes there.


http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Gazetteer/Topics/astronomy/_Texts/secondary/ALLSTA/Sagitta*.html





Sagitta constellation map.png






SAGITTA E SEU OBJETO MESSIER M71


http://www.stellarium.org/pt/




M71 - NGC 6839 - Aglomerado de estrelas
Um aglomerado bem pouco comum na constelação de Sagitta,
 possuindo características tanto de ser um aglomerado aberto 
quanto de ser um aglomerado globular.


6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986



http://pt.wikipedia.org/wiki/Messier_71#mediaviewer/Ficheiro:M71.jpg




  Messier 71 (também conhecido como NGC 6838 ou M71) é um aglomerado globular localizado na constelação de Sagitta a 13 000 anos-luz da Terra. Foi descoberto porPhilippe Loys de Chéseaux em 1746. Possui um raio de 13,5 anos-luz e uma dimensão aparente de 7,2 minutos de arco.2
........................................................
aglomerado globular foi primeiramente visto por Jean-Philippe de Chéseaux, que o catalogou como o décimo terceiro objeto de sua lista. Foi mais tarde redescoberto por Johann Gottfried Köhler entre 1772 e 1779 e por Pierre Méchain em 28 de junho de 1780.Charles Messier catalogou o objeto em 4 de outubro daquele ano com base na descrição de Méchain, e o próprio Messier descreveu-o como "uma nebulosa sem estrelas".2
Pode ser visto mesmo em bons binóculos, embora suas estrelas mais brilhantes possam ser resolvidas a partir de telescópiosamadores médios ou mais potentes.2





Por um bom tempo, a classificação de M71 como um aglomerado aberto denso, como Messier 11, ou um aglomerado globular pouco denso era indefinida. Harlow Shapley e Robert Julius Trumpler, alguns dos primeiros a investigar as propriedades físicas do aglomerado, classificaram-no como aberto. James Cuffey investigou o diagrama de magnitude de cor do objeto, concluindo que o diagrama era mais semelhante a de um aglomerado aberto. Outro critério de classificação, a velocidade do radial do sistema, também não estava definido: seus valores da taxa de afastamento em relação à Terra variavam entre -80 a +80 km/s (atualmente aceita-se que M71 está se aproximando radialmente da Terra a uma velocidade de 23 km/s).2
.......................................................
Atualmente, há um consenso em torno de sua classificação como aglomerado globular. Situa-se a uma distância de 13 000 anos-luz do Sistema Solar e possui um núcleo mais denso, facilmente visível em astrofotografias ou em telescópios amadores, com diâmetro aparente na esfera celeste de 5 a 6 minutos de grau. Seu diâmetro aparente total é pouco maior, com 7 minutois de grau, correspondendo a um diâmetro real de apenas 27 anos-luz, muio menor comparado a outros aglomerados globulares.2





http://www.ipac.caltech.edu/2mass/gallery/spr99/m71atlas.jpg
"Atlas Image [or Atlas Image mosaic] obtained as part of the Two Micron All Sky Survey (2MASS), a joint project of the University of Massachusetts and the Infrared Processing and Analysis Center/California Institute of Technology, funded by the National Aeronautics and Space Administration and the National Science Foundation." 


Messier 71

Globular Cluster M71 (NGC 6838), class X-XI, in Sagitta


[m71.jpg]
Right Ascension19 : 53.8 (h:m)
Declination+18 : 47 (deg:m)
Distance13.0 (kly)
Visual Brightness8.2 (mag) 
Apparent Dimension7.2 (arc min)


Discovered 1745-46 by Philippe Loys de Chéseaux.

Messier 71 (M71, NGC 6838) is a loose but beautiful globular cluster in the small but nice constellation Sagitta.
................................

M71 was first seen by De Chéseaux, who cataloged it as his No. 13. It was later rediscovered by Johann Gottfried Koehler, between 1772 and 1779, and by Pierre Méchain on June 28, 1780. Charles Messier cataloged it as his object No. 71, based on his observations of October 4, 1780, as a nebula without stars. It was first resolved into stars by William Herschel in 1783.

This globular cluster is easy to find and nicely observable even in good binoculars, by locating the 6th-mag star 9 Sagittae half-way between Gamma and Delta of that constellation. Medium-sized amateur telescopes are required to resolve this compressed mass of stars, but then even the center is resolved. The cluster is brighter and sharply terminated on the western side, forming a "curving V", as John Mallas describes it.
...............................................





http://www.raremaps.com/gallery/detail/33140/Aquila_Sagitta_Vulpecula_and_Anser_Delphinus/Flamsteed.html
Title: Aquila, Sagitta, Vulpecula & Anser Delphinus.   Map Maker: John Flamsteed



Os desenhos formados pelas estrelas 
- AS CONSTELAÇÕES -
 são como janelas que se abrem para a infinitude do universo
 e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, bem mais, 
entre o céu e a terra..., bem como percebendo que o caos, 
vagarosamente, 
vai se tornando Cosmos 
e este por nossa mente sendo conscientizado.

Quer dizer, nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward


VISITE MINHA PÁGINA
DA TERRA AO CÉU E AO INFINITO