terça-feira, 19 de julho de 2016

Lua Cheia entre Sagittarius e Capricornus versus Sol entre Gemini e Cancer


Olá!

Hoje é dia de Lua Cheia,
Lua dos Poetas, dos Seresteiros e dos Enamorados!

Ao final da tarde,
quando a carruagem do Sol se retirar de cena
no horizonte oeste,
a Lua entrará em cena
no horizonte leste
- triste sina, a de Selene, sempre distanciada do Sol
em seu momento de maior beleza!

.Nesta Postagem,
viaje (em vídeo) em uma espaçonave em torno da Lua
e veja como a NASA opera o Lunar Reconnaissance Orbiter;
bem como encontre algumas palavras
sobre o momento da Lua Cheia no campo
e o momento da Lua Cheia na cidade.

Observe, Caro Leitor,
que algumas estrelas podem ser visualizadas
mesmo apesar da grande luminosidade da Lua Cheia
e na horinha do Plenilúnio
(para a região sudeste do Brasil 
um tantinho antes das dezenove horas):
ao norte, Altair em Aquila e Vega em Lyra
acompanham Arcturus em Bootes;
bem no meio do céu, no zênite,
Marte ainda em Libra
e Saturno na fronteira entre Scorpius e Ophiucus
e ainda Antares em Scorpius
encantam nossa vida;
mais ou menos na mesma linha
porém já em direção ao oeste,
vamos encontrar Spica em Virgem
e Júpiter (sendo visitado por Juno)
em Leão;
finalmente, ao sul vamos encontrar
Fomalhaut em Piscis Austrinus 
e entrando em cena, porém timidamente;
Rigel Kent e Hadar em Centaurus
testemunhando a presença sempre presente
(para nós do hemisfério sul)
da Crux, a cruz dos céus estrelados
de nosso coração.

Será que você, morador das cidades iluminadas,
conseguirá encontrar todas estas estrelas
..... e ainda outras mais?
Assim espero!

Na roça e um tantinho distante das luzes da cidade,
tudo fica tão iluminado que dá para sairmos caminhando
e, 
como se fôssemos corujas com seus olhos perspicazes que a tudo veem, 
irmos  vivenciando a natureza 
quase como se estivéssemos passeando durante o dia!

A bem da verdade, as estrelas desaparecem!
Quer dizer, quase todas as estrelas desaparecem,

restando apenas as estrelas de magnitudes mais expressivas

Com um abraço estrelado,
Janine Milward




Stellarium


Stellarium



Confira nas Ilustrações abaixo,
Caro Leitor,
sobre o posicionamento da Lua Cheia
entre as constelações Sagittarius e Capricornus
enquanto o posicionamento do Sol

acontece entre as constelações Gemini e Cancer.




Stellarium


Stellarium

Stellarium





Conduzindo uma nave espacial Lunar



NASA | Driving A Lunar Spacecraft
https://www.youtube.com/watch?v=z8OIKhaxzR4




Publicado em 27 de jul de 2015
Want to fly a spacecraft around the Moon? Take this video for a spin to see how NASA operates the Lunar Reconnaissance Orbiter.

This video is public domain and can be downloaded at: http://svs.gsfc.nasa.gov/cgi-bin/deta...

To learn more about the Lunar Reconnaissance Orbiter, visit: http://lunar.gsfc.nasa.gov


https://www.youtube.com/watch?v=z8OIKhaxzR4








Fly Me To The Moon

Frank Sinatra





https://www.youtube.com/watch?v=QKhcTfskXJ4
Publicado em 12 de jun de 2014

Fly Me To The Moon - Frank Sinatra - Lyrics
---
Fly me to the moon
And let me play among the stars
Let me see what spring is like
On a Jupiter and Mars.

In other words, hold my hand
In other words, baby, kiss me.

Fill my heart with song
and let me sing forever more
You are all I long for
All I worship and adore.

In other words, please be true
In other words, I love you.

Fill my heart with song
Let me sing forever more
You are all I long for
All I worship and adore.

In other words, please be true.
In other words, I love you.
In other words, I love you.
---
Songwriters
BART HOWARD






Stellarium




Sempre a Lua Cheia nos inunda com sua iluminação intensa, 
com sua claridade gloriosa,
não é verdade,
tornando nossa vida no campo inteiramente emocionada,
iluminando a tudo e a todos,
iluminando as nuvens,
iluminando as areias das praias
iluminando os caminhos da roça,
iluminando os animais transeuntes,
iluminando árvores e riachos,
trazendo tons prateados às flores e folhas
e às águas ondulantes e cantarolantes.

No entanto, também a intensa iluminação de Selene em Plenilúnio
faz acontecerem sombras,
sombras nas nuvens emboladas,
sombras nas dunas das praias,
sombras nos caminhos sob árvores,
sombras realizadas por flores e por folhas,
sombra entre um cantarolar e outro das águas ondulantes.

No enamorados que passeiam de mãos dadas nos caminhos da vida
também a Lua Cheia os inunda de iluminação e de sombra,
deixando sua iluminação sobre seus rostos e corpos ardentes,
deixando suas sombras em suas bocas sedentas 
e escondidas e entrelaçadas entre si.

Apesar da luz prateada e quase aparentemente fria da Lua Cheia,
os corpos dos enamorados incendeiam-se
e tornam-se dourados
- quase como que captando o dourado da luz do Sol...
luz que está sendo refletida pela luz prateada da Lua.

No céu estrelado..., onde estão as estrelas?
A Lua Cheia escondeu as estrelas mais tímidas,
afastando-as, recuando-as através de suas coxias,
fazendo-as restar nos bastidores, escondidas,
fazendo com que o palco iluminado
apenas acolha grandes estrelas, estrelonas
(que se atrevem a ficar, mesmo sob a intensa luminosidade
de Selene altaneira, orgulhosa, imensamente gorda e feliz).

Penso que estas observações não fazem parte
da vida de quem mora nas cidades
sob as fortes luzes artificiais queimando tempo e espaço,
queimando a visão das estrelas,
queimando a visão da natureza,
queimando a visão da própria Lua
- que, mesmo vexada, continua iluminando
a tudo e a todos...

Nas cidades poluídas pela luz artificial
a luz natural da Lua parece encolher-se
e literalmente desaparecer...,
deixando que a bela Selene
apenas se mostre quase como se fosse
uma bola de futebol lançada
a (quase) êsmo
 ao espaço.

No campo, na roça,
a Lua Cheia nos inunda com sua claridade gloriosa,
transforma a noite em dia,
fogueiras não são acesas
e a vida continua
como se dormir não fosse preciso
- acordar apenas.
,
No campo, a luz prateada 
(chamada de luar)
nos faz esquecer a luz dourada do Sol que se foi...
e que promete retornar
tão logo a Lua Cheia se esconder
por detrás dos morros ondulados
lá pelos lados do oeste
já manhãzinha,
já final de plenitude lunar.


Com um abraço estrelado,
Janine Milward