sexta-feira, 6 de maio de 2016

O Suave Voo do Corvo


Olá!

Sou muitíssimo apaixonada pela visão do céu estrelado a olho nu
- à vista desarmada -
e uma das constelações que sempre me atrai a atenção
 é o Corvo!

É certo que penso que o Corvo não pode ser apreciado em seu desenho óbvio
de pássaro voando com asas abertas através as estrelas....,
bem como  em seu voo elipsal, de sudeste ao zênite e ao sudoeste
- a não ser que estejamos em lugares de céus escuros e transparentes
e, de preferência, em noites sem a presença luminosa da Lua.

E existe um fato muitíssimo interessante em relação a esta constelação:
além de suas estrelas apresentarem-se através o desenho de um passaro voando,
elas acolhem duas galáxias espirais em interação
 - NGC 4038 e NGC 4039 -
que se posicionam contra o pano de fundo da constelação Corvus, O Corvo,
e já bem próximas à constelação Crater, a Taça.
São denominadas de Galáxias Antennae
e estão a cerca de 62 milhões de anos-luz de nós.

Nesta Postagem, Caro Leitor,
encontre alguma informação sobre 
as estrelas que compõem visivelmente o desenho do Corvo
bem como informação sobre
as Galáxias Antennae
- que reveladas através imagens de raio-x
apresentam-se como um crânio humano,
incrivelmente!

Ao cair da noite, observe a presença do Corvo nos céus estrelados

- sempre a estrela-alpha Virginis, Spica, é uma boa indicadora!

quando você estiver observando o suave voo do Corvo
alcançando o zênite por volta da nove da noite
 - seu momento de culminância -,
lembre-se que estará podendo perceber que
além das singelas estrelas que desenham a figura do pássaro
existem dois maravilhosos objetos celestes, duas galáxias espirais,
que, em seus movimentos de interação, em sua colisão,
fazem acontecer algo que nos sugere uma cabeça humana
 vista através uma espécie de raio-x mágico,
não é verdade?

Quando o galo já estiver cantando 
e anunciando a proximidade da luz
de um novo dia
(no Sítio das Estrelas isso acontece por volta
das quatro da matina ou mesmo antes),
o Corvo já terá se retirado de cena,
terá mergulhado por detrás do horizonte do sudoeste
ainda no miolo da madrugada,
nesses momentos de céus mais escuros e transparentes
que o outono de clima seco nos traz.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward




Stellarium

Stellarium


OCTOBER 16, 2006: This new NASA Hubble Space Telescope image of the Antennae galaxies is the sharpest yet of this merging pair of galaxies. During the course of the collision, billions of stars will be formed. The brightest and most compact of these star birth regions are called super star clusters. The new image allows astronomers to better distinguish between the stars and super star clusters created in the collision of two spiral galaxies.

26 de Outubro de 2006: Esta nova imagem do Telescópio Espacial Hubble, da Nasa, para as galaxias Antennae é a mais precisa até hoje sobre este par de galáxias em fusão. Ao longo do curso da colisão, bilhões de estrelas estarão se formando.  As mais brilhantes e mais compactadas regiões de nascimento dessas estrelas são chamadas de super aglomerados de estrelas.  Esta nova imagem permite aos astrônomos uma melhor distinção entre estrelas e os super aglomerados de estrelas criados na colisão das duas galaxias espirais.




http://www.aai.ee/muuseum/Uranomeetria/Pictures/Web/Reissig_W_025.jpg




By Till Credner - Own work: AlltheSky.com, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=20041323



Minhas Impressões Pessoais
 acerca O Corvo:



Certa vez, no miolo da década dos anos 90 e ainda no século passado,
eu me encontrava em um Observatório
 olhando para as estrelas junto a um amigo das estrelas...., 
quando perguntei: 
- " Aquele grupo de estrelas se parece com um pássaro... 
parece um pássaro realmente voando!".....

O amigo das estrelas riu-se e respondeu: - "É o Corvo".

..........................................

A partir de então, eu venho observando o vôo do Corvo através dos céus....
 quando entra a noite e ele ainda está surgindo no sudeste, 
eu penso: "Lá vem o Corvo!". 

O tempo vai passando, os dias passam, as semanas passam.... 
e o Corvo continua realizando seu vôo nos céus, subindo cada vez mais alto, 
mais alto, 
endireitando seu vôo, 
quase chegando no meio do céu.... 
e passam-se mais e mais dias e o Corvo vai deslizando céu abaixo, 
vai caindo e ao mesmo tempo vai começando a fechar seu vôo, 
pouco a pouco, se dirigindo para o sudoeste,
 sempre antecedendo Spica, a estrela rainha da constelação de Virgem.

O vôo do Corvo é realmente belo, ele voa como um pássaro voa, 
realizando sua elipse alongada enquanto perfaz seu caminho.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward



Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes



Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes


 - excerto apresentando ALFABETO GREGO, CONVENÇÕES E USO DA CARTA CELESTE






http://www.ianridpath.com/atlases/urania/urania32.jpg





CORVUS, O CORVO



Posicionamento:
Ascensão Reta 11h54m / 12h54m      Declinação -11o.3 / -24o.9


Mito:

Apollo queria presentear Júpiter com uma festa e portanto, pediu ao Corvo para ir buscar água usando a Taça.  Em seu caminho, o Corvo percebeu uma figueira e alguns figos quase
maduros e os comeu todos... até que lembrou-se de sua missão e com medo da ira de Apollo, pegou a Hidra, a serpente marinha, usou-a como desculpa que por causa da serpente não pôde encher a Taça com água.  Apollo puniu o Corvo de forma que este jamais pudesse beber água novamente até que os figos não amadurecessem por completo e colocou o Corvo, a Taça e a Hidra no céu.


História:
Esta constelação fazia parte das 48 constelações formadas por Ptolomeu no século segundo DC.


Fronteiras:


Corvus situa-se entre as constelações Virgo, Crater, Hydra

6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,

Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986




Estrelas e Objetos Interessantes, 
em Corvo:


Alchiba - Alpha Corvi
A Tenda, nome de oriegem árabe

Stellarium




Kraz ou Alginal - Beta Corvi
Magnitude 2.66 - estrela do tipo B8 - bem parecido com o nosso Sol - e distanciada cerca de 108 anos-luz.

Stellarium




Algorab.  Delta Corvi. Estrela Dupla 
Magnitudes .7 e 8.26, com a componente sendo nomeada como O Corvo.
Uma estrela dupla, amarela pálida e avermelhada, situada na asa direita do Corvo.  De Al Ghirab, O Corvo.

Stellarium



Gienah - Gamma Corvi
Ascensão Reta 12h 14,8m - Declinação -17o 25’
Magnitude visual 2,78 - Distância 450 anos-luz
A Asa, oriunda da expressão árabe Al Janah al Grurab al Aiman, a Asa direita do Corvo.


Stellarium




Minkar - Epsilon Corvi
Magnitude 3.04 e distância a 140 anos-luz


Stellarium



6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,

Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986







Super Star Clusters in the Antennae Galaxies

ABOUT THIS IMAGE:

Nighttime sky view of the constellation Corvus. The position of the Antennae Galaxies is marked.
Image Type: Astronomical/Illustration
Credit: NASAESA, Z. Levay (STScI) and A. Fujii




NGC 4038 / 39 - Interação entre duas Galáxias
Galáxia em Cauda Anelada formada pela interação entre duas galáxias acontece a partir da ação interna de seus campos gravitacionais. Possivelmente, as duas galáxias chegaram tão próximas uma à outra que muitas de suas estrelas e ainda uma grande quantidade de material interestelar, saíram de suas órbitas originais e mergulharam no espaço galáctivo. 


Isso deve explicar os filamentos alongados e curvados que se extendem de norte a sul a partir das duas galáxias. Este objeto celeste está a cerca de 90 milhões de anos-luz e o diâmetro real do par é cerca de 100 mil anos-luz.  Uma formação similar existe na constelação de Câncer.

6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986



Antennae: A Galactic Spectacle

http://chandra.harvard.edu/photo/2010/antennae/antennae_wide_field.jpg
Wide-field Optical Image 
The Antennae galaxies take their name from the long antenna-like "arms," seen in wide-angle views of the system. These features were produced by tidal forcesgenerated in the collision.
(Credit: Digitized Sky Survey)




http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/1997/34/image/d/format/large_web/
Object Names: NGC 4038/4039, Antennae
Image Type: Astronomical
Credit: Brad Whitmore (STScI) and NASA

Antennae Galaxy Closeup (NGC 4038/4039 )


Antennae Galaxy Closeup (NGC 4038/4039 )

http://imgsrc.hubblesite.org/hu/db/images/hs-1997-34-g-full_jpg.jpg


Object Names: NGC 4038/4039, Antennae
Image Type: Astronomical
Credit: Brad Whitmore (STScI) and NASA


http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/1997/34/image/a/format/web_print/


ABOUT THIS IMAGE:

This Hubble Space Telescope image provides a detailed look at a brilliant "fireworks show" at the center of a collision between two galaxies. Hubble has uncovered over 1,000 bright, young star clusters bursting to life as a result of the head-on wreck.
[Left]
A ground-based telescopic view of the Antennae galaxies (known formally as NGC 4038/4039) - so named because a pair of long tails of luminous matter, formed by the gravitational tidal forces of their encounter, resembles an insect's antennae. The galaxies are located 63 million light-years away in the southern constellation Corvus.


[Right]
The respective cores of the twin galaxies are the orange blobs, left and right of image center, crisscrossed by filaments of dark dust. A wide band of chaotic dust, called the overlap region, stretches between the cores of the two galaxies. The sweeping spiral- like patterns, traced by bright blue star clusters, shows the result of a firestorm of star birth activity which was triggered by the collision.


This natural-color image is a composite of four separately filtered images taken with the Wide Field Planetary Camera 2 (WFPC2), on January 20, 1996. Resolution is 15 light-years per pixel (picture element).
Object Names: NGC 4038/4039, Antennae
Image Type: Astronomical
Credit: Brad Whitmore (STScI) and NASA





Hubble Reveals Stellar Fireworks Accompanying Galaxy Collisions


http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/1997/34/image/b/format/web_print/

ABOUT THIS IMAGE:

These four close-up views are taken from a head-on collision between two spiral galaxies, called the Antennae galaxies, seen at image center. The scale bar at the top of each image is 1,500 light-years across.
[Left images]
The collision triggers the birth of new stars in brilliant blue star clusters, the brightest of which contains roughly a million stars. The star clusters are blue because they are very young, the youngest being only a few million years old, a mere blink of the eye on the astronomical time scale.


[Right images]
These close-up views of the cores of each galaxy show entrapped dust and gas funneled into the center. The nucleus of NGC 4038 (lower right) is obscured by dust which dims and reddens starlight by scattering the shorter, bluer wavelengths. This is also the reason the young star clusters in the dusty regions appear red instead of blue.


This natural-color image is a composite of four separately filtered images taken with the Wide Field Planetary Camera 2 (WFPC2), on January 20, 1996. Resolution is 15 light-years per pixel (picture element).
Object Names: NGC 4038/4039, Antennae
Image Type: Astronomical/Illustration/Annotated
Credit: Brad Whitmore (STScI) and NASA
http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/1997/34/image/b/

http://chandra.harvard.edu/photo/2010/antennae/antennae_multipanel.jpg
X-ray, Infrared & Optical Images of Antennae 
The Antennae galaxies are a pair of colliding galaxies about 62 million light years from Earth. These images show X-rays from Chandra, optical data from Hubble, and infrared data from Spitzer. The X-ray image shows huge clouds of hot, interstellar gas that have been injected with rich deposits of elements from supernova explosions. This enriched gas, which includes elements such as oxygen, iron, magnesium and silicon, will be incorporated into new generations of stars and planets. The bright, point-like sources in the image are produced by material falling onto black holes and neutron stars that are remnants of the massive stars. 
(Credit:X-ray: NASA/CXC/SAO/J.DePasquale; IR: NASA/JPL-Caltech; Optical: NASA/STScI)




  • A new composite image from NASA's Great Observatories presents a stunning display of the Antennae galaxies.

  • X-ray data from Chandra (blue), optical data from Hubble (gold and brown), and infrared data from Spitzer (red) are featured.

  • Supernova explosions are enriching the intergalactic gas with elements like oxygen, iron, and silicon that will be incorporated into new generations of stars and planets
http://chandra.si.edu/photo/2010/antennae/




Galáxias em colisão - NGC4038 e NGC4039

Esta imagem do Hubble das galáxias das antenas é a mais perfeita deste par de galáxias em fusão. Como as duas galáxias se despedaçam juntas, bilhões de estrelas nascem, principalmente em grupos e aglomerados de estrelas. O mais brilhante e compacto destes são chamados clusters de super star.


Crédito: NASA , ESA , e Hubble Heritage Team STScI / AURA ) - ESA / Hubble Colaboração. Agradecimento: B. Whitmore ( Space Telescope Science Institute ) e James Long (ESA / Hubble).




Antennae:


Superbubbles Bespeak Toil and Trouble 


Antennae
Credit: NASA/SAO/CXC/G.Fabbiano et al.


Credit NASA/SAO/CXC/G.Fabbiano et al.
This Chandra X-ray image of the Antennae (NGC4038/4039) shows the central regions of two galaxies in collision. The dozens of bright point-like sources are neutron stars or black holes pulling gas off nearby stars. The bright fuzzy patches are superbubbles thousands of light years in diameter that were produced by the accumulated power of thousands of supernovas. The remaining glow of X-ray emission could be due to many faint X-ray sources, or to clouds of hot gas in the galaxies.

Chandra Image of Diffuse Emission
This X-ray image has been processed to minimize the point sources in the Chandra observations of The Antennae galaxies. The result is that the clouds of multimillion-degree gas in the system are clearly revealed. The colors in this image show the intensity of the low (red), medium (green) and high (blue) energy X-rays.
Scale: Image is 2 arcmin per side.
(Credit: NASA/CXC/SAO/G. Fabbiano et al.)




http://chandra.harvard.edu/photo/2004/antennae/antennae_panel.jpg
This montage of Chandra images shows a pair of interacting galaxies known as The Antennae. Rich deposits of neon, magnesium, and silicon were discovered in the interstellar gas of this system.
NGC 4038, NGC 4039
References G. Fabbiano et al. 2003, Astrophys. J. Letters (in press), "X-raying Chemical Evolution and Galaxy Formation in The Antennae"
Credit NASA/CXC/SAO/G.Fabbiano et al.


Optical (green & white) + Radio (blue) image of the Antennae.

http://chandra.harvard.edu/photo/2000/0120/n4038rgb72dpi.jpg
Credit: NRAO/AUI/NSF/CTIO/J. Hibbard et al.






NGC 4263 (NGC 4265) é uma galáxia espiral (Sb) localizada na direcção da constelação de Corvus. Possui uma declinação de -12° 13' 32" e uma ascensão recta de 12 horas, 19 minutos e 42,2 segundos.
A galáxia NGC 4263 foi descoberta em 27 de Março de 1786 por William Herschel.
http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_4263



http://cseligman.com/text/atlas/ngc42a.htm#4263
NGC 4263 (= 
NGC 4265 = PGC 39698)
Discovered (Mar 27, 1786) by William Herschel (and later listed as NGC 4263)
Discovered (May 6, 1886) by Lewis Swift (and later listed as NGC 4265)
A 13th-magnitude spiral galaxy (type SAB(rs)b pec) in Corvus (RA 12 19 42.2, Dec -12 13 32)

Per Dreyer, NGC 4263 (GC 2846 = WH III 535, 1860 RA 12 12 26, NPD 101 28.5) is "very faint, pretty large, irregular figure". The second IC notes "4263 no doubt = 4265. Howe saw only one". The position precesses to RA 12 19 39.0, Dec -12 15 10, less than 2 arcmin southwest of the galaxy, and there is nothing else nearby, so the identification is certain. (See NGC 4265 for a discussion of the double listing.) Apparent size 1.2 by 0.6 arcmin.
DSS image of spiral galaxy NGC 4263
Above, a 2.4 arcmin wide closeup of NGC 4263
Below, a 12 arcmin wide region centered on the galaxy
DSS image of region near spiral galaxy NGC 4263


http://cseligman.com/text/atlas/ngc42a.htm#4263




Galaxy Cluster MACS 1206

http://hubblesite.org/gallery/album/entire/pr2011025a/web_print/
Credit: NASAESA, M. Postman (STScI), and the CLASH Team

ABOUT THIS IMAGE:

This image of galaxy cluster MACS J1206.2-0847 (or MACS 1206 for short) is part of a broad survey with NASA's Hubble Space Telescope.
The distorted shapes in the cluster are distant galaxies from which the light is bent by the gravitational pull of an invisible material called dark matter within the cluster of galaxies. This cluster is an early target in a survey that will allow astronomers to construct the most detailed dark matter maps of more galaxy clusters than ever before.


Object Name: MACS J1206.2-0847
Image Type: Astronomical
Credit: NASAESA, M. Postman (STScI), and the CLASH Team





File:Corbeau branche Kyo.jpg
Maruyama Kyo (1733-1795) {{Français}} ''Corbeau sur une branche'' Galerie Janette Ostier, Paris

  






Whitwell, Catherine Vale, 1818, An astronomical catechism. Corvus, Crater and Hydra.




Os desenhos formados pelas estrelas 
- As Constelações - 
 são como janelas que se abrem para a infinitude do universo 
e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, bem mais, 
entre o céu e a terra 
bem como percebendo que o caos, vagarosamente, 
vai se tornando Cosmos 
e sendo por nossa mente conscientizado. 

 Quer dizer, 
nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.

COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward