sábado, 29 de outubro de 2016

Fomalhaut, alpha Piscis Austrinii, a Boca do Peixe usufruindo das águas estrelares vertidas pelo Jarro do Aguadeiro


Olá!

Viemos comentando sobre a constelação Aquarius, o Aguadeiro,
em Postagens recentes, não é verdade,
e dissemos que é composta por estrelinhas tímidas
e formando marolinhas, ondinhas ziguezaguantes....

No entanto, existe uma estrela que parece confundir-se
com as estrelas formadoras do Aguadeiro:
é a belíssima estrela-alpha Piscis Austrini, 
Fomalhaut,
que acolhe o primeiro exoplaneta 
encontrado através de fotografias e denominado
Fomalhaut B.

A bem da verdade,
Fomalhaut, a Boca do Peixe Austral,
parece usufruir
das águas estrelares vertidas
pelo jarro do Aguadeiro...

Fomalhaut é uma das quatro estrelas reais 
(assim consideradas pelos antigos persas),
sendo a única estrela (entre as quatro)
que se situa mais distanciada da Linha da Eclíptica 
- pois que as demais três estrelas reais assim beijavam 
este aparente caminho do Sol durante a Era de Touro
- Aldebaran (alpha Tauri), Regulus (alpha Leonis) 
e Antares (alpha Scorpii).

Nesta Postagem, Caro Leitor,
você encontrará, primeiramente,
um tantinho de informações 
sobre a constelação do Peixe Austral
e sua estrela-alpha, Fomalhaut,
e seu já conhecido Planeta, Fomalhaut B.

Ao final de nossa Postagem,
você encontrará dois dedos de prosa
sobre as Quatro Estrelas-Reais dos antigos persas.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward


Stellarium



Stellarium



DSS image of Fomalhaut (ground-based image)

This image shows Fomalhaut, the star around which the newly discovered planet orbits. Fomalhaut is much hotter than our Sun, 15 times as bright, and lies 25 light-years from Earth. It is blazing through hydrogen at such a furious rate that it will burn out in only one billion years, 10% the lifespan of our star. The field of view is 2.7 x 2.9 degrees.
Credit:   NASA, ESA, and the Digitized Sky Survey 2. Acknowledgment: Davide De Martin (ESA/Hubble)





-  Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes -  Apoio: CARJ/MEC/CAPES/PADCT-SPEC  -  




PISCIS AUSTRALIS
ou PISCIS AUSTRINUS
O PEIXE AUSTRAL


Esta constelação situa-se entre Aquarius e Grus 
e sua estrela Alpha, Fomalhaut chama a atenção 
numa região do céu do sul que é bem menos preenchida por estrelas brilhantes
 - inclusive dentro dessa mesma constelação - 
onde os demais membros vão além magnitude 3.

Fomalhaut.  Alpha Piscis Australi ou Piscis Austrini. 
Ascensão Reta 22h 56,5m - Declinação -29o 44’
Magnitude visual 1,29 - Distância 22 anos-luz
Uma estrela avermelhada na boca do Peixe ao Sul. 
De Fum al Hut, a Boca do Peixe. 
 Foi uma das quatro estrelas reais da Pérsia, 
por volta de  3.000 anos a.c,
 atuando como a Guardiã do Sul e marcando o solstício de inverno.


Informações reunidas e compiladas de
- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986 



Johann Bode, Uranographia, 1801


The text is in the public domain.
[image ALT: a blank space]
Piscis Australis, the Southern Fish,
is the Italian Pesce Australe; the French Poisson Austral; and the German Südliche Fisch. It lies immediately south of Capricorn and Aquarius, in that part of the sky early known as the Water, Aratos describing the figure as "on his back the Fish," and
The Fish reversed still shows his belly's stars;
but modern representations give it in a normal attitude. In either case, however, it is very unnaturally drinking the whole outflow from the Urn. This idea of the Fish drinking the Stream is an ancient one, and may have given rise to the title Piscis aquosus, found with Ovid and in the 4th Georgic, which has commonly been referred to this constellation; Vergil mentioning it in his directions as to the time for gathering the honey harvest; but the proper application of this adjectival title is uncertain, for Professors Ridgeway and Wilkins, in their admirable article onAstronomia in Doctor Smith's Dictionary of Greek and Roman Antiquities, write:
The Piscis in question has been variously supposed to be one of the Fishes in the Zodiac — the Southern Fish — Hydra — the Dolphin — or even the Scorpion.

Smyth said that
In the early Venetian editions of Hyginus, there is a smaller fish close under it, remora fashion, interfering with the Solitarius by which that astronomer, from its insulated position, designated Piscis Notius.

Accordingly the edition of 1488, with this representation, had it Pisces, and the German manuscript of the 15th century showed it with a still larger companion.
The figure is strangely omitted from the Farnese globe, the stream from the Urn of Aquarius ending at the tail of Cetus.

In early legend our australis was the parent of the zodiacal two, and has always been known under this specific title, varied by the other adjectives of equivalent signification, austrinus, meridionalis, and notius.

La Lande asserted that Dupuis had proved this to be the sky symbol of p345the god Dāgōn of the Syrians, the Phagre and Oxyrinque adored in Egypt; and it even has been associated with the still greater Oannes.

It also was Ἰχθύς and Ἰχθύς νότιος; Ἰχθύς μέγας and Piscis magnus; Ἰχθύς μονάζων and Piscis solitarius; Piscis Capricorni, from its position; and it is specially mentioned by Avienus as the Greater Fish. Longfellow, in the notes to his translation of the Divine Comedy, called it the Golden Fish, probably as being so much more conspicuous than those in the north.

When the Arabians adopted the Greek constellations and names this became Al ūt al Janūbiyy, the Large Southern Fish, distorted in late mediaeval days into Haut elgenubi, and given by Chilmead as Ahaut Algenubi; but their figure was extended further to the south than ours, and so included stars of the modern Grus. Smyth wrote of it:
The Mosaicists held the asterism to represent the Barrel of Meal belonging to Sarephtha's widow; but Schickard pronounces it to be the Fish taken by St. Peter with a piece of money in its mouth.

Bayer said that it partook of the astrological character of the planet Saturn.


Gould assigns to it 75 naked-eye components.
α, 1.3, reddish.
Fomalhaut, from the Arabic Fum al ūt, the Fish's Mouth, has long been the common name for this star, Smyth saying that Fom Alhout Algenubi appears, with its translation Os Piscis Meridiani, in a still existing manuscript almanac of 1340.
Aratos distinctly mentioned it as
One large and bright by both the Pourer's feet,
which is its location in the maps of today, although sometimes it has marked the eye of the Fish, and formerly was still differently placed, as is noted at β.
In addition to putting it in its own constellation, Ptolemy inserted it in his Ὑδροχόος, and Flamsteed followed him in making it his 24 of Piscis Australis and 79 of Aquarius, calling it Aquae Ultima Fomalhaut.

No other star seems to have had so varied an orthography.

The Alfonsine Tables of 1521 locate it in Aquarius as Fomahant and of the 1st magnitude, but they describe it in Piscis Meridionalis as in ore, omitting its title and calling it a 4th‑magnitude. The other editions of these Tables, and Kazwini, do not mention it at all in this constellation, but p346in Aquarius; nor does Bullialdus in his edition of the Rudolphine Tables, although in his reproduction of the Persian Tables of Chrysococca he calls itOs Piscis notii and Fumahaud. The Astronomica Danica of Longomontanus includes it in Aquarius as ultima in effusione Fomahantgiving no Piscis at all; Tycho's Rudolphine Tables, in Kepler's edition of 1627, have the same, and Hevelius also puts it there as Fomahandt. Bayer cites it, in Piscis Notius (Piscis Austrinus), as FumahantFumahaut rectius Fumalhaut; Chilmead, Phom Ahut; Caesius has Fomahand and Fontabant; Riccioli's names for it are Fomauth, Phomaut, Phomault, Phomant, Phomaant, Phomhaut, Phomelhaut; La Caille's, Phomalhaut; La Lande's areFumalhant, Fomahaut, and Phomahant; and Schickard's, Fomalcuti. Costard gives it as Fomahout; and Sir William Herschel had it Fomalhout, writing to his sister:
Lina, — Last night I "popt" upon a comet . . . between Fomalhout and β Ceti.
More correctly than all these, Hyde wrote it Pham Al ūt. Burritt's Atlas has the present form Fomalhaut, but his Planisphere, Fomalhani. It generally, but wrongly, is pronounced Fomalo, as though from the French.

The Harleian Manuscript of Cicero's Aratos has the words Stella Canopus at the Fish's mouth, which is either an erroneous title, or another use of the word for any very bright star, as is noted under α Argūs, — Canopus.

Among early Arabs Fomalhaut was Al Difdiʽ al Awwal, the First Frog; and in its location on the Borgian globe is the word halīm, the Ostrich, evidently another individual title.

Flammarion says that it was Hastorang in Persia 3000 B.C., when near the winter solstice, and a Royal Star, one of the four Guardians of Heaven, sentinels watching over other stars; while about 500 B.C. it was the object of sunrise worship in the temple of Demeter at Eleusis; and still later on, with astrologers, portended eminence, fortune, and power.

The Chinese knew it as Pi Lo Sze Mun.

With Achernar and Canopus it made up Dante's Tre Facelle; and sixty years ago, Boguslawski thought that it might be the Central Sun of the Universe.

It lies in about 30°15' of south declination, and so is the most southerly of all the prominent stars visible in the latitude of New York City, but it is in the zenith of Chile, the Cape of Good Hope, and South Australia. To the uninstructed observer it seems a full 1st‑magnitude, perhaps from the absence of near-by stars. It culminates on the 25th of October. As one of the so‑called lunar stars it is of importance in navigation, and appears in the Ephemerides of all modern sea-going nations.


p347See calls its color white, and has discovered a 14.8 bluish companion 30ʺ away, at a position angle of 36°.2.







Fomalhaut system


http://www.spacetelescope.org/static/archives/images/screen/opo1301b.jpg
Fomalhaut system.
Credit:  NASA, ESA and P. Kalas (University of California, Berkeley, USA)






PEIXE AUSTRAL
Piscis Austrinus constellation map.png
Nome latino
Genitivo
Piscis Austrinus
Piscis Austrini
AbreviaturaPsA
 • Coordenadas
Ascensão reta
Declinação
h
°
Área total° quadrados
 • Dados observacionais
Visibilidade
Latitude mínima
Latitude máxima
Meridiano

°
°
Estrela principal
Magn. apar.
Fomalhaut (α Piscis Austrini)
1,16
Outras estrelas
Magn. apar. < 3
Magn. apar. < 6

1
-
 • Chuva de meteoros
 • Constelações limítrofes
Em sentido horário:



Alpha Piscis Austrini mais conhecida como Fomalhaut é a estrela mais brilhante da constelação de Peixe Austral (Piscis Austrinus), e é uma das 4 estrelas reais dos persas – junto com Antares (α Scorpii),Aldebaran (α Tauri) e Regulus (α Leonis).
Em torno desta estrela foi detectado um planeta cerca de três vezes mais massivo que Júpiter. Este exoplaneta (Fomalhaut b) foi detetado visualmente pela comparação de imagens obtidas pelo telescópio Hubblede 2004 e 2006.1

Etimologia

Fomalhaut é uma palavra de origem árabe e significa "boca do peixe".

Exoplanetas

Fomalhaut with Disk Ring and extrasolar planet b.jpg
Em 13 de novembro de 2008, a NASA anunciou as primeiras imagens fotográficas obtidas de Fomalhaut b, através do telescópio Hubble, o que o torna o primeiro planeta extra-solar fotografado da Terra.2

http://pt.wikipedia.org/wiki/Fomalhaut



Fomalhaut b é um planeta extra-solar que orbita a estrela Fomalhaut, três bilhões de quilômetros dentro de seu anel orbital de poeira estelar1 e o primeiro exoplaneta a ser descoberto por fotografias, após oito anos de pesquisas tentando estabelecer sua posição.2
Sua existência, antes apenas teórica foi confirmada pela NASA em 13 de novembro de 2008, quando a agência espacial norte-americana divulgou fotografias do planeta tiradas pelo telescópio espacial Hubble. Localizado a 25 anos-luz da Terra, na constelação de Piscis Austrinus,3 o planeta tem o tamanho de Júpiter2 e três vezes a suamassa e acredita-se ser o objeto com menor massa já visto fora das vizinhanças do nosso sistema solar.
Fomalhaut b teve sua existência descoberta em 2005, devido ao movimento de sua órbita dentro do cinturão de poeira que envolve a estrela Fomalhaut, mas foi localizado apenas em maio de 2008 pelo astrônomo Paul Kalas, através da comparação de fotografias do Hubble tiradas em 2004 e 2006.
O planeta se localiza a cerca de dezoito bilhões de quilômetros de seu sol e sua órbita em torno dele leva 872 anos terrestres para ser completada.2 Também acredita-se que seja circundado por anéis, em maior quantidade e mais largos que aqueles que envolvem Saturno.2



Hubble directly observes planet orbiting Fomalhaut


The NASA/ESA Hubble Space Telescope has taken the first visible light snapshot of a planet circling another star.
Estimated to be no more than three times Jupiter's mass, the planet, called Fomalhaut b, orbits the bright southern star Fomalhaut, located 25 light-years away in the constellation Piscis Austrinus (the Southern Fish).
Fomalhaut has been a candidate for planet hunting ever since an excess of dust was discovered around the star in the early 1980s by the US- UK-Dutch Infrared Astronomy Satellite (IRAS).
SAIBA MAIS ACESSANDO







This image, taken with the Advanced Camera for Surveys aboard the NASA/ESA Hubble Space Telescope, shows the newly discovered planet, Fomalhaut b, orbiting its parent star, Fomalhaut.
The small white box at lower right pinpoints the planet's location. Fomalhaut b has carved a path along the inner edge of a vast, dusty debris ring encircling Fomalhaut that is 34.5 billion kilometres across. Fomalhaut b lies three billion kilometres inside the ring's inner edge and orbits 17 billion kilometres from its star.
The inset at bottom right is a composite image showing the planet's position during Hubble observations taken in 2004 and 2006. Astronomers have calculated that Fomalhaut b completes an orbit around its parent star every 872 years.
The white dot in the centre of the image marks the star's location. The region around Fomalhaut's location is black because astronomers used the Advanced Camera's coronagraph to block out the star's bright glare so that the dim planet could be seen. Fomalhaut b is 100 million times fainter than its star. The radial streaks are scattered starlight. The red dot at lower left is a background star.
The Fomalhaut system is 25 light-years away in the constellation Piscis Austrinus.
This false-colour image was taken in October 2004 and July 2006.
Credit:

NASA, ESA and P. Kalas (University of California, Berkeley, USA)






This annotated image shows key features of the Fomalhaut system, including the newly discovered planet Fomalhaut b, and the dust ring. Also included are a distance scale and an insert, showing how the planet has moved around its parent star over the course of 21 months. The Fomalhaut system is located approximately 25 light-years from the Earth.
Credit:

NASA, ESA, and Z. Levay (STScI)










This diagram shows the orbit of the exoplanet Fomalhaut b as calculated from recent Hubble Space Telescope observations. The planet follows a highly elliptical orbit that carries it across a wide belt of debris encircling the bright star Fomalhaut. The planet swings as close to its star as 7.4 billion kilometres, and the outermost point of its orbit is 43 billion kilometres away from the star. The orbital period is approximately 2000 years.
Credit:

Illustration Credit: NASA, ESA and A. Feild (STScI).

Science Credit: NASA, ESA and P. Kalas (University of California, Berkeley, USA)







VEJA OS VÍDEOS:





Hubblecast 22: Hubble directly observes planet orbiting Fomalhaut







Zomming on Fomalhaut b








http://www.spacetelescope.org/images/heic0821f/







As Quatro Estrelas-Reais dos antigos Persas 
ocupando os quatro cantos dos céus estrelados.....
 - nos dias de hoje:




Fomalhaut nos lembra Aldebaran que nos lembra Regulus que nos lembra Antares!

- Sobre o que estou falando?

- Sobre as Quatro Estrelas-Reais dos antigos Persas 
e que se posicionam em quatro cantos dos céus estrelados
 Há cerca de 5.000 anos, estas estrelas
ocupavam os tronos de marcação de Equinócios e de Solstícios, 
na chamada Era de Touro.
Eram conhecidas como as Guardiãs das Estações do Ano.



Vamos conhecer um tantinho sobre estas quatro reais estrelas?

Aldebaran.  Alpha Tauri. 
Ascensão Reta 04h34,8m - Declinação +16o 28’
Magnitude visual 1,06 - Distância 68 anos-luz
Uma estrela gigante alaranjada marcando o olho esquerdo e sul do Touro. 
Seu nome advém de Al Dabaran, Aquela que Segue. Aquela que vem antes da Estrela da Água, isto é, das Pleiades. Formava uma das quatro estrelas reais ou guardiãs dos céus entre os persas cerca de 3.000 anos a.C, quando, enquanto Guardiã do leste, marcava o Equinócio Vernal - as outras estrelas eram Regulus, Antares e Fomalhaut





Regulus, Alpha Leonis
Ascensão Reta 10h07,3m  -  Declinação +12o.4
Magnitude visual 1,34 - Distância 84 anos-luz
Regulus é o pé do Leão (também conhecida como o coração do Leão).
O Pequeno Rei.
É uma estrela voltada para o mito de um  rei da Pérsia, Feridum que  era próspero mas que perdeu tudo em função de ter se envolvido com questões de vingança.
Regulus  era uma estrela real e  guardiã do norte - juntamente com Fomalhaut, Aldebaran e Antares, consideradas todas estrelas reais do céu dos persas.  Em virtude de um engano de Ptolomeu, que a nomeou de Pequeno Rei, hoje conhecemos esta estrela como Regulus.  Por se situar extremamente próxima à linha da Eclíptica, podemos sempre apreciar a Lua e os Planetas visíveis passando bem grudados à Regulus.





Antares.  Alpha Scorpii. Estrela Dupla e Variável
Ascensão Reta 16h28,2m   - Declinação -26o 23’
Magnitude visual 1,22 - Distância 520 anos-luz
Magnitude visual 1,1 e 6,5  Distância entre estrelas 2”,90
Uma estrela binária, intensamente avermelhada e verde-esmeralda, situada no corpo do Escorpião.  De Anti-Ares, similar ou Rival de Ares, Marte. Foi uma das quatro estrelas reais da Pérsia, cerca de 3.000 anos a.c., e atuava como a Guardiã do Oeste pois marcava o Equinócio de Outono. Muitas vezes chamada de Coração do Escorpião, Cor Scorpio.





Fomalhaut.  Alpha Piscis Australis. 
Ascensão Reta 22h 56,5m - Declinação -29o 44’
Magnitude visual 1,29 - Distância 22 anos-luz
Uma estrela avermelhada na boca do Peixe ao Sul. De Fum al Hut, a Boca do Peixe.  Foi uma das quatro estrelas reais da Pérsia, por volta de  3.000 anos a.c, atuando como a Guardiã do Sul e marcando o solstício de inverno.






- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986





Caro Leitor, 
observe nestas Ilustrações abaixo 
as mudanças que ocorreram 
em termos dos posicionamentos dos pontos dos Equinócios
 e dos Solstícios 
entre as estrelas mencionadas
 - as quatro estrelas-reais dos Persas - 
e a Linha da Eclíptica e do Equador Celeste nos dias de hoje.

Programa Stellarium trabalhado no Programa Corel

Vemos nesta Ilustração, a estrela-alpha Tauri, Aldebaran, trazendo a Primavera, a Guardiã do Leste, uma das quatro estrelas-reais dos Persas. 

 E vemos também a estrela-alpha Leonis, Regulus, trazendo o Verão, a Guardiã do Sul.




Programa Sellarium trabalhado no Programa Corel


Vemos nesta Ilustração, a estrela-alpha Scorpii, Antares, trazendo o Outono, a guardiã do Oeste.  

E vemos também a estrela-alpha Piscis Austrinus, Fomalhaut, trazendo o Inverno, a Guardiã do Norte

Sabemos que a estrela Fomalhaut não fez parte das constelações da Linha da Eclíptica.  Porém, esta é a estrela mais proeminente durante o céu noturno do inverno, a partir do ponto de vista do hemisfério norte.




Excerto de minha Página 
Sobre a Constelação de Cancer, o Caranguejo:

É realmente interessante que possamos perceber
 as questões relativas às mudanças de Eras
 em termos de onde caem os Pontos de Equinócios e de Solstícios:

A Era de Gêmeos trouxe o Ponto Vernal a acontecer dentro desta constelação ocupando o lugar de Primavera, Virgem ocupando o lugar do Solstício do Verão, Sagitário ocupando o lugar do Equinócio do Outono e Peixes ocupando o lugar do Solstício de Inverno.



Quadro sobre a Precessão dos Equinócios durante 4 Eras, mostrando o Caminho do Sol contra o pano de fundo das constelações do    Zodíaco.  As cores originais foram invertidas.
Inserido no Artigo “When the Zodiac Climbed into the Sky” por Alexander Gurshtein para a Revista Sky & Telescope edição de outubro de 1995, página 30,  publicada por Sky Publishing Corporation, Cambridge, MA, USA.



A Era de Touro trouxe o Ponto Vernal a acontecer dentro desta constelação ocupando o lugar de Equinócio da Primavera; Leão ocupando o lugar do Solstício do Verão; Sagitário ocupando o lugar do Equinócio do Outono e Peixes ocupando o lugar do Solstício de Inverno.

Permita-me lhes dizer, caro Amigo das Estrelas, que teria sido naquela Era que surgiu o conceito das Quatro Estrelas Reais, Guardiãs das Quatro Estações do Ano e da Vida:  em Touro, Aldebarã, o olho iluminado, guardiã do Leste; em Leão, Regulus, sua pata dianteira, guardiã do Sul; em Escorpião, Antares, a rival de Marte, Anti-Ars, gigante vermelha maravilhosa, guardiã do Oeste; e finalmente, Fomalhaut, em Pisces Austrinus, guardiã do Norte.

A Era de Áries trouxe o Ponto Vernal a acontecer dentro desta constelação ocupando o lugar de Equinócio da Primavera; Câncer ocupando o lugar de Solstício do Verão; Balança ocupando o lugar do Equinócio do Outono e Capricórnio ocupando o lugar do Solstício de Inverno.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward