segunda-feira, 28 de setembro de 2015

O Eclipse Lunar Total foi um espetáculo absolutamente inesquecível, realmente!

Olá! O Eclipse Lunar Total foi um espetáculo absolutamente inesquecível, realmente!
Pena que nesta época do ano e no lugar onde moro, nem sempre os céus estão límpidos e transparentes e sim ficam um tanto esfumaçados, digamos assim, e as estrelas não cintilaram tanto..., mas foram boas coadjuvantes, sim.
A Lua estava muito bem em seu papel de protagonista e buscando seu lugar no palco primeiramente por ela mesma iluminado..., mas que foi perdendo o brilho, foi sendo tomado de uma escuridão fantástica à medida que estrelas saiam das coxias e entravam em cena! E quando a totalidade se concluiu e um outro extremo da Lua começou a despontar em luminosidade, novamente as estrelas foram empurradas para seus esconderijos...
Ao longo dos duzentos minutos de espetáculo total e ainda ao longo dos setenta e dois minutos de escuridão avermelhada, cobreada, castanhada, da Lua, alguns aviões passaram, muitos vagalumes nos encantaram e também pudemos contar quatro estrelas cadentes maravilhosas e inesperadas!
E, é claro, também os mosquitos fizeram a festa..., mas tomamos nossas precauções (óleo de amêndoas lambuzando o corpo inteiro). Gatos e cachorros adoraram o picnic noturno e logo encontraram seus lugares de boa dormida, ao nosso lado.
Os momentos de ápice do Eclipse - cerca de vinte a dez minutos antes da meia-noite -, foram momentos absolutamente inesquecíveis, com a Lua inteiramente tomada pelo tom acobreado/avermelhado/acastanhado.
Este momento é realmente muito mágico porque vem nos dizer que nós, terráqueos e nossa Mãe-Gaia, estamos exatamente na linha direta e exatamente no caminho do meio entre o Sol e a Lua!
Além disso, todo o tempo das diversas fases do Eclipse Lunar sempre nos trazem o grande prazer de nos ver - mesmo que através sombras projetadas - estampados em um outro corpo celeste..., quase como um espelho de nós mesmos, um reconhecimento de nós mesmos, o fato de nos encontrarmos diante do Outro..., mesmo que esse Outro seja a Lua, nossa Selene, provavelmente nascida de nós, nascida da Terra.
Bem, eu passei a semana tecendo algumas Postagens sobre este fantástico Eclipse Total Lunar e podem ser acessadas em http://oceudomes.blogspot.com.br/

Com um abraço estrelado,
Janine Milward

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Breve Roteiro de Viagem Celeste durante o longo tempo em que a Lua estiver realizando seu Espetáculo de Eclipse Total

Olá!

Nesta Postagem, Caro Leitor,
estaremos trazendo a você
Um Breve Roteiro de Viagem Celeste 
durante o tempo em que a Lua estiver iniciando e concluindo
suas fases de eclipse
 (em cerca de 200 minutos!)
bem como ao longo dos 72 minutos de Lua inteiramente eclipsada e avermelhada...

A bem da verdade, será um longo espetáculo,
acolhendo cerca de 200 minutos, como um todo,
ou seja, um tantinho mais do que três belas e longas horas
sob o céu iluminado que estará perdendo a luminosidade
vagarosamente e então sob o céu inteiramente escurecido
pela Lua eclipsada e avermelhada e escurecida...,
e sob o céu retomando sua iluminação lunar!

Todos nós sabemos que quando é tempo de Lua Cheia,
sua iluminação é tanta e tão esplendorosa,
que vai afugentando as estrelas quase todas,
não é verdade,
restando apenas umas poucas grandes estrelas, digamos assim,
as mais iluminadas e proeminentes
(quase nenhuma estrela em lugares de poluição luminosa intensa
e algumas estrelas e até constelações em lugares de céus escuros e transparentes).

No entanto,
quando dos momentos que fazem parte do grande conjunto de situações de um eclipse,
não somente o belíssimo espetáculo de uma Super Lua em Eclipse Total
estará acontecendo,
mas também as estrelas estarão atuando enquanto coadjuvantes
junto à protagonista Lua da Colheita mostrando-se 
mais e mais sendo acobertada por um manto avermelhado....,
até que, finalmente, encontre-se inteiramente escurecida....

E, enquanto a escuridão vai tomando conta do corpo lunar,
poderemos observar o fato de que as estrelas vão surgindo, vagarosamente,
surgindo de suas coxias e buscando seus lugares no palco do céu estrelado,
juntando-se em suas constelações
e nos atraindo a atenção
para que volvamos nossos olhos também para seus brilhos piscantes...
nossos olhares embevecidos pelo espetáculo lunar!

E, já que teremos cerca de uma hora e doze minutos 
de escuridão avermelhada
cobrindo o corpo lunar, escondendo a protagonista da noite,
por que não buscarmos observar o céu estrelado
escuro e transparente?

As estrelas quase todas vão desaparecendo vagarosamente, 
retomando seus lugares em suas coxias,
saindo do palco do céu estrelado
e novamente deixando que somente algumas estrelas
acompanhem o começo de conclusão do grande espetáculo lunar!

E o espetáculo lunar vai acontecendo
sem se dar conta do tempo e do espaço,
apenas acontecendo,
sem se dar conta que as estrelas ressurgiram
e agora novamente se esconderam;
sem se dar conta
que a luminosidade da Lua vai novamente
invadindo, vagarosamente, o tempo e o espaço,
o palco do céu estrelado vai ficando mais e mais iluminado
- porque a Lua, mesmo sem se dar conta, 
vai varrendo a escuridão avermelhada
para fora, para que retorne à escuridão... 
pobre sombra de nós, terráqueos,
pobre sombra longíngua da Terra, nossa Mãe-Gaia,
que, também sem se dar conta,
terá sido a co-protagonista desse espetáculo....
em sua interposição entre o Sol e a Lua,
em noite de grande espetáculo celeste,
sem dúvida alguma!

Existe, a meu ver, uma mágica pairando no ar
e sendo objetivada na abóbada celeste
e acontecendo durante os longos momentos
de um Eclipse Lunar Total
bem como durante os rápidos momentos
de um Eclipse Solar Total.

Esta "mágica" a qual me refiro, Caro Leitor,
deve-se ao fato de que todo o entorno
da Lua protagonizando o espetáculo
(ou do Sol)
também faz parte do evento, sem dúvida alguma,
e atua enquanto coadjuvante do grande espetáculo celeste.

E penso que esta "mágica" não nos é apresentada
através as transmissões generosas dos eclipses, certamente
- pois que estas transmissões estão sempre voltadas
para o disco solar ou lunar propriamente falando e apresentando
(e penso que não poderia ser diferente).

No caso de um Eclipse Total da Lua,
a mágica que vai acontecendo é aquela 
que estaremos comentando nesta Postagem,
quer dizer, à medida que a luminosidade da Lua
vai sendo escurecida pelo avanço da sombra de nós, terráqueos,
vivendo nesta nossa Terra, Mãe-Gaia,
as estrelas vai ressurgindo e tomando seus lugares em suas constelações....
Ou seja, as estrelas realmente tornam-se coadjuvantes
do belíssimo espetáculo de um Eclipse Total da Lua!
Essa é a grande mágica, 
a grande magia que a abóbada celeste vai nos proporcionando!
E durante os longos mínutos de uma Lua inteiramente eclipsada,
sempre podemos espantar o sono ou a impaciência,
buscando conhecer e contemplar as estrelas e as constelações
que os céus escurecidos e transparentes nos apresentam!
Finalmente, a grande magia vai encontrando seu caminho ao inverso,
quer dizer, nós, terraqueos e a sombra da Terra, nossa Mãe-Gaia,
vamos deixando o disco lunar, vagarosamente,
tão vagarosamente como chegamos, saímos,
e ao saírmos, vamos carregando as estrelas conosco,
as estrelas também saem, desaparecem, somem
- mesmo que sempre continuemos todos existindo...,
mas que a luminosidade da Lua nem sempre assim nos revela.


No caso de um Eclipse Total do Sol,
podemos observar os pássaros refugiando-se em seus ninhos
e os mosquitos buscando por morder e bicar nossa pele
durante os momentos em que um tom de escuridão
começa a invadir  o lugar onde nos encontramos.

E, de repente, não mais do que de repente,
e sem que quase acreditemos,
a Lua consegue encobrir inteiramente o disco solar
e aquele Sol que sempre conhecemos tão amarelado,
simplesmente torna-se negro, um negrume total solar!

Porém, o entorno desse espetáculo magnífico
também atua de maneira coadjuvante,
quer dizer, a abóbada celeste bem próxima ao disco solar enegrecido
transmuta-se do azul simples para um azul anil bem escuro,
quase um azul-marinho, quase um arroxeado azulado intenso,
enquanto a distância vai amainando esse azul anil escuro
e trazendo um tom mais lilás, mais arroxeado, digamos assim,
mais leve, ao azul anil intenso....,
até que mais e mais próximo aos horizontes,
o céu transmute-se em um tom azul claro 
misturado a um tom alaranjado, amarelado, avermelhado, algo assim.
A bem da verdade, as cores que tomam toda a abóbada celeste
durante um eclipse total do Sol são cores indizíveis, 
cores que não fazem parte da paleta de nós, terráqueos,
são cores realmente celestiais, eu diria.

E ainda bem próximo ao disco solar enegrecido,
algumas estrelas das redondezas testemunham este evento fantástico
assim como algum Planeta que tenha sido convidado
para ali se encontrar naquele momento
(como Mercúrio e Vênus, que não se distanciam demais
do Sol).



Caro leitor,
o belíssimo espetáculo que nos aguarda no domigo à noite
(no Brasil), ou segunda-feira ao começo da madrugada
- o Eclipse Total da Lua com direito a Lua no Perigeu
(a popularmente conhecida Super Lua)
e também a chamada Lua da Colheita
(por ser a Lua Cheia bem próxima
ao Ponto do Equinócio de Outono) -,
certamente veio sendo comentado por nós
em 
http://oceudomes.blogspot.com.br/2015/09/eclipse-lunar-total-acontecendo-em.html
e
http://oceudomes.blogspot.com.br/2015/09/lua-cheia-proxima-ao-ponto-do-equinocio.html
e
http://oceudomes.blogspot.com.br/2015/09/o-belissimo-eclipse-lunar-total.html


Nesta Postagem, Caro Leitor,
estaremos trazendo a você
Um Breve Roteiro de Viagem Celeste 
durante o tempo em que a Lua estiver iniciando e concluindo
suas fases de eclipse
 (em cerca de 200 minutos!)
bem como ao longo dos 72 minutos de Lua 
inteiramente eclipsada e avermelhada..

O relato do Breve Roteiro bem como as Ilustrações apresentadas
(através o Programa Stellarium)
 estarão acontecendo 
a partir de minha visão do céu estrelado
do lugar onde moro,
região sudeste do Brasil
e do meu horário local
(começo de Primavera
e com a extração de 3 horas
em relação aos horários do tempo universal).

Sendo assim, Caro Leitor,
aconselho você a usar o Programa Stellarium
para bem poder harmonizar
o céu estrelado sobre sua cabeça
e a Ilustração apresentando a você
o bom direcionamento de suas observações
e de seus estudos sobre estrelas e suas constelações...
durante os momentos mágicos
do espetáculo realizado pela Lua
tornando-se inteiramente eclipsada.

Não se esqueça de também harmonizar
sua hora local com a hora universal
apresentada para os vários momentos
do evento do longo Eclipse.


Com um abraço estrelado,
Janine Milward



Stellarium



http://3.bp.blogspot.com/-v1NfPMyJh7s/VgMQwUIqY-I/AAAAAAAAHTQ/jMMFGHaF4hA/s1600/Fig%2B1%2B-%2BHCV%2B-%2BLunissolar%2B-%2BSet%2B2015.png


Clique aqui para mapa bem ampliado:







Breve Roteiro de Viagem Celeste

 durante o longo tempo em que a Lua estiver realizando seu Espetáculo de Eclipse Total



Dois Dedos Iniciais de Prosa:

Caro Leitor,
se você estiver realmente voltado para vivenciar
todo o espetáculo que a Lua estará nos proporcionando,
talvez precise de buscar por um lugar
com céus mais escuros e transparentes 
e mais distanciado das luzes das cidades,
em primeiro lugar.

Então, você deverá se municiar de alguns ítens bem importantes
e bem interessantes de tê-los à mão
para um bom conforto durante o longo espetáculo lunar:
um colchonete, algo assim, para deitar-se sob o céu
que estará atuando enquanto o palco desse evento,
um cobertor ou uma boa colcha (mesmo nesta primavera tão quente!)
para cobri-lo e também para separá-lo dos mosquitos inconvenientes...;
café e biscoitos ou sanduíches simpáticos
e também chocolate, algo assim,
para ir bebericando e mordiscando
ao longo das longas horas noturnas
observando o andamento do eclipse
juntamente com a observação
das estrelas chegando... e depois, das estrelas novamente sumindo....;
uma lanterna simpática para não perder de vista seus ítens de acampamento;
e, se você se encontrar em local bem seguro,
seu notebook e outras aparelhagens importantes
para você bem engrandecer suas observações várias.
E, certamente, um tanto de boa reza
para que a chuva primaveril
não nos traga lamentação de perdermos
esse belíssimo, inesquecível espetáculo
que a noite de domingo para segunda
estará nos oferecendo!



No Início do Espetáculo...,
Lua ainda iluminando a tudo e a todos!


Stellarium



Bem ao comecinho do eclipse e com a Lua ainda iluminando a tudo e a todos,
penso que devemos buscar Vega, a estrela-alpha Lyrae,
que já vai estar se deitando no horizonte oeste...
e compor esta estrela juntamente com suas duas outras amigas
- Altair, estrela-alpha Aquilae, e Deneb, estrela-alpha Cygnii -,
e com quem realizam  o chamado Grande Triângulo do Verão
(par ao hemisfério norte) ou simplesmente, Grande Triângulo do Norte
(para nós do hemisfério sul).

Observe, também, Caro Leitor,
que nosso Cruzeiro do Sul já deitou-se
e levando consigo o Centauro
que ainda esperneia, digamos assim,
ao mostrar suas estrelas alpha e beta Centauri,
Rigel e Hadar, 
uma das patas do belo Centauro.

Também quem vem já querendo se esconder
no horizonte sudoeste,
é o Escorpião, sempre com seu coração batendo intensamente
através sua estrela-alpha Scorpii, Antares.
Não se esqueça que Saturno, o Senhor dos Aneis,
vem deixando a Balança e já querendo adentrar 
o chão onde o animal rastejante dos céus se encontra.
Se você estiver municiado de um simpático telescópio,
Caro Leitor, 
poderá ainda observar este Planeta.

Sabemos que a Lua Cheia vem vivenciando os mares dos Peixes,
não é verdade, como também vem saudando Cetus, a Baleia,
e fazendo parte do Mito de Andromeda
envolvendo ainda Andromeda (a constelação), Pegasus,
Cassiopeia e Cepheus e também Perseus, é claro,
o herói que vem salvar a princesa acorrentada.

Ao sul dos Peixes,
vamos poder visualizar a belíssima guardiã do inverno,
estrela-real dos antigos persas, Fomalhaut, estrela-alpha Piscis Austrinus.

Um dedinho mais ao sul,
vamos encontrar Achernar, a encantadora estrela-alpha Eridanii,
a Foz do Rio dos Céus Estrelados.

E mais ainda ao sul,
Canopus, estrela-alpha Carinae, estrela-alpha Argo Navis,
vem anunciando a chegada do imenso Navio!





Stellarium








Luz e Sombra atuando no disco da Lua

Stellarium


O tempo vai passando e o espaço da abóbada celeste também vai nos mostrando algumas mudanças.

Observe, Caro Leitor, que a Lua agora mostra-se metade bem iluminada 
e metade já sendo coberta por uma sombra castanho-escuro, algo assim.

Ao mesmo tempo, também eu penso que sua percepção vai surpreender-se
ao encontrar algumas estrelas que antes ainda não se faziam visíveis
- por causa da grande luminosidade da Lua Super Lua, não é verdade?

Prepare-se, pois, para os momentos mágicos que acontecem 
no entorno da grande protagonista desse espetáculo:
a Lua Cheia bem ao centro do palco metade iluminado, metade ensombreado,
e as estrelas coadjuvantes que saem das coxias e entram em cena.

Próximo ao horizonte oeste,
podemos perceber que Vega já se escondeu
e que vem puxando para seu esconderijo
as duas outras estrelas que formam o Grande Triângulo do Norte,
Altair e Deneb.

Também o Escorpião já encaminhou-se para o sudoeste
e trazendo consigo o Sagitário.

Vamos observar que Achernar, a Foz do Rio Eridanus,
já apresenta o sinuoso Rio dos Céus Estrelados, como um todo
e em suas estrelinhas tão tímidas que mal podem ser ainda divisadas
mas que correm em águas estelares até encontrarem
com Rigel, o pé do Gigante Orion que tem toda a intenção de entrar em cena,
rompendo através o horizonte leste.

Ao longo do tempo entre o comecinho do eclipse até agora,
vamos observar que o Touro veio apresentando-se através das Plêiades maravilhosas
e então deixando-nos divisar as Hiades e a estrela-alpha Tauri, Aldebaran,
a estrela guardiã do outono, estrela-real dos antigos persas.



Stellarium








Ah, o Espetáculo Celeste alcança sua culminância
e a Lua Cheia mostra-se inteiramente avermelhada
e eclipsada!


Stellarium


Stellarium

Bem, Caro Leitor,
certamente você primeiramente estará inteiramente embevecido
pela visão estonteamente bela da Lua Cheia inteiramente eclipsada e avermelhada!

Depois de um tempinho,
é bem possível que, então, você se dê conta que
de repente, não mais do que de repente,
o céu foi inundado de estrelas e mais estrelas e mais estrelas!

Algumas das grandes e mais proeminentes estrelas
que você veio acompanhando até este momento
continuam altaneiras, altivas, sim,
porém também trazendo a côrte de zilhões de outras estrelas
e zilhões de outras estrelinhas 
que, quase como mágica, saíram de suas coxias
e entraram em cena
no palco escurecido pela Lua escurecida!


Ah, é uma verdadeira emoção 
poder contemplar as estrelinhas tímidas e ziguezagueantes 
que o Aguadeiro nos traz!

Quando eu digo "estrelinhas tímidas", 
estou querendo dizer que são estrelinhas bem pouco evidentes, 
bem pouco iluminadas, bem pouco brilhantes aos nossos olhos 
e que podem ser bem visualizadas 
somente em lugares de céus escuros e transparentes, 
e em noites de ausência de Lua,
sem dúvida alguma.

Quando eu digo "estrelinhas ziguezagueantes", 
estou querendo significar as verdadeiras ondinhas formadas por estas estrelinhas tímidas 
e que vão formando as águas derramada pelo Jarro que o Aguadeiro traz!

Aliás, eu diria que a Ilustração do Aguadeiro com seu Jarro deixando a água jorrar
 - apresentada imediatamente abaixo -, 
é absolutamente perfeita para imajar aquilo que eu denomino de
 "estrelinhas tímidas e ziguezagueantes".

Penso que se você se encontrar em lugar
de céus escuros e transparentes, Caro Leitor,
certamente poderá divisar um redondo de estrelinhas
bem próximas ao ziguezague das águas estelares do Aguadeiro, sim,
bem coladas estas estrelinhas ao Cavalo Alado Pegaso
e seu Grande Quadrado: é a cabeça de um dos Peixes
e também bem próximo ao lugar 
onde as Linhas da Eclíptica e do Equador Celeste se entrecruzam.

Céus, um monstro marinho nada nos mares dos Peixes!
Não deixe de se surpreender diante da enormidade da constelação Cetus, a Baleia!

E, Caro Leitor, se você estiver munido de binóculos ou de telescópio simpáticos,
não deixe de tentar divisar M31, a belíssima galáxia Andromeda
- com a qual estaremos nos fusionando em futuro bem futuro bem futuro!

Observe que o Gigante Caçador Orion entrou inteiramente em cena
e, como sempre, vem roubando nossa atenção e nossos olhares
- porque Orion é uma das constelações mais conhecidas por todos,
além de Escorpião e das duas Ursas e também do nosso Cruzeiro do Sul.

O Touro também vem pastando em terras seguras,
seguindo o Carneiro com suas duas estrelas bem ponteadoras.

O Navio sai dos mares do horizonte leste
e começa a navegar diante de nossos olhos,
trazendo também a belíssima dama de todas as noites,
Sirius, a mais bela de todas as belas, estrela-alpha Canis Majoris.

Caro Leitor, aproveite este momento ímpar
para bem visualizar as
Nuvens de Magalhães!

As Nuvens de Magalhães nos trazem imensa felicidade
por morarmos no hemisfério sul e podermos, então,
usufruir da maravilhosa observação a olho nu
dessas Nuvens que não são nuvens e sim galáxias
e que escondem um verdadeiro mundo de tesouros....  
Tesouros que vão sendo, vagarosamente,
descobertos e trazidos ao nosso conhecimento!


Eu sempre me divirto (e até quase fico tonta)
quando me deparo ao norte
com a maravilhante visão da Galáxia de Andromeda
(que pode ser observada a olho nu e usando a vista enviesada)
e, num giro corporal, volto-me para os céus do sul
e me deparo com a belíssima visão das Nuvens Pequena e Grande de Magalhães!


Aqui na roça, um antigo caseiro meu
dizia que estas duas "Nuvens"
são as mulas do presépio do Menino Jesus...


Não importa o que se pense sobre estas Nuvens
- que quase sempre nos enganam, parecendo nuvens mesmo! -,
porque o importante é que elas a nós se apresentam enfeitando os céus do sul...,
e fazem isso de maneira tão simples, quase humilde!


Quer dizer,
as nuvens que nomeamos de Nuvens e que sabemos serem Galáxias
parecem esconder (assim como as nuvens escondem)
um mundo de maravilhas.... , 
porém apenas se apresentando
 enquanto nuvens, simples nuvens, simples quase-enganos.




Stellarium






Eclipse caminhando para a Conclusão,
com a Lua meio ensombreada, meio iluminada

Stellarium


O Grande Espetáculo dos Céus apresentando o Eclipse Total da Lua
vai encontrando seu caminho de conclusão,
com a Lua meio ensombreada, meio iluminada,
com as estrelas menos proeminentes e as estrelinhas bem tímidas
desaparecendo em suas coxias, sumindo do palco que volta a se iluminar, sim.

As constelações que fazem parte do Mito de Andromeda
ocupam o palco na parte mais ao norte,
sendo que Perseus, o heroi salvador, vem mostrando-se por inteiro,
sempre carregando a cabeça decepada da Medusa e seu feroz olhar!

Uma estrela bem ao norte também se anuncia: é Capella,
estrela-alpha Aurigae, o Cocheiro.



Stellarium





O Espetáculo Celeste terminou,
a Lua voltou a ser simplesmente a Lua,
Lua Cheia e Super Lua e também Lua da Colheita,
porém apenas a velha conhecida Lua Cheia
de todos os meses
e que traz tanta luminosidade a tudo e a todos.

Lua Cheia que nos inunda inteiramente
e inunda inteiramente o céus outrora
(e ainda durante algumas poucas horas atrás)
inteiramente coalhado de estrelas e mais estrelas e mais estrelas!

Foi tudo um sonho?
Ou será que o sono toma nossa consciência por inteiro?

Sempre quando um Eclipse Lunar Total termina
existem dois pensamentos em nossa mente:
o primeiro: Que pena, terminou!
o segundo: Que bom, sempre haverá um novo Eclipse Total Lunar
a ser contemplado!

Com um abraço estrelado,
Janine Milward

 Stellarium
Stellarium



Caro Leitor,
muitos dos Temas que foram por nós comentados
nesta Postagem
podem encontrar maiores informações
em alguns de meus tantos Trabalhos.
Confira:
Meu amor pelas estrelas e pela visão a olho nú do céu noturno
 sempre me move a querer compartilhar com você, Caro Leitor, 
sobre os Temas que vou abordando na ciência objetiva do céu estrelado, a Astronomia,
 de maneira a caminharmos juntos nessa estrada de compreensão das maravilhas 
que esta ciência nos oferece, 
em sua infinita generosidade de descobertas
 e de avanço na compreensão do céu que nos protege 
e do espaço cada vez mais profundo.


Title: Le Globe Celeste   Map Maker: Pherotee De La Croix


Olharmos para o céu e nos comover é o primeiro passo. 
O segundo passo é decidirmos se vamos ficar felizes e contentes dentro do Caos 
ou se vamos tentar trazer o Caos para dentro do Cosmos. 
Cosmos quer dizer 'ordenação' 
e Caos quer dizer caos mesmo.... 
Com um abraço estrelado, 
Janine Milward


Este é um Trabalho voltado para os Amantes dos Céus Estrelados
E EM POSTAGENS QUASE DIÁRIAS,
CARO LEITOR!


Fonte da Imagem: http://www.atlasoftheuniverse.com/galchart.html 
Richard Powell.



CONSTELAÇÕES, ESTRELAS E OBJETOS CELESTES 
(sob o ponto de vista do Mundo Ocidental)
 SUAS HISTÓRIAS, SEUS MITOS, SEUS SIGNIFICADOS, 
SUAS IMAGENS E SUAS SINTETIZADAS DESCRIÇÕES

PÁGINA AINDA EM CONSTRUÇÃO... 
e certamente assim continuará por um longo tempo... 
até que as 88 Constelações estejam prontas.  
Obrigada pela paciência, caro Leitor!

VEJA AS CONSTELAÇÕES JÁ APRESENTADAS
EM
DA TERRA AO CÉU E AO INFINITO:
Os desenhos formados pelas estrelas
 - AS CONSTELAÇÕES -
 são como janelas que se abrem para a infinitude do universo
 e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, bem mais, 
entre o céu e a terra...,
 bem como percebendo que o caos, 
vagarosamente, 
vai se tornando Cosmos
 e este por nossa mente sendo conscientizado.

Quer dizer, 
nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.


 Constelações 
 apresentadas em suas Páginas próprias:



First place in the Beauty of Night Sky category goes to this wide-angle shot of Comet Lovejoy over Australia.  Author: Jia Hao


No Facebook, 
visite e curta minha Página
Temas sobre Cosmologia, Astronomia, Mecânica Celeste e Afins
https://www.facebook.com/pages/Temas-sobre-Cosmologia-Astronomia-Mec%C3%A2nica-Celeste-e-Afins/286580011439780

Boa Leitura e Bons Estudos!

Com um abraço estrelado,
Janine Milward





Foto do Analema ou Oito do Revirão do Sol

Realizada por John Raffell combinando 52 exposições individuais, perto do Trópico de Câncer (latitude 23 1/2 norte). As fotos foram tiradas todos as semanas do ano a partir de maio de 2000, na mesma posição visando o leste, às 07:30 da manhã, em Muscat, Oman. Publicada na revista Sky&Telescope, edição de março de 2003, página 78, dentro do artigo "What is an Analemma? Assinado por Edwin L Aguirre. Esta revista é uma publicação de Sky&Telescope Publishing Co., Cambridge, MA, EUA.