sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Lua em final de ciclo e Júpiter encontram-se e saúdam Spica, estrela-alpha Virginis, na madrugada sonolenta


Olá!

Caro Leitor,
vale a pena você ou acordar de madrugada
neste sábado
ou mesmo vivenciar sua boemia
e virar a noite de sexta para sábado
para bem observar
a entrada em cena
através o horizonte leste
da Lua em finalzinho de ciclo,
Lua em finíssimo anel prateado,
bem juntinha a Júpiter,
o gigante gasoso
e sempre tão iluminado!

Observe que haverá uma estrela 
testemunhando esse belo encontro
 entre Selene e o deus dos deuses:
é Spica, a Espiga da Trigo
que a Virgem carrega bem próxima
à Linha da Eclíptica.

Eu penso que esta visão
merecerá belas imagens,
sem dúvida alguma.

Nesta Postagem,
encontre alguma informação
sobre esta maravilhosa estrela azulada
e que vem iluminando
nossas madrugadas
antecipadoras
da chegada do Sol.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward



Stellarium

Stellarium

Stellarium



Stellarium

Stellarium

Stellarium





Ramos de Trigo - Vincent Van Gogh, Junho de 1890  - Van Gogh Museum





http://www.daviddarling.info/encyclopedia/S/Spica.html
Spica. Credit: Albert Manzanares
Copyright © The Worlds of David Darling



Spica.  Alpha Virginis. 
Ascensão Reta 13h 24,1m  Declinação -11o 03’
Magnitude visual 1,21 - Distância 220 anos-luz

Uma estrela binária branco brilhante no ramo de trigo  que a Virgem carrega em sua mão voltada para o sul. 
Freqüentemente chamada de Arista (nome também usado para designar esta constelação) e também conhecida como Azimech.
 Os hindus a conheciam como Citrã, a 12a. Nakshatra, como se fosse uma Lâmpada ou uma Pérola.

Na Babilônia e representando toda a constelação, era personificada como a Esposa de Bel ou a Guirlanda da Virgem.

Para os chineses, Spica significava a grande favorita, Kió, a estrela da primavera.

Era conhecida no Egito como Repã, o Senhor, e em tempos 3200 AC, um templo em Tebas foi erigido orientada através o poente de Spica.

Da mesma forma, já em 2000 AC, assim aconteceu para o templo do Sol.  Também assim aconteceu para dois templos na Grécia construídos quase tocando um ao outro, erigidos em 1092 e 747 AC.  Outros templos na Grécia antiga apresentaram a mesma orientação.


Foi através da observação desta estrela bem como de Regulus em cerca de 300 AC, anotada pelo alexandrino Timochares, que, após comparação com seus próprios apontamentos 150 anos mais tarde, Hiparchos trouxe para si o crédito de sua grande descoberta acerca a precessão dos equinócios - mesmo que os apontamentos da Babilônia e as orientações de construção dos templos no Egito e na Grécia, indicaram um conhecimento prático sobre esta questão.





Title: La Vierge (Virgo)  Map Maker: John Flamsteed /  MJ Fortin

α, Spectroscopic binary, 1.3, brilliant flushed white.

Spica signifies, and marks, the Ear of Wheat shown in the Virgin's left hand — Aratos wrote "in her hands"; Vitruvius and Hyginus, "in her right hand" — when she was thought to be Ceres. All the Romans called it thus, Cicero saying Spicum, and their descendants, the modern Italians,Spiga;º the French have l'Epi. In Old England it was the Virgin's Spike, and even Flamsteed thus designated it. For at least twenty-five centuries, and among all civilized peoples, the Latin word, or words of similar import, has obtained; although Smyth mentioned an attempt before his day to secure for it the illustrious name of Newton.

Στάχυς, perhaps of the same signification although another has been assigned to it, appeared with Aratos, Hipparchos, and Ptolemy, transcribed by the Latins as Stachys. Manetho had Σταχυώδης, which we have seen p467used for Virgo by another Graeco-Egyptian author, Nonnus. Bayer citedArista for the star as for the constellation; Aristae Puella occurs in some Latin doggerel by Caesius; as the brightest of the figure it bore the latter's Erigone; while Vindemitor and Vindemiator, which better belong to ε, have been applied to it.d

Other titles — SunbalaSunbaleSumbela; Riccioli's SumbaletSombaletSembalet Eleandri; and Schickard's Sunbalon — are from Sunbulahand Al ʽAdhrā᾽, Arabic words synonymous respectively with Spica and Virgo, although Hyde derived them from Σίβυλλα, the Singing Sibyl, of the constellation. Al Bīrūnī said that it was Al Ḥulbah, the Bristle, but his explanation of this only served to show the strange confusion in titles that existed in the Arab mind between Spica and Al Ḍafīrah in the Lion's tail. And Al Bīrūnī, again, said that it was the Calf of the Lion, with Arcturus as the second Calf; but Kazwini designated it as Sāḳ al Asad, the Shin-Bone of the Lion, this Lion being the enormous figure already alluded to, of which a part of Virgo formed one of the legs.

A still more widely spread native name in the Desert was Al Simāk al Aʽzal, the Defenceless, or Unarmed, Simāk, i.e. unattended by any near-by star; the other Simāk, Arcturus, being armed with a lance, or staff, represented by adjacent stars of Boötes; and its doubtless was this isolated position of Spica that induced the Coptic title Khoritos, Solitary. The Alfonsine Tables turned Simāk al Aʽzal into inermis Asimec, addingAcimonAlaraphAlmucedie "of the Chaldaeans," and Alacel; while the 1515 Almagest had Aschimech inermis. From all these come Bayer'sAlaazelAlazelAzimonAlzimon "of the Nubians," Hazimet Alazel, the alchemists' Alhaiseth, Riccioli's Eltsamecti and Eltsamach, and theAzimech still occasionally seen. Scaliger had Hazimeth Alhacel, and Schickard Huzimethon. Riccioli cited a "Nubian" title, Eleazalet, that some have said came from Al ʽAzalah, the Hip-bone, but it probably belongs among the derivatives from Aʽzal; and his Eleadari has been transferred to Spica from the constellation.

This star marked the 12th manzilAl Simāk, and in early astrology was, like all of Virgo, a sign of unfruitfulness and a portent of injustice to innocence; but later on, of eminence, renown, and riches.

Chrysococca called it Κονταράτος, the Little Lance-bearer, Arcturus being Κονταράτος par excellence. And Hyde gave the Hebrew Shibbōleth, the Syrian Shebbeltā, the Persian Chūshe, and the Turkish Salkim, all signifying the "Ear of Wheat"; other names being the Persian Çpur, theÇparegha of the Avesta, the Sogdian Shaghar and Khorasmian Akhshafarn, all meaning a "Point" — i.e. Spica.

The Hindus knew it as Citrā, Bright, their 12th nakshatra, figured as a Lamp, or as a Pearl, with Tvashtar, the Artificer, or Shaper, as its presidingp468divinity; and some have thought it the Tistar Star that generally has been identified with Sirius.

In Babylonia, and representing the whole constellation, it personified the Wife of Bēl, and as Sa-Sha-Shirū, the Virgin's Girdle, marked the 20th ecliptic asterism of that name, and the lunar asterism Dan-nu, the Hero of the Sky Furrow. It was also Emuku Tin-tir-Ki, the Might of the Abode of Life, a common title for Babylon itself.

In Chinese astronomy Spica was a great favorite as Kió, the Horn, or Spike, anciently Keok or Guik, the special star of springtime; and with ζformed their 12th sieu under that title. Naturally it was the determinant.

It is said to have been known at one time in Egypt as the Lute-Bearer, and was evidently of importance, for another Egyptian name was Repā, the Lord; and Lockyer thinks that the great "Mena may symbolize Spica, with which star we have seen Min-worship associated." According to this same author, one of the temples at Thebes, probably dedicated to this Mena, Menat, Menes, Min, or Khem, was oriented to Spica's setting about 3200 B.C.; and the temple of the Sun at Tell al Amarna was also so oriented about 2000 B.C., or perhaps somewhat later. A similar character attached to it in Greece, for two temples have been found at Rhamnus, "almost touching one another, both following (and with accordant dates) the shifting places of Spica," at their erection 1092 and 747 B.C.; "and still another pair at Tegea." Temples of Herē were also so oriented at Olympia 1445 B.C., at Argos and Girgenti; and those of Nikē Apteros at Athens, 1130 B.C., and of "the Great Diana of the Ephesians," 715 B.C.

It was to the observations of this star and of Regulus about 300 B.C., recorded by the Alexandrian Timochares, that, after comparison with his own 150 years later, Hipparchos was indebted for the great discovery attributed to him of the precession of the equinoxes; although Babylonian records, and the temple orientation of Egypt and Greece, may indicate a far earlier practical knowledge of this.

According to Ptolemy, Timochares observed an occultation by the planet Venus of an unidentified star "on the tip of Virgo's wing," — perhapsψ or q, — on the 12th of October, 271 B.C.1

p469Spectroscopic observations by Vogel in 1890 show that Spica is in revolution with a speed of at least fifty-six miles a second in an orbit of three millions of miles' radius, around the common centre of gravity of itself and an obscure companion in a period of about four days. It is, however, never eclipsed by the latter, as is the case with the star Algol. Its spectrum is Sirian; and the system is approaching us at the rate of 9.2 miles a second. Gould thinks that it shows fluctuations in brilliancy.

It is one of the lunar stars much used in navigation, and lies but 2° south of the ecliptic, and 10° south of the celestial equator, coming to the meridian on the 28th of May.
With Denebola, Arcturus, and Cor Caroli it forms the Diamond of Virgo, 50° in extent north and south.




VIRGO, A VIRGEM

O MITO
em suas variações:


Esta constelação representa Erigone, filha de Icarius, que se enforcou por causa da grande dor causada pela morte de seu pai.  Outros dizem que é Astraea, filha de um dos Titans, e que lutou com alguns deuses contra seu próprio pai.

Em outra versão, esta constelação representa Perséfone, filha da irmã de Júpiter, Ceres, (Demeter).  Ceres é a deusa da agricultura e aquela que ensinou aos homens plantarem o trigo, colherem e fazerem o pão que os alimenta. (A Estrela-Alpha Virgo representa a espiga de trigo, é Spica).  

Um belo dia, Perséfone estava colhendo flores no campo e foi avistada por Plutão, o deus dos mundos ínferos, que por ela se apaixonou perdidamente e com ela quis se casar e de tal forma que a raptou e a levou para os mundos ínferos, onde habitava.

Quando Ceres descobriu que Plutão havia raptado sua filha, foi até os mundos ínferos para busca-la e traze-la de volta à Terra, porém em vão.

Ceres ficou tão entristecida que não mais quis tomar conta da agricultura da Terra e nada cresceu no solo naquele tempo e os homens ficaram famintos, à beira da morte. 

Júpiter, então, teve que intervir nesta situação e anunciou à Ceres que sua filha poderia retornar ao seu lado - desde que não comesse absolutamente nada enquanto ainda estivesse nos mundos ínferos.  No entanto, Plutão ofereceu alguns grãos de romã à Perséfone e que os comesse de maneira que levasse uma boa memória de seu marido e de sua vida nos mundos ínferos.  

Quando Ceres soube do ocorrido, Perséfone já havia sido trazida dos mundos ínferos por Mercúrio e encontrado-se com sua mãe.  Neste caso, Ceres foi informada que estaria sendo acompanhada por sua filha durante 8 meses no ano - Primavera, Verão e Outono - e os demais 4 meses, sofreria a ausência de Perséfone que estaria retornando aos mundos ínferos e ao encontro de seu marido Plutão: é o Inverno.

De qualquer forma, Ceres ficou feliz e trouxe a vida da alimentação novamente à Terra e aos homens.

.......................................


No vale do Eufrates, onde foram criadas as constelações, a Virgem simbolizava a deusa Istar, filha do céu e rainha das estrelas.  Representada com uma espiga na mão, constituía o símbolo da fertilidade.  

Erastosthenes identificou a Virgem com  Isis, a deusa de mil-nomes, com a espiga de trigo em sua mão e que foi mais tarde deixada cair de maneira a formar a Via Láctea, ou segurando em seus braços seu filho Horus, o deus do sol, o último dos reis divinos.  

Este simbolismo antigo reapareceu na Idade Média como a Virgem Maria com seu filho Jesus e através as palavras eternas de Shakespeare: Good Boy in Virgo’s lap (O Bom Menino no Colo da Virgem).

Na Índia, Virgo era Kanya, a mãe do grande Krishna, e representada como deusa sentada diante do fogo.  

No Zodíaco Cingalês, era a Mulher no Navio e segurando um ramo de trigo em sua mão.  Possivelmente, o navio era nomeado a partir das estrelas Beta, Eta, Gamma, Delta e Epsilon, representando a quilha do navio.

Na Pérsia, Virgo era Khosha, o ramo de trigo, bem como nomeada como a Virgem inteiramente Pura.

Os turcomanos conheciam esta constelação como a Pura Virgem, Dufhiza Pakhiza.  Os chineses a conheciam como She Sang Neu, a Donzela Frígida.

No pais dos Judeus, a Virgem era Bethulah e  sempre associada com a idéia de abundância na colheita.

Virgem tem sempre sido a figura dos céus mais nomeada e mais simbolizada!

Virgem representa a mais antiga e puramente alegórica representação de inocência e de virtude.


............................................



SAIBA MAIS SOBRE
A CONSTELAÇÃO DA VIRGEM
acessando meu Trabalho em



http://aa.usno.navy.mil/library/rare/BayerUran1661Virgo.jpg



Os desenhos formados pelas estrelas
 - AS CONSTELAÇÕES - 
são como janelas que se abrem para a infinitude do universo 
e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, bem mais,
 entre o céu e a terra..., 
bem como percebendo que o caos, 
vagarosamente,
vai se tornando Cosmos
 e este por nossa mente sendo conscientizado.

Quer dizer, 
nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward