domingo, 5 de junho de 2016

A Grande Nuvem de Magalhães e as constelações Mons Mensa e Dorado


Olá!

Quando nos voltamos para os céus estrelados bem ao sul 
e encontramos a Grande Nuvem de Magalhães...,
certamente estaremos olhando na direção 
do encontro das constelações Mons Mensa e Dorado.

Nesta região - e na direção da constelação Dorado -
,encontra-se a Nebulosa da Tarântula  (também conhecida como 30 Doradus ou NGC 2070).

O astrônomo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão nos diz, em seu Atlas Celeste:
"Esta nebulosa difusa é reconhecida como a maior do céu em sua espécie.  
Se acaso ela ocupasse a grande nebulosa em Orion, 
seria cerca de três vezes mais brilhante do que Vênus 
e cobriria toda a constelação do Gigante Caçador. 
É o objeto mais brilhante e mais facilmente visível a olho nú 
dentro da Grande Nuvem de Magalhães."

No centro dessa imensa e fantástica Nebulosa, 
encontra-se o aglomerado aberto de estrelas conhecido como NGC 2070 
e em sua condensação central apresenta um aglomerado de estrelas
 denominado como R136 jovem 
e acolhendo estrelas extremamente quentes e luminosas 
e que tornam este objeto um dos aglomerados mais enérgicos que se conhece, 
acolhendo um número expressivo de estrelas bem massivas
 e inclusive, 
a estrela conhecida como R136a1, a estrela mais maciça que se conhece!

Nos arredores da Nebulosa da Tarântula, encontra-se a Supernova 1987a
a primeira supernova visível a olho nu desde o tempo da estrela Kepler, em 1604.

Nesta Postagem onde estaremos comentando sobre a contelação Dorado,
Caro Leitor,
encontre também algumas informações sobre o Grupo Dorado
que apresenta-se ainda de forma mais rica do que nosso Grupo Local.

Outra informação interessante acerca a constelação Dorado é que naquela direção
encontra-se uma estrela anã vermelha denominada Gliese 163 e onde, em 2012,
 foram descobertos cerca de 3 planetas orbitando esta estrela, 
sendo que o planeta Gliese 163C com um periódo orbital de 26 dias 
e localizado na zona habitável 
vem sendo considerado um exoplaneta potencialmente habitável
 e classificado como Super-Terra
 - embora possivelmente não acolha vida complexa 
em virtude de suas altas temperaturas.



A Montanha
chamada de Montanha da Mesa
(Table Mountain)
e que é situada na Cidade do Cabo, África do Sul,
na Terra,
mas que também é acolhida nos céus estrelados do sul:
a constelação Mensa, Mons Mensa,
que compartilha, juntamente com a constelação Dorado, Dourado,
o direcionamento da Grande Nuvem de Magalhães!


A constelação Mons Mensa, a Montanha da Mesa, é realmente diferenciada
pelo fato de ser a única característica terrestre a ser nomeada enquanto um Asterismo
e esta nomeação aconteceu através o astrônomo Nicolas Lacaille
durante sua estada de trabalhos na Cidade do Cabo, África do Sul, 
em meados do século XVIII.

A Montanha da Mesa da Terra, digamos assim, realmente nos atrai a atenção
por causa de seu imenso tamanho
bem como sobre o fato de quase sempre acolhe nuvens
em seu espaçoso tôpo.

Nos céus estrelados do sul, é preciso algum bom esforço
para bem podermos divisar uma montanha encimada por nuvens simpáticas...
- porém compreendemos o fato de que Lacaille quis homenagear
esta belíssima montanha terrestre ao colocá-la figurada por estrelinhas tímidas
porém acolhida esta constelação pela emocionante Grande Nuvem de Magalhães!

Talvez a visualização das Nuvens de Magalhães seja bem mais fácil
do que a visualização propriamente dita das constelações que as acolhem:
Mons Mensa e Dorado situando-se na direção da Grande Nuvem
e Tucano e Hydrus situando-se na direção da Pequana Nuvem.

Se você mora no hemisfério sul, Caro Leitor,
poderá empreender esta árdua tarefa 
de encontrar o desenho estelar dessas constelações,
por que não?

Uma bela "dica" é primeiramente buscar por Canopus,
estrela-alpha Carinae, o Capitão do Navio Argo,
e ainda seguir o olhar em direção ao sul: 
eis que você estará se deparando com a belíssima e emocionante visão
das Nuvens Grande e Pequena de Magalhães!

Boa Observação, Boa Leitura, Bons Estudos!

Com um abraço estrelado,
Janine Milward


Stellarium


Stellarium
Stellarium
Stellarium


Stellarium





http://en.wikipedia.org/wiki/Large_Magellanic_Cloud#mediaviewer/File:Large_Magellanic_Cloud-8sec.jpg

Large Magellanic Cloud-8secView license
Skatebiker Taken from South Africa



http://en.wikipedia.org/wiki/Large_Magellanic_Cloud#mediaviewer/File:Large.mc.arp.750pix.jpg

The Large Magellanic Cloud
Observation data (J2000 epoch)
ConstellationDorado/Mensa
Right ascension05h 23m 34.5s[1]
Declination−69° 45′ 22″[1]
Distance162.98 kly (49.97 kpc)[2][3][4][5]
TypeSB(s)m[1]
Apparent dimensions (V)10.75° × 9.17°[1]
Apparent magnitude (V)0.9[1]
Other designations
LMC, ESO 56- G 115, PGC 17223,[1] Nubecula Major[6]





A Grande Nuvem de Magalhães
Ascensão Reta  05h23m         Declinação -69o.46
Tipo  I - Galáxia Irregular               Magnitude fotográfica aparente   0,86
Dimensões Angulares  432 X432       Distância (milhões de anos-luz) 0,2
(Dados referentes à época 1980, coletados no Atlas Celeste de R.R.de Freitas Mourão, 6a. edição)

Inicialmente, a Grande Nuvem de Magalhães foi classificada como uma galáxia irregular.  

No entanto, mais tarde foram descobertos sinais de estrutura espiralada 
e alguma relação com espirais barrados. 
 A barra é a parte mais interessante da galáxia
 e se parece com uma nuvem estelar brilhante e alongada
 e ao longo dessa barra, existem numerosas nebulosas 
avermelhadas por hidrogênio ionizado, 
e estimuladas pela radiação de estrelas quentes e jovens.  
Nestas regiões são formadas novas estrelas.

- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986


http://en.wikipedia.org/wiki/Large_Magellanic_Cloud#mediaviewer/File:Satellite_Galaxies.JPG
Large Magellanic Cloud
The Large Magellanic CloudThe largest of the satellite galaxies and also the fourth largest galaxy in the Local Group. This galaxy is a large bright object in southern hemisphere skies and it is the brightest galaxy in the sky. It contains several billion stars and many stars are still forming in it, most notably in the Tarantula nebula, a huge concentration of gas and dust over 2000 light years in diameter. A supernova exploded in the Large Magellanic Cloud in 1987 and observations of the expanding supernova remnant provided accurate distance measurements to the galaxy.
Small Magellanic Cloud
The Small Magellanic CloudDespite its name, this galaxy is fairly large for a dwarf galaxy. It contains at least several hundred million stars and is easily visible with the naked eye from the southern hemisphere. Like the Large Magellanic Cloud, there is still a lot star formation taking place within it.
Satellite Galaxies







http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_1722







CARO LEITOR,
CONHEÇA MUITÍSSIMO MAIS
SOBRE A GRANDE NUVEM DE MAGALHÃES
em Imagens maravilhosamente bem detalhadas
acessando







The Large Cloud of Magellan 
Image Credit & Copyright:
 L. Comolli, L. Fontana, G. Ghioldi & E. Sordini
Explanation: 
The 16th century Portuguese navigator Ferdinand Magellan and his crew had plenty of time to study the southern sky during the first circumnavigation of planet Earth. As a result, two fuzzy cloud-like objects easily visible to southern hemisphereskygazers are known as the Clouds of Magellan, now understood to be satellite galaxies of our much larger, spiral Milky Way galaxy. About 160,000 light-years distant in the constellation Dorado, the Large Magellanic Cloud (LMC) is seen here in a remarkably deep, colorful, and annotated composite image. Spanning about 15,000 light-years or so, it is the most massive of the Milky Way's satellite galaxies and is the home of the closest supernova in modern times, SN 1987A. The prominent patch just left of center is 30 Doradus, also known as the magnificent Tarantula Nebula, is a giant star-forming region about 1,000 light-years across.





