sexta-feira, 21 de abril de 2017

Chuva de Meteoros ao som da Lira


Olá!


Bem, sempre uma Chuva de Meteoros 

nos traz momentos ímpares de real encantamento,
não é verdade?

Os céus estrelados das madrugadas deste final de semana,
Caro Leitor,
estarão em festa:
é tempo da Chuva de Meteoros
advinda da direção da constelação da Lira
- as chamadas Lirídeas -
e em madrugadas de Lua em final de ciclo,
Lua mostrando apenas seu fino anel prateado
e não trazendo luminosidade...
- o que pode nos garantir bons momentos
de observação dos rasgos iluminados
cortando os céus mais ao norte!

De qualquer maneira,
Caro Leitor,
existe uma proximidade entre a constelação da Lira
e a posição da Lua, em Aquário,
e talvez por esta razão
e mesmo com a pouco luminosidade de Selene,
a previsão é de apenas
cerca de 15 meteoros por hora.

Mas, sempre tudo vale a pena
quando a alma não é pequena,
já dizia o poeta Fernando Pessoa,
e o fim-de-semana 
acontecerá sob o céu estrelado
e suas maravilhas!

Nesta Postagem,
encontre alguma informação
sobre a constelação Lyra,
a Lira dos céus estrelados do norte.

A Lyra é uma constelação de uma sutileza 
e uma inefabilidade ímpares, 
uma verdadeira musicalidade celestial, 
sem dúvida alguma, 
e, 
a meu ver, 
uma chuva de meteoros 
advinda desta delicadíssima constelação 
só pode ainda nos enlear mais e mais 
e nos parecer estarmos vendo as cordas musicais 
sendo tocadas pelos bólides 

e seus riscos prateados rasgando o céu do norte.


Com um abraço estrelado,

Janine Milward


Stellarium


Stellarium



http://www.space.com/25568-lyrid-meteor-shower-2014-webcasts.html?cmpid=557160
Astrophotographer Jeff Berkes captured this Lyrid meteor in the marshlands of southern Maryland on April 14, 2013.
Credit: Jeff Berkes




Chuva de Meteoros Lirídeas - 



Chuvas Meteóricas
Datas
Taxa
Posição do Radiante
Astro Associado
Nome
Abrev.
Máximo
Duração
THZ
Const.
AR
Dec
Cometa ou Asteróide








Lirídeas
LYR
22/abr
16 Abr - 25 Abr
15
Lyr
271°
+34°
Thatcher C/1861 G

https://exploradordosceus.blogspot.com.br/p/2017.html




  Ilustração extraída da revista Sky&Telescope, edição de abril de 2001.


As Lirídeas são advindas do Cometa Thatcher, de 1861.

C/1861 G1 (Thatcher) é um cometa de longo período do qual se tem registro de uma única passagem pelas proximidades da Terra.

Órbita[

Descoberto em 1861, o cometa teve seus parâmetros orbitais determinados nesse mesmo ano por Auwers e Pappe. Em 1867, foi descoberto que esse cometa estava associado às Líridas, uma chuva de meteoros visível no mês de abril.[1]
C/1861 G1 (Thatcher)
Sem imagem.
Descoberta
Descoberto por
Data1861
Outros nomes
Informações orbitais
Excentricidade (e)0,983465
Semi-eixo maior (a)55,6818869 UA
Periélio (q)0,920700 UA
Afélio (Q)110,4430738 UA
Período orbital (P)415 anos
Inclinação (i)79,7733°
Último periélio3 de junho de 1861
Próximo periélio
Propriedades físicas
Dimensões
Massa
Velocidade de escape
https://pt.wikipedia.org/wiki/C/1861_G1_(Thatcher)


Segundo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão, 
em seu  Atlas Celeste, página 156, podemos ler:
  
Chuva de Meteoros.  Fenômenos luminosos produzidos pela entrada na atmosfera terrestre de um conjunto de meteoróides que surgem quase simultaneamente e parecem provir da mesma região do céu dando a impressão de uma chuva de estrelas.  Os meteoróides têm a tendência de girar em torno do Sol em enxames e a Terra passa através de vários enxames todos os anos.  No momento que a Terra atravessa uma dessas correntes de meteoros, ocorrem as denominadas chuvas de estrelas cadentes.  Toda chuva de meteoros parece ter sua origem num ponto particular do céu, denominado de radiante.  Alguns enxames de meteoros estão associados a determinados cometas; corrente de meteoros; enxame de meteoros, chuva de estrelas cadentes; enxames de estrelas cadentes.




A Lyra é uma constelação de uma sutileza e uma inefabilidade ímpares, 
uma verdadeira musicalidade celestial, sem dúvida alguma, 
e, a meu ver, 
uma chuva de meteoros advinda desta delicadíssima constelação 
só pode ainda nos enlear mais e mais 
e nos parecer estarmos vendo as cordas musicais sendo tocadas pelos bólides 
e seus riscos prateados rasgando o céu do norte.


Carta Celeste realizada por Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes



Mario Jaci Monteiro - As Constelações, Cartas Celestes    



Caro Leitor,
o texto abaixo é extraído do meu Trabalho
Sobre a Constelação da Lira
que pode ser acessado em



LYRA, A LIRA


http://www.ianridpath.com/atlases/urania/urania14.jpg



OBSERVAÇÃO DOS CÉUS 
DA CONSTELAÇÃO DA LIRA

Janine Milward

Gostaria lembrar ao Caminhante do Céu, Amigo das Estrelas,
que minha visão a olho nu do céu estrelado 
acontece a partir de onde sou enraizada na Terra,
através as coordenadas Latitude 21s52 e Longitude 43w00.
Proponho, então, que o Caminhante do Céu vá fazendo suas retificações
de acordo com o sítio onde estiver situado em suas observações do céu.


A Lira é uma constelação sempre maravilhosa e nos trazendo seu encantamento, seja através a observação a olho nú, ou através binóculos e telescópios.

A Lira, enquanto um instrumento musical, pode sempre estar nos apresentando apenas um dos instrumentos de sua grande orquestra....; ou pode sempre estar nos apresentando alguns ou mesmo (quase) todos os instrumentos/objetos celestiais de sua grande orquestra..;. e ainda o maestro apontando seu super telescópio para poder amealhar outros demais instrumentos/objetos celestes que aguardam serem revelados ao público sempre disposto a aplaudir a doce musicalidade advinda dessa belíssima constelação dos céus estrelados do norte! 

O simples e singular instrumento musical da Lira acontece quando a observamos a olho nú e nos deixamos encantar pela delicada música realizada através de suas cordas tremulantes sendo dedilhadas pelo mito de Orpheu. 

Alguns ou mesmo (quase) todos os instrumentos/objetos celestiais de sua grande orquestra acontece quando a observamos através simpáticos telescópios, de menor ou de maior potência.  Surgem objetos celestes admiráveis, fundamentalmente entra em cena a belíssima e sempre tão buscada e observada Nebulosa do Anel!

 O maestro regendo a grande orquestra e ainda revelando mais e mais instrumentos/objetos celestiais que aguardam por seus momentos de entrada..., acontece quando os super telescópios e a tecnologia cada vez mais avançada das várias formas de fotografia são direcionados para esta constelação! Aglomerados e Galáxias entram em cena e tomam seus lugares.

Eu diria que, nesta orquestra dos céus, o lugar do solista é ocupado pela estonteante Nebulosa do Anel que vai sendo revelada mais e mais em seus profundos segredos que repousam em seu interior aparentemente vazio e que vai se enchendo de estrelas, pouco a pouco - quanto mais avançadamente a astronomia caminha, mais profundamente investiga e traz à luz objetos celestiais ainda nem sonhados em nossa vã filosofia...!  Talvez possamos pensar que o maestro seja representado pela segunda mais brilhante estrela dos céus do norte e a quinta mais brilhante estrela de todos os céus: Vega.

Você e eu, Amantes das Estrelas, somos o público e nos posicionamos ansiosamente diante do belíssimo espetáculo apresentado no palco dos céus estrelados!


http://www.raremaps.com/gallery/detail/34993/Lyra/Hevelius.html
Map Maker: Johannes Hevelius



Abençoados eram os observadores e amantes dos céus estrelados de outrora, ainda quando não havia a luz elétrica iluminando as cidades e escondendo as luzes noturnas!  Para estes privilegiados observadores, as noites entre Lua Minguante e Lua Nova (e ainda os dois a três a quatro a cinco primeiros dias de Lua em novo ciclo), eram momentos de embevecimento total quando se colocavam sob o manto de estrelas da abóbada celeste!

Quando eu digo “noites entre Lua Minguante e Lua Nova (e ainda os dois a três a quatro a cinco primeiros dias de Lua em novo ciclo)”, eu quero me referir ao fato de que, na minha prática pessoal de vivência já por longos anos em sítios mais distanciados da poluição luminosa das cidades, venho observando que a Lua em novo ciclo a partir do quarto/quinto dia, já começa a clarear de tal maneira o céu que muitas estrelas já começam a empalidecer....  E, com o andar da carruagem da Lua subindo até o zênite e alcançando seu momento de Lua Crescente..., e depois, buscando o leste e alcançando seu momento de Lua Cheia..., praticamente todas as estrelas vão não somente empalidecendo, vão literalmente desaparecendo, desaparecendo..., até que restam apenas as grandiosas e brilhantes e principais estrelas, donas do palco celestial, e algumas poucas outras, estrelas coadjuvantes, nesta grande peça estelar da vida. 

Certa vez, um amigo meu astrônomo amador, veio me visitar no Sítio das Estrelas (e me presenteou com um telescópio kepleriano por ele mesmo artesanalmente construído!), e me disse, afirmou mesmo, que os antigos povos desenhavam e figuravam e delineavam as constelações quando eram tempos entre Luas Crescente e Cheia...  Não e Não, caro amigo das estrelas!  Não e Não. 

Minha prática de observação a olho nú, já por tantos e tantos anos morando em lugares de céus escuros e transparentes, é que o albedo, a luminosidade projetada da Lua é tão grande que ilumina nossos passos nos campos, nas estradinhas vicinais, nos traz olhos de coruja: na zona rural, na roça, à noite a tudo podemos ver!  Ao mesmo tempo, o albedo, a luminosidade lançada pela Lua vai apagando estrelas e constelações e a Via Láctea vai se desfazendo... Em tempos de Lua Cheia em lugares mais distantes da poluição luminosa das cidades, é possível até que leiamos um livro sob seu albedo, acredite, caro amigo das estrelas!  Em tempos de Lua Cheia, o que podemos ver no céu estrelado na roça é praticamente o mesmo que pode ser visto nas cidades iluminadas..., com a simples diferença de que nas cidades, a Lua se torna apenas um disco iluminado, ou seja, não se percebe seu albedo, que pena, apenas um tom de maior claridade, a meu ver.

