quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Lua recém-nova saudando Saturno e Vênus, em Ophiucus, o Serpentário


Olá!

Sempre a Lua recém-nova
nos proporciona
 um grande prazer em podermos vê-la
em horizonte oeste baixo
e apresentando-se enquanto um finíssimo anel!

Esse finíssio anel de Selene
estará posicionando-se
bem próximo a Saturno
e acenando para Vênus,
um tantinho adiante....
e todas estas luzes
passeando na direção 
da constelação do Serpentário,
Ophiucus.

Nesta Postagem, Caro Leitor,
estaremos trazendo alguma informação 
sobre o Serpentário, Ophiucus
- conhecida também pelo fato 
de que vem ocupando o lugar
de 13a. constelação do Zodíaco!

Com um abraço estrelado,
Janine Milward




Stellarium

Stellarium

Stellarium


Stellarium








OPHIUCUS, OFIÚCO



Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes


Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes
 - excerto apresentando ALFABETO GREGO, CONVENÇÕES E USO DA CARTA CELESTE


Urania’s Mirror is a boxed set of 32 constellation cards
 © Ian Ridpath


OPHIUCUS, OFIÚCO
ou Serpentarius, aquele que Segura a Serpente


Posicionamento:
Ascensão Reta 15h58m / 18h42m      Declinação +14o.3 / -30o.1

Fronteiras:

Ophiucus situa-se entre as constelações Serpens Cauda e Serpens Caput (e todas três acabam formando um conjunto imenso de situações entrelaçadas), e também Scorpius, Sagittarius, Scutum, Aquila, Hercules Corona Borealis, Libra

Mito:
Hercules, quando criança, estrangulou duas serpentes enviadas por Juno para matá-lo enquanto dormia em seu berço.  Esta constelação também foi chamada de Esculapius, o pai da medicina.



Map Maker: Alexander Jamieson
Striking star chart, marvelously engraved and delicately colored. Shows the featured constellations in color with neighboring stars and constellations without color.
Jamieson's work is one of the finest of it's kind in the early 19th century.




http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Gazetteer/Topics/astronomy/_Texts/secondary/ALLSTA/Ophiuchus*.html

Richard Hinckley Allen, Star Names, Their Lore and Meaning, Dover Publications, Inc, New York, USA 

Segundo Allen, em seu livro Star Names, Their Lore and Meaning – fantástico livro e já em domínio público – e traduzindo literalmente, de forma simples e sintética, por mim, Janine:

Ophiucus vel Serpentarius, o Serpentário

 – não Ophiucus Serpentarius, é Ofiuco em italiano, Schlangentrager em alemão e Serpentaire em francês.
...........................
…. (Porém) o Serpentário foi normalmente identificado com Asclepios ou Aesculapius, a quem o Rei James I descreveu como “um curador que mais tarde foi feito deus”, com cujas adoradas serpentes eram sempre associados como símbolos de prudência, renovação, sabedoria e o poder de descobrir ervas curadoras.  Educado por seu pai Apollo – ou pelo Centauro Quíron -, Aesculapius foi o primeiro em sua profissão e o cirurgião do navio Argo.  Quando a famosa viagem terminou, ele estava tão treinado em sua prática que ele pôde até trazer mortos à vida – entre esses, Hippolytus.
....................
Sucessivas operações e inúmeras e notáveis curas – e especialmente a tentativa de reviver Órion morto -, levaram Plutão (que temia pela continuidade de seu reino) induzir Júpiter a atingir Aesculapius com um raio e colocá-lo dentre as constelações.
Ophiucus também foi associado a Caecius, o Cego, assassinado por Hercules e celebrado por Dante no Inferno.  Na verdade, diz-se que o Herói foi atribuído a estas estrelas por Hyginus e nomeou-as com seu nome: uma confusão que pode ter vindo à tona em função das fronteiras entre essas duas constelações – por serem mal-definidas, primeiramente, ou pela similaridade de seus mitos originais em relação a Izhdubar e o dragão Tiamat.
.......................................



http://www.iau.org/static/public/constellations/gif/OPH.gif



Algumas Estrelas e alguns objetos interessantes, em Ofiúco


Existe um Asterismo interessante denominado de O Touro de Poniatowkski, composto pelas estrelas 66, 67, 68 e 70 Ophiuchi.  Este Asterismo já constou como uma Constelação mas foi considerada obsoleta, posteriormente.


Rasalhague.  Alpha Ophiuchi. 
Magnitude 2.09  Distância 58 anos-luz
Uma estrela safira situada na cabeça do Ofiúco.  De Rãs Al Hawwa, a Cabeça daquele que Segura a Serpente, a Cabeça do Serpentário. 
Esta estrela se situa ao norte do equador celestial e já quase na fronteira de Ofiúco com a constelação de Hercules.


Cebalrai ou Cheleb - Beta Ophiuci
Magnitude 2.77  Distância 124 anos-luz
Cão do Pastor, vocábulo oriundo da expressão árabe Kalb al Rai.


Yed Prior.  Delta Ophiuchi. 
Magnitude 2.72  Distância 140 anos-luz
Uma estrela amarelada situada a mão esquerda do Ofiúco.  De Yad, a Mão. A Mão Anterior.

Yed Posterior - Epsilon Ophiuchi
Mão Posterior, denominação moderna de oriegem latino-árabe usada por Bayer.  A palavra Yed significa mão.


Han.  Zeta Ophiuchi. 
Magnitude 2.57  Distância de mais de 500 anos-luz
Uma estrela pequena situada próxima ao joelho esquerdo do Ofiuco. Han é um nome de origem chinesa que denominava um velho Estado feudal da China.


Sabik.  Eta Ophiuchi. Estrela Dupla
Ascensão Reta 17h09,3m - Declinação -15o 42’
Magnitude visual 2,43 - Distância 69 anos-luz
Uma estrela amarelo pálido situada no joelho esquerdo do Ofiúco.  De Sabik, Aquela que Precede.  O Condutor, do vocábulo árabe Sabik.


Sinistra.  Mu Ophiuchi
Uma estrela pequena situada na mão esquerda do Ofiúco.


U Ophiuchii - Estrela Variável do tipo Algol
Ascensão Reta  17h14m       Declinação +01o.16
Magnitudes:  Max 5,7     Min  6,4     Período 1,7
Tipo  ALG    Espectro B8


Y Ophiuchii - Estrela Variável Cefeida
Ascensão Reta 17h50m        Declinação -06o.08
Magnitudes:  Max 6,1    Min 6,5      Período 17,1
Tipo  CEF    Espectro G0


Ophiucus   - Nebulosa Complexa - Ro Ophiuchi
Ascensão Reta  16h24m      Declinação -23o.24
Tipo Nebulosa Planetária  COM       Dimensão  4,0       Distância em anos-luz  0,5

Ophiucus   - Nebulosa Complexa - Theta Ophiuchi
Ascensão Reta  17h20m      Declinação -24o.59
Tipo Nebulosa Planetária  COM        Dimensão 5,0        Magnitude
Magnitude da Estrela associada            Distância em anos-luz  0,5
- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986




A FAMOSA ESTRELA BARNARD

EXCERTO de Ophiucus -  As Constelações, Cartas Celestes, Mario Jaci Monteiro

Map of nearby stars



Nearby Stars (14ly Radius).svg

Barnard's Star /ˈbɑrnərd/ is a very low-mass red dwarf star about six light-years away from Earth in the constellation of Ophiuchus, the Snake-holder. Barnard's Star is the fourth-closest known individual star to the Sun, after the three components of the Alpha Centauri system, and the closest star in the Northern Hemisphere.[14] Despite its proximity, Barnard's Star, at a dim apparent magnitude of about nine, is not visible with the unaided eye; however, it is much brighter in the infrared than it is in visible light. The star is named for American astronomer E.E. Barnard. He was not the first to observe the star (it appeared on Harvard College University plates in 1888 and 1890), but in 1916 he measured its proper motion as 10.3 arcseconds (20,000 inverse radians) per year, which remains the largest-known proper motion of any star relative to the Solar System.


http://astronomy-universo.blogspot.com.br/2013/11/conheca-as-10-estrelas-mais-proximas-da.html?spref=fb

Estrela de Barnard
Distância: 5,96 anos-luz 
Esta é uma anã vermelha ténue que fica a cerca de 5,96 anos-luz da Terra. No passado os cientistas acreditavam que a estrela de Barnard podia conter planetas ao seu redor, mas as tentativas de detectar tais objetos não resultaram em nenhuma observação. A estrela de Barnard fica situada se na constelação Ophiuchus.
Fonte: ciencia-online.net


Barnard's Star
Barnardstar2006.jpg
The location of Barnard's Star
Observation data
Epoch J2000.0      Equinox J2000.0
ConstellationOphiuchus
Pronunciation/ˈbɑrnərd/
Right ascension17h 57m 48.49803s[1]
Declination+04° 41′ 36.2072″[1]
Apparent magnitude (V)9.54[1]
http://en.wikipedia.org/wiki/Barnard's_Star

M 9  - NGC 6333 - Ophiucus - Aglomerado
Ascensão Reta 17h18m     Declinação -18o.30
Magnitude visual integral   7,6    Tipo A7

Messier 9 (NGC 6333) é um aglomerado globular de estrelas na constelação de Ofiúco. Foi descoberto pelo francês Charles Messier em 1764 e é um dos aglomerados globulares próximos ao centro da Via-Láctea, a uma distância de 5 500 anos-luz. Está a uma distância de cerca de 25 800 anos-luz em relação à Terra.

Messier 9
Messier 9 visto pelo Telescópio Espacial Hubble.
Messier 9 visto pelo Telescópio Espacial Hubble.
Descoberto porCharles Messier
Data1764
Dados observacionais (J2000)
ConstelaçãoOphiuchus
TipoVII
Asc. reta17h 19m 11,78s1
Declinação-18° 30′ 58,5″1
Distância25 800 anos-luz (7,9 kpc)
Magnit. apar.8,421
Dimensões12',0
Características físicas
Raio45 anos-luz
Outras denominações
NGC 6333
http://pt.wikipedia.org/wiki/Messier_9


M 14 - NGC  6402 - Ophiucus - Aglomerado Estelar Globular
Ascensão Reta 17h36m     Declinação -03o.14
Magnitude visual integral 7,8       Tipo AG

Messier 14
Messier 14 por um telescópio amador
Messier 14 por um telescópio amador
Descoberto porCharles Messier
Data1764
Dados observacionais (J2000)
ConstelaçãoOphiuchus
TipoVIII
Asc. reta17h 37m 36,15s1
Declinação-03° 14′ 45,3″1
Distância30 300 anos-luz (9,3 kpc)
Magnit. apar.8,321
Dimensões11',0
Características físicas
Raio50 anos-luz
Outras denominações
NGC 6402
http://pt.wikipedia.org/wiki/Messier_14

M 10  - NGC  6254 - Ophiucus - Aglomerado Estelar Globular
Ascensão Reta 16h56      Declinação -04o.05
Magnitude visual integral 6,5       Tipo AG

Na parte ao sul do Ophiúco existem, entre partes adoráveis da Via Láctea, Nuvens de Estrelas e Nebulosas Escuras.  Próximo à estrela Alya, Theta Serpentis, é possível se observar a olho nú uma imensa nuvem escura no formato de um Cachimbo, é a Nebulosa do Cachimbo.  Quando observamos esta região e sua vizinhança fazendo parte da Via Láctea em Sagitário, estamos olhando em direção ao centro de nossa Galáxia.

Ascensão Reta 16h56m       Declinação -04o.05
Magnitude fotográfica global  7,3      Diâmetro aparente 16’,2         Tipo Espectral G1
Magnitude média das 25 mais brilhantes estrelas (excluindo as 5 mais brilhantes) 14,17
Número conhecido de Variáveis 3         Distância kpc   6,2
Velocidade Radial (km/s)  + 71



M 12  - NGC 6218 - Ophiucus - Aglomerado Estelar Globular
Magnitude visual integral 6,7        Tipo AG
Ascensão Reta  16h46m      Declinação -01o 55
Magnitude fotográfica global  7,6      Diâmetro aparente 21’,5         Tipo Espectral F8
Magnitude média das 25 mais brilhantes estrelas (excluindo as 5 mais brilhantes) 14,07
Número conhecido de Variáveis 1         Distância kpc   7,4
Velocidade Radial (km/s)   -16

 I 4665 - Aglomerado Aberto Ophiucus
Ascensão Reta 17h45m    Declinação +5o.44
Magnitude fotográfica global 5,4 Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 8,3
 Distância kpc 0,33  Diâmetro 50’  Tipo Espectral B8

M107
en:NASA, en:STScI, en:WikiSky

http://pt.wikipedia.org/wiki/Messier_107

The globular cluster Messier 107, also known as NGC 6171, is located about 21 000 light-years away in the constellation of Ophiuchus. Messier 107 is about 13 arcminutes across, which corresponds to about 80 light-years at its distance. As is typical of globular clusters, a population of thousands of old stars in Messier 107 is densely concentrated into a volume that is only about twenty times the distance between our Sun and its nearest stellar neighbour, Alpha Centauri, across. This image was created from exposures taken through blue, green and near-infrared filters, using the Wide Field Imager (WFI) on the MPG/ESO 2.2-metre telescope at La Silla Observatory, Chile.
Credit:
ESO/ESO Imaging Survey

M62

Image of the M62 star cluster in infrared at 3.6 (blue), 4.5 (green) and 8.0 µm. The image has been made by myself (Médéric Boquien) from the public image archive of the Spitzer Space Telescope (courtesy NASA/JPL-Caltech).
aglomerado globular foi descoberto pelo astrônomo francês Charles Messier em 7 de junho de 1771, embora ele tenha tomado sua posição na esfera celeste apenas em 4 de junho de 1779, quando listou em seu catálogoWilliam Herschel, descobridor de Urano, foi o primeiro a resolver suas estrelas mais brilhantes.
É um dos aglomerados globulares mais irregulares que se conhece. Sua deformação, relatada primeiramente por Herschel, é o resultado das forças de maré do núcleo da Via-Láctea; o aglomerado está apenas 6 100 anos-luz do centro galáctico, um dos aglomerados globulares do catálogo Messiermais próximos da região central da Via-Láctea.
Está a uma distância de 22 500 anos-luz em relação à Terra, e seu diâmetro aparente de 15 minutos de grau, metade do diâmetro aparente da Lua Cheia, corresponde a um diâmetro real de 100 anos-luz.
Contém 89 estrelas variáveis conhecidas, a maior parte variáveis RR Lyrae. Seu núcleo é extremamente denso;possívelmente o núcleo sofreu no passado um colapso de núcleo, de modo semelhante ao encontrado nos aglomerados Messier 15Messier 30 e Messier 70. Contém vários binários de raios X, consequência da alta densidade estelar de seu núcleo; tais binários de raios-X são consequência de quase-colisões entre estrelas

NGC 6273 - M 19 - Aglomerado Globular Ophiucus
Ascensão Reta  17h01m      Declinação -26o.14
Magnitude fotográfica global  8,3      Diâmetro aparente  5’,3        Tipo Espectral F2
Distância kpc   6,9    Velocidade Radial (km/s)   + 102
Ascensão Reta 17h10m       Declinação -26o.14
Magnitude visual integral 6,9     Tipo AG
Messier 19 (NGC 6273) é um aglomerado globular de estrelas localizado na constelação de Ofiúco. Foi descoberto pelo francês Charles Messier em 1764, que o adicionou ao seu catálogo de objetos de aparência semelhante a cometas.
Messier 19 é o mais oblato dos aglomerados globulares conhecidos. Está a uma distância de cerca de 28 000 anos-luz do Sistema Solar, e está bastante próximo ao Centro Galáctico, com apenas cerca de 5.200 anos-luz de distância.
.......................
É um dos aglomerados globulares mais oblatos (achatados) conhecidos. Essa deformidade pode estar relacionado à proximidade do aglomerado ao centro galáctico: embora esteja a cerca de 28 000 anos-luzda Terra, está apenas a 5 200 do núcleo da Via-Láctea, ou cerca de 9° acima do núcleo galáctico naesfera celeste. Afasta-se radialmente do Sistema Solar a uma velocidade aproximada de 146 km/s.2
Ficheiro:M19HunterWilson.jpg
AutorHewholooks

M19HunterWilson.


NGC 6572 é uma nebulosa planetária na direção da constelação de Ophiuchus. O objeto foi descoberto pelo astrônomo Wilhelm Struve em 1825, usando um telescópio refrator com abertura de 9,5 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+8,1), é visível apenas com telescópiosamadores ou com equipamentos superiores.


http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_6572



A dazzling planetary nebula


http://www.spacetelescope.org/images/potw1034a/

Credit: ESA/Hubble & NASA
..........................
This picture of NGC 6572 shows the intricate shapes that can develop as stars exhale their last breaths. Hubble has even imaged the central white dwarf star, the origin of the dazzling nebula, but now a faint, but hot, vestige of its former glory.




NGC 6304 é um aglomerado globular na direção da constelação de Ophiuchus. O objeto foi descoberto pelo astrônomo William Herschel em 1786, usando um telescópio refletor com abertura de 18,6 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+8,3), é visível apenas com telescópiosamadores ou com equipamentos superiores.



NGC 6293 é um aglomerado globular na direção da constelação de Ophiuchus. O objeto foi descoberto pelo astrônomo William Herschel em 1784, usando um telescópio refletor com abertura de 18,6 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+8,3), é visível apenas com telescópiosamadores ou com equipamentos superiores.
Ficheiro:NGC 6293 Hubble WikiSky.jpg


NGC 6355 é um aglomerado globular na direção da constelação de Ophiuchus. O objeto foi descoberto pelo astrônomo William Herschel em 1784, usando um telescópio refletor com abertura de 18,6 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+8,6), é visível apenas com telescópiosamadores ou com equipamentos superiores


NGC 6342 é um aglomerado globular na direção da constelação de Ophiuchus. O objeto foi descoberto pelo astrônomo William Herschel em 1786, usando um telescópio refletor com abertura de 18,6 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+9,5), é visível apenas com telescópiosamadores ou com equipamentos superiores.


IC 4665 is an open cluster in the constellation Ophiuchus. It was discovered by Philippe Loys de Chéseaux in 1745. The cluster began to develop less than 40 million years ago, and lies about 1,400 light years away from Earth. It is easily visible in the smallest of telescopes and also with binoculars. From a sufficiently dark place it is also visible to the naked eye.


NGC 6633 é um aglomerado aberto na direção da constelação de Ophiuchus. O objeto foi descoberto pelo astrônomo Philippe de Cheseaux em 1745, usando um telescópio refrator com abertura de 0 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+4,6), é visível a olho nu, porém em regiões distantes de cidades
The smallest of the four featured star clusters, NGC 6633. Credit: DSS2 Survey/Wikisky - See more at: http://astrobob.areavoices.com/2009/07/16/steeped-in-summer-star-clusters/#sthash.gwKe4wBl.dpuf


NGC 6235 é um aglomerado globular na direção da constelação de Ophiuchus. O objeto foi descoberto pelo astrônomo William Herschel em 1786, usando um telescópio refletor com abertura de 18,6 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+8,9), é visível apenas com telescópiosamadores ou com equipamentos superiores.


Image of the cluster from the Digital Sky Survey
http://gclusters.altervista.org/cluster_4.php?ggc=NGC+6235



http://pt.wikipedia.org/wiki/NGC_6284

NGC 6284 é um aglomerado globular na direção da constelação de Ophiuchus. O objeto foi descoberto pelo astrônomo William Herschel em 1784, usando um telescópio refletor com abertura de 18,6 polegadas. Devido a sua moderada magnitude aparente (+8,9), é visível apenas com telescópiosamadores ou com equipamentos superiores.

http://lcogt.net/observations/ogg/2m0a/7023

Credit:Provided to Las Cumbres Observatory under license from the Dill Faulkes Educational Trust








Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:

A 13a. Constelação do Zodíaco
Quando o Zodíaco foi originalmente nomeado, a Eclíptica não passava pelo Ofiúco, de forma que esta constelação não foi incluída.
 Hoje em dia, sim, em função da precessão,  Ofiúco recebe a passagem da linha da Eclíptica e o Sol passa um bom tempo aqui depois de ter adentrado a Cabeça do Escorpião e passado ao largo de sua estrela Alpha, Antares.


Programa Stellarium trabalhado em Programa Corel

Programa Stellarium trabalhado em Programa Corel

http://www.heavens-above.com/skychart.aspx


Movimentos: tudo sempre se move

Estarei repetindo aquilo que recebi em Fórum na Internet, parte da Aula 2 sobre Movimentos do Céu, by dario.rostirolla@londrina.pr.gov.br:

“Como é sabido, a Terra apresenta dois movimentos básicos (e outros): rotação (em torno do próprio eixo, com período de 1 dia) e translação (movimento orbital ao redor do sol, com período de 1 ano). Enquanto gira ao redor do Sol, a Terra percorre em sua órbita cerca de um grau por dia - logo, as estrelas se adiantam um pouco com relação ao Sol (como um carro que se aproxima de uma esquina e obtém melhor visibilidade), cerca de 4 minutos. É esta a causa da pequena diferença entre o dia solar e o dia sideral.

No decorrer de um ano a Terra percorre 360 graus ao redor do Sol, de modo que as estrelas que se encontravam ocultadas pelo Sol, dentro de algum tempo se tornarão visíveis em função do deslocamento da Terra sobre sua órbita. Ao longo do ano, diferentes partes do céu vão se tornando visíveis em determinado horário fixo (digamos, logo após o pôr do Sol), de modo que toda a esfera celeste vai sendo avistada ao longo do ano, setor por setor. A cada ano, esse movimento se repete de modo que as constelações visíveis numa determinada data serão visíveis na mesma data dos anos subseqüentes.”

A precessão dos Equinócios é o movimento que estaria aglutinando, digamos assim, ambos os movimentos anteriores: o de rotação e o de translação. 

Não podemos nos esquecer que a Terra gira em torno de seu eixo sim, porém com uma inclinação de 23 graus....  Ao mesmo tempo, a Terra perfaz um passeio de 360 graus em sua órbita em torno ao Sol.  Ao mesmo tempo, também o Sol vai realizando seu próprio andamento e o faz em direção a um ponto próximo  à constelação Hercules.  Tudo no universo se movimenta... por que deixaria nosso Sol de fazer o mesmo?

Ao longo do período de 26 mil anos, esse eixo da Terra em movimento de rotação e de translação e atrelado ainda ao movimento próprio do Sol, vai imantando os direcionamentos norte e sul e deslocando, apontando então para diferentes pontos dessa região da esfera celeste! Esse grande círculo imaginário que se forma é o Grande Ano das Eras! Uma maneira simples de entender esse movimento é soltarmos um pião e o deixarmos girar, girar, girar..... é bem assim.  A estrela que denominamos de Polar, vem atuando como imantação Norte desde há muito tempo e ainda estará fazendo isso por bom tempo adiante.  Porém, um dia no futuro, teremos que renomeá-la... pois não estará mais reinante na posição de Estrela Polar.

É realmente interessante que possamos perceber as questões relativas às mudanças de Eras em termos de onde caem os Pontos de Equinócios e de Solstícios:

A Era de Gêmeos trouxe o Ponto Vernal a acontecer dentro desta constelação ocupando o lugar de Primavera, Virgem ocupando o lugar do Solstício do Verão, Sagitário ocupando o lugar do Equinócio do Outono e Peixes ocupando o lugar do Solstício de Inverno.






Quadro sobre a Precessão dos Equinócios durante 4 Eras, mostrando o Caminho do Sol contra o pano de fundo das constelações do    Zodíaco.  As cores originais foram invertidas.
Inserido no Artigo “When the Zodiac Climbed into the Sky” por Alexander Gurshtein para a Revista Sky & Telescope edição de outubro de 1995, página 30,  publicada por Sky Publishing Corporation, Cambridge, MA, USA.



A Era de Touro trouxe o Ponto Vernal a acontecer dentro desta constelação ocupando o lugar de Equinócio da Primavera; Leão ocupando o lugar do Solstício do Verão; Sagitário ocupando o lugar do Equinócio do Outono e Peixes ocupando o lugar do Solstício de Inverno.

Permita-me lhes dizer, caro Amigo das Estrelas, que foi naquela Era que surgiu o conceito das Quatro Estrelas Reais, Guardiãs das Quatro Estações do Ano e da Vida:  em Touro, Aldebarã, o olho iluminado, guardiã do Leste; em Leão, Regulus, sua pata dianteira, guardiã do Sul; em Escorpião, Antares, a rival de Marte, Anti-Ars, gigante vermelha maravilhosa, guardiã do Oeste; e finalmente, Fomalhaut, em Pisces Austrinus, guardiã do Norte.

A Era de Áries trouxe o Ponto Vernal a acontecer dentro desta constelação ocupando o lugar de Equinócio da Primavera; Câncer ocupando o lugar de Solstício do Verão; Balança ocupando o lugar do Equinócio do Outono e Capricórnio ocupando o lugar do Solstício de Inverno.


Vega,a estrela Alpha Lyrae, atuou como a estrela polar (há mais de 12 milênios atrás).  Vega estará novamente ocupando o lugar de estrela polar mais uns tantos milênios à frente (14.000 anos DC, ou seja mais 12.000 anos à frente) - sempre a estrela polar mais brilhante!





A Precessão acontece porque as forças gravitacionais do sol e da lua atuam por sobre a Terra (que não é esférica) enquanto esta gira, vagarosamente mudando a orientação do eixo da Terra.  Este eixo, inclinado num ângulo de 23o., traça um caminho em torno da eclíptica ao longo de 25.800 mil anos terrestres na realização de todo seu círculo. Isso significa que Polaris - a estrela que viemos considerando nossa estrela polar  celestial do norte -, vagarosamente irá transmitir sua posição à Vega, a brilhante estrela da constelação da Lira. 

Extraído da revista Astronomy,  edição de junho de 2002, página 73.  Parte do texto foi traduzido literalmente por Janine e também a ilustração sobre o caminho do pólo norte celestial foi invertida, para melhor visualização.

Pequeno Glossário:

Apex  -  um ponto central para onde outro objeto orbita e se move em direção a.
Apex do Caminho do Sol  -  o ponto na esfera celeste em direção ao qual nosso Sol viaja numa velocidade de cerca de 20 quilômetros por segundo.  A posição correta do apex do Sol pode variar entre os cientistas porém é quase acordado que seja em Hércules ou Lyra, Ascensão Reta de 18 horas ou 270 graus e Declinação 34 Norte. (3)
Eclíptica (plano da)  -  Plano da órbita terrestre.  Podemos definir também como o grande círculo de interseção deste plano com a esfera celeste.  O plano da eclíptica é inclinado de 23o27’ em relação ao Equador.
Ponto vernal  -  ponto da esfera celeste, situado na interseção da eclíptica com o equador, na qual o Sol, em seu movimento aparente anual, passa do hemisfério sul para o norte.(....) O ponto vernal é habitualmente designado pela letra y; equinócio da primavera, equinócio vernal, primeiro ponto de Áries.  (1)
Equinócio  -  Ponto da esfera celeste, interseção da eclíptica com o Equador.  O equinócio da primavera corresponde à passagem do Sol do hemisfério austral ao hemisfério boreal.  O equinócio do outono é o caso inverso.  Tais termos se aplicam também aos momentos em que estes fenômenos ocorrem.  Podemos dizer, também, que o equinócio é a data do ano na qual o dia é igual à noite (20-21 de março  -  22-23 de setembro)   (2)
Precessão dos Equinócios  -  o movimento do equinócio consiste em uma retrogradação (ou precessão) sobre a eclíptica, da ordem de 50.256 por ano, ou seja, de uma volta completa do equilíbrio em 26.000 anos  (2)
Solstício  -  é o instante no qual o Sol está mais afastado do Equador (22 ou 23 de junho e 22 ou 23 de dezembro)  (2)  -  Nessas datas, acontecem os solstícios de inverno e de verão.

(1)  -  Atlas Celeste
Ronaldo Rogério de Freitas Mourão
6ª edição  -  Editora Vozes, Petrópolis, RJ, Brasil – 1986
(2) -   Explicando o Cosmos
Ronaldo Rogério de Freitas Mourão
Editora Tecnoprint S.A.,  Rio, Brasil, 1984
(3) Norton’s Star Atlas
Arthur P Norton and J. Gall Inglis
Sky Publishing Co.
Cambridge, MA, USA



http://www.raremaps.com/gallery/detail/34422ac/Serpens_and_Serpentarius/Hevelius.html

Map Maker: Johannes Hevelius

Fine example of Johannes Hevelius's chart of the constellations Serpens and Serpentarius (also called Ophiucus) and surrounding environs, from his highly influential work, Firmamentum Sobiescianum sive Uranographia



  
Os desenhos formados pelas estrelas
 – As Constelações -
 são como janelas que se abrem para a infinitude do universo 
e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, 
bem mais, entre o céu e a terra ...; 
bem como percebendo que o caos, 
vagarosamente, 
vai se tornando Cosmos e sendo por nossa mente conscientizado. 

 Quer dizer, 
nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.

COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward