quarta-feira, 8 de março de 2017

Lua visitando o Caranguejo e saudando M44, o Presépio, a Colmeia de Abelhas


Olá!

É sempre um imenso prazer
podermos apreciar o Presépio
- principalmente com visão enviesada
e em lugares de céus escuros e transparentes
e em noites de ausência de Lua.

Bem, a luminosidade da Lua de hoje a noite
certamente estará nos impedindo
de saborear esta visão a olho nu
sempre tão grata
desse enxame de estrelinhas-bebês
que viajam juntas.

Nesta Postagem, Caro Leitor,
encontre alguma informação
 sobre a constelação do Caranguejo,
Cancer,
bem como informações sobre M44,
 o Presépio, a Colmeia de Abelhas.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward





Stellarium






Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes


Quando Cancer, o Caranguejo, situava-se no lugar do Solstício
(Verão para o hemisfério norte e inverno, para o hemisfério sul)

Janine Milward


Câncer é uma antiga constelação e uma dentre as doze que fazem parte do Zodíaco.  Há muito tempo atrás, essa constelação atuava enquanto pano de fundo para o Sol quando este atingia o solstício do verão, sua elevação máxima sobre o equador celestial - na latitude 23.5 Norte e este lugar foi conhecido como o Trópico de Câncer.  O movimento de Precessão deslocou este ponto para agora situar-se na fronteira entre Gêmeos e Touro.

A origem desta constelação é duvidosa.  Alguns autores associam-na à semelhança do movimento do Sol, no solstício de verão, com o modo de andar do caranguejo (porque, neste momento, existe a parada aparente do andamento do Sol, em sua extremidade máxima de andamento para o nordeste/noroeste, e seu retorno de andamento aparente até alcançar o solstício do inverno, em sua extremidade máxima de andamento para o sudeste/sudoeste.


Richard Hinckley Allen, Star Names, Their Lore and Meaning, Dover Publications, Inc, New York, USA 












Richard Hinckley Allen, em seu famoso e importantíssimo livro
Star Names — Their Lore and Meaning -,
nos revela algumas informações interessantes sobre a nomeação de Cancer, o Caranguejo, em relação à esta sua posição de destaque na ocupação do lugar do Solstício de Verão/Inverno, durante a Era de Áries bem como anteriormente e posteriormente a este tempo:

...................

Cancer é a constelação menos proeminente do Zodíaco.  
A mitologia desculpa-se em ter colocado Cancer no céu através a estória de que quando o Caranguejo foi esmagado por Hercules – por agarrar-se em seus pés durante sua luta com a Hydra, em Lerna -, Juno exaltou o Caranguejo colocando-o no céu (Juno e Hercules eram inimigos).   

No entanto, poucos signos celestes têm sido objetos de mais atenção naqueles tempos do passado e poucos também tão determinados – porque, de acordo com os Caldeus e a filosofia platônica, Cancer era considerado como o Porão dos Homens, através o qual as almas desciam do céu para se tornarem corpos humanos.

.............................

Diz-se que Cancer teria sido considerado pelos Arcádios como o Sol do Sul – talvez por sua posição no solstício do inverno em remota antiguidade.  Porém, mais tarde, foi associado com o quarto mês Duzu – nossos Junho/julho – e era conhecido como o Portão Norte do Sol, onde esse luminar começa seu movimento de retrogradação. 

Kircher disse que no Egito Coptico, esta constelação era denominada como o Poder da Escuridão; La Lande identificou esta questão como Anubis, uma das divindades do Nilo comumente associada com Sírius.  Porém os Judeus julgaram esta constelação representando a tribo de Issachar, a quem Jacob aliou ao jumento poderoso – ao qual os dois Aselli representam (as duas mulas) enquanto Dupuis afirmou que este último título foi derivado desta associação Judaica.

Uma crônica saxônica datada de cerca o ano 1000, tinha Cancer que é Crabba – o Caranguejo.  Chaucer escreveu Cancre – provavelmente um relicário dos dias anglo-normânicos, porque em seu tempo esta constelação era chamada de Canser.  Milton denominou esta constelação como O Caranguejo do Trópico – pelo fato de que marcou um desses grandes círculos.

Não apresentando mais do que algumas poucas estrelas e tendo sua estrela-alpha não alcançado mais do que a quarta magnitude, foi considerada esta constelação como Signo da Escuridão, muitíssimo descrita como negro e sem olhos.  Dante, aludindo esta carência de iluminação e sua alta posição nos céus, escreveu em seu Paraíso:

Thereafterward a light among them brightened,
So that, if Cancer one such crystal had,
Winter would have a month of one sole day.

A partir de então, uma luz brilhou entre eles, de forma que, se Cancer fosse um cristal, o Inverno haveria de ser como um mês de um dia somente.


Jensen denominou Cancer como a Tartaruga da Babilônia e da mesma forma esta constelação foi figurada no Egito em 4000 AC – apesar de que, nas inscrições egípcias de cerca de 2000 AC, esta constelação foi descrita como o Escaravelho, sagrado, assim como seu específico nome sacer significa e considerado um emblema de imortalidade. Também esta constelação foi considerada pelos Gregos como um ninho de terra em suas garras, uma idéia que continuaria a ocorrer até inclusive o século XII, quando um manuscrito astronômico ilustrou uma espécie de besouro de água.
............................

Caesius denominou esta constelação como Couraça da Justiça, em Ephesians vi.14; enquanto Presépio e Jumentos formavam a Manjedoura de Jesus Menino, com o burro e o boi aparentemente de pé.  Julius Schiller disse que tudo na constelação representava São João, o Evangelista.

…………………………………….




Algumas Estrelas em Câncer:


Acubens.  Alpha Cancri. 
Próxima à Ascensão Reta 9h e Declinação cerca de  12o.
Uma estrela dupla com componentes brancos e vermelhos, situada na garra sul do Caranguejo.  De Al Zubanah, as Garras.

Al Tarf - Beta Cancri
Próxima à Ascensão Reta 8h e Declinação cerca de 9o.
O Fim, designação árabe para indicar a extremidade do pé mais ao sul.

Aselli.  Gama e Delta Cancri. 
Gama é chamada de Asellus Borealis e Delta, de Asellus Australis

Asellus Australis situa-se exatamente na linha da Eclíptica enquanto Asellus Borealis fica um tantinho mais ao norte, porém ambas na mesma Ascensão Reta, quase 9h.

Aselli representam os anos (jumentos, mulas) escondidos por Baco e Vulcano durante a guerra entre os Deuses e os Titãs.  O berro desses animais assustou de tal forma os Titãs que estes fugiram e os Deuses, em gratidão, carregaram ambos os jumentos e sua manjedoura (O Presépio, M44) para os céus.

As estrelas cor de palha conhecidas como a Mula do Norte (Delta) e a Mula do Sul (Gama), na língua latina asellus, situadas no corpo do Caranguejo.

Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes
excerto de Cancer, o Caranguejo



Tegmine - Zeta Cancri
Tegumento, Tegmen, nome de origem latina usado para designar a cobertura, ou seja, a casca do Caranguejo.

Iota Cancri - Estrela Dupla
AR 08h43m  Dec +28o.57
M 4,2 e 6,6 Distância entre estrelas 30”39

R Cancri - Estrela Variável
Ascensão Reta 08h13m     Declinação +11o.53
Magnitudes: Max 6,0   Min 11,8    Período 374,0
Tipo PLG   Espectro M7e



55 Cancri, na constelação de Cancer é uma estrela binária que dista 41 anos-luz da Terra, onde existe um sistema planetário com 5 planetas confirmados em 2007. É também chamado de Rho Cancri no sistema de Bayer.
A primeira estrela, chamada 55 Cancri A é uma estrela parecida com o nosso Sol, a segunda, 55 Cancri B, é uma pequena estrela vermelha. As duas estrelas estão a uma distância de 1000 UA uma da outra.
Foram descobertos cinco planetas extra solares orbitando 55 Cancri, quatro comparáveis à massa de Júpiter (55 Cancri b55 Cancri c55 Cancri d e 55 Cancri f) e o quinto à de Neptuno (55 Cancri e).
Este é o primeiro sistema planetário extra solar com 5 planetas jamais descoberto.

55 Cancri e(abreviado55 Cnc e) é um exoplaneta com metade da massa de Netuno orbitando a sua estrela 55 Cancri. Sua massa é cerca de 8.3 massas da Terra, classificando-o como a primeira Super-Terra descoberta em torno de uma estrela da seqüência principal, antecedendo Gliese 876 d por um ano. Demora menos de 18 horas para completar umaórbita e é o planeta interno mais conhecido em seu sistema planetário. 55 Cancri e foi descoberto em 30 de agosto de 2004. No entanto, até 2010, segundo observações e cálculos, este planeta tinha sido pensado para levar cerca de 2.8 dias para orbitar a estrela.

55 Cancri E: Diamond Planet 40 Light Years Away

Yale researchers have discovered that a rocky super-Earth orbiting a nearby star is a diamond planet.


This illustration shows the interior of 55 Cancri e, an extremely hot planet with a surface of mostly graphite surrounding a thick layer of diamond, below which is a layer of silicon-based minerals and a molten iron core at the center (Haven Giguere)
"This is our first glimpse of a rocky world with a fundamentally different chemistry from Earth,” said Dr Nikku Madhusudhan, a Yale researcher in physics and astronomy and lead author of a paper to be published in theAstrophysical Journal Letters (arXiv.org version).
“The surface of this planet is likely covered in graphite and diamond rather than water and granite.”
The planet, called 55 Cancri e, has a radius twice Earth’s, and a mass eight times greater, making it a so-called super-Earth. It is one of five planets orbiting a sun-like star, 55 Cancri, that is located 40 light years from Earth yet visible to the naked eye in the constellation of Cancer. The planet orbits at hyper speed – its year lasts just 18 hours, in contrast to Earth’s 365 days. It is also blazingly hot, with a temperature of about 3,900 degrees Fahrenheit, researchers said, a far cry from a habitable world.http://www.sci-news.com/astronomy/article00649.html
Star map showing the planet-hosting star 55 Cancri in the constellation of Cancer. The star is visible to the naked eye, though better through binoculars. Image Credit: Nikku Madhusudhan; created using Sky Map Online



http://www.raremaps.com/gallery/detail/27996/Cancer_Stars_heightened_in_gold/Hevelius.html

Map Maker: Johannes Hevelius


Fine example of Johannes Hevelius's chart of Cancer and surrounding constellations, from his highly importantFirmamentum Sobiescianum sive Uranographia.



Crédito: Bob Franke
http://www.astropt.org/2014/03/10/m44-aglomerado-da-colmeia/?utm_source=astroPT%20-%20Novo%20Post%21&utm_medium=email&utm_campaign=4034470125-Emails%20enviados&utm_term=0_0804f6d887-4034470125-64831629

Crédito: Bob Franke

http://bf-astro.com/
Focal Pointe Observatory
Astrophotography by Bob Franke




O PRESÉPIO 
ou
COLMEIA DE ABELHAS
ou
A MANJEDOURA
ou 
BERÇÁRIO DE ESTRELINHAS



NGC 2632 - M 44 - Aglomerado Aberto
Ascensão Reta  08h39m     Declinação +20o.4
Magnitude fotográfica global  3,9   Magnitude fotográfica da mais brilhante estrela 7,5
 Distância kpc 0,158      Diâmetro 90’      Tipo Espectral A0

M44
Praesaepe, em Câncer:

Situado entre as Mulas do Sul e do Norte, contendo mais de 300 estrelas fusionadas e entre Magnitude visual 6 e 12 - verdadeira maravilha de poder ser observada, como se fosse uma lua cheia de estrelinhas tímidas: é um aglomerado situado na cabeça do Caranguejo, popularmente chamado de Colméia de Abelhas e conhecido pelos chineses pelo nome de Tseih, She Ke, Exalação dos Corpos Empilhados.

O Presépio representa a mangedoura 
onde Baco e Vulcano esconderam os dois jumentos ou Aselli

Aselli.  Gama e Delta Cancri. 
Gama é chamada de Asellus Borealis e Delta, de Asellus Australis

Asellus Australis situa-se exatamente na linha da Eclíptica enquanto Asellus Borealis fica um tantinho mais ao norte, porém ambas na mesma Ascensão Reta, quase 9h.

Aselli representam os anos (jumentos, mulas) escondidos por Baco e Vulcano durante a guerra entre os Deuses e os Titãs.  O berro desses animais assustou de tal forma os Titãs que estes fugiram e os Deuses, em gratidão, carregaram ambos os jumentos e sua manjedoura (O Presépio, M44) para os céus.


- 6a. Edição do Atlas Celeste
de autoria de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão,
Editora Vozes, Petrópolis, ano de 1986


Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes
excerto de Cancer, o Caranguejo



As estrelas cor de palha conhecidas como a Mula do Norte (Delta) e a Mula do Sul (Gama), na língua latina asellus, situadas no corpo do Caranguejo.





Messier 44, também conhecido como PraesepeM44NGC 2632, ou Cr 189, é um aglomerado estelar aberto localizado na constelação deCancer. É um dos aglomerados estelares mais próximos do Sistema Solar, e contém uma população estelar maior que a maioria dos aglomerados próximos. É visível a olho nu; por isso é conhecido desde a antiguidade. O astrônomo clássico Ptolemeu o chamou de "a massa nebulosa de Cancer," e foi um dos primeiros objetos que Galileu estudou com seu telescópio.2
Messier 44 é melhor observado quando Cancer está alto no céu; em latitudes do norte isso ocorre durante o fim da tarde de fevereiro a março.

É conhecido desde os tempos pré-históricos. Gregos e romanos compararam esta "nebulosa" à manjedoura, associando os dois jumentos às estrelas Gamma Cancri, pertencente à classe espectral A1 V e de magnitude aparente 4,7, distanciado da Terra em 155 anos-luz, e Delta Cancri, pertencente à classe espectral K0 III e de magnitude aparente 3,9, distanciado da Terra também em 155 anos-luzErastótenes relatou que esses foram os jumentos nos quais os deuses Dionísio e Sileno montaram na batalha contra os Titãs, que ficaram amendrotados com o zurro dos animais e que por isso os deuses venceram. Como recompensa, os jumentos foram levados ao céu junto com a manjedoura. O poeta grego Arato referiu-se a esse objeto como a "Pequena Névoa". Hiparco, em 130 d.c., incluiu o aglomerado em seu catálogo estelar, chamando-o de "Pequena Nuvem" ou "Estrela Nebulosa". Ptolomeu menciona-o como uma de sete "nebulosas" em seu Almagesto, localizado no "peito do caranguejo". Também aparece em uma carta estelar de Johann Bayer, de 1600, como um "Nubilum" (objeto nebuloso).3

Galileu Galilei foi o primeiro a resolver as primeiras estrelas individuais do aglomerado. Declarou que "a nebulosa chamada Presépio, que não é apenas uma única estrela, mas uma massa de mais de 40 pequenas estrelas." Foi visto por Nicholas-Claude Fabri de Peiresc, o descobridor danebulosa de Órion, que também resolveu suas estrelas mais brilhantes em 1611. Simon Marius, um ano mais tarde, também disse ter observado o aglomerado. O astrônomo francês Charles Messier adicionou-o em seu catálogo em 4 de março de 1769 após medir com precisão sua posição no céu. Junto com a Nebulosa de Orion e o aglomerado Plêiades, sua inclusão ao catálogo foi curiosa, visto que a maioria dos outros objetos Messier são menos brilhantes e facilmente confundidos com cometas. Uma possiblidade é que Messier queria ter um catálogo maior que o de seu rival científico, Lacaille, cujo catálogo de 1755 continha 42 objetos, entã ele adicionou objetos brilhantes e bem conhecidos.
..................




VEJA UMA BELÍSSIMA IMAGEM DO PRESÉPIO - M44 - 
REALIZADA POR ROTH RITTER,
 ACESSANDO
http://www.darkatmospheres.com/astro/gallery/clusters/enlarge.php?fileBase=clusters_5











Messier 44

Open Cluster M44 (NGC 2632), type 'd', in Cancer

Beehive Cluster, Praesepe


[m44.jpg]
Right Ascension08 : 40.1 (h:m)
Declination+19 : 59 (deg:m)
Distance0.577 (kly)
Visual Brightness3.7 (mag) 
Apparent Dimension95.0 (arc min)

Known to Aratos 260 B.C.

This famous cluster, Messier 44 (M44, NGC 2632), is also called Praesepe (Latin for "manger"), or the Beehive cluster. It is also one of the objects easily visible to the naked eye, and thus known since prehistoric times. Some ancient lore is associated with it: Greeks and Romans saw this "nebula" as the manger (Greek: Phatne) associated with two asses who eat from it, Asellus Borealis, the Northern Ass (Gamma Cnc; Spectral type A1 V, mag 4.7, distance 155 ly) and Asellus Australis, the Southern Ass (Delta Cnc; Spectrum K0 III, mag 3.9, distance 155 ly). Erathosthenes reported that these were the asses on which the gods Dionysos and Silenus rode into the battle against the Titans, who were frightened by the animals' braying so that the gods won. As a reward, the asses were put in sky together with Phatne. Aratos (260 B.C.) mentioned this object as "Little Mist", Hipparchus (130 B.C.) included this object in his star catalog and called it "Little Cloud" or "Cloudy Star." Ptolemy mentions it as one of seven "nebulae" he noted in his Almagest, and describes it as "The Nebulous Mass in the Breast (of Cancer)". According to Burnham, it appeared on Johann Bayer's chart (about 1600 A.D.) as "Nubilum" ("Cloudy" Object).

Galileo has first resolved this "nebulous" object, and reported: "The nebula called Praesepe, which is not one star only, but a mass of more than 40 small stars." It was probably later seen and partly resolved in 1611 by Peiresc, the discoverer of the Orion Nebula (M42), and observed as a cluster by Simon Marius in 1612. Charles Messier added it to his catalog on March 4, 1769.
..................................

LEIA MAIS
em













Sven Kohle's and Till Credner's Messier Object images





MEUS  COMENTÁRIOS SOBRE O PRESÉPIO

Janine Milward


Uma das cenas dos céus estrelados em noite escura e transparente (e sem Lua, de preferência!) que eu mais aprecio é a visão incrívelmente bela do Presépio, a Manjedoura, a Colméia de Abelhas, o Berçário de estrelinhas-bebês, M44!

A bem da verdade, é preciso que observemos esse objeto maravilhoso quase que com nossa visão enviesada, sim.  No entanto, sempre em noites bem escuras e transparentes, o Presépio nos chama atenção com sua luz tímida porém intensa - como se fosse uma lua cheia de estrelinhas!

É bem assim mesmo: uma lua cheia de estrelinhas tímidas!  Eu penso que a denominação Colmeia de Abelhas acaba sendo perfeita para M44, sem dúvida alguma!

Eu penso que existem duas formas de vermos essa lua cheia de estrelinhas: prefiro vê-las a olho nu.  No entanto, um par de binóculos de resolução baixa também pode ser uma boa escolha.

Seja como for, é sempre importante que estejamos em um lugar de céus escuros e transparentes e em noite sem Lua, de preferência.

Uma outra questão também interessante é o fato de que o Presépio se situa acolhendo a  Linha da Eclíptica e isso quer dizer que os Planetas vão passeando grudados a este belíssimo objeto.

No caso de Marte e Saturno, por exemplo, eu penso que esta passagem é sempre gloriosa.  No caso de Vênus e de Júpiter, por outro lado, eu penso que a luz desses Planetas um tanto que acaba afugentando as estrelinhas tímidas do Presépio. No caso de Mercúrio..., pelo fato deste Planeta estar sempre tão próximo ao Sol, esta luminosidade do céu matutino ou vespertino acaba impedindo nossa visão da lua cheia de estrelinhas...

Sempre que posso ver o Presépio, é certamente um momento interessante para ir trazendo meu olhar um tantinho ao sul e bem observar a Cabeça da Hydra e ir percebendo o enredilhar de seu corpo estrelado, seu Coração batendo através a estrela-alpha Hyadrae, Alphard, e ainda rastejar junto a esta belíssima e tímida constelação através o Sextante, a Taça e  o  Corvo, bem como o garboso Leão e virginal Virgem, concluindo-se, quase que imperceptivelmente, na proximidade da Balança.

Outra questão também interessante quando estamos em momento de boa observação do Presépio - momentos de céus escuros e transparentes e com a Lua bem distanciada, de preferência -, é o fato de que o Caranguejo vivencia um lugar muito próximo a uma imensa nesga esbranquiçada, um rio de algodão estrelado, a Via Láctea, cortando o céu estrelado de norte a sul... , e, no entanto, a lua cheia de estrelinhas-bebês, a Colmeia de Abelhas, esconde-se na escuridão..., quase como se fosse um quarto sem-luz porém ao lado de uma sala e de um corredor extremamente iluminados!

A constelação do Caranguejo, Cancer, é tão pequena... e ao mesmo tempo tão maravilhosa!  É um cantinho de rara beleza, de maravilhamento, de emoção sem-fim.

Com um abraço estrelado,
Janine


SAIBA MAIS 
Sobre a Constelação de Cancer, o Caranguejo
acessando meu Trabalho em

Os desenhos formados pelas estrelas 
- as constelações -
são como janelas que se abrem para a infinitude do universo
 e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, bem mais, 
entre o céu e a terra... 
 bem como percebendo que o caos, 
vagarosamente,
 vai se tornando Cosmos 
e sendo por nossa mente conscientizado.  

Quer dizer, 
nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.


COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward


VISITE MINHA PÁGINA
DA TERRA AO CÉU E AO INFINITO
http://daterraaoceueaoinfinito.blogspot.com.br/