Voltando aos privilegiados povos antigos, carentes de maior iluminação em suas vidas caseiras e sociais noturnas porém felizes por possuírem o manto de estrelas a lhes trazer aconchego ao corpo e ao coração...: dentre todo festival de estrelas mil e de constelações tantas a lhes deixarem zonzos de histórias e mitos..., o som celestial da Lira sempre, sempre, sempre, lhes chamou a atenção, lhes fizeram voltar seus olhos para uma estrela maravilhosa, Vega - a estrela Alpha da encantadora e delicada constelação da Lyra, sempre moradora dos céus do norte, sempre protegida pela Cabeça do Dragão protetor do Pólo Norte Celestial, sempre perfazendo um belíssimo Triângulo com outras duas estrelas também maravilhosas e bem posicionadas: Altair, Alpha Aquilae, situada a menos de 10 graus ao norte da Linha do Equador Galáctico, e Deneb, Alpha Cygnus, abrindo e esticando suas asas de forma a abraçar o mundo, voando através os céus estrelados do norte!


http://apod.nasa.gov/apod/ap961212.html
The Milky Way Through the Summer Triangle
Credit and Copyright: Andy Steere
Explanation: There are more than a few stars in our Galaxy. The light from many of them combines to appear as a wisp of faint light across the night sky - the Milky Way. In the northern hemisphere, away from city lights and during the summer months, part of the Milky Way can be seen behind the Summer Triangle of stars - DenebVega, and Altair. These are the brightest three stars in the above photograph, listed from left to right, respectively. If you could collect light in your eyes for 10 minutes at a time (instead of the usual 1/10th of a second), you might see something like the above photograph. Behind the Summer Triangle lies some of the vast star fields of our Milky Way Galaxy, containing literally billions of stars. The dark band across the middle that seems to divide the stars is actually interstellar dust, which absorbs more visible light than it emits and so appears dark.



Este é o chamado Triângulo do Verão
 (verão para o hemisfério norte e inverno, para o hemisfério sul, naturalmente).  

Stellarium




São dois pássaros voando - Águia e Cisne - e um instrumento musical tocando - Lira, Violino, Címbalo, Harpa, Cítara -, e também sempre não podemos nos esquecer que a constelação da Lira tem sido denominada de Vultur Cadens, Águia que Cai, Abutre Mergulhando, ou seja, formando uma trindade de pássaros e suas estrelas Alpha - Altair, Deneb e Vega (cujo vocábulo deriva de uma Ave de Rapina, Al Waki) : o Grande Triângulo do céu do norte! 


(Alguns alfarrábios afirmam que o vocábulo Al Waki procurava designar enquanto um Pássaro as três estrelas formadoras do Pequeno Triângulo, ou seja, Alpha, Epsilon e Zeta Lyrae).




http://www.raremaps.com/gallery/detail/31398op/_Lyra_Stars_Heightened_in_Gold/Bayer.html
Map Maker: Johann Bayer



Este Grande Triângulo acaba por amealhar, para nossa visão a olho nú, algumas constelações que se encontram em seu entorno:

Primeiramente, eu tenho a dizer que a constelação da Lira atrai minha imediata atenção para os céus do norte e para si e certamente é sempre Vega a estrela a atuar enquanto um verdadeiro farol! 

Em segundo momento, se o observador estiver situado em um sítio de céus escuros e transparentes e em noite de Lua ainda escondida, lua boêmia e/ou adolescente (Lua entre suas fases de Minguante a Nova, de preferência, e/ou Lua em dias iniciais de novo ciclo e já deitada no horizonte oeste), é certo que a Via Láctea estará se apresentando de maneira grandiosa, advinda do Cruzeiro do Sul e logo encontrando o Escorpião e a partir de então, deixando acontecer o Rio do Vazio (denominação minha) que vai correndo entre duas margens de estrelinhas de algodão e novamente encontrando terra firme (ou retorno à Via Láctea tecida pelas estrelinhas de algodão), digamos assim, já na constelação do Cisne e ainda acontecem duas lagoas até que finalmente entra em cena a estrela Alpha Cygnus, Deneb (sendo que o Cisne quase por inteiro voa por sobre as águas da praia do Rio do Vazio e sobre as duas lagoas).

Aquilo que eu, Janine, denomino enquanto Rio do Vazio, é um pedaço de escuridão, de vazio,  de fissura, de hiato, de brecha, que traz uma bifurcação, digamos assim, no caminho das estrelinhas de algodão da Via Láctea, a partir das constelações da Águia, do Escudo, da Cauda da Serpente e de Hércules, e que vai avançando tendo as constelações da Águia, de Hercules, de Sagitta, da Vulpecula e ainda a constelação da Lira em sua fronteira e concluindo seu percurso adentrando o Cisne até encontrar a praia de estrelinhas de algodão e encontrando ainda duas lagoas que terminam aos pés de Deneb, Alpha Cygnus.  Nem sempre os alfarrábios apresentam estas duas lagoas - Norton’s Star Atlas, sim - e optam por concluir o vazio diante de Deneb.

Esse Rio do Vazio é conhecido como a Grande Fissura, the Great Rift, a Grande Fenda.

Eu penso, então, que a denominação de Ponte dada por vários povos antigos para o percurso entre as estrelas Alpha Lyrae e Aquilae - Vega  e Altair - se devia ao fato de que (por terem o privilégio de observarem estrelas e Via Láctea em céus escuros e límpidos) estas estrelas Alpha não somente se encontram em margens opostas desse Rio do Vazio como Altair, Alpha Aquilae, encontra-se bem na beirada do caminho das estrelas esfumaçadas (embora praticamente todo o pássaro delineado pela constelação da Águia e quase todas suas estrelas componentes, situem-se cobrindo ambas as margens  e o próprio Rio do Vazio em si), já voltando-se para as constelações que distanciam-se da Via Lactea, como Aquarius, Pegasus, por exemplo; e Vega, Alpha Lyra, encontra-se situada já além do caminho das estrelinhas de algodão (embora o delineamento da constelação da Lira possua um de seus cantos exatamente na praia do Rio do Vazio e siga em direção ao seu miolo caminhando junto à Via Láctea até que a estrela Gamma, Sulafat, se coloque em sua fronteira luminosa e dê início às delicadas cordas da Lira).

O Cisne apresenta, em seu delineamento de constelação, grande parte de seu  vôo realizado através seu imenso corpo alongado em sua cabeça e ainda mais alongado em suas asas, e toda a constelação espraiando-se por sobre as duas margens e os momentos finais desse Rio do Vazio, sendo que sua estrela Alpha, Deneb, já se encontra em terra firme e após duas lagoas escuras, digamos assim, ou seja, o caminho das estrelinhas de algodão volta a fusionar as duas margens e segue adiante, a Via Lactea.  Nem sempre os alfarrábios apresentam estas duas lagoas - Norton’s Star Atlas, sim - e optam por concluir o vazio diante de Deneb.


Extraído de Norton’s Star Atlas, sendo que eu, Janine, inseri o nome das estrelas Vega, Altair e Deneb, para melhor visualização.  Infelizmente, o escaneamento do mapa não acentuou o verde claro da Via Láctea e o branco já amarelado pelo tempo do restante do mapa - fazendo com que a fissura existente entre as constelações Aquila e Lyra não fique visível e menos ainda as duas lagoas antecipando a chegada de Deneb, Alpha Cygnus.  No entanto, este mapa apresenta claramente a linha do Equador Galáctico.



Esses Três Pássaros - Cisne, Águia e Abutre, representados por Cygnus, Aquila e Lyra (sendo que o Pássaro é delineado através as estrelas Alpha, Zeta e Epsilon Lyrae, formadoras do Pequeno Triângulo) -, realizam seus vôos em absoluta interação entre si e entre as margens compostas por estrelinhas de algodão, a Via Láctea, e pelo Rio do Vazio. 




Extraído da Revista Astronomy, edição de setembro de 1998, página 86. 
A inserção dos nomes das estrelas Altair, Vega e Deneb são minhas, Janine, bem como a inversão do mapa, para melhor visualização virtual.


http://dreamview.net/dv/new/photos.asp?ID=102200
A meteor's streak and the arc of the Milky Way hang over the imposing mountain fortress of Alamut in this starry scene. Found in the central Alborz Mountains of Iran, Alamut Castle (2160 m) was built into the rock in the 9th century. The name means Eagle's Nest. Home of the legendary Assassins featured in the adventure movie Prince of Persia, Alamut was also historically a center for libraries and education. For a time, it was the residence of important 13th century Persian scholar and astronomer Nasir al-Din al-Tusi (or simply known as Tusi). Highlights in the background sky include bright white stars Deneb (in Cygnus), Vega, and Altair, nebulae near the Galactic Center, and the dark obscuring dust clouds of the Milky Way also known as the Great Rift. Lights at the lower right are from small villages and the capital Tehran, over 100 kilometers away to the southwest. 
Photo by : Babak A. Tafreshi




A Ponte, então, se fazia necessária, segundo a percepção mítica dos povos antigos, e esse caminho era direcionado entre as estrelas Altair, Alpha Aquilae, e Vega, Alpha Lyra, e assim acontecia devido talvez ao fato de que Vega portava denominações muitíssimo interessantes, como A Mensageira da Luz (segundo os babilônios), como a mais brilhante Estrela Polar do passado e do futuro bem como o ponto em direção ao qual nosso Sol se encaminha para, como um lugar (o Pequeno Triângulo) de bons augúrios.


Sobre o Apex do Sol, o astrônomo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão nos explica:
 “ Nosso sistema solar, como um todo, se desloca através do espaço em direção a Vega, a estrela mais brilhante da constelação de Lira. É bom lembrar que Vega também se desloca pelo espaço, de maneira que, quando nosso Sistema atingir o lugar ocupado atualmente por Vega (+- 26 anos-luz), ela não estará mais em tal posição.”


E também o fato de a estrela Vega ocupar trono cativo a cada quase 26 anos em termos de estrela apontadora para o Pólo Norte Celestial (como aconteceu cerca de 12 mil anos atrás e como acontecerá novamente mais 12 mil anos à frente), rendeu-lhe designação dos arcádios como  A Vida do Céu e pelo assírios como Juiz do Céu.





A Precessão acontece porque as forças gravitacionais do sol e da lua atuam por sobre a Terra (que não é esférica) enquanto esta gira, vagarosamente mudando a orientação do eixo da Terra.  Este eixo, inclinado num ângulo de 23o., traça um caminho em torno da eclíptica ao longo de 25.800 mil anos terrestres na realização de todo seu círculo. Isso significa que Polaris - a estrela que viemos considerando nossa estrela polar  celestial do norte -, vagarosamente irá transmitir sua posição à Vega, a brilhante estrela da constelação da Lira. 

Extraído da revista Astronomy,  edição de junho de 2002, página 73.  Parte do texto foi traduzido literalmente por Janine e também a ilustração sobre o caminho do pólo norte celestial foi invertida, para melhor visualização.




Os hindús incluíam o Tema do Pequeno Triângulo como 20o nakshatva, Abhijt, O Vitorioso, bem distante do caminho da Lua através a Eclíptica porém não podendo  deixar de ser mencionado devido ao seu encantamento, ao seu esplendor e por ser traduzido em trazer bons augúrios.

O povo Chumash, nativo norte-americano, narrava em seus mitos sobre a constelação da Lira (bem como sobre a constelação do Cisne) um país dos mortos. Para este povo, as constelações envolvidas pela Via Láctea ou em seus arredores representavam desafios que somente as boas almas poderiam trazer a bom têrmo, serem bem-sucedidas, antes de adentrarem o país dos mortos - e a grande fissura na Via Láctea seria a indicadora desta passagem.

Felizes eram os povos antigos que podiam deixar que seus corações alçassem vôo juntamente com as estrelas Alpha representativas dos Pássaros que compõem o Grande Triângulo - Altair, Vega e Deneb - e deixar suas imaginações ir ainda bem mais distante do que a visão a olho nú dessas constelações e suas estrelas, muito mais além, certamente, e trazer à tona de seus inconscientes mitos tão interessantes sobre a vida e a morte, sobre o ser Vitorioso por enfrentar os desafios da vida diante da sempre presente morte, por orientar-se pela Mensageira da Luz, por ousar cruzar a Ponte sobre o Rio do Vazio de maneira a alcançar a Vida do Céu e então enfrentar, com dignidade de seus atos bem realizados, o Juiz do Céu. 


http://www.raremaps.com/gallery/detail/31398op/_Lyra_Stars_Heightened_in_Gold/Bayer.html
Map Maker: Johann Bayer

http://www.raremaps.com/gallery/detail/33151op/Aquila_Stars_Heightened_in_Gold/Bayer.html
Map Maker: Johann Bayer

http://www.raremaps.com/gallery/detail/33478op/_Cygnus/Bayer.html
Map Maker: Johann Bayer



Felizes eram os povos antigos que podiam se deixar encobrir pelo manto de estrelas contando seus mitos, pelo manto das estrelinhas de algodão da Via Láctea, pelo manto do vazio do céu noturno escondendo seus segredos, segredos de vida e de morte.

Não podemos nos esquecer a questão do Equador Galáctico que vai se insinuando através o delineamento irregular da Via Láctea mas que, no caso do Rio do Vazio traz bom sentido à Ponte imaginária entre as estrelas Altair e Vega - assim como podemos observar em alguns alfarrábios que traçam esta Linha passando bem próxima à Deneb porém afirmando o posicionamento de Altair e Vega em margens opostas.



Extraído de Norton’s Star Atlas, sendo que eu, Janine, inseri o nome das estrelas Altair, Vega e Deneb, para melhor visualização.  Infelizmente, o escaneamento do mapa não acentuou o verde claro da Via Láctea e o branco já amarelado pelo tempo do restante do mapa - fazendo com que a fissura existente entre as constelações Aquila e Lyra não fique visível e menos ainda as duas lagoas antecipando a chegada de Deneb, Alpha Cygnus.  No entanto, este mapa apresenta claramente a linha do Equador Galáctico.




Do lado da margem do Rio do Vazio onde a constelação da Lira se encontra, poderemos, então, observar, ainda mais ao norte, as estrelinhas que compõem a Cabeça do Dragão, Draco, aquele que se enredilha entre as constelações vicinais e sempre candidatas ao Pólo Norte Celestial.  A bem da verdade, esta Cabeça situa-se bem aos pés do Herói Hercules, o Herói Ajoelhado, cuja cabeça e um dos braços estendido acabam encontrando-se  com a maravilhosa jóia do céu do norte, a Coroa Boreal, também protegida pela Cabeça da Serpente que Ophiucus, o Serpentário, segura e divida esta Serpente entre Cabeça e Cauda - sendo que esta última, a Cauda, quase toca a Lira!

Do lado da margem do Rio do Vazio onde a constelação da Águia se encontra, poderemos em sua Cabeça, observar a intenção trina de imitação das estrelas componentes visualmente do Cinturão do Orion, o Gigante Caçador (as popularmente chamadas de Três Marias) através suas estrelas Alpha Aquilae, Altair, acompanhada de Beta Aquilae, Alshair, e de Gamma Aquilae, Reda ou Tarazed. 

A Águia voa altaneira, sempre capitaneada por suas três estrelas imediatamente acima descritas.  No entanto, também em sítios de céus escuros e transparentes, poderemos nos deixar encantar pelas presenças de três pequenas constelações aliadas à Águia.  São elas: Scutum, o Escudo, Delphinus, o Delfim, e Sagitta, a Flecha.  A meu ver, a constelação do Escudo não se mostra assim tão claramente, é mais difusa em seu delineado.  No entanto, o Delfim é de uma delicadeza ímpar em seu delineado se apresentando como se fosse uma pedra preciosa sendo esculpida com zelo..., e a Flecha nos faz sempre sorrir ao vê-la pois que se apresenta literalmente enquanto esse objeto!

Certamente, sempre que nos deparamos com a beleza de vôo realizado pela Águia - vôo esse sempre acompanhado pelo Delfim, pela Flecha, pelo Escudo e pelo Cavalo, Equuleus (confesso que não consigo bem visualizar esta pequena constelação) -, podemos ter a referência da constelação zodiacal do Capricórnio, que se apresenta, a olho nú, em um delineado de grande triângulo, realmente.  Em seguimento, entra em cena Aquarius, com seu surpreendente ziguezaguear de estrelinhas tímidas que acabam se enredilhando com os Peixes voltados para testemunharem o mito de Andromeda, através esta constelação acolhedora de nossa irmã-galáxia de mesmo nome e através o Cavalo Alado, Pegasus.


http://apod.nasa.gov/apod/ap110810.html
The Summer Triangle Over Catalonia 
Image Credit: CopyrightJuan Carlos Casado (TWAN)
Explanation: Can you find the Summer Triangle? It's not hard to find this famous triangle of stars this time of year from northern locations. Just look straight up after sunset and find three of the brightest stars in the sky that nearly form a triangle. Then compare these stars to sky images like the one shown above, or hold up a smart phone running a good sky labelling application. The three stars that form the vertexes of the Summer Triangle are VegaDeneb, and Altair. Pictured above is a 360 degree full sky projection framing not only the Summer Triangle but the great arch of our Milky Way Galaxy. The image was taken last week in front of a small river that encircles the historic town of Sant Llorenç de la Muga in Catalonia, northeastern Spain.



E é certo que nosso olhar voltado para Altair, Alpha Aquilae, estará sempre nos fazendo recordar a presença do Grande Triângulo formado por esta estrela e ainda por Deneb, Alpha Cygnus, e pela nossa tão já decantada e encantada e comentada Vega!  (Confesso ao Caminhante do Céu que meu quarto está voltado para o leste e fico muito feliz quando, já deitada em minha aconchegante cama, posso esperar pela chegada e saudação desta estrela, Altair, voando junto às suas duas irmãs - quase como uma repetição de As Três Marias!).


Stellarium



Estivemos comentando sobre o Rio do Vazio (denominação minha) que é acompanhado, em suas duas margens pelas constelações que vim descrevendo mais acima e que possui uma Ponte imaginária e imaginada pelos povos antigos unindo as estrelas Altair, Alpha Aquilae, a Vega, Alpha Lyrae.  Acontece que o Cisne apresenta em seu delineamento de constelação, grande parte de seu  vôo realizado através seu imenso corpo alongado em sua cabeça e ainda mais alongado em suas asas, acontecendo por sobre as duas margens e os momentos finais desse Rio do Vazio, sendo que sua estrela Alpha, Deneb, já se encontra em terra firme, digamos assim, após duas lagoas escuras e então trazendo a conclusão desse Rio do Vazio e se deixando entremear pelas estrelinhas de algodão que dão continuidade à Via Láctea em seu trajeto rumo às constelações bem ao norte, encontrando Cepheus, Cassiopéia... e então retornando ao seu caminho rumo ao sul, começando por Perseus e depois já atravessando o Cocheiro, Auriga, e então se dirigindo, para nosso total encantamento, para acolher Orion, seguir em direção ao Cão Maior e deslumbrar Sírius, a mais bela dos céus estrelados, e então mergulhar nos mares do Navio..., até novamente ajoelhar-se diante da Cruz e abençoar a proximidade do Pólo Sul Celestial... e novamente seguir seu caminho rumo ao Escorpião e sua fronteira com o Sagitário onde nos revela (ou não revela) seus mais profundos segredos escondidos no centro da nossa Galáxia, da Via Láctea, caminho do leite celestial.

O Cisne é uma constelação imensa e muitíssimo arrebatadora, eu diria, porque se apresenta enquanto um verdadeiro e imenso pássaro voando com suas asas inteiramente abertas, esticadas, projetadas rumo norte e rumo sul, cabeça ereta e honrosa, e cauda ainda mais honrosa pois que é representada por sua estrela Alpha, Deneb (deneb é um vocábulo que quer dizer cauda, rabo).


Voltando à constelação da Lira, em sua observação a olho nú:

Aos olhos desnudados - à visão desarmada - do  observador e amante das estrelas posicionado em lugares de céus escuros e transparentes, podemos identificar um pequeno quase retângulo delicadamente marcado pelas estrelas Beta e Gamma Lyrae, Sheliak e Sulaphat, respectivamente - e entre ambas sabemos que se insere a belíssima Nebulosa do Anel (não visível a olho nú, porém) -, e as estrelas Zeta e Delta Lyrae já no lado que se insinua, a partir da estrela Zeta, para a formação do Pequeno Triângulo, ainda adjutando, nesse sentido, as estrelas Alpha, Zeta e Epsilon Lyrae.



Extraído da Revista Sky&Telescope, edição de julho de 1998, páginas 103/4. A inserção da inversão do mapa, para melhor visualização virtual, foi realizada por mim, Janine.



O Pequeno Triângulo extraído de Norton’s Star Atlas por Janine.


A meu ver, o pequeno e quase retângulo composto pelas estrelas Beta, Gamma, Zeta e Delta apresenta as cordas da Lira enquanto que o Pequeno Triângulo, em muitos desenhos ilustrando os mitos das constelações nas cartas celestes, é representado como um Pássaro ou mesmo como um Casco de Tartaruga - em ambos os casos, amalgamados a um instrumento musical de cordas, lira, cítara, címbalo, harpa, violino. 

Em termos da estrela Epsilon Lyrae - a Double double, Dupla dupla - se acaso o céu não estiver tão límpido, é preciso que o observador a olho nú não se esqueça que sempre pode fazer uso daquilo que denominamos enquanto “visão enviesada”.  Essa técnica funciona muito bem, e, em minha prática pessoal (porque meu céu do norte é manchado pela poluição luminosa advinda da cidadezinha onde meu Sítio das Estrelas é situado), especialmente em se tratando da visualização a olho nú da estrela Epsilon Lyrae, que pena. 




Mario Jaci Monteiro , As Constelações, Cartas Celestes    


É bem importante que o amante das estrelas saiba que a estrela Epsilon Lyrae apresenta um Sistema Quádruplo conhecido como Double double (Duplo duplo) e, segundo alguns alfarrábios, o observador, com um par de olhos acurados, não teria muita dificuldade em resolver, pelo menos, essa estrela enquanto Sistema Binário.  Penso que um bom par de binóculos consegue dividir esta estrela em um Sistema Binário e um telescópio operando em magnificação de 150 pode mostrar cada um dos dois componentes apresentando sua outra estrela companheira, ou seja, um Sistema Quádruplo.

Hoje em dia, com a inundação incontrolável da poluição luminosa em nossa Terra, eu acredito que, se o observador não estiver situado em lugares de céus realmente escuros e transparentes, deverá se munir de um par de binóculos para bem poder visualizar este pequeno Triângulo, na Lira.

Para nossa total surpresa, na constelação da Lira podemos encontrar outro Sistema Double double (Duplo duplo)  a cerca de 7 graus sudeste de Epsilon Lyrae!  Este sistema foi descoberto no começo do século dezenove ganhando a denominação de Sigma2470 e Sigma2474.     Não se tem plena certeza se o primeiro par é realmente binário; quanto ao segundo par, sim.  Por alguma razão, essas estrelas não aparecem em muitos alfarrábios.


Extraído da Revista Sky&Telescope, edição de julho de 1998, páginas 103/4. A inserção da inversão do mapa, para melhor visualização virtual, foi realizada por mim, Janine.


Uma parte da constelação da Lira extraída de Norton’s Star Atlas por Janine.



Outra estrela muito interessante a ser visitada, inclusive através binóculos, na constelação da Lyra, é estrela Beta, Sheliak, uma variável binária (Magnitudes: Max 3,4 Min 4,3), com uma companheira de magnitude 7.8.  Esta é uma estrela bem conhecida por ser representante-chefe de um importante grupo de estrelas binárias variáveis (a Classe Beta Lyrae). O período de variação acontece em 12.9 dias e as variações no brilho podem ser obervadas a olho nu ou através binóculos e também através a comparação com a estrela próxima, Sulafat, Gamma Lyrae (sendo que a meio caminho entre ambas existe a presença da Nebulosa do Anel, M 57).   

Para espanto de alguns autores e comentários, a observação da Estrela Dupla Delta é realmente um ato de tirar o fôlego - tal a surpresa da visão encontrada! Mesmo através binóculos, é possível resolver esta questão exatamente buscando ao centro de Delta  1 e Delta 2 uma belíssima coleção de jóias espalhadas...: e estaremos diante de um tipo de aglomerado aberto espaçadamente agrupado e nomeado de Stephenson 1.  A estrela cor de topázio Delta 2 é bem mais chamativa e ancora um asterismo próximo ao seu centro delineado como um diamante.  Delta 1 e as próximas duas brilhantes estrelas são de cor azul turquesa.  Existe um ziguezaguear de estrelas que inclui duas grandes duplas acontece a noroeste do aglomerado.  Através grandes telescópios, são reveladas cores num encadeamento de estrelas de 9 a 11 magnitudes que começa entre Delta 1 e Delta 2: muitas dessas estrelas são de cor safira porém a gema central é um outro sol topázio.  O comentário que se faz é que, depois do Aglomerado Duplo em Perseus, esta jóia preciosa situada em Lira nomeada de Stephenson 1 e bem pouco conhecida é, certamente, o aglomerado mais colorido dos céus do norte!  (*)

A Lira é, certamente, uma constelação que se apresenta visualmente sempre encantadora, seja através a observação a olho nú ou seja através a observação através binóculos potentes e mais ainda, através telescópios de menor ou maior potência , e, certamente através os super telescópios bem como através a tecnologia avançadíssimo em termos de captação das luzes da constelação em várias formas de fotografia que nos deixam inteiramente extasiados! 

Se pensarmos em  Charles Messier, por exemplo, que buscou por objetos que não fossem cometas e os catalogou em sua tão-conhecida Lista, podemos chegar à conclusão que também simples porém bons telescópios podem ser de grande ajuda!  M 57 foi descoberta por Messier em janeiro de 1779, quando um cometa passava nas proximidades.

No caso da constelação da Lyra, Messier catalogou:

M56 - NGC 6779 - Aglomerado Globular
M57 - NGC 5720 - A Nebulosa do Anel
A um terço da distância entre as estrelas Beta e Gamma Lyrae, Sheliak e Sulafat, encontra-se a maravilhosa Nebulosa do Anel, NGC 6720, M57, descoberta em 1772 embora sua forma aparentemente anular tenha sido revelado mais tarde, por William Herschel em suas observações.

A bem da verdade, quanto mais potente o telescópio for, melhor visualização o observador poderá usufruir.  No caso de M57, a Nebulosa do Anel, primeiramente era apenas uma nesga de luz difusa, um objeto difuso, e, com o tempo e com a ampliação da tecnologia da óptica, esta Nebulosa foi apresentando uma estrelinha pálida em seu centro...  e com mais tempo ainda..., quantas outras estrelinhas ainda estão sendo expostas a todos nós?

No entanto, existem algumas situações que não podem ser esquecidas, em relação ao uso de um par de binóculos ou de um telescópio: as imagens estonteantes que normalmente vemos nas fotos advêm dos tratamentos especiais em relação às mesmas, ou seja, as colorações aparecem nas fotos.... e esta imagem da famosíssima Nebulosa do Anel é um exemplo (pois que, através seu telescópio pessoal, caro amigo das estrelas, você verá uma imagem difusa e esverdeada desse belíssimo objeto)!

Segundo alguns alfarrábios, a Nebulosa do Anel é bem pequena, medindo 60” por 70” e parecendo uma estrela de magnitude 9 e fóra de foco...  Inclusive, eu pude observar que alguns autores em seus comentários dizem que é possível encontrar esta Nebulosa através binóculos!   No entanto,  o conselho acerca sua busca é: depois que o finder encontrou a estrela, vá até a principal lente do telescópio usando potência de média a alta e é preciso cerca de abertura 150mm de forma a poder resolver o núcleo central e potência ainda bem maior para que se possa encontrar a estrela de 15a. magnitude, a estrela central.


http://apod.nasa.gov/apod/ap130605.html
M57: The Ring Nebula 
Image Credit: NASAESA, and the Hubble Heritage (STScI / AURA)- ESA / Hubble Collaboration
Explanation: Except for the rings of Saturn, the Ring Nebula (M57) is probably the most famous celestial band. Its classic appearance is understood to be due to our own perspective, though. The recent mapping of the expanding nebula's 3-D structure, based in part on this clear Hubble image, indicates that the nebula is a relatively dense, donut-like ring wrapped around the middle of a football-shaped cloud of glowing gas. The view from planet Earth looks down the long axis of the football, face-on to the ring. Of course, in this well-studied example of a planetary nebula, the glowing material does not come from planets. Instead, the gaseous shroud represents outer layers expelled from the dying, once sun-like star, now a tiny pinprick of light seen at the nebula's center. Intense ultraviolet light from the hot central star ionizes atoms in the gas. In the picture, the blue color in the center is ionized helium, the cyan color of the inner ring is the glow of hydrogen and oxygen, and the reddish color of the outer ring is from nitrogen and sulfur. The Ring Nebula is about one light-year across and 2,000 light-years away.



Existem os bons binóculos e telescópios disponíveis nas boas lojas para serem adquiridos pelos observadores amadores bem como pelos profissionais e existem aqueles super-telescópios a serem manejados apenas por profissionais extremamente experientes e existe toda aquela parafernália imensa de possibilidades de realizar fotografias absolutamente surpreendentes, representações estonteantes dos objetos encontrados no espaço profundo!

.................

http://apod.nasa.gov/apod/image/1204/lyridcrater_goldpaint_1200.jpg
Meteor Over Crater Lake 
Image Credit & Copyright: Brad Goldpaint (Goldpaint Photography)
Explanation: Did you see it? One of the more common questions during a meteor shower occurs because the time it takes for a meteor to flash is typically less than the time it takes for a head to turn. Possibly, though, the glory of seeing bright meteors shoot across and knowing that they were once small pebbles on another world might make it all worthwhile, even if your observing partner(s) could not share in every particular experience. Peaking over the past few days, a dark moonless sky allowed the Lyrids meteor shower to exhibit as many as 30 visible meteors per hour from some locations. A bright Lyrid meteor streaks above picturesque Crater Lake in OregonUSA, in the above composite of nine exposures taken last week. Snow covers the foreground, while the majestic central band of our home galaxy arches well behind the serene lake. Other meteor showers this year include the Perseids in mid-August and the Leonids in mid-November, both expected to also dodge the glare of a bright Moon in 2012.



O que muitíssimo me comove em relação à Astronomia é o fato de que de tédio jamais morreremos.... , ou seja, a cada dia estamos diante de uma nova descoberta, de uma nova e estonteante imagem, a cada dia o universo mais e mais se amplia diante de nós! 

Aliás, sabemos que jamais morreremos porque ‘somos todos poeira de estrelas’, ou seja, a vida no universo é sempre existente em sua constante transmutação de estados  - Tema já mencionado neste Trabalho através a exposição da mente dos povos antigos acerca a Ponte sobre o Rio do Vazio (denominação minha dada à fissura na Via Láctea que coloca em margens opostas as constelações da Lira e da Águia).  A Ponte entre a Vida e a Morte atua enquanto Mito essencial da Lyra e já havia sido cruzada por Eurídice (que teve seu retorno à vida abortado pela dúvida e pela ansiedade de seu marido) e por seu amado Orpheu que desceu aos mundos ínferos para buscar sua amada esposa e retornou ao mundos dos vivos para viver uma vida de tristeza... (a dúvida sobre se sua esposa estaria efetivamente o seguindo e realizando o retorno da morte em relação à vida é que lhe trouxe a tristeza para seu próprio retorno à vida).  A Ponte entre a Vida e a Morte foi cantada  elegendo a constelação da Lyra e sua estrela Alpha Vega como A Mensageira da Luz, como A Luz do Céu, O Vitorioso, O Juiz do Céu...

O mito sempre é estruturado em uma verdade; verdade essa contada a partir da formalização de um mito e essa formalização não pertence singularmente a um ser somente, bem ao contrário, faz parte da mente de muitos seres que comungam de uma mesma compreensão sobre uma mesma verdade e que, ao comunicarem entre si sobre estas questões, fazem acontecer o mito, trazem o mito de seus inconscientes para se tornar um mito consciente.

Para que bem possamos compreender o pensamento mítico dos povos antigos estruturado na verdade existente entre a Ponte entre a Vida e a Morte, eu penso que a observação a olho nú é absolutamente essencial no sentido de tentar trazer ao Caminhante do Céu, ao Amante das Estrelas, um tantinho de incentivo para que se distancie um tantinho de seus alfarrábios, de seu computador último tipo mostrando imagens astronômicas verdadeiramente estonteantes..., e deixe que o manto de estrelas o cubra, o permeie, o acolha como se fosse um útero de possibilidades absolutamente infinita de vida!

No caso da constelação da Lira e em observação a olho nú, deixe que o brilho chamativo de Vega leve você a olhar diretamente para os céus do norte e se surpreender com a delicadeza de delineamento de suas estrelas formando, sem dúvida alguma, um instrumento musical que nos faça logo logo nos remeter a uma lira, a uma cítara, a uma harpa, a um címbalo, a um violino..., e deixe que a doce musicalidade da música das esferas, do céu estrelado, o envolva inteiramente, caro amigo das estrelas, e atinja o âmago de seu coração e ali fique morando, para sempre!

Eu penso que, se pudermos nos colocar sob o manto das estrelas e percebermos seus mitos, suas histórias..., e se pudermos também fazer uso de toda a parafernália de avanço de tecnologia nos apresentando alfarrábios e mais alfarrábios sobre estas mesmas estrelas..., seremos felizes ao trazermos para nossa mente uma doce e real fusão entre as mentes pensantes do passado, do presente e ainda também do futuro, sem dúvida alguma.

............................



http://apod.nasa.gov/apod/ap120425.html

Quando acontece todo esse espetáculo e a constelação da Lira está presente no céu..., é uma imensa alegria pois que a noite passa a acolher a música das estrelas - além do piar dos pássaros noturnos e dos insetinhos sempre presentes.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward


Ilustração - Ricardo Kuehn –em astrosdomes.blogspot.com


SAIBA MAIS SOBRE
A CONSTELAÇÃO DA LIRA
acessando meu Trabalho em


Os desenhos formados pelas estrelas são como janelas que se abrem para a infinitude do universo e que possibilitam nossa mente a ir percebendo que existe mais, bem mais, entre o céu e a terra...  bem como percebendo que o caos, vagarosamente, vai se tornando Cosmos e sendo por nossa mente conscientizado.  

Quer dizer, nossa mente é tão infinita quanto infinito é o Cosmos.


COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward


VISITE MINHA PÁGINA
DA TERRA AO CÉU E AO INFINITO
http://daterraaoceueaoinfinito.blogspot.com.br/



http://www.raremaps.com/gallery/enlarge/37166
Title: [The July, August & September Sky -- Sagittarius, Scorpio, Libra, Capricorn, Hercules, Corona Boralis, Serpentrarius, Delphius, Aquila, Lepus , etc.]
Map Maker: Elijah J. Burritt