NGC 2070 - A Nebulosa Tarântula
Esta nebulosa difusa é reconhecida como a maior do céu em sua espécie.  Se acaso ela ocupasse a grande nebulosa em Orion, seria cerca de três vezes mais brilhante do que Vênus e cobriria toda a constelação do Gigante Caçador.
É o objeto mais brilhante e mais facilmente visível a olho nú dentro da Grande Nuvem de Magalhães.

- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986


http://www.30doradus.org/images/30dor/phot-05a-00-normal.jpg

Nebulosa da Tarântula (também conhecida como 30 Doradus ou NGC 2070) é uma região HII na Grande Nuvem de Magalhães, localizada na constelação de Dorado. Ela foi inicialmente considerada uma estrela, mas em 1751 Nicolas Louis de Lacaille identificou-a como uma nebulosa.1 Está a uma distância de cerca de 49 kiloparsecs(160 mil anos-luz) da Terra.3
A Nebulosa da Tarântula é a maior e mais massiva região de formação estelar conhecida no Grupo Local, com um diâmetro de cerca de 200 parsecs (650 anos-luz).3Apesar de ter uma magnitude aparente de 8,1 é um objeto extremamente luminoso, e se estivesse tão perto da Terra quanto a Nebulosa de Órion, cobriria uma área de 60 luas cheias no céu e seu brilho seria suficiente para causar sombras.4 Em seu centro, está localizado o aglomerado estelar R136, que produz grande parte da energia que torna a nebulosa visível. R136 é um jovem aglomerado (idade de 1-2 milhões de anos) de estrelas extremamente quentes e luminosas, a maioria de classe espectral O3.5 A massa estimada do aglomerado é de 450 000 massas solares, sugerindo que ele se torne um aglomerado globular no futuro.6
Além de R136, a Nebulosa da Tarântula contém um aglomerado estelar mais velho, catalogado como Hodge 301, com uma idade de 20–25 milhões de anos. Estima-se que pelo menos 40 estrelas desse aglomerado já explodiram em supernovas, o que provavelmente é a causa de movimentos violentos de gás e emissão de raios-X na região do aglomerado.7
A supernova mais próxima já detectada desde a invenção do telescópioSupernova 1987A, ocorreu nos arredores da Nebulosa da Tarântula.8
http://pt.wikipedia.org/wiki/Nebulosa_da_Tar%C3%A2ntula



http://pt.wikipedia.org/wiki/Nebulosa_da_Tar%C3%A2ntula#mediaviewer/Ficheiro:Spitzer-TarantulaNebula.jpg
Spitzer-TarantulaNebulaDomínio público

NASA's new Spitzer Space Telescope, formerly known as the Space Infrared Telescope Facility, has captured in stunning detail the spidery filaments and newborn stars of the Tarantula Nebula, a rich star-forming region also known as 30 Doradus. This cloud of glowing dust and gas is located in the Large Magellanic Cloud, the nearest galaxy to our own Milky Way, and is visible primarily from the Southern Hemisphere. This image of an interstellar cauldron provides a snapshot of the complex physical processes and chemistry that govern the birth - and death - of stars. At the heart of the nebula is a compact cluster of stars, known as R136, which contains very massive and young stars. The brightest of these blue supergiant stars are up to 100 times more massive than the Sun, and are at least 100,000 times more luminous. These stars will live fast and die young, at least by astronomical standards, exhausting their nuclear fuel in a few million years. The Spitzer Space Telescope image was obtained with an infrared array camera that is sensitive to invisible infrared light at wavelengths that are about ten times longer than visible light. In this four-color composite, emission at 3.6 microns is depicted in blue, 4.5 microns in green, 5.8 microns in orange, and 8.0 microns in red. The image covers a region that is three-quarters the size of the full moon. The Spitzer observations penetrate the dust clouds throughout the Tarantula to reveal previously hidden sites of star formation. Within the luminescent nebula, many holes are also apparent. These voids are produced by highly energetic winds originating from the massive stars in the central star cluster. The structures at the edges of these voids are particularly interesting. Dense pillars of gas and dust, sculpted by the stellar radiation, denote the birthplace of future generations of stars. The Spitzer image provides information about the composition of the material at the edges of the voids. The surface layers closest to the massive stars are subject to the most intense stellar radiation. Here, the atoms are stripped of their electrons, and the green color of these regions is indicative of the radiation from this highly excited, or 'ionized,' material. The ubiquitous red filaments seen throughout the image reveal the presence of molecular material thought to be rich in hydrocarbons. The Tarantula Nebula is the nearest example of a 'starburst' phenomenon, in which intense episodes of star formation occur on massive scales. Most starbursts, however, are associated with dusty and distant galaxies. Spitzer infrared observations of the Tarantula provide astronomers with an unprecedented view of the lifecycle of massive stars and their vital role in regulating the birth of future stellar and planetary systems.




http://www.30doradus.org/images/30dor/30dor_hst_big.jpg


http://www.30doradus.org/index.html
30 Doradus is a huge star-formation complex in the Large Magellanic Cloud. It is the most active starburst region in the entire Local Group of galaxies.
http://www.30doradus.org/30dor_images.html



Supernova 1987 A, na vizinhança da Nebulosa Tarântula
Esta foi  a primeira supernova visível a olho nú desde os tempos da estrela de Kepler, em 1604, e o primeiro objeto de seu tipo suficientemente brilhante para ser observado por todos os tipos de equipamento astronômico, bem como, pela primeira vez, através detectores de neutrinos (que são partículas espraiadas pelo colapso gravitacional do núcleo de uma estrela que se tornou uma supernova em seu estágio final de desenvolvimento).

- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986



SN 1987A was a supernova in the outskirts of the Tarantula Nebula in the Large Magellanic Cloud, a nearby dwarf galaxy. It occurred approximately 51.4kiloparsecs from Earth, approximately 168,000 light-years,[3] close enough that it was visible to the naked eye. It could be seen from the Southern Hemisphere. It was the closest observed supernova since SN 1604, which occurred in the Milky Way itself. The light from the new supernova reached Earth on February 23, 1987.[6] As it was the first supernova discovered in 1987, it was labeled “1987A”. Its brightness peaked in May with an apparent magnitude of about 3 and slowly declined in the following months. It was the first opportunity for modern astronomers to see a supernova up close and observations have provided much insight intocore-collapse supernovae.
http://en.wikipedia.org/wiki/SN_1987A



 http://en.wikipedia.org/wiki/SN_1987A#mediaviewer/File:SN_1987A_HST.jpg
SN 1987A HSTCC BY 3.0
SN 1987A, one of the brightest stellar explosions detected since the invention of the telescope more than 400 years ago[8]
Supernova SN 1987A, one of the brightest stellar explosions since the invention of the telescope more than 400 years ago, is no stranger to the NASA/ESA Hubble Space Telescope. The observatory has been on the frontline of studies into this brilliant dying star since its launch in 1990, three years after the supernova exploded on 23 February 1987. This image of Hubble’s old friend, retreived from the telescope’s data archive, may be the best ever of this object, and reminds us of the many mysteries still surrounding it. Dominating this picture are two glowing loops of stellar material and a very bright ring surrounding the dying star at the centre of the frame. Although Hubble has provided important clues on the nature of these structures, their origin is still largely unknown. Another mystery is that of the missing neutron star. The violent death of a high-mass star, such as SN 1987A, leaves behind a stellar remnant — a neutron star or a black hole. Astronomers expect to find a neutron star in the remnants of this supernova, but they have not yet been able to peer through the dense dust to confirm it is there. The supernova belongs to the Large Magellanic Cloud, a nearby galaxy about 168 000 light-years away. Even though the stellar explosion took place around 166 000 BC, its light arrived here less than 25 years ago. This picture is based on observations done with the High Resolution Channel of Hubble’s Advanced Camera for Surveys. The field of view is approximately 25 by 25 arcseconds.




SN 1987A foi a primeira supernova estudada com aparelhagem moderna. Através dela, astrônomos de todo mundo puderam fortalecer ou eliminar as teorias que estudam a expansão do universo, tendo as supernovas como material de estudo.
A Shelton Sn 1987A ocorreu na Nebulosa da Tarântula, na Grande Nuvem de Magalhães, uma galáxia anã a aproximadamente 170 mil anos-luz da Terra, tendo como progenitora (a que sofreu o colapso) uma estrela conhecida como Sanduleak -69º 202, uma supergigante azul. Pode ser vista a partir do hemisfério sul. Foi a mais próxima supernova observada desde 1604, que ocorreu na própria Via Láctea.
Ela foi descoberta em 24 de fevereiro de 1987, por Ian Shelton da Universidade de Toronto, no Canadá, através do observatório Las Campanas, no Chile. Seu brilho pico em maio, com uma magnitude aparente de cerca de três e diminuiu lentamente nos meses seguintes. Foi a primeira oportunidade para os astrônomos modernos para verem de perto uma supernova. 

http://pt.wikipedia.org/wiki/SN_1987A


http://pt.wikipedia.org/wiki/SN_1987A#mediaviewer/Ficheiro:Supernova-1987a.jpg
Supernova-1987a
First image: Dr. Christopher Burrows, ESA/STScI and NASA; Second image: Hubble Heritage team. - Supernova 1987A: Halo for a Vanished StarMosaic of Supernova 1987A.


http://en.wikipedia.org/wiki/SN_1987A#mediaviewer/File:Composite_image_of_Supernova_1987A.jpg


Remnant of SN 1987A seen in light overlays of different spectra. ALMA data (radio, in red) shows newly formed dust in the center of the remnant. Hubble (visible, in green) and Chandra (X-ray, in blue) data show the expanding shock wave.[1]



http://en.wikipedia.org/wiki/SN_1987A#mediaviewer/File:SN1987a_debris_evolution_animation.gif
SN1987a debris evolution animationCC BY-SA 3.0
Mark McDonald - Larsson, J. et al. (2011). "X-ray illumination of the ejecta of supernova 1987A". Nature 474 (7352): 484–486., video compilation: Mark McDonald
A time sequence of Hubble Space Telescope images, taken in the 15 years from 1994 to 2009, showing the collision of the expanding supernova remnant with a ring of dense material ejected by the progenitor star 20,000 years before the supernova.[5]




Massive Infant Stars Rock their Cradle



http://images.astronet.ru/pubd/2001/04/04/0001167168/ngc1748_hst_big.jpg

Extremely intense radiation from newly born, ultra-bright stars has blown a glowing spherical bubble in the nebula N83B, also known as NGC 1748. A new NASA Hubble Space Telescope image has helped to decipher the complex interplay of gas and radiation of a star-forming region in a nearby galaxy. The image graphically illustrates just how these massive stars sculpt their environment by generating powerful winds that alter the shape of the parent gaseous nebula. These processes are also seen in our Milky Way in regions like the Orion Nebula.
The Hubble telescope is famous for its contribution to our knowledge about star formation in very distant galaxies. Although most of the stars in the Universe were born several billions of years ago, when the Universe was young, star formation still continues today. This new Hubble image shows a very compact star-forming region in a small part of one of our neighboring galaxies - the Large Magellanic Cloud. This galaxy lies only 165,000 light-years from our Milky Way and can easily be seen with the naked eye from the Southern Hemisphere.
Object Names: N83B, NGC 1748
Image Type: Astronomical
Credit: NASAESA, Mohammad Heydari-Malayeri (Observatoire de Paris, France)
LEIA MAIS EM
http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/2001/11/image/a/

NGC 1748 é um aglomerado aberto com nebulosa na direção da constelação de Dorado. O objeto foi descoberto pelo astrônomo John Herschel em 1836, usando umtelescópio refletor com abertura de 18,6 polegadas.
http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_1748




NGC 1722 é um aglomerado aberto com nebulosa na direção da constelação de Dorado. O objeto foi descoberto pelo astrônomo James Dunlop em 1826, usando umtelescópio refletor com abertura de 9 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+13,2), é visível apenas com telescópios amadores ou com equipamentos superiores.

http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_1722



LH 95 is a modestly sized stellar nursery in the Large Magellanic Cloud orbiting the Milky Way. It is related to the HII-region LHA 120-N 64, that is, a region of hydrogen ionized by the bright stars of LH 95.
Previously only young bright stars were known in this stellar association.[1] Imaging using the Hubble Space Telescope, however, allowed the identification of more than 2,500 pre–main sequence stars with masses down to about 0.3 solar masses, thereby giving a detailed picture of what a typical stellar association in the LMC looks like.[2]
The large sample of low-mass pre–main sequence stars, stars that are currently under formation, in LH 95 allows the construction of the first most complete Initial Mass Function of an extragalactic star forming cluster.[3] The Initial Mass Function of LH 95 does not seem to differ from that typical for our Galaxy.

http://en.wikipedia.org/wiki/LH_95#mediaviewer/File:LH_95.jpg
NASA, ESA, and the Hubble Heritage Team (STScI/AURA)-ESA/Hubble Collaboration - HubbleSite: galleryNewsCenter



LHA 120-N11 in the Large Magellanic Cloud


http://www.spacetelescope.org/images/heic1301a/

Nearly 200 000 light-years from Earth, the Large Magellanic Cloud, a satellite galaxy of the Milky Way, floats in space, in a long and slow dance around our galaxy. As the Milky Way’s gravity gently tugs on its neighbour’s gas clouds, they collapse to form new stars. In turn, these light up the gas clouds in a kaleidoscope of colours, visible in this image from the NASA/ESA Hubble Space Telescope.
Credit:
NASA, ESA. Acknowledgement: Josh Lake
http://www.spacetelescope.org/images/heic1301a/



Zoom into LHA 120-N11

This video zooms in from a view of the night sky into the Large Magellanic Cloud, and focuses in on part of LHA 120-N11, a region of glowing dust and gas with ongoing star formation.
Credit:
NASA, ESA, Digitized Sky Survey 2

http://www.spacetelescope.org/videos/heic1301a/




NGC 2035
 é uma nebulosa na direção da constelação de Dorado. O objeto foi descoberto pelo astrônomo James Dunlop em 1826, usando um telescópio refletor com abertura de 9 polegadas.
http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_2035

https://www.eso.org/public/archives/images/screen/eso1348a.jpg

A Grande Nuvem de Magalhães é uma das galáxias mais próximas da nossa. Os astrónomos usaram o poder do Very Large Telescope do ESO para explorar com grande detalhe a NGC 2035, umas das suas regiões menos bem conhecidas. Esta nova imagem mostra nuvens de gás e poeira onde estrelas quentes se estão a formar, ao mesmo tempo que esculpem formas estranhas no seu meio circundante. Mas a imagem mostra também os efeitos da morte das estrelas - filamentos criados por uma explosão de supernova (à esquerda da imagem).
Crédito:
ESO

Situada a apenas 160 000 anos-luz de distância da Terra (eso1311) na constelação do Espadarte, a Grande Nuvem de Magalhães é uma das nossas vizinhas galácticas mais próximas. Encontra-se a formar estrelas de forma ativa em regiões que são tão brilhantes que algumas podem ser vistas a olho nu a partir da Terra, tais como a Nebulosa da Tarântula (eso1033). Esta nova imagem, obtida com o Very Large Telescope do ESO, instalado no Observatório do Paranal no Chile, explora uma região chamada NGC 2035 ou Nebulosa da Cabeça de Dragão (à direita na imagem).

A NGC 2035 é uma região HII, ou nebulosa de emissão, constituída por nuvens de gás que brilham devido à radiação intensa emitida por estrelas jovens. Esta radiação arranca electrões dos átomos do gás, que eventualmente se recombinam com outros átomos emitindo radiação. Misturados com o gás estão nodos densos escuros de poeira que absorvem a radiação em vez de a emitirem, criando assim ao longo da nebulosa troços estreitos intrincados e formas escuras. 

LEIA MAIS EM
http://www.eso.org/public/brazil/news/eso1348/


ESO. Zooming in on the star formation region NGC 2035. HD

http://www.youtube.com/watch?v=GzrBolB4KjQ



http://apod.nasa.gov/apod/ap060206.html
The N44 Superbubble 
Credit & CopyrightGemini Obs.AURANSF
Explanation: What created this gigantic hole? The vast emission nebula N44 in our neighboring galaxy the Large Magellanic Cloud has a large, 250 light-year hole and astronomers are trying to figure out why. One possibility is particle winds expelled by massive stars in the bubble's interior that are pushing out the glowing gas. This answer has been recently found to be inconsistent with measured wind velocities, however. Another possibility is that the expanding shells of old supernovas have sculpted the unusual space cavern. An unexpected clue of hot X-ray emitting gas was recently been detected escaping the N44 superbubble. The above image, here digitally sharpened, was taken in three very specific colors by the huge 8-meter Gemini South Telescope on Cerro Pachonin Chile.

DEM L 159 Nebula and KMHK 840 and 831 Starclusters in the LMC

http://www.eso.org/public/usa/images/eso0332c/
The ionised region DEM L 159 and two clusters with hot stars named KMHK 840 (top left) and KMHK 831 (bottom right). The colours have been enhanced compared to ESO Press Photo eso0332a to clearly show the different shades.
Credit:
ESO



SNR B0544-6910 in the LMC

http://www.eso.org/public/unitedkingdom/images/eso0437d/
Young supernova remnant, B0544-6910 located in the South-East of the ringshaped nebula DEM L 299 in the Large Magellanic Cloud. The sky field measures 3.7 x 3.6 arcmin. North is up and East is left.
Credit:
ESO
http://archive.today/7ASc#selection-2361.0-2377.3






http://en.wikipedia.org/wiki/Large_Magellanic_Cloud#mediaviewer/File:Large_and_small_magellanic_cloud_from_new_zealand.jpg
Large and small magellanic cloud from new zealand
Markrosenrosen - Own work








Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes - CARJ




Mons Mensa, 

Montanha na Terra e Montanha no Céu 


A Montanha
chamada de Montanha da Mesa
(Table Mountain)
e que é situada na Cidade do Cabo, África do Sul,
na Terra,
mas que também é acolhida nos céus estrelados do sul:
a constelação Mensa, Mons Mensa,
que compartilha, juntamente com a constelação Dorado, Dourado,
o direcionamento da Grande Nuvem de Magalhães!

A constelação Mons Mensa, a Montanha da Mesa, é realmente diferenciada
pelo fato de ser a única característica terrestre a ser nomeada enquanto um Asterismo
e esta nomeação aconteceu através o astrônomo Nicolas Lacaille
durante sua estada de trabalhos na Cidade do Cabo, África do Sul, 
em meados do século XVIII.

A Montanha da Mesa da Terra, digamos assim, realmente nos atrai a atenção
por causa de seu imenso tamanho
bem como sobre o fato de quase sempre acolhe nuvens
em seu espaçoso tôpo.
(Confira nas fotos apresentadas mais abaixo, Caro Leitor).

Nos céus estrelados do sul, é preciso algum bom esforço
para bem podermos divisar uma montanha encimada por nuvens simpáticas...
- porém compreendemos o fato de que Lacaille quis homenagear
esta belíssima montanha terrestre ao colocá-la figurada por estrelinhas tímidas
porém acolhida esta constelação pela emocionante Grande Nuvem de Magalhães!




http://en.wikipedia.org/wiki/Table_Mountain#mediaviewer/File:Table_Mountain_DanieVDM.jpg
Table Mountain DanieVDM
Danie van der Merwe from Cape Town, South Africa - View of Table Mountain from Bloubergstrand


"Mensa" constellation

Table Mountain is the only terrestrial feature to give its name to a constellationMensa, meaning The Table. The constellation is seen in the Southern Hemisphere, below Orion, around midnight in mid-July. It was named by the French astronomer Nicolas de Lacaille during his stay at the Cape in the mid 18th century.[

http://en.wikipedia.org/wiki/Table_Mountain


A Montanha da Mesa é a única característica terrestre a nomear uma constelação: Mensa - significando A Mesa. .................. Esta constelação foi nomeada pelo astrônomo francês Nicolas de Lacaille, durante sua estada na Cidade do Cabo, em meados do século XVIII.





http://en.wikipedia.org/wiki/Table_Mountain#mediaviewer/File:Tablemountain_capetown.jpg
Tablemountain capetown
Original uploader was Coda.coza at en.wikipedia





http://www.amazon.com/dp/0486210790/ref=rdr_ext_tmb



- Richard Hinckley Allen, Star Names, Their Lore and Meaning, Dover Publications, Inc, New York, USA

Richard Hinckley Allen, em seu famoso e importantíssimo livro
Star Names — Their Lore and Meaning -,
nos fala bem sinteticamente sobre Mons Mensa:

Mons Mensae, the Table Mountain,
now abbreviated by astronomers to Mensa, is translated by the French as Montagne de la Table; by the Italians, as Monte Tavola; and by the Germans, as Tafelberg.

La Caille, who did so much for our knowledge of the southern heavens, formed the figure from stars under the Greater Cloud, between the poles of the equator and the ecliptic, just north of the polar Octans; the title being suggested by the fact that the Table Mountain, back of Cape Town, "which had witnessed his nightly vigils and daily toils," also was frequently capped by a cloud.

Gould found in the constellation 44 naked-eye stars, the brightest being of 5.3 magnitude; but within its borders is a portion of the Nubecula Major.

http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Gazetteer/Topics/astronomy/_Texts/secondary/ALLSTA/Mons_Mensae*.html





Stellarium

.......................................


La Caille, que tanto fez para nosso conhecimento sobre os céus do sul, formou esta constelação sob A Grande Nuvem, ........................................, ao norte da constelação polar Octans. A nomeação foi sugerida pelo fato de que a Montanha da Mesa, na Cidade do Cabo, "havia testemunhado as vigílias noturnas e as labutas diárias". bem como frequentemente sendo envolvida por uma nuvem.

...................................

"Mensa" constellation

Table Mountain is the only terrestrial feature to give its name to a constellationMensa, meaning The Table. The constellation is seen in the Southern Hemisphere, below Orion, around midnight in mid-July. It was named by the French astronomer Nicolas de Lacaille during his stay at the Cape in the mid 18th century.[

http://en.wikipedia.org/wiki/Table_Mountain


A Montanha da Mesa é a única característica terrestre a nomear uma constelação: Mensa - significando A Mesa. .................. Esta constelação foi nomeada pelo astrônomo francês Nicolas de Lacaille, durante sua estada na Cidade do Cabo, em meados do século XVIII.



Abbé Nicolas Louis de La Caille, comumente chamado de Lacaille, (Rumigny15 de março de 1713 — 21 de março de 1762) foi um astrônomo francêsconhecido principalmente pelo seu trabalho de catalogação de estrelas (cerca de 10 000) e por ter nomeado 14 constelações das 88 atuais. Calculou e tabulou uma lista de eclipses para 1800 anos.

.........................................
Durante os anos de 1750-1754 se dedicou a estudar as estrelas e constelações do hemisfério austral, com este intuito viajou até o Cabo da Boa Esperança na parte mais austral do continente africano. Com base nestas observações publicou o Coelum Australe Stelliferum sua obra mais importante.

...........................................

Lacaille nomeou as seguintes constelações austrais:

Antlia, Caelum, Circinus, Fornax, Horologium, Mensa, Microscopium, Norma, Octans, Pictor, Pyxis, Reticulum, Sculptor, Telescopium.
E ainda dividiu o Navio Argus em Carina, Vela e Puppis.



http://pt.wikipedia.org/wiki/Nicolas_Louis_de_Lacaille


Voyage to the Cape of Good Hope


His desire to determine the distances of the planets trigonometrically, using the longest possible baseline, led him to propose, in 1750, an expedition to theCape of Good Hope. This was officially sanctioned by Roland-Michel Barrin de La Galissonière. There he constructed an observatory on the shore ofTable Bay with the support of the Dutch Governor Ryk Tulbagh. The primary result of his two-year stay was a catalogue of nearly 10,000 southern stars, the production of which required observing every night for over a year. In the course of his survey he took note of 42 nebulous objects. He also achieved his aim of determining the lunar and solar parallaxes (Mars serving as an intermediary). This work required near-simultaneous observations from Europe which were carried out by Jérôme Lalande.


His southern catalogue, called Coelum Australe Stelliferum, was published posthumously in 1763. He found it necessary to introduce 14 newconstellations which have since become standard.[4] One of these was Mons Mensa, the only constellation named after a terrestrial feature (Table Mountain).
http://en.wikipedia.org/wiki/Nicolas_Louis_de_Lacaille



http://www.iau.org/static/public/constellations/gif/MEN.gif



Mensa (Men), a Meseta, é uma constelação do hemisfério celestial sul. O genitivo, usado para formar nomes de estrelas, é Mensae. O nome se originou do Monte Mesa, na Cidade do CaboÁfrica do Sul. Esta constelação contém parte da Grande Nuvem de Magalhães, a outra parte está em Dorado.

As constelações vizinhas, são VolansDoradoHydrusOctans e Chamaeleon.

Esta constelação, além de outras 13, foram criadas pelo astrônomo francês Nicolas Louis de Lacaille, que passou os anos de 1751-1752 catalogando as estrelas do hemisfério sul na Cidade do Cabo, que observava os céus do alto da Table Mountain, ou Monte Mesa (Mons Mensa). Em homenagem a esta montanha, Lacaille acabou por batizar uma de suas constelações com este nome, que é a única que não se refere a instrumento científico ou artístico. De referir que Mons Mensa pertence a uma cadeia de promontórios que termina, junto à costa, no famoso "Adamastor" da lenda Portuguesa ligada ao próprio Cabo da Boa Esperança, onde se situa a Cidade do Cabo.

É uma constelação com estrelas muitas fracas. A estrela mais brilhante α Mansae possui magnitude 5.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Mensa


History

Mensa was created by Nicolas Louis de Lacaille out of dim Southern Hemisphere stars in honor of Table Mountain, a South African mountain. Although the stars of Mensa do not feature in any ancient mythology, the mountain it is named after has a rich mythology. Called "Tafelberg" in Dutch and German, the mesa has two neighboring mountains called "Devil's Peak" and "Lion's Head". Table Mountain features in the mythology of the Cape of Good Hope, notorious for its storms—the explorer Bartolomeu Dias saw the mesa as a mythical anvil for storms. Another myth relating to its dangers comes fromSinbad the Sailor, an Arabic folk hero who saw the mountain as a magnet pulling his ships to the bottom of the sea.[1]


Notable features
Stars

Mensa contains no bright stars, with Alpha Mensae its brightest star at a barely visible magnitude 5.09, making it the faintest constellation in the entire sky.Alpha Mensaeis a solar-type star (class G5 V) 33 light-years from Earth, and is considered a good prospect for harboring an Earth-like planetPi Mensae, on the other hand, while also solar-type (G1) and at 59 light-years, has been found to have a large gas giant in an eccentric orbit crossing the habitable zone, which would effectively rule out the existence of any habitable planets.
Deep-sky objects

Mensa contains part of the Large Magellanic Cloud (the rest being in Dorado).


The first images taken by the Chandra X-Ray Observatory were of PKS 0637-752, a quasar in Mensa with a large gas jet visible in both optical and x-raywavelengths.[citation needed]

http://en.wikipedia.org/wiki/Mensa_(constellation)







http://pt.wikipedia.org/wiki/Mensa#mediaviewer/Ficheiro:Mensa_constellation_map.png



MONS MENSA, A MONTANHA DA MESA, A MESA


Posicionamento
Ascensão Reta 3h20m / 7h37m Declinação -69o.9 / 85o.0

História:
Constelação formada por La Caille, 1752.

Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:
Esta constelação foi assim nomeada - A Montanha da Mesa
 - em função do fato de que La Caille trabalhou 
em um Observatório na Cidade do Cabo, na África do Sul,
 onde existe um complexo de montanhas e uma delas é assim nomeada.

Nesta constelação nos chama a atenção a presença da Grande Nuvem de Magalhães 
- que também faz parte da constelação de Dorado, o Peixe Dourado 
(que acolhe a tão conhecida Nebulosa Tarântula, ainda dentro da Grande Nuvem de Magalhães). 

É uma constelação de estrelas que vão além de magnitude 5, portanto pouco visíveis. 

No entanto, a estrela Beta Mensae situa-se bem ao centro da Nebulosa Tarântula.

Fronteiras:
Dorado, Hydrus, Octantis, Chamaleon, Volans

- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986




Alpha Mensae (33 Mensae) é uma estrela na direção da Mensa. Possui uma ascensão reta de 06h 10m 14.20s e uma declinação de −74° 45′ 09.1″. Suamagnitude aparente é igual a 5.08. Considerando sua distância de 33 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a 5.05. Pertence àclasse espectral G5V.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Alpha_Mensae


Beta Mensae (17 Mensae) é uma estrela na direção da Mensa. Possui uma ascensão reta de 05h 02m 43.00s e uma declinação de −71° 18′ 51.6″. Suamagnitude aparente é igual a 5.30. Considerando sua distância de 642 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a −1.17. Pertence àclasse espectral G8III.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Beta_Mensae


Gamma Mensae (25 Mensae) é uma estrela dupla na direção da constelação de Mensa. Possui uma ascensão reta de 05h 31m 52.66s e uma declinaçãode −76° 20′ 30.0″. Sua magnitude aparente é igual a 5.18. Considerando sua distância de 101 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a 2.73. Pertence àclasse espectral K4III.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Gamma_Mensae


Eta Mensae (16 Mensae) é uma estrela na direção da constelação de Mensa. Possui uma ascensão reta de 04h 55m 11.14s e uma declinação de −74° 56′ 13.2″. Suamagnitude aparente é igual a 5.47. Considerando sua distância de 712 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a −1.23. Pertence à classe espectral K6III.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Eta_Mensae














https://www.facebook.com/markgphoto?fref=photo
http://markg.com.au/
The Arte of the Night - The photography of Mark Gee









PEIXE DOURADO OU PEIXE-ESPADA?

Caro Leitor,

É interessante observarmos o fato de que as Ilustrações advindas do Programa Stellarium mostram o peixe Dourado, a constelação Dorado, com seu rabo acolhendo grande parte da Grande Nuvem de Magalhães e fazendo vizinhança com a Montanha da Mesa, Mons Mensa.

E é também interessante observarmos o fato de que existe alguma relação entre as constelações ao sul que trata de peixes: Dorado e Volans (peixe-voador)... 


Dourado é um nome que batiza peixes tanto de rio quanto de mar.

A imagem abaixo nos apresenta um Dourado de água-doce, peixe de rio, conhecido como o Rei do Rio.  Este peixe gosta de viver em cachoeiras e em corredeiras e gosta de alimentar-se de algumas aves bem como de sardinhas e lambaris.


Peixe de água doce Dourado.
http://www.cpt.com.br/cursos-criacaodepeixes/artigos/peixes-de-agua-doce-do-brasil-dourado-salminus-maxillosus



Existe um outro peixe também denominado de Dourado e que vive no mar de águas quentes e nada bem próximo à superfície.  Esta espécie é de peixes carnívoros, alimentando-se de peixes-voadores, caranguejos, lulas e cavalas. Neste sentido de sua alimentação, é interessante observarmos o fato de que este peixe Dourado - possivelmente sendo representado efetivamente na constelação Dorado - encontra-se praticamente ao lado de outra constelação também denominada enquanto um peixe e um peixe que faz parte da alimentação do Dourado! É a constelação Volans, o peixe-voador!

Coryphaena hippurus por Robbie Cada (FishBase)
"Coryphaena hippurus" por by Robbie Cada - From fishBase. Licenciado sob Domínio público, via Wikimedia Commons - http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Coryphaena_hippurus.PNG#/media/File:Coryphaena_hippurus.PNG
http://pt.wikipedia.org/wiki/Coryphaena_hippurus





No entanto, a Ilustração realizada pelo astrônomo amador Mário Jaci Monteiro nos mostra a cabeça do peixe e com imenso bico, digamos assim, apontando para a Grande Nuvem bem como para a Nebulosa da Tarântula!  E mais: seu desenho não figura o peixe Dourado e sim o peixe Espada, algo assim, assim me parece, e seu bico rijo assemelha-se a uma espécie de espada. O peixe-espada é um peixe marinho, vive nos mares tropicais.

Outras Cartas Celestes também apresentadas neste Trabalho mostram uma linha reta ligando as estrelas Alpha e Beta de Dorado e, segundo me parece, sugerindo um peixe mais esguio, digamos assim, sendo que a estrela-Alpha Doradus faz parte do corpo ligado ao rabo (este concluído pela estrela-Gamma) e a estrela-Beta, já na cabeça, alonga-se até encontrar a estrela-Delta Doradus (figurando o longo bico, a espada).

Na Carta Celeste da IAU, a cabeça parece ser sugerida pela ligação entre as estrelas-Beta, Delta e Theta.  E também é interessante percebermos que o corpo do peixe é sugerido pela não somente ligação entre as estrelas Alpha e Beta Doradus como também existe a introdução da estrela-Zeta Doradus.

Peixe-espada
http://mundo-marinho.mundoentrepatas.com/peixe-espada.htm


A bem da verdade, seja por qual peixe for - ou o real Dourado ou mesmo o Peixe-Espada, estas Ilustrações expressam algum tom de controvérsia em relação ao qual espécie de peixe estaria efetivamente representando a constelação Dorado.




Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes - CARJ





 DORADO, O PEIXE DOURADO

Posicionamento:
Ascensão Reta 3h52m / 6h36m  Declinação -48o.8 / -70o.1
(Dados referentes à época 1980, coletados no Atlas Celeste de R.R.de Freitas Mourão, 6a. edição)

História:
Constelação adicionada por Bayer em 1604.

Fronteiras:
Pictor, Caelum, Horologium, Reticulum, Hydra Macho, Mensa, Volans



Dorado (Dor), o dourado,1 2 é uma constelação do hemisfério celestial sul
O genitivo, usado para formar nomes de estrelas, é Doradus.
 Nesta constelação e estendendo-se até a Meseta,
 encontra-se a Grande Nuvem de Magalhães.


História

Dorado foi uma das doze constelações criadas por Petrus Plancius a partir das observações de Pieter Dirkszoon Keyser e Frederick de Houtman,3 e fez sua primeira aparição num globo celeste com 35 centímetros de diâmetro publicado por volta de 1597 em Amsterdã por Plancius e Jodocus Hondius. Sua primeira aparição num atlas celeste foi no Uranometria de Johann Bayer em 1603, no qual recebeu o nome de Dorado.
Historicamente representada por um dourado, chegou igualmente a ser conhecida entre os séculos XVII e XVIII como Xiphias, o espadarte, como atesta a edição deJohannes Kepler da lista de estrelas de Tycho Brahe denominada Tabulae Rudolphinae de 1627, embora esta última seja uma ilustração imprecisa.4 Também foi representada como um peixe kinguio.3 O nome Dorado tornou-se dominante e foi adotado pela União Astronômica Internacional.


Stellarium
Stellarium
Stellarium

Stellarium


Quando nos voltamos para os céus estrelados bem ao sul e encontramos a Grande Nuvem de Magalhães...,certamente estaremos olhando na direção do encontro das constelações Mons Mensa e Dorado.

Nesta região - e ainda na direção da constelação Dorado -,encontra-se a Nebulosa da Tarântula  (também conhecida como 30 Doradus ou NGC 2070).

O astrônomo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão nos diz, em seu Atlas Celeste:
"Esta nebulosa difusa é reconhecida como a maior do céu em sua espécie.  Se acaso ela ocupasse a grande nebulosa em Orion, seria cerca de três vezes mais brilhante do que Vênus e cobriria toda a constelação do Gigante Caçador. É o objeto mais brilhante e mais facilmente visível a olho nú dentro da Grande Nuvem de Magalhães."

No centro dessa imensa e fantástica Nebulosa, encontra-se o aglomerado aberto de estrelas conhecido como NGC 2070 e em sua condensação central apresenta um aglomerado de estrelas denominado como R136 jovem e acolhendo estrelas extremamente quentes e luminosas e que tornam este objeto um dos aglomerados mais enérgicos que se conhece, acolhendo um número expressivo de estrelas bem massivas e inclusive, a estrela conhecida como R136a1, a estrela mais maciça que se conhece!


Nos arredores da Nebulosa da Tarântula, encontra-se a Supernova 1987a
a primeira supernova visível a olho nu desde o tempo da estrela Kepler, em 1604.

Nesta Postagem onde estaremos comentando sobre a contelação Dorado,
Caro Leitor,
encontre também algumas informações sobre o Grupo Dorado
que apresenta-se ainda de forma mais rica do que nosso Grupo Local.

Outra informação interessante acerca a constelação Dorado é que naquela direção
encontra-se uma estrela anã vermelha denominada Gliese 163 e onde, em 2012, foram descobertos cerca de 3 planetas orbitando esta estrela, sendo que o planeta Gliese 163C com um periódo orbital de 26 dias e localizado na zona habitável vem sendo considerado um exoplaneta potencialmente habitável e classificado como Super-Terra - embora possivelmente não acolha vida complexa em virtude de suas altas temperaturas.








http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_1722




Estrelas e Objetos Interessantes, em Dourado:

Caro Leitor, ao comentarmos sobre a Grande Nuvem de Magalhães - mais acima -,
certamente incluímos vários Objetos Celestes muitíssimo interessantes e que podem ser encontrados na direção da simpática constelação Dorado, o Peixe Dourado.



Programa Stellarium
Alpha Doradus (8 Doradus) é uma estrela dupla na direção da Dorado. Possui uma ascensão reta de 04h 33m 59.72s e uma declinação de −55° 02′ 42.0″. Suamagnitude aparente é igual a 3.30. Considerando sua distância de 176 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a −0.36. Pertence à classe espectral A0IIIp(Si). É uma estrela variável α² Canum Venaticorum.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Alpha_Doradus


Programa Stellarium

Beta Doradus (29 Doradus) é uma estrela na direção da Dorado. Possui uma ascensão reta de 05h 33m 37.52s e uma declinação de −62° 29′ 23.5″. Sua magnitude aparente é igual a 3.76. Considerando sua distância de 1038 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a −3.76. Pertence à classe espectral F4-G4Ia-II. É uma estrela variável cefeida.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Beta_Doradus


Programa Stellarium

Gamma Doradus (3 Doradus) é uma estrela na direção da constelação de Dorado. Possui uma ascensão reta de 04h 16m 01.49s e uma declinação de −51° 29′ 13.5″. Sua magnitude aparente é igual a 4.26. Considerando sua distância de 66 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a 2.72. Pertence àclasse espectral F0V-F5V. É uma estrela variável, protótipo das variáveis γ Doradus.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Gamma_Doradus





Programa Stellarium


Delta Doradus (33 Doradus) é uma estrela na direção da constelação de Dorado. Possui uma ascensão reta de 05h 44m 46.42s e uma declinação de −65° 44′ 07.9″. Sua magnitude aparente é igual a 4.34. Considerando sua distância de 145 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a 1.10. Pertence à classe espectral A7V.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Delta_Doradus





















Theta Doradus (22 Doradus) é uma estrela na direção da constelação de Dorado. Possui uma ascensão reta de 05h 13m 45.43s e uma declinação de −67° 11′ 07.3″. Sua magnitude aparente é igual a 4.81. Considerando sua distância de 546 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a −1.31. Pertence à classe espectral K2III.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Theta_Doradus




Programa Stellarium

Zeta Doradus (20 Doradus) é uma estrela na direção da constelação de Dorado. Possui uma ascensão reta de 05h 05m 30.69s e uma declinação de −57° 28′ 22.8″. Sua magnitude aparente é igual a 4.71. Considerando sua distância de 38 anos-luz em relação à Terra, sua magnitude absoluta é igual a 4.38. Pertence à classe espectral F7V.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Zeta_Doradus



R Doradus - Estrela Variável
Ascensão Reta 04h36m    Declinação -62o.10
Magnitudes: Max 4,5  Min 7,0   Período 335,0
Tipo PLG    Espectro M7
(Dados referentes à época 1980, coletados no Atlas Celeste de R.R.de Freitas Mourão, 6a. edição)


R Doradus (also called HD 29712) is the name of a red giant Mira variable star in the far-southern constellation Dorado, although visually it appears more closely associated with the constellation Reticulum. Its distance from Earth is 178 ± 10 light-years (54.6 ± 3.1 parsecs).[1] Having a uniform disk diameter of 0.057 ± 0.005arcsec,[8] it is currently believed to be the star with the second largest apparent size as viewed from Earth (right after the Sun). The estimated diameter of R Doradus is 515 ± 70 million km (3.46 AU) or 370 ± 50[7] times the diameter of the Sun. If placed at the centre of the Solar System, the orbit of Mars and most of the main asteroid belt would be contained within the star.
The visible magnitude of R Doradus varies between 4.8 and 6.6, which makes it usually just visible to the naked eye, but in the infrared it is one of the brightest stars in the sky and its total luminosity is 6500 ± 1400 times that of the Sun.[9] With a near-infrared J band magnitude of −2.6,[4] only Betelgeuse at −2.9 is brighter.
http://en.wikipedia.org/wiki/R_Doradus


Supernova 1987 A, na vizinhança da Nebulosa Tarântula
Esta foi  a primeira supernova visível a olho nú desde os tempos da estrela de Kepler, em 1604, e o primeiro objeto de seu tipo suficientemente brilhante para ser observado por todos os tipos de equipamento astronômico, bem como, pela primeira vez, através detectores de neutrinos (que são partículas espraiadas pelo colapso gravitacional do núcleo de uma estrela que se tornou uma supernova em seu estágio final de desenvolvimento).

- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986



Gliese 163 é uma M3.5V estrela anã vermelha situada a 49 anos-luz (15 parsecs) de distância em relação ao Sol, na constelação Dorado.1 Esta estrela também pode ser chamada de "HIP 19394" e "LHS 188".
Em setembro de 2012, astrónomos usando o HARPS anunciaram a descoberta de 2 planetas em torno de Gliese 163, completando assim 3 planetas já descobertos orbitando esta estrela.2 3 O planeta Gliese 163 c, com um período orbital de 26 dias, foi potencialmente considerado como estando localizado nazona habitável, embora mais quente que a Terra. Com uma massa de 6.9 vezes a da Terra seria uma Super-Terra que de acordo com as atuais teorias de formação planetária indicam que é mais provável uma mistura de água e rocha. Um segundo planeta, chamado Gliese 163 b, com um período orbital de 9 dias, seria quente demais para ser considerado habitável. Existe evidências de um terceiro planeta chamado Gliese 163 d, embora ainda não confirmado, que segundo consta orbitaria mais longe do que "c" e "b".2 3
http://pt.wikipedia.org/wiki/Gliese_163

"Planets Under a Red Sun" por NASA/JPL-Caltech - NASA Image of the Day. Licenciado sob Domínio público, via Wikimedia Commons - http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Planets_Under_a_Red_Sun.jpg#/media/File:Planets_Under_a_Red_Sun.jpg
Uma concepção artística da estrela anã vermelha cercada por três planetas ("b", "c" e "d").


Gliese 163 c (play /ˈɡlzə/) ou abreviadamente Gl 163 c é um potencial exoplaneta habitável,1 2 orbitando a anã vermelha Gliese 163.3 Está situado a aproximadamente 49anos-luz da Terra na constelação Dorado. Nesse sistema planetário já foram descobertos 3 planetas. Com uma massa de 6.9 a da Terra,1 2 foi classificado como uma Super-Terra.1 2 Porém, pensa-se que não haja vida complexa (inteligente), devido às temperaturas altas.2
http://pt.wikipedia.org/wiki/Gliese_163_c


............................................
Gliese 163c was one of two alien planets found orbiting the star Gliese 163, which lies about 50 light-years from Earth in the Dorado constellation The team found indications of a third planet as well but cannot confirm it at this time.
...............................................



A Hot Potential Habitable Exoplanet around Gliese 163




Caption: Current six potential habitable exoplanets ranked by similarity with Earth (Earth = 1.00). Four of these objects have been detected in the last year, from September 2011 to today. Gliese 163c is represented here as a rock-water world of 2.4 Earth radii, however, it could be as small as 1.8 Earth radii if composed mostly of rock, like Earth. CREDIT: PHL @ UPR Arecibo
http://phl.upr.edu/press-releases/ahotpotentialhabitableexoplanetaroundgliese163



http://en.wikipedia.org/wiki/Milky_Way#mediaviewer/File:6_Virgo_Supercluster_(ELitU).png
6 Virgo Supercluster (ELitU)CC BY-SA 3.0
Andrew Z. Colvin - Own work


The Dorado Group is a loose concentration of galaxies[2] containing both spirals and ellipticals.[3] It is generally considered a 'galaxy group' but may approach the size of a 'galaxy cluster'.[6] It lies primarily in the southern constellation Dorado and is one of the richest galaxy groups of the Southern Hemisphere.[7] Gérard de Vaucouleurs was the first to identify it in 1975 as a large complex nebulae II in the Dorado region,[2] designating it as G16.[3]
....................................................
At the center of the cluster lie interacting galaxies[11] NGC 1549 and NGC 1553. The dominant group members, ordered by luminosity, are: spiral NGC 1566,lenticular NGC 1553, and elliptical NGC 1549.[6] The group spans an area of the sky 10° square which represents around 3 Mpc square.[2] The group exhibits a relatively small harmonic mean radius (230 ± 40 kpc) due to the concentration at its core of more luminous galaxies.[6] All together, the group has an overall luminosity of 7.8 ± 1.6 ×1010 L.[6]
The Dorado Group contains three dominant smaller groups within itself, NGC 1672 GroupNGC 1566 Group and the NGC 1433 Group, as evidenced by the H Idistribution of the region.[5] The Dorado Group is in the Fornax Wall that connects these three groups.[5] Because it is in the Fornax Wall, it is at a similar distance as the Fornax Cluster.[10] The Dorado Group is interesting for being richer than the Local Group, while still being dominated by disk types of galaxies (i.e. its two brightest members are spiral NGC 1566 and lenticular NGC 1553) and its member galaxies have H I masses on par with non-interacting galaxies of the same morphological type.[10] With the group's apparent crossing time being 12.6 ± 0.6[6] % of the universe's age, recent analyses deduce that the group is unvirialized, and thus this may explain the abundance of spirals and H I.[10]
http://en.wikipedia.org/wiki/Dorado_Group





http://www.iau.org/static/public/constellations/gif/DOR.gif



NGC 2070 - A Nebulosa Tarântula
Esta nebulosa difusa é reconhecida como a maior do céu em sua espécie.  Se acaso ela ocupasse a grande nebulosa em Orion, seria cerca de três vezes mais brilhante do que Vênus e cobriria toda a constelação do Gigante Caçador.
É o objeto mais brilhante e mais facilmente visível a olho nú dentro da Grande Nuvem de Magalhães.

- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986


http://www.30doradus.org/images/30dor/phot-05a-00-normal.jpg

Nebulosa da Tarântula (também conhecida como 30 Doradus ou NGC 2070) é uma região HII na Grande Nuvem de Magalhães, localizada na constelação de Dorado. Ela foi inicialmente considerada uma estrela, mas em 1751 Nicolas Louis de Lacaille identificou-a como uma nebulosa.1 Está a uma distância de cerca de 49 kiloparsecs(160 mil anos-luz) da Terra.3
A Nebulosa da Tarântula é a maior e mais massiva região de formação estelar conhecida no Grupo Local, com um diâmetro de cerca de 200 parsecs (650 anos-luz).3Apesar de ter uma magnitude aparente de 8,1 é um objeto extremamente luminoso, e se estivesse tão perto da Terra quanto a Nebulosa de Órion, cobriria uma área de 60 luas cheias no céu e seu brilho seria suficiente para causar sombras.4 Em seu centro, está localizado o aglomerado estelar R136, que produz grande parte da energia que torna a nebulosa visível. R136 é um jovem aglomerado (idade de 1-2 milhões de anos) de estrelas extremamente quentes e luminosas, a maioria de classe espectral O3.5 A massa estimada do aglomerado é de 450 000 massas solares, sugerindo que ele se torne um aglomerado globular no futuro.6
Além de R136, a Nebulosa da Tarântula contém um aglomerado estelar mais velho, catalogado como Hodge 301, com uma idade de 20–25 milhões de anos. Estima-se que pelo menos 40 estrelas desse aglomerado já explodiram em supernovas, o que provavelmente é a causa de movimentos violentos de gás e emissão de raios-X na região do aglomerado.7
A supernova mais próxima já detectada desde a invenção do telescópioSupernova 1987A, ocorreu nos arredores da Nebulosa da Tarântula.8
http://pt.wikipedia.org/wiki/Nebulosa_da_Tar%C3%A2ntula



http://pt.wikipedia.org/wiki/Nebulosa_da_Tar%C3%A2ntula#mediaviewer/Ficheiro:Spitzer-TarantulaNebula.jpg
Spitzer-TarantulaNebulaDomínio público

NGC 1566 is an intermediate spiral galaxy in the constellation Dorado. It is the dominant[3] member of the Dorado Group and also its brightest member.[4][5] It is one of the brightest Seyfert galaxies in the sky.[3] Its absolute luminosity is 3.7×1010 L.[6] It contains 1.4×1010 M of H I.[6]
http://en.wikipedia.org/wiki/NGC_1566





http://en.wikipedia.org/wiki/NGC_1566#mediaviewer/File:Grand_Swirls_NGC_1566.jpg

Grand Swirls NGC 1566CC BY 2.0
NASA Goddard Space Flight Center - http://www.flickr.com/photos/gsfc/14172908657/
This new Hubble image shows NGC 1566, a beautiful galaxy located approximately 40 million light-years away in the constellation of Dorado (The Dolphinfish). NGC 1566 is an intermediate spiral galaxy, meaning that while it does not have a well-defined bar-shaped region of stars at its center — like barred spirals — it is not quite an unbarred spiral either. The small but extremely bright nucleus of NGC 1566 is clearly visible in this image, a telltale sign of its membership of the Seyfert class of galaxies. The centers of such galaxies are very active and luminous, emitting strong bursts of radiation and potentially harboring supermassive black holes that are many millions of times the mass of the sun. NGC 1566 is not just any Seyfert galaxy; it is the second brightest Seyfert galaxy known. It is also the brightest and most dominant member of the Dorado Group, a loose concentration of galaxies that together comprise one of the richest galaxy groups of the southern hemisphere. This image highlights the beauty and awe-inspiring nature of this unique galaxy group, with NGC 1566 glittering and glowing, its bright nucleus framed by swirling and symmetrical lavender arms. This image was taken by Hubble’s Wide Field Camera 3 (WFC3) in the near-infrared part of the spectrum. European Space Agency Credit: ESA/Hubble & NASA, Acknowledgement: Flickr user Det58 NASA image use policy. NASA Goddard Space Flight Center enables NASA’s mission through four scientific endeavors: Earth Science, Heliophysics, Solar System Exploration, and Astrophysics. Goddard plays a leading role in NASA’s accomplishments by contributing compelling scientific knowledge to advance the Agency’s mission. Follow us on Twitter Like us on Facebook Find us on Instagram
http://en.wikipedia.org/wiki/NGC_1566






NGC 1553 is a prototypical[3] lenticular galaxy in the constellation Dorado. It is the second brightest member of the Dorado Group of galaxies.[4][5][6] British astronomerJohn Herschel discovered NGC 1553 on December 5, 1834 using an 18.7 inch reflector.[7]
.................................
It forms a pair of interacting galaxies together with elliptical NGC 1549[8] which lies 11′.8 away from it in the sky.[2] Their interaction appears to be in the early stage and can be seen in optical wavelengths by faint but distinct irregular shells of emission and a curious jet on the northwest side.[2][3] Together, these two galaxies comprise the center of the Dorado group.[8]

http://en.wikipedia.org/wiki/NGC_1553


http://en.wikipedia.org/wiki/NGC_1553#mediaviewer/File:NGC_1553_Hubble.jpg
NGC 1553 HubblePublic Domain
The original uploader was Friendlystar at English Wikipedia - Transferred from en.wikipedia to Commons by Mike Peel using CommonsHelper.






The Dorado Group contains three dominant smaller groups within itself, NGC 1672 GroupNGC 1566 Group and the NGC 1433 Group, as evidenced by the H Idistribution of the region.[5] The Dorado Group is in the Fornax Wall that connects these three groups.[5] Because it is in the Fornax Wall, it is at a similar distance as the Fornax Cluster.[10] The Dorado Group is interesting for being richer than the Local Group, while still being dominated by disk types of galaxies (i.e. its two brightest members are spiral NGC 1566 and lenticular NGC 1553) and its member galaxies have H I masses on par with non-interacting galaxies of the same morphological type.[10] With the group's apparent crossing time being 12.6 ± 0.6[6] % of the universe's age, recent analyses deduce that the group is unvirialized, and thus this may explain the abundance of spirals and H I.[10]

http://en.wikipedia.org/wiki/Dorado_Group









http://en.wikipedia.org/wiki/Galaxy_filament#mediaviewer/File:2MASS_LSS_chart-NEW_Nasa.jpg


2MASS LSS chart-NEW NasaPublic Domain
IPAC/Caltech, by Thomas Jarrett - "Large Scale Structure in the Local Universe: The 2MASS Galaxy Catalog", Jarrett, T.H. 2004, PASA, 21, 396






Os desenhos formados pelas estrelas
 – As Constelações -
 são como janelas que se abrem para a infinitude do universo
 e que possibilitam nossa mente
 a ir percebendo que existe mais, bem mais, 
entre o céu e a terra 
bem como percebendo que o caos, 
vagarosamente, 
vai se tornando Cosmos 
e sendo por nossa mente conscientizado.  

Quer dizer, 
nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.

COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward




Wonder and Mystery above the Very Large Telescopes 
Credit: Yuri Beletsky (ESO)





http://apod.nasa.gov/apod/image/1105/vltsky_beletsky_3114.jpg
Wonder and Mystery above the Very Large Telescopes 

Credit: Yuri Beletsky (ESO)