quinta-feira, 23 de março de 2017

Lua em final de ciclo apontando para M30, o único Objeto Messier em Capricórnio


Olá!

Nesta Postagem
estaremos apresentando
alguma informação 
sobre o único constante Objeto Messier
na constelação do Capricórnio:
M30.


Stellarium

Stellarium



Sabemos que Capricornus é uma constelação
acolhendo estrelinhas bem simpáticas porém tímidas
e que podem ser bem observadas a olho nu
- à visão desarmada -
somente em lugares de céus bem escuros e transparentes
e em noites de ausência de Lua, de preferência.

Gostaria de chamar a atenção do Caro Leitor
para o fato de que existe uma espécie de fusão, digamos assim,
entre os campos das constelações Capricornius e Aquarius.

Quer dizer,

quando estamos observando o Objeto
M30,
estaremos apontando nossos aparelhos ópticos
para praticamente uma mesma direção
- porém um tantinho mais ao sul, é claro -,
em relação aos Objetos Messier único na constelação do Aquário,
M72 e M73.

(Confira nas Ilustrações e nas Cartas Celestes 
apresentadas mais abaixo).

Boa Observação e Bons Estudos!

Com um abraço estrelado,
Janine Milward


 http://www.stellarium.org/pt/



Caro Leitor:

Veja na Ilustração mais acima,
 o posicionamento do Objeto Messier
denominado M30
na direção da constelação Capricornius.



Veja mais abaixo,
a Ilustração apresentando
o posicionamento dos Objetos Messier
denominados M72 e M73,
na direção da constelação Aquarius.


http://www.stellarium.org/pt/







Mario Jaci Monteiro - Cartas Celestes, As Constelações
CARJ/MEC/CAPES/PADCT-SPEC



CAPRICORNUS, Capricórnio,
A CABRA


Posicionamento:
Ascensão Reta 20h4m / 21h57m   Declinação -8o.7 / -27o.8


Mito:
Durante a guerra contra os Gigantes, os Deuses foram levados ao Egito, sendo perseguidos por Tifão.  Para escaparem do inimigo, os Deuses tiveram que trocar de forma.  Pan, mergulhando no Milo, ficou com a parte superior de seu corpo transformada em cabra e a parte inferior, em peixe.  Júpiter considerou que este feito merecia ser comemorado nos céus.


Algumas Informações Interessantes acerca esta Constelação:

A denominação Capricórnio, dada pelos caldeus e babilônios, prende-se talvez a uma associação com as cabras que desciam das montanhas com a chegada do inverno; o Sol atinge neste asterismo o seu maior afastamento do Pólo Norte.

Há 2 mil anos, com efeito, o Sol atingia Capricórnio no solstício do inverno e Câncer, no solstício do verão.  Daí a denominação dada pelos geógrafos à linha que passa a 23o ao sul do Equador de Tropico de Capricórnio, e à que passa a 23o ao norte de Equador, de Tropico de Câncer.  O Sagitário é, atualmente, o ponto onde o sol se encontra quando está mais ao sul.

(Leia mais sobre este Tema de Solstícios e Equinócios nas Eras passadas e atual, acessando meu (Janine) Trabalho em http://sobrecaranguejo.blogspot.com.br)


Fronteiras:
A constelação de Capricornus faz fronteira com Pisces Austrinus, Aquarius, Áquila, Sagittarius, Microscopium

6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986








OBJETO MESSIER
NA DIREÇÃO DA CONSTELAÇÃO CAPRICORNIUS:


NGC 7099 - M 30 - Aglomerado Globular Capricórnio
Ascensão Reta 21h39m       Declinação -23o.15
Magnitude fotográfica global  8,6      Diâmetro aparente  8’,9        Tipo Espectral A7
Distância kpc   12,6    Velocidade Radial (km/s)   - 164
 Próximo da estrela 41 Capricornii, este aglomerado globular apresenta um núcleo brilhante, quando visto de binóculos.  Com telescópio, são vistas cerca de 30 estrelas.


6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986





http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/c/c2/Messier_30_Hubble_WikiSky.jpg/1024px-Messier_30_Hubble_WikiSky.jpg



 Messier 30 (NGC 7099) é um aglomerado globular localizado na constelação de Capricornus. Foi descoberto por Charles Messier em 1764.
M30 está a uma distância de cerca de 26 000 anos-luz da Terra e é, em geral, o último objeto a ser visualizado em uma Maratona Messier, uma competição entre astrônomos amadorescom o objetivo de visualizar o maior número possível de objetos Messier em apenas uma única noite.

Descoberta e visualização

aglomerado globular foi uma das descobertas originais do astrônomo francês Charles Messier, que o catalogou em 3 de agosto de 1764. Descreveu-o como uma nebulosa sem estrelas. Apenas 20 anos mais tarde, William Herschel, descobridor de Urano foi a primeiro a resolver suas estrelas mais brilhantes.7
Suas estrelas mais brilhantes podem ser vistas com telescópios amadores de aberturas maiores que 4 polegadas. Em maratonas Messier, onde astrônomos amadores são desafiados a visualizar todos os objetos Messier em apenas uma única noite, Messier 30 geralmente é o último objeto a ser localizado, não por questões de dificuldade, mas pela programação e sua posição na esfera celeste.7



M30 (= NGC 7099)
Discovered (1764) by Charles Messier
A 7th-magnitude globular cluster in Capricornus (RA 21 40 22, Dec -23 10 43)
Click on the image (below) or the NGC link (above) for more information
(Image Credits: REU program, AURA, NSF, NOAO)




Messier 30

Globular Cluster M30 (NGC 7099), class V, in Capricornus

[m30.jpg]
Right Ascension21 : 40.4 (h:m)
Declination-23 : 11 (deg:m)
Distance26.1 (kly)
Visual Brightness7.2 (mag) 
Apparent Dimension12.0 (arc min)

ACESSANDO


Globular

Globular clusters are gravitationally bound concentrations of approximately ten thousand to one million stars. They populate the halo or bulge of the Milky Way and other galaxies with a significant concentration toward the Galactic Center. Spectroscopic study of globular clusters shows that they are much lower in heavy element abundance than stars such as the Sun that form in the disks of galaxies. Thus, globular clusters are believed to be very old and formed from an earlier generation of stars (Population II). More recent estimates yield an age of 12 to 20 billion years; the best value for observation is perhaps 14 to 16 billion (see e.g. the discussion at M92). As their age is crucial as a lower limit for the age of our universe, it was subject to vivid and continuous discussion since decades. The age of globular clusters is determined by investigating their H-R diagrams, as discussed in our globular cluster page.


The disk stars, by contrast, have evolved through many cycles of starbirth and supernovae, which enrich the heavy element concentration in star-forming clouds and may also trigger their collapse.

Our galaxy has about 200 globular clusters, most in highly eccentric orbits that take them far outside the Milky Way. Most other galaxies have globular cluster systems as well, in some cases (e.g., for M87) containing several thousands of globulars! 



SAIBA MAIS SOBRE 

Globular Star Clusters

ACESSANDO





VEJA O  VÍDEO
https://www.youtube.com/watch?v=EAREyfd0Gmg

More & More & More Stars (M30)

- Deep Sky Videos




ENCONTRE MAIS INFORMAÇÕES E IMAGENS
SOBRE M30
acessando






.............................................................................

SAIBA MAIS
Sobre a Constelação Capricornius
acessando meu Trabalho em
http://daterraaoceueaoinfinito.blogspot.com.br/2013/08/capricornus-cabra.html

.................................................................



O CATÁLOGO MESSIER


Catálogo Messier é um catálogo astronômico composto por 110 objetos do céu profundo, compilado pelo astrônomo francês Charles Messier entre 1764 e 1781.1Originalmente com o nome "Catalogue des Nébuleuses et des amas d'Étoiles, que l'on découvre parmi les Étoiles fixes sur l'horizon de Paris" (Catálogo de Nebulosas e Aglomerados Estelares Observados entre as Estrelas Fixas sobre o Horizonte de Paris), foi construído com objetivo de identificar objetos do céu profundo, comonebulosasaglomerados estelares e galáxias que poderiam ser confundidos com cometas, objetos de brilho fraco e difusos no céu noturno.2
Antes de Messier, vários outros astrônomos elaboraram catálogos semelhantes, como a lista de seis objetos de Edmond Halley,3 o catálogo de William Derham, baseado no catálogo de estrelas de Johannes Hevelius, o Prodomus Astronomiae, o Catálogo das Nebulosas do Sul de Nicolas Louis de Lacaille, de 1755, bem como as listas deGiovanni Domenico Maraldi e Guillaume Le Gentil e Jean-Philippe de Chéseaux. Os diferentes objetos do catálogo são designados pela letra M seguida de um número, que corresponde à ordem cronológica das descobertas ou inclusões: assim, M1 corresponde ao primeiro objeto catalogado, enquanto que a galáxia de Andrômeda, conhecida desde a Idade Média, é apenas o objeto M31. Os objetos do catálogo, conhecidos como "Objetos Messier", também constam em outros catálogos mais recentes, como o New General Catalogue (NGC).
.....................................................

História


Com o objetivo de não mais confundir esses objetos difusos e fixos com cometas, Messier decidiu procurar outros objetos que poderiam enganar a si próprio e a outros astrônomos e decidiu incluí-los em um catálogo que descrevesse suas posições exatas e características.9 Segundo o próprio astrônomo:Messier foi motivado a elaborar o catálogo enquanto estava à procura do cometa Halley em 1758.4 5 Segundo os cálculos orbitais de Joseph-Nicolas Delisle, chefe doobservatório astronômico onde ele trabalhava, Halley reapareceria na constelação do Touro.6 Enquanto observava o céu noturno à procura de Halley, descobriu independentemente outro cometa7 e um objeto de aparência semelhante, mas que não se movia em relação às estrelas vizinhas, sendo o primeiro objeto do céu profundodescoberto pelo astrônomo francês. Esse objeto é conhecido atualmente como a Nebulosa do Caranguejo, o remanescente da supernova de 1054.8
"O que me levou a construir o catálogo foi a descoberta da nebulosa I acima do chifre sul de Touro em 12 de setembro de 1758, enquanto observava o cometa daquele ano. Esta nebulosa tinha tamanha semelhança com um cometa em sua forma e brilho e me esforcei para encontrar os outros, de modo que os astrônomos não mais confundissem estas mesmas nebulosas com cometas."9

SAIBA MUITO MAIS, acessando






http://pt.wikipedia.org/wiki/Cat%C3%A1logo_Messier





Os desenhos formados pelas estrelas
 - AS CONSTELAÇÕES - 
são como janelas que se abrem para a infinitude do universo 
e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, bem mais,
 entre o céu e a terra..., 
bem como percebendo que o caos, 
vagarosamente,
vai se tornando Cosmos
 e este por nossa mente sendo conscientizado.

Quer dizer, 
nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward
Alguns dados apresentados neste Trabalho
devem requerer do Caro Leitor
alguma pequena retificação.

Obrigada por sua compreensão.

Visitando os Sites abaixo,
 você conseguirá informações atualizadas e preciosas
sobre os Objetos Celestiais de seu interesse:

NASA/IPAC EXTRAGALACTIC DATABASE –
NASA/IPAC Extragalactic Database (NED) -  operated by the Jet Propulsion Laboratory, California Institute of Technology, under contract with the National Aeronautics and Space Administration.


THE NIGHT SKY ATLAS
The night sky atlas creates images of any part of the night sky, allowing easy location of any object. Detailed chart images show all stars visible to the naked eye, the constellations, Messier objects, and names of the brightest stars.

The Internet STELLAR DATABASE
- stars within 75 light-years.  (Plus some of the more well-known "name brand" stars farther away.)