domingo, 8 de maio de 2016

Mercúrio passeando através o disco do Sol, em 09 de maio!

Olá!

Trânsito acontece todo o tempo
- tanto aqui na Terra quanto no Céu, não é verdade?

No Céu, os Trânsitos são bem mais simpáticos do que aqueles aqui na Terra
- principalmente Trânsitos que acontecem através o disco solar!

Caro Leitor,
não perca esta oportunidade ímpar de bem poder acompanhar
o Trânsito de Mercúrio atravessando o disco solar
(outras oportunidades acontecerão em 2019 e em 2039).

No entanto, precauções serão essenciais:
jamais olhar para o Sol a olho nú, com visão desarmada,
em primeiro lugar.

E, em segundo lugar,
sempre é preciso se munir com um Filtro Solar adequado
acoplado ao aparelho que você estará usando
- seja um par de binóculos, seja uma luneta, seja um telescópio.

Nas Ilustrações Stellarium abaixo,
venho apresentando a você
indicações sobre o andamento de Mercúrio
às nove da manhã,
ao meio-dia
e às quinze horas
(horários de Brasília).

O Sol vem deixando a constelação Aries, o Carneiro,
e vem adentrando a constelação Taurus, o Touro.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward



Stellarium



Stellarium



Stellarium


Stellarium







Segundo a revista Sky&Telescope
- em sua postagem 
............................

Once you spot Mercury, you may wonder why it has a reputation for being elusive. It is, after all, one of the brightest objects in the sky. Unfortunately, this bright light never climbs high. Mercury orbits closer to the Sun than any other planet, so, from our perspective on Earth, it never strays far from our star’s glare. Even at its best, the innermost planet lies low in the west shortly after sunset or low in the east before sunrise. It never gets far enough from the Sun to appear high in a totally dark sky.
The great astronomer Nicolas Copernicus — the man who put the Sun in its proper place at the center of the solar system, with Earth circling it — reputedly never glimpsed Mercury. 


Minha (Janine) simples e literal tradução:

..........................  Uma vez que consiga detectar Mercúrio, talvez você pense consigo mesmo sobre o porquê esse planeta possui a reputação de ser elusivo (difícil de ser visto).  Mercúrio é, realmente, um dos mais brilhantes objetos no céu.  Infelizmente, essa luminosidade nunca aparece muito alta na abóbada celeste.  Mercúrio orbita muito próximo ao Sol, mais próximo do que qualquer outro planeta, a partir de nossa perspectiva na Terra, e nunca se afasta do clarão espraiado pela luz de nossa estrela.  Mesmo em seus melhores momentos, o planeta interior posiciona-se baixo no oeste um tantinho após o por-do-sol ou baixo no leste antes do nascer do Sol.  Nunca Mercúrio posiciona-se distante o suficiente do Sol de forma a apresentar-se alto num céu inteiramente escurecido.
O grande astrônomo Nicolas Copernicus - o homem que colocou o Sol em seu próprio lugar no centro do sistema solar e com a Terra rodeando-o - dizia que nunca havia visto Mercúrio.  



Fast facts:
  • Mercury orbits the Sun at an average distance of 36 million miles (58 million kilometers) but covers a broad range from 29 million miles to 44 million miles (46 million km to 70 million km).
  • Mercury takes just 88 days to complete one orbit of the Sun.
  • Mercury takes 59 days to rotate once on its axis.
  • With a diameter of 3,032 miles (4,879 km, or 38 percent of Earth’s), Mercury is the smallest planet in the solar system.
  • As you gaze at Mercury from afar, NASA’s MESSENGER spacecraft studies the planet from orbit. The probe has been circling Mercury since 2011, examining its surface, analyzing its interior, and measuring its magnetic field.
Minha (Janine) simples e literal tradução:

- Mercúrio orbita o Sol numa distância média de 36 milhões de milhas (58 milhões de quilômetros), porém cobre uma ampla gama  de 29 milhões de milhas a 44 milhões de milhas (46 milhões de quilômetros a 70 milhões de quilômetros).
- Mercúrio leva somente 88 dias para completas uma órbita em torno ao Sol.
- Mercúrio leva 59 dias em seu movimento de uma rotação em torno de seu eixo.
-  Com um diâmetro de 3.032 milhas (4.879 ou 38 por cento da Terra), Mercúrio é o menor planeta no sistema solar.
- Enquanto você observa Mercúrio de longe, a espaçonave MESSENGER, da NASA, estuda o planeta em sua órbita.  A nave vem rodeando Mercúrio desde 2011, examinando sua superfície, analisando seu interior e medindo seu campo magnético.









http://static.ddmcdn.com/gif/mercury-color-messenger-nasa-full-130222.jpg


Mercúrio é o menor[nota 1] [nota 2] e mais interno planeta do Sistema Solarorbitando o Sol a cada 87,969 dias terrestres. Sua órbita tem a maiorexcentricidade e seu eixo apresenta a menor inclinação em relação ao plano da órbita dentre todos os planetas do Sistema Solar. Mercúrio completa trêsrotações em torno de seu eixo a cada duas órbitas. O periélio da órbita de Mercúrio apresenta uma precessão de 5600 segundos de arco por século, um fenômeno completamente explicado apenas a partir do século XX pela Teoria da Relatividade Geral formulada por Albert Einstein.[2] Sua aparência é brilhosa quando observado da Terra, tendo uma magnitude aparente que varia de −2,6 a 5,7, embora não seja facilmente observado pois sua separação angular do Sol é de apenas 28,3º. Uma vez que Mercúrio normalmente se perde no intenso brilho solar, exceto em eclipses solares, só pode ser observado a olho nu durante o crepúsculo matutino ou vespertino.
Comparado a outros planetas, pouco se sabe a respeito de Mercúrio, pois telescópios em solo terrestre revelam apenas um crescente iluminado com detalhes limitados. As duas primeiras espaçonaves a explorar o planeta foram a Mariner 10, que mapeou aproximadamente 45% da superfície do planeta entre 1974 e 1975, e a MESSENGER, que mapeou outros 30% da superfície durante um sobrevoo em 14 de janeiro de 2008. O último sobrevoo ocorreu em setembro de 2009 e a nave entrou em órbita do planeta em 18 de março de 2011, quando começou a mapear o restante do planeta, numa missão com duração nominal de um ano terrestre.
Mercúrio tem uma aparência similar à da Lua com crateras de impacto e planícies lisas, não possuindo satélites naturais nem uma atmosfera substancial. Entretanto, diferentemente da Lua, possui uma grande quantidade de ferro no núcleo que gera um campo magnético, cuja intensidade é cerca de 1% da intensidade do campo magnético da Terra.[3] É um planeta excepcionalmente denso devido ao tamanho relativo de seu núcleo. A temperatura em sua superfície varia de 100 a 700 K (−173 °C a 427 °C).[4] O ponto subsolar é a região mais quente e o fundo das crateras perto dos polos as regiões mais frias.
As primeiras observações registradas de Mercúrio datam pelo menos do primeiro milênio antes de Cristo. Antes do século IV a.C., astrônomos gregos acreditavam que se tratasse de dois objetos distintos: um visível no nascer do sol, ao qual chamavam Apolo, e outro visível ao pôr do Sol, chamado deHermes.[5] O nome em português para o planeta provém da Roma Antiga, onde o astro recebeu o nome do deus romano Mercúrio, que tinha na mitologia grega o nome de Hermes (Ἑρμῆς). O símbolo astronômico de Mercúrio é uma versão estilizada do caduceu de Hermes.[6]

https://pt.wikipedia.org/wiki/Merc%C3%BArio_(planeta)


Jacob MathamMercurius, 1597. Gravura em metal
https://pt.wikipedia.org/wiki/Merc%C3%BArio_(planeta)#/media/File:MercuriusKoperGravure.jpg


Maia é uma ninfa sobre quem pairaram os olhos de Júpiter. A jovem diverte-se, sorri, dança, brinca ao redor da majestosa figura de Júpiter... e ambos entregam-se ao amor. Deste amor, nasce Mercúrio.  Depois de dar a luz a Mercúrio, Maia adormece.  Mercúrio abre os olhos.  Não é apenas um frágil bebê que desperta, mas um ser dotado de extraordinária precocidade.

Permanece deitado por alguns momentos ainda, até assegurar-se de que Maia está mergulhada em profundo sono.  Então liberta-se rapidamente das numerosas faixas que lhe envolviam o pequeno corpo e que impossibilitariam seus movimentos.

Lá fora, no meio da noite pela primeira vez, olha o céu, as estrelas, e sai para o mundo, já pronto a fazer  suas peraltices.  Ao retornar à casa, avistou uma tartaruga.  Ficou encantado com o pequeno animal e, pegando-o nas mãos, disse as seguintes palavras: “Que sorte inesperada!”.  Com um estilete, feriu a tartaruga e esvaziou-lhe a carapaça, onde prendeu pedaços de cana de diferentes tamanhos.  Depois, distendeu sete cordas feitas com os intestinos dos animais que havia roubado durante seu passeio de peraltices.  Havia acabado de criar um novo instrumento musical: a lira.

Originário provavelmente da Trácia, o culto de Hermes (Mercúrio) não tardou a difundir-se entre povos primitivos da Grécia.  A princípio, o deus era venerado sobretudo pelos pastores.  Depois, Hermes perdeu grande parte de suas atribuições pastorais e de fecundidade, e aos poucos, foi se tornando deus dos viajantes, que conduzia por estradas muitas vezes cheias de riscos.

A maior parte das viagens realizadas pelos gregos tinha objetivos comerciais.  Por extensão, Hermes, protetor das estradas, tornou-se também deus do comércio e dos ladrões.  Essas novas características foram-lhe facilmente acrescidas por dois motivos principais: de um lado, os gregos eram conhecidos como comerciantes hábeis e muito pouco escrupulosos; de outro, o próprio Hermes, por sua extraordinária astúcia, adequava-se perfeitamente às necessidades práticas da sociedade grega, que, para sobreviver entre tantos inimigos ao seu redor, tinha de recorrer à esperteza.

E Hermes tinha um discurso bastante convincente e logo se transformou em deus da eloqüência. Estas todas funções lhe trazem também a função de mensageiro: ele é o verddeiro e perfeito arauto dos deuses -  atribuição caracterizada pelo objeto que sempre carrega consigo: o caduceu, bastão que tem poderes de distribuir bênçãos e prosperidade, além de ser capaz de transformar em ouro tudo o que toca.

Corredor infatigável, Hermes viaja por todas as partes, entre a Terra e o Olimpo.  A desenvoltura com que realizava tal atividade levou os regos a imagina-lo como um modelo ideal de juventude.  Entretanto, Hermes não possuía apenas dotes físicos.  Por haver inventado a lira, era venerado pelos poetas e cantores, e honrado, como protetor da música, juntamente com Apolo.  Mais tarde, foi-lhe atribuída a criação das ciências, especialmente da matemática e da astronomia.  Dessa maneira, surgiu a figura de Hermes Trismegisto, três vezes santo.

Com o tempo, Hermes assumiu também a função de conduzir as almas dos mortos até a região dos ínferos.  Era então chamado de Hermes Psicopompo (condutor de almas).

Mercúrio teve vários filhos: com Vênus, a deusa do amor, gerou Hermafrodito, ser de dupla natureza, homem e mulher ao mesmo tempo.  Com a ninfa Driopéa, gerou Pã, deus dos rebanhos e dos pastores... e muitos outros seres.

O texto acima é sintetizado por Janine
 e extraído de alguns Fascículos da antiga coleção Mitologia, 
publicada pela Abril Cultural, ainda na década de 1960.





Colors of the Innermost Planet

This colorful view of Mercury was produced by using images from the color base map imaging campaign during MESSENGER's primary mission. These colors are not what Mercury would look like to the human eye, but rather the colors enhance the chemical, mineralogical, and physical differences between the rocks that make up Mercury's surface.

Image Credit: NASA/Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory/Carnegie Institution of Washington



COